Eleições estaduais no Amazonas em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2010 Brasil 2017
Eleições estaduais no  Amazonas em 2014
5 de outubro de 2014
(Primeiro turno)
26 de outubro de 2014
(Segundo turno)
José Melo de Oliveira (Governador do Amazonas)Foto oficial.jpg Eduardobraga28112006.jpg
Candidato José Melo Eduardo Braga
Partido PROS PMDB
Natural de Ipixuna, AM Belém, PA
Vice Henrique Oliveira Rebecca Garcia
Votos 869.992 696.465
Porcentagem 55,54% 44,46%


Brasão do Amazonas.svg
Governador do Amazonas

Titular
José Melo
PROS

Eleito
José Melo
PROS

As eleições estaduais no Amazonas em 2014 aconteceram em 5 de outubro como parte das eleições em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador José Melo, o vice-governador Henrique Oliveira e o senador Omar Aziz, além de oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como nenhum candidato a governador assegurou metade mais um dos votos válidos, houve um segundo turno em 26 de outubro entre José Melo e Eduardo Braga com a vitória do primeiro. Segundo a Constituição o governador teria um mandato de quatro anos após ser reconduzido ao Palácio Rio Negro ante o fato de que já exercia o cargo no momento da eleição. Foi a primeira vez na história que os amazonenses aplicaram o mecanismo dos dois turnos numa eleição estadual.[1][2][3]

No decorrer de cinco eleições consecutivas entre as décadas de 1980 e 1990 apenas Gilberto Mestrinho e Amazonino Mendes foram escolhidos para governar o Amazonas até que a ascensão de Eduardo Braga mudou o cenário, pois em suas duas vitórias rumo ao Palácio Rio Negro derrotou os dois caciques de quem já fora aliado e com o tempo viria a tomar o controle do PMDB no estado. Ciente de seu poderio eleitoral, Braga foi eleito senador em 2010 numa composição onde Omar Aziz foi eleito governador e José Melo vice-governador, este último filiado ao PMDB. Quatro anos mais tarde, Omar Aziz renunciou a fim de eleger-se senador enquanto Melo, já membro do PROS, foi reeleito governador do estado num confronto direto com Eduardo Braga.[4][5][6][nota 1]

O governador José Melo nasceu em Ipixuna, trabalhou no Banco Comercial do Pará e lecionou na rede estadual de ensino. Graduado em Economia pela Universidade Federal do Amazonas, deu aulas na referida instituição e no Instituto Federal do Amazonas antes de assumir o cargo de delegado do Ministério da Educação em terras amazonenses. Nas três vezes que Amazonino Mendes assumiu o governo do estado, em duas José Melo foi secretário de Educação e na terceira foi secretário de Coordenação do Interior. Durante a segunda gestão de Mendes como prefeito de Manaus ocupou a Secretaria Municipal de Educação.[7] Eleito deputado federal pelo PPR em 1994 e reeleito via PFL em 1998, conquistou um mandato de deputado estadual em 2002, mas afastou-se para assumir a Secretaria de Governo a convite de Eduardo Braga, posição que manteve mediante a reeleição do então governador em 2006. Mais tarde ingressou no PMDB sendo eleito vice-governador do Amazonas na chapa de Omar Aziz em 2010, mas quando este renunciou para disputar um mandato de senador em 2014, José Melo assumiu o poder e foi reeleito governador do Amazonas.[6] Seu mandato foi extinto após três anos quando o Tribunal Superior Eleitoral cassou a chapa vitoriosa na referida eleição.[8]

Radialista e apresentador de TV, Henrique Oliveira nasceu em Florianópolis e foi chefe de gabinete dos deputados Francisco Küster e José Mendonça de Morais. Ao chegar em Manaus trabalhou na TV Amazonas e na TV Rio Negro dentre outros veículos. Eleito vereador na capital amazonense pelo PP em 2008, obteve um mandato de deputado federal pelo PR em 2010. Durante a legislatura ingressou no SD e em 2014 foi eleito vice-governador do Amazonas na chapa de José Melo, mantendo o cargo até sua cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral após três anos.[9][8][nota 2]

Conforme mencionado anteriormente, o senador eleito foi Omar Aziz. Natural de Garça, ele é descendente de palestinos, migrou para o Norte do Brasil e se diplomou engenheiro civil pela Universidade Federal do Amazonas.[10] Sua estreia política ocorreu sob a legenda do PSL ao eleger-se vereador em Manaus em 1992. Migrou para o PPR e nele foi eleito deputado estadual em 1994. Graças aos vínculos com Amazonino Mendes foi eleito e reeleito vice-prefeito de Manaus na chapa de Alfredo Nascimento em 1996 e no ano 2000. Entre uma gestão e outra foi secretário municipal de Obras[11] e trocou o PPB pelo PFL. Em sua nova legenda foi eleito vice-governador do Amazonas em 2002 e reeleito via PMN em 2006, oportunidades onde Eduardo Braga venceu as contendas pelo Palácio Rio Negro. Mediante a renúncia do titular, assumiu o governo do estado no primeiro trimestre de 2010 e em outubro foi reconduzido ao governo estadual. Em 2014 foi escolhido senador pelos amazonenses sob a legenda do PSD.[12]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 1.643.007 votos nominais.[1][13]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Eduardo Braga
PMDB
Rebecca Garcia
PP
15
Renovação e experiência
(PMDB, PP, PT, PDT, PTB, PPS, PRB, PSDC, PPL, PCdoB)
709.058
43,16%
José Melo
PROS
Henrique Oliveira
SD
90
Fazendo mais por nossa gente
(PROS, SD, PSD, PSDB, DEM, PR, PSC, PV, PTN, PTC, PHS, PRTB, PRP, PSL, PEN, PTdoB)
707.151
43,04%
Marcelo Ramos
PSB
Júnior César Brasil
PSB
40
PSB
(sem coligação)
179.758
10,94%
Chico Preto
PMN
Gustavo Braz
PMN
33
PMN
(sem coligação)
29.499
1,80%
Abel Alves
PSOL
Nelson Junior
PSOL
50
PSOL
(sem coligação)
8.448
0,51%
Herbert Amazonas
PSTU
Gilberto Vasconcelos
PSTU
16
PSTU
(sem coligação)
4.897
0,30%
Luís Navarro
PCB
Francisco Castelo
PCB
21
PCB
(sem coligação)
4.196
0,26%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 1.643.007 votos nominais.[1][13]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
José Melo
PROS
Henrique Oliveira
SD
90
Fazendo mais por nossa gente
(PROS, SD, PSD, PSDB, DEM, PR, PSC, PV, PTN, PTC, PHS, PRTB, PRP, PSL, PEN, PTdoB)
869.992
55,54%
Eduardo Braga
PMDB
Rebecca Garcia
PP
15
Renovação e experiência
(PMDB, PP, PT, PDT, PTB, PPS, PRB, PSDC, PPL, PCdoB)
696.465
44,46%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 1.596.265 votos nominais.[1][13]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Omar Aziz
PSD
Helder Cavalcante
PR
Luís Mitoso
PSD
555
Fazendo mais por nossa gente
(PROS, SD, PSD, PSDB, DEM, PR, PSC, PV, PTN, PTC, PHS, PRTB, PRP, PSL, PEN, PTdoB)
933.996
58,51%
Francisco Praciano
PT
Jorge Guimarães
PT
Luiz Borges
PT
131
Renovação e experiência
(PMDB, PP, PT, PDT, PTB, PPS, PRB, PSDC, PPL, PCdoB)
549.748
34,44%
Marcelo Serafim
PSB
Eduardo Cogo
PSB
Alexandre Barbosa
PSB
400
PSB
(sem coligação)
91.428
5,73%
Professor Queiroz
PSOL
Frank Nelson
PSOL
Edilberto Cruz
PSOL
500
PSOL
(sem coligação)
11.234
0,70%
Jônatas Almeida
PMN
Cristiane Campos
PMN
Alan Ciro
PMN
333
PMN
(sem coligação)
6.830
0,43%
Júlio Ferraz
PSTU
Vildilene Rocha
PSTU
Maria Auxiliadora
PSTU
161
PSTU
(sem coligação)
3.029
0,19%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[14] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[3]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Arthur Bisneto PSDB 250.916 14,00% Brasília  Distrito Federal
Silas Câmara PSD 166.281 9,28% Rio Branco  Acre
Alfredo Nascimento PR 120.060 6,7% Martins  Rio Grande do Norte
Marcos Rotta[nota 3] PMDB 117.955 6,58% Cianorte  Paraná
Hissa Abrahão PPS 113.646 6,34% Manaus  Amazonas
Pauderney Avelino DEM 103.904 5,80% Eirunepé  Amazonas
Átila Lins PSD 89.453 4,99% Manaus  Amazonas
Conceição Sampaio PP 71.878 4,01% Alenquer Pará Pará

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras da Assembleia Legislativa do Amazonas.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Josué Neto PSD 60.645 3,38% Manaus  Amazonas
Ricardo Nicolau PSD 38.425 2,14% Manaus  Amazonas
Serafim Corrêa PSB 36.501 2,04% Manaus  Amazonas
Dermilson Chagas PDT 29.324 1,64% Manaus  Amazonas
Belarmino Lins PMDB 28.985 1,62% Fonte Boa  Amazonas
Wanderley Dallas PMDB 28.297 1,58% Sobral  Ceará
Sidney Leite PROS 28.063 1,57% Manaus  Amazonas
Adjuto Afonso PP 27.816 1,55% Manaus  Amazonas
José Ricardo PT 27.651 1,54% Montenegro  Rio Grande do Sul
Platiny Soares PV 26.987 1,51% Manaus  Amazonas
Alessandra Campelo PCdoB 25.361 1,42% Manaus  Amazonas
Sinésio Campos PT 25.342 1,41% Santarém Pará Pará
Pastor Carlos Alberto PRB 24.843 1,39% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
David Almeida PSD 24.189 1,35% Manaus  Amazonas
Abdala Fraxe PTN 23.626 1,32% Boa Vista  Roraima
Bosco Saraiva PSDB 22.822 1,27% Manaus  Amazonas
Bi Garcia PSDB 22.782 1,27% Parintins  Amazonas
Cabo Maciel PP 20.908 1,17% Humaitá  Amazonas
Dr. Vicente DEM 20.748 1,16% Serrita  Pernambuco
Luiz Castro PPS 19.815 1,11% Santos  São Paulo
Saba Reis PR 17.870 1,00% Parintins  Amazonas
Dr. Gomes PSD 16.766 0,94% Cruzeiro do Sul  Acre
Augusto Ferraz DEM 15.463 0,86% Tarauacá  Acre
Orlando Cidade PTN 12.089 0,67% Manicoré  Amazonas

Pesquisas eleitorais[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno para governador[editar | editar código-fonte]

Período Margem de erro Instituto Candidato
Braga (PMDB) Melo (PROS) Marcelo (PSB) Chico (PMN) Abel (PSOL) Herbert (PSTU) Navarro (PCB) Brancos
ou
Nulos
Nenhum ou Não sabe
08 a 10/08/2014 ±3% Ibope[15] 52% 24% 3% 3% 1% 2% 2% 7% 6%
02 a 10/09/2014 ±3% Acrítica
Action[16]
48% 35% 4% 2% 1% 1% 3% 6%
03 a 07/09/2014 ±3% Instituto Diário[17] 46% 33% 6% 3% 2% 6%
08 a 11/09/2014 ±3% Ibope[18] 46% 31% 3% 3% 1% 2% 1% 4% 9%
01 a 02/10/2014 ±3% Ibope[19] 46% 32% 6% 3% 1% 2% 1% 3% 11%