Eleições estaduais no Amazonas em 2002

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1998 Brasil 2006
Eleições estaduais no  Amazonas em 2002
6 de outubro de 2002
(Decisão em primeiro turno)
Eduardobraga28112006.jpg Gilberto Mestrinho-001.jpg
Candidato Eduardo Braga Gilberto Mestrinho
Partido PPS PMDB
Natural de Belém, PA Manaus, AM
Vice Omar Aziz Miqueias Fernandes
Votos 568.111 226.193
Porcentagem 52,38% 20,85%


Brasão do Amazonas.svg
Governador do Amazonas

As eleições estaduais no Amazonas em 2002 aconteceram em 6 de outubro como parte das eleições no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador Eduardo Braga, o vice-governador Omar Aziz, os senadores Arthur Virgílio Neto e Jefferson Peres, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais num pleito onde o governador venceu em primeiro turno.[1]

Natural de Belém, o engenheiro elétrico Eduardo Braga tornou-se o primeiro não amazonense eleito para o cargo desde 1947.[nota 1] Formado na Universidade Federal do Amazonas, iniciou sua carreira política como deputado estadual no PDS em 1982 e após migrar para o PMDB foi reeleito em 1986. Ligado a Amazonino Mendes, seguiu o mesmo na mudança para o PDC e ocupou a relatoria da constituição estadual. Eleito deputado federal em 1990 e vice-prefeito de Manaus em 1992, assumiu a prefeitura em 1994 quando Amazonino Mendes renunciou e venceu mais uma vez a eleição para governador.[2] Após a extinção do PDC esteve em partidos derivados do mesmo[nota 2] até optar pelo PSL quando foi derrotado por Amazonino Mendes ao disputar o governo em 1998 e após ingressar no PPS foi derrotado por Alfredo Nascimento ao disputar a prefeitura de Manaus em 2000 e agora chegou ao Palácio Rio Negro ao derrotar, entre outros nomes, o senador Gilberto Mestrinho.[3][2]

Paulista de Garça, o engenheiro civil Omar Aziz é formado na Universidade Federal do Amazonas. Eleito vereador em Manaus via PSL em 1992 e deputado estadual pelo PPR em 1994, elegeu-se vice-prefeito da capital amazonense pelo PPB na chapa de Alfredo Nascimento em 1996 sendo reeleito no ano 2000. Nesse interregno foi também Secretário municipal de Obras e após seguir Amazonino Mendes no ingresso ao PFL foi eleito vice-governador do Amazonas em 2002.[4][5]

Em contrapartida o PMDB teve este ano o pior desempenho de sua história pois, a exceção de Gilberto Mestrinho eleito há quatro anos, não tem representantes na bancada amazonense no Congresso Nacional e elegeu o segundo menor número de deputados estaduais em sua história, pois como MDB elegeu a maioria dos parlamentares em 1974 em pleno governo militar. Foi a primeira derrota do PMDB na disputa pelo governo, sendo que a legenda não lançava candidato próprio ao executivo estadual desde o próprio Gilberto Mestrinho em 1990.[6]

Quantos aos senadores, ambos nasceram em Manaus e o mais votado foi Artur Virgílio Neto. Advogado graduado na Universidade Federal do Rio de Janeiro, ele é diplomata formado pelo Instituto Rio Branco.[7] Militante do então clandestino PCB e depois do MDB, venceu a eleição para deputado federal pelo PMDB em 1982 e após divergir de Gilberto Mestrinho ingressou no PSB e foi derrotado por Amazonino Mendes na disputa para governador em 1986, mas em 1988 venceu Gilberto Mestrinho na disputa pela prefeitura de Manaus. Após migrar para o PSDB foi eleito deputado federal em 1994 e 1998 ocupando a Secretaria-Geral da Presidência no governo Fernando Henrique Cardoso.[8]

Para a outra vaga foi reeleito o professor Jefferson Peres. Diplomado em Direito na Universidade Federal do Amazonas com pós-graduação em Ciência Política no Instituto Superior de Estudos Brasileiros e em Administração Pública na Fundação Getúlio Vargas. Serventuário judicial e escrivão, lecionou na Universidade Federal do Amazonas antes de filiar-se ao PSDB e ser eleito vereador de Manaus em 1988 e 1992 e senador em 1994 reelegendo-se via PDT. Faleceu em pleno exercício do mandato.[9] Diante da morte do titular houve a efetivação do economista e agrônomo Jefferson Praia, nascido em Manaus e formado na Universidade Federal do Amazonas.[10]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 1.084.712 votos nominais.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Eduardo Braga
PPS
Omar Aziz
PFL
23
Frente Trabalhista do Amazonas
(PPS, PFL, PTB, PDT, PSC, PSD, PSL, PTN, PSDC, PRP, PHS, PAN, PRONA)
568.111
52,38%
Gilberto Mestrinho
PMDB
Miqueias Fernandes
PMDB
15
Vote Mestrinho
(PMDB, PSDB)
226.193
20,85%
Serafim Corrêa
PSB
Luís Fernando Nicolau
PPB
40
Por amor ao Amazonas
(PSB, PPB, PTC, PV)
225.491
20,79%
João Pedro Costa
PT
Antônio Gomes de Arruda
PMN
13
Frente Popular do Amazonas
(PT, PMN, PL, PCB, PCdoB, PST, PTdoB, PRTB)
62.715
5,78%
Herbert Amazonas
PSTU
Ivete Egas
PSTU
16
PSTU
(Sem coligação)
2.202
0,20%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas foram apurados 2.069.605 votos nominais.[1][nota 3]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Artur Virgílio Neto
PSDB
Frank Garcia
PSDB
451
Vote Mestrinho
(PMDB, PSDB)
608.762
29,41%
Jefferson Peres
PDT
Jefferson Praia
PDT
123
Frente Trabalhista do Amazonas
(PPS, PFL, PTB, PDT, PSC, PSD, PSL, PTN, PSDC, PRP, PHS, PAN, PRONA)
543.158
26,24%
Bernardo Cabral
PFL
Cláudio Chaves
PFL
252
Frente Trabalhista do Amazonas
(PPS, PFL, PTB, PDT, PSC, PSD, PSL, PTN, PSDC, PRP, PHS, PAN, PRONA)
484.617
23,42%
Plínio Valério
PV
Judite Pinho
PV
432
Por amor ao Amazonas
(PSB, PPB, PTC, PV)
265.861
12,85%
Lúcia Anthony
PCdoB
Gilza Silva
PCdoB
654
Frente Popular do Amazonas
(PT, PMN, PL, PCB, PCdoB, PST, PTdoB, PRTB)
144.129
6,96%
Alberto José Aleixo
PMDB
Aníbal Guedes Lobo
PMDB
150
Vote Mestrinho
(PMDB, PSDB)
20.263
0,98%
Tarcísio Leão
PSTU
Jucileide Massulo
PSTU
161
PSTU
(Sem coligação)
2.815
0,14%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[11] Ressalte-se que os votos em branco não eram mais considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais graças a uma mudança na legislação.[12]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Vanessa Grazziotin PCdoB 197.419 17,18% Videira  Santa Catarina
Carlos Souza PL 133.509 11,62% Manaus  Amazonas
Átila Lins PFL 102.249 8,90% Fonte Boa  Amazonas
Pauderney Avelino PFL 75.029 6,53% Eirunepé  Amazonas
Silas Câmara PTB 71.578 6,23% Rio Branco  Acre
Francisco Garcia PFL 67.493 5,88% Manaus  Amazonas
Humberto Michiles PL 57.319 4,99% São Paulo  São Paulo
Lupércio Ramos PL 50.588 4,40% Tonantins  Amazonas

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras da Assembleia Legislativa do Amazonas.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Wallace Souza PL 47.036 4,08% Manaus  Amazonas
Marcos Rotta PSDC 32.741 2,84% Cascavel  Paraná
José Melo PFL 29.292 2,54% Ipixuna  Amazonas
Eron Bezerra PCdoB 28.994 2,52% Boca do Acre  Amazonas
Francisco Souza PTB 24.428 2,12% Solonópole  Ceará
Risonildo Almeida PSC 23.087 2,00% Manaus  Amazonas
Antônio Cordeiro PFL 21.838 1,90% Feijó  Acre
Luiz Castro PTB 21.429 1,86% São Paulo  São Paulo
Vicente Lopes PMDB 21.371 1,86% Serrita  Pernambuco
Nelson Azedo PFL 20.945 1,82% Itacoatiara  Amazonas
Lino Chixaro PPS 20.928 1,82% Humaitá  Amazonas
Belarmino Lins PFL 20.899 1,81% Fonte Boa  Amazonas
Miguel Carrate PFL 20.726 1,80% Manaus  Amazonas
Liberman Moreno PSDC 20.137 1,75% Jutaí  Amazonas
Régis da Silva PL 19.305 1,68% Manaus  Amazonas
Vera Edwards PL 18.846 1,64% Barreirinha  Amazonas
Wanderley Dallas PMDB 18.710 1,62% Sobral  Ceará
Francisco Balieiro PMDB 14.471 1,26% Santo Antônio do Içá  Amazonas
Sinésio Campos PT 12.960 1,13% Santarém Pará Pará
Edilson Gurgel PRTB 12.450 1,08% Manaus  Amazonas
Artur Virgílio Bisneto PSDB 12.144 1,05% Brasília  Distrito Federal
Sabá Reis PL 10.050 0,87% Parintins  Amazonas
Evilazio Nascimento PL 8.650 0,75% Martins  Rio Grande do Norte
Mário Frota PDT 8.400 0,73% Granja  Ceará

Notas

  1. Durante o Regime Militar de 1964 o sergipano João Walter de Andrade foi eleito indiretamente em 1970.
  2. Em 4 de abril de 1993 o PDC fundiu-se ao PDS para formar o PPR que foi renomeado PPB dois anos mais tarde e hoje é o PP.
  3. Até o fechamento desta página não foi possível levantar o nome dos candidatos a segundo suplente de senador em nenhuma das chapas.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 30 de julho de 2017 
  2. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Eduardo Braga». Consultado em 8 de agosto de 2014 
  3. «Senado Federal do Brasil: senador Eduardo Braga». Consultado em 30 de julho de 2017 
  4. Secretariado sem muitas surpresas (online). Jornal do Commercio, Manaus (AM), 28/12/1996. Política, p. 03. Página visitada em 31 de julho de 2017.
  5. «Senado Federal do Brasil: senador Omar Aziz». Consultado em 30 de julho de 2017 
  6. TRE confirma a vitória de Mestrinho (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 19/10/1990. Política, p. A-8. Página visitada em 30 de julho de 2017.
  7. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Artur Virgílio Neto». Consultado em 11 de agosto de 2014 
  8. «Senado Federal do Brasil: senador Artur Virgílio Neto». Consultado em 30 de julho de 2017 
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Jefferson Peres». Consultado em 30 de julho de 2017 
  10. «Senado Federal do Brasil: senador Jefferson Praia». Consultado em 30 de julho de 2017 
  11. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 10 de agosto de 2014 
  12. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 10 de agosto de 2014