Eleições estaduais no Espírito Santo em 1998

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1994 Brasil 2002
Eleições estaduais no  Espírito Santo em 1998
4 de outubro de 1998
(Decisão em primeiro turno)
José Ignácio Ferreira ES.jpg Sin foto.svg
Candidato José Ignácio Ferreira Albuíno Azeredo
Partido PSDB PDT
Natural de Vitória, ES Vila Velha, ES
Vice Celso Vasconcelos Sandra Gomes
Votos 723.853 162.109
Porcentagem 61,29% 13,73%


Brasão do Espírito Santo.svg
Governador do Espírito Santo

Titular
Vitor Buaiz
PV

As eleições estaduais no Espírito Santo em 1998 ocorreram em 4 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador José Ignácio Ferreira, o vice-governador Celso Vasconcelos, o senador Paulo Hartung, 10 deputados federais e 30 estaduais. Como o candidato mais votado obteve um total superior à metade mais um dos votos válidos o pleito foi decidido em primeiro turno e conforme a Constituição a posse do governador e de seu vice-governador se daria em 1º de janeiro de 1999 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][4][nota 1]

Advogado formado na Universidade Federal do Espírito Santo, o professor José Ignácio Ferreira nasceu em Vitória e foi promotor de justiça em diferentes cidades do Espírito Santo.[5] Sua carreira política teve início em 1962 quando foi eleito vereador na capital capixaba e após a vitória do Regime Militar de 1964 elegeu-se deputado estadual via MDB em 1966, mas teve o mandato cassado em 13 de março de 1969 pelo Ato Institucional Número Cinco e os direitos políticos suspensos por dez anos,[6] ao fim dos quais foi escolhido presidente da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil. Filiado ao PMDB, elegeu-se senador por uma sublegenda em 1982. Eleitor de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 1985[7] e presidiu a CPI da Corrupção que investigou o Governo Sarney.[8] Integrante do grupo de fundadores do PSDB, deixou o partido ao ingressar no PFL e aceitar a liderança do Governo Collor no Senado Federal. Derrotado ao disputar o governo capixaba em 1990, foi nomeado presidente da Telebrás.[9] De volta ao PSDB foi eleito para um segundo mandato de senador em 1994 e venceu a eleição para governador do Espírito Santo em 1998.[5]

O cargo de vice-governador foi entregue pelas urnas a Celso Vasconcelos. Empresário da construção civil, foi assessor da Companhia Docas do Espírito Santo e ingressou na política como vereador em Vila Velha pelo PFL em 1988 e conseguiu um novo mandato via PSDB em 1996.[1][2]

Economista nascido em Guaçuí e diplomado na Universidade Federal do Espírito Santo,[10] Paulo Hartung era militante clandestino do PCB e presidiu o Diretório Central dos Estudantes antes de ingressar no MDB e participar do Comitê Brasileiro pela Anistia. Eleito deputado estadual pelo PMDB em 1982 e 1986, integrou a delegação capixaba presente no Colégio Eleitoral e assim votou em Tancredo Neves em 1985.[7] Eleito deputado federal via PSDB em 1990, votou a favor do impeachment de Fernando Collor em 1992[11] e nesse mesmo ano foi eleito prefeito de Vitória. Em 1998 conquistou um mandato de senador.[12]

Ressalte-se que a eleição de Paulo Hartung ao Palácio Anchieta em 2002 suscitou a efetivação do advogado João Batista Mota. Nascido em Ibiraçu, formou-se na Universidade Federal do Espírito Santo. Empresário e produtor rural, pertenceu ao MDB, entretanto sua estreia política aconteceu no PMDB ao eleger-se prefeito de Serra em 1982. Ao fim do mandato já pertencia ao PSDB e nessa legenda foi eleito deputado federal em 1990, retornou à prefeitura de Serra em 1992 e obteve uma suplência de senador em 1998.[13][14]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Conforme os arquivos da Justiça Eleitoral foram apurados 1.180.983 votos nominais.[1][2]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
José Ignácio Ferreira
PSDB
Celso Vasconcelos
PSDB
45
Unidade Capixaba
(PSDB, PFL, PPB, PV, PMN, PSDC)
723.853
61,29%
Albuíno Azeredo
PDT
Sandra Gomes
PPS
12
PDT, PPS, PSC, PSL, PAN
162.109
13,73%
Renato Casagrande
PSB
Saturnino Mauro
PT
40
Frente Popular Capixaba
(PSB, PT, PMN, PCdoB, PTN, PSN)
145.547
12,32%
Vasco Alves
PMDB
Luiz Zouain Sobrinho
PTB
15
PMDB, PTB
133.287
11,29%
Jésus Vaz
PSD
Gustavo Mendonça
PSD
41
PSD, PRN, PST, PRP, PTdoB
16.187
1,37%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Conforme os arquivos da Justiça Eleitoral foram apurados 1.147.048 votos nominais.[1][2]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Paulo Hartung
PSDB
João Batista Mota
PSDB
Adir Nichio
PSDB
45
PSDB (sem coligação)
780.395
68,03%
Elcio Alvares
PFL
-
PFL
-
PFL
25
PFL (sem coligação)
239.498
20,88%
Nelson Aguiar
PMN
-
PMN
-
PMN
33
Frente Popular Capixaba
(PSB, PT, PMN, PCdoB, PTN, PSN)
94.849
8,27%
Jorge Rodrigues Filho
PDT
-
PDT
-
PDT
12
PDT, PPS, PSC, PSL, PAN
23.725
2,07%
Aurélio Simões Monteiro
PRN
-
PRN
-
PRN
36
PSD, PRN, PST, PRP, PTdoB
8.581
0,75%

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[15] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[16]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Ricardo Ferraço PSDB 75.241 6,21% Cachoeiro de Itapemirim  Espírito Santo
Rita Camata PMDB 72.706 6,00% Venda Nova do Imigrante  Espírito Santo
José Carlos Fonseca[nota 2] PFL 63.868 5,27% Vitória  Espírito Santo
Max Mauro PTB 59.706 4,93% Vila Velha  Espírito Santo
Magno Malta PTB 54.754 4,52% Macarani Bahia Bahia
Nilton Baiano PPB 50.152 4,14% Itabuna Bahia Bahia
José Carlos Elias PTB 49.061 4,05% Itapemirim  Espírito Santo
João Coser PT 48.603 4,01% Santa Teresa  Espírito Santo
Marcus Vicente PSDB 45.281 3,74% Ibiraçu  Espírito Santo
Feu Rosa PSDB 40.230 3,32% Vitória  Espírito Santo

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 30 cadeiras na Assembleia Legislativa do Espírito Santo.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Max Mauro Filho PTB 38.610 3,01% Vila Velha  Espírito Santo
José Carlos Gratz PFL 25.955 2,02% Ibiraçu  Espírito Santo
Gilson Gomes PPS 25.788 2,01% Afonso Cláudio  Espírito Santo
Enivaldo dos Anjos PDT 20.910 1,63% Barra de São Francisco  Espírito Santo
Juca Gama PTB 19.725 1,54% São Mateus  Espírito Santo
Eval Galazi PPS 18.903 1,47%
Luiz Carlos Moreira PMDB 18.715 1,46% Baixo Guandu  Espírito Santo
Sérgio Borges PMDB 18.070 1,41% Vitória  Espírito Santo
Antônio Cavalheri PSB 15.835 1,23%
Marcos Madureira PFL 15.149 1,18% Cachoeiro de Itapemirim  Espírito Santo
Jose Esmeraldo de Freitas PSDB 13.537 1,05% Cariacica  Espírito Santo
José Ramos Furtado PPB 13.509 1,05% Alegre  Espírito Santo
Robson Mendes Neves PPS 13.378 1,04% Vila Velha  Espírito Santo
Fátima Couzi PSDB 13.288 1,03% Guaçuí  Espírito Santo
Gilson Lopes Filho PFL 13.185 1,03% Vitória  Espírito Santo
Leonor Lube PTB 12.906 1,00% Viana  Espírito Santo
Paulo Loureiro PDT 12.578 0,98%
Marcos Duarte Gazzani PSDB 12.338 0,96% Itapemirim  Espírito Santo
Wilson Luiz Venturim PSB 12.119 0,94% São Gabriel da Palha  Espírito Santo
Sebastião Camilo de Araújo PSDB 11.760 0,92% Recreio  Minas Gerais
José Alves Neto PPS 11.594 0,90%
Tasso Andrade PFL 11.477 0,89% João Pessoa  Paraíba
Avílio Machado da Silva PTB 11.459 0,89% Cachoeiro de Itapemirim  Espírito Santo
Luiz Pereira do Nascimento PSB 11.364 0,88%
Gumercindo Vinand PMDB 11.343 0,88% Guaçuí  Espírito Santo
Mateus Vasconcelos PFL 10.959 0,85% Conceição da Barra  Espírito Santo
Benedito Enéas Muqui PFL 10.900 0,85% Cachoeiro de Itapemirim  Espírito Santo
Gilberto Furieri PMDB 10.764 0,84% Ibiraçu  Espírito Santo
Cláudio Vereza PT 8.371 0,65% Aimorés  Minas Gerais
Geraldo Araújo Martins PMN 4.558 0,36% Baixo Guandu  Espírito Santo

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 1999.
  2. Filho do político de mesmo nome.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 8 de setembro de 2017 
  2. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo». Consultado em 8 de setembro de 2017 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 8 de setembro de 2017 
  4. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 8 de setembro de 2017 
  5. a b «Senado Federal do Brasil: senador José Ignácio Ferreira». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  6. Govêrno (sic) cassa 92 deputados estaduais e três federais (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 14/03/1969. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 9 de setembro de 2017.
  7. a b Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 9 de setembro de 2017.
  8. Faoro entrega interpelação a Sarney no STF quarta-feira (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 13/05/1988. Política, p. A-4. Página visitada em 9 de setembro de 2017.
  9. Telebrás instala 950 mil telefones até meados de 93 (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 07/06/1991. Política e Economia, p. 04. Página visitada em 9 de setembro de 2017.
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Paulo Hartung». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  11. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  12. «Senado Federal do Brasil: senador Paulo Hartung». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  13. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado João Batista Mota». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  14. «Senado Federal do Brasil: senador João Batista Mota». Consultado em 9 de setembro de 2017 
  15. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 8 de setembro de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  16. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 8 de setembro de 2017