Eleições estaduais no Pará em 1982

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1978 Brasil 1986
Eleições estaduais no Pará Pará em 1982
15 de novembro de 1982
(Turno único)
Jader Barbalho em posse do seu primeiro governo do estado do Pará (cropped).png FritzHollings.jpg
Candidato Jader Barbalho Oziel Carneiro
Partido PMDB PDS
Natural de Belém, PA Tocantinópolis, TO
Vice Laércio Franco Zeno Veloso
Votos 501.605 461.969
Porcentagem 51,09% 47,05%


Brasão do Pará.svg
Governador do Pará

Titular
Alacid Nunes
PDS

As eleições estaduais no Pará em 1982 aconteceram em 15 de novembro conforme o calendário previsto às eleições gerais em 23 estados brasileiros e nos territórios federais do Amapá e Roraima.[nota 1] Realizado sob regras que proibiam as coligações partidárias e instituíram o voto vinculado e a sublegenda, o pleito foi o último onde eleitores residentes no Distrito Federal tiveram os votos remetidos ao Pará através de urnas especiais.[1] Foi a primeira disputa por voto popular ao governo do estado desde a vitória de Alacid Nunes em 1965 e nele o PMDB elegeu o governador Jader Barbalho, o vice-governador Laércio Franco, o senador Hélio Gueiros e conseguiu por estreita margem as maiores bancadas entre os 15 deputados federais e 39 deputados estaduais eleitos.

O governador Jader Barbalho nasceu em Belém e formou-se advogado pela Universidade Federal do Pará. Sua carreira política começou após a cassação do pai, Laercio Barbalho, que pertencia ao PSD e era deputado estadual, pelo Regime Militar de 1964 e sob a legenda do MDB foi eleito vereador em Belém em 1966, deputado estadual em 1970 e 1974 e deputado federal em 1978.[2] Foi a primeira das três vitórias do PMDB ao governo do Pará sendo que Jader Barbalho voltou ao poder em 1990.

Embora o MDB representasse as forças de oposição ao governo militar no Pará, o alcance da legenda era limitado pelos conflitos internos da ARENA entre os seguidores de Jarbas Passarinho e Alacid Nunes, embora o mecanismo de eleições indiretas e a mediação de Brasília impedissem uma discórdia de grandes proporções, contudo o fim do bipartidarismo fez cair os mecanismos de contenção e os embates entre as facções governistas persistiram mesmo após a criação do PDS e como foi malsucedido o ingresso dos alacidistas no PTB,[3] o governador Alacid Nunes apoiou Jader Barbalho ao invés de Oziel Carneiro, candidato do PDS apoiado por Jarbas Passarinho.

Na eleição para senador a soma das sublegendas permitiu a vitória de Hélio Gueiros sobre Jarbas Passarinho, embora este tenha sido nomeado posteriormente ministro da Previdência Social pelo presidente João Figueiredo.[4] A biografia de Hélio Gueiros informa que o mesmo nasceu em Fortaleza e é advogado formado na Universidade Federal do Ceará em 1949.[5] Em Belém ele exerceu o jornalismo e trabalhou em O Liberal até filiar-se ao PSD sendo eleito deputado estadual em 1962 e em 1965 candidatou-se a vice-governador à chapa de Zacarias de Assunção[6] não sendo eleito. Após entrar no MDB, foi eleito deputado federal em 1966 e teve os direitos políticos cassados pelo Ato Institucional Número Cinco em 1969, sendo este o seu retorno à vida pública.[5]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral houve 981.798 votos nominais (90,26%), 63.365 votos em branco (5,82%) e 42.594 votos nulos (3,92%), resultando no comparecimento de 1.087.757 eleitores.[6]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Jader Barbalho
PMDB
Laércio Franco
PMDB
5
PMDB (sem coligação)
501.605
51,09%
Oziel Carneiro
PDS
Zeno Veloso
PDS
1
PDS (sem coligação)
461.969
47,05%
Hélio Vieira Dourado
PT
Fernando Rezende
PT
3
PT (sem coligação)
11.010
1,12%
Mário Nazareno Machado Sampaio
PTB
Henriqueta Cardeal
PTB
4
PTB (sem coligação)
7.214
0,74%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Seria eleito o candidato mais votado a partir da soma das sublegendas[nota 2] e isso causou a vitória do PMDB a despeito da maior votação do candidato do PDS conforme dados da Justiça Eleitoral. Números oficiais apontam 937.174 votos nominais (86,16%), 96.226 votos em branco (8,84%) e 54.357 votos nulos (5,00%), resultando no comparecimento de 1.087.757 eleitores.[6]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Jarbas Passarinho
PDS
Não disponível
PDS
11
PDS (sem coligação)
445.628
47,55%
Hélio Gueiros
PMDB
[nota 3]
PMDB
51
PMDB (em sublegenda)
225.120
24,02%
João Menezes
PMDB
[nota 3]
PMDB
52
PMDB (em sublegenda)
176.124
18,79%
Itair Sá da Silva
PMDB
[nota 3]
PMDB
53
PMDB (em sublegenda)
73.054
7,80%
Manoel Francisco Farias de Almeida
PT
Não disponível
PT
31
PT (sem coligação)
10.436
1,11%
Carlos Costa de Oliveira
PTB
Não disponível
PTB
42
PTB (sem coligação)
6.812
0,73%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Lúcia Viveiros PDS 69.384 Belém Pará Pará
Manuel Ribeiro PDS 65.885 Belém Pará Pará
Coutinho Jorge[nota 4] PMDB 63.040 Belém Pará Pará
Dionísio Hage PMDB 60.274 Santarém Pará Pará
Gerson Peres PDS 54.465 Cametá Pará Pará
Brabo de Carvalho PMDB 49.908 Muaná Pará Pará
Sebastião Curió PDS 49.529 São Sebastião do Paraíso  Minas Gerais
Carlos Vinagre PMDB 45.395 Belém Pará Pará
Ronaldo Campos[nota 4] PMDB 43.412 Santarém Pará Pará
Domingos Juvenil[nota 5] PMDB 41.722 Vigia Pará Pará
Ademir Andrade PMDB 39.311 Milagres Bahia Bahia
Antônio Amaral PDS 36.866 Belém Pará Pará
Osvaldo Melo PDS 34.283 Belém Pará Pará
Vicente Queiroz PMDB 29.626 Mocajuba Pará Pará
Jorge Arbage PDS 25.624 Belém Pará Pará

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Na disputa pelas trinta e nove vagas da Assembleia Legislativa do Pará o PMDB conquistou vinte e o PDS dezenove.[6]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Ronaldo Passarinho PDS 41.103
Maria de Nazaré Barbosa PMDB 33.818
Célio Sampaio PMDB 32.422
Eloy Santos PDS 20.412
Antônio Alves Teixeira PMDB 19.929
Nicias Ribeiro PMDB 16.757 Belém Pará Pará
Nilton Peres PDS 16.621
Paulo Roberto PMDB 15.151 Santarém Pará Pará
Mariuadir Santos PMDB 14.595
Fernando Bahia PDS 13.860
Amílcar Moreira PMDB 13.831 Cametá Pará Pará
Herbert Matos Veríssimo PDS 13.451
Alcides Corrêa PMDB 13.425
Hermínio Calvinho Filho PMDB 13.192
Paulo Fonteles PMDB 13.039 Belém Pará Pará
Gabriel Guerreiro PMDB 12.613 Oriximiná Pará Pará
Lucival Barbalho PMDB 12.513
Paulo Imbiriba Lisboa PDS 12.142
Aziz Mutran Neto PDS 11.919
Carlos Antônio Estácio PDS 11.583
Edson Matoso PDS 11.352
José Alfredo Silva Hage PDS 11.167
Fausto Fernandes PDS 11.066 Caculé Bahia Bahia
Flávio Cezar Franco PDS 11.006
Luis Maria Soares PMDB 10.645
José Guilherme Silva Ribeiro PMDB 10.504
Antônio da Silva Pereira PDS 10.336
Edson Sousa Batista PMDB 10.332
Haroldo Bezerra PDS 10.319
Aldo Bernal de Almeida PMDB 10.083
Eladyr Nogueira Lima PMDB 10.001
Romero Ximenes Ponte PMDB 9.910
Victor Hilário da Paz PDS 9.796
Mário Chermont PMDB 9.597 Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Itamar Francês PMDB 9.595
Álvaro de Oliveira Freitas PDS 9.498
Almir Tavares Lima PDS 9.105
Guaracy Silveira PDS 8.960
Aldebaro Klautau[nota 6] PDS 8.599
Paulo Martins Ramalho PDS 8.291

Eleições municipais[editar | editar código-fonte]

Não houve escolha de prefeito em Belém[nota 7] e nos municípios de Almeirim, Altamira, Itaituba, Marabá, Óbidos, Oriximiná, Salinópolis e Santarém. Nas demais cidades o PDS elegeu 48 prefeitos e o PMDB elegeu 30.[6]

Notas

  1. Por força de um casuísmo político a eleição direta em Rondônia excluiu o cargo de governador enquanto os territórios federais elegeram apenas quatro deputados federais cada, exceto em Fernando de Noronha onde não havia eleições.
  2. Os três candidatos do PMDB somaram 474.298 (50,61%) garantindo assim a vitória de Hélio Gueiros.
  3. a b c Conforme legislação vigente à época, em caso de um partido apresentar três candidatos a senador, os menos votados seriam suplentes do primeiro colocado caso este fosse declarado vencedor.
  4. a b Em 1985 o deputado Coutinho Jorge foi eleito prefeito de Belém sendo efetivado João Marques e o deputado Ronaldo Campos foi eleito prefeito de Santarém sendo efetivado Benedito Monteiro.
  5. Chefe da Casa Civil no governo Jader Barbalho, foi substituído por Arnaldo Moraes.
  6. Homônimo do político que foi candidato a senador em 1986.
  7. As capitais dos estados e demais categorias de municípios só foram contempladas com eleições diretas para prefeito em 1985.

Referências

  1. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 26 de junho de 2014 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Jader Barbalho». Consultado em 26 de junho de 2014 
  3. Lei de Talião (online). Disponível em Veja, ed. 651 de 25/02/1981. São Paulo: Abril.
  4. Beltrão sai; Passarinho convidado (online). Folha de S.Paulo, 12/11/1983. Página visitada em 26 de junho de 2014.
  5. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Hélio Gueiros». Consultado em 26 de junho de 2014 
  6. a b c d e «Página oficial do Tribunal Regional Eleitoral do Pará». Consultado em 26 de junho de 2014 
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 16 de junho de 2016. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  8. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 16 de junho de 2016