Eleições estaduais no Pará em 1998

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1994 Brasil 2002
Eleições estaduais no Pará Pará em 1998
4 de outubro de 1998
(Primeiro turno)
25 de outubro de 1998
(Segundo turno)
Senador Almir Gabriel.jpg Jader Barbalho 2011.jpg
Candidato Almir Gabriel Jader Barbalho
Partido PSDB PMDB
Natural de Belém, PA Belém, PA
Vice Hildegardo Nunes Parsifal Pontes
Votos 981.409 839.838
Porcentagem 53,89% 46,11%


Brasão do Pará.svg
Governador do Pará

As eleições estaduais no Pará ocorreram em 4 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos então o governador Almir Gabriel, o vice-governador Hildegardo Nunes, o senador Luiz Otávio, 17 deputados federais e 41 estaduais. Como nenhum candidato a governador alcançou a metade mais um dos votos válidos na eleição, houve um segundo turno em 25 de outubro e pelo texto da Constituição e da Lei nº. 9.504, a posse seria em 1º de janeiro de 1999 para quatro anos de mandato já sob o espectro da reeleição.[nota 1][1][2]

Graduado em Medicina na Universidade Federal do Pará com especialização em Cirurgia Torácica pelo Serviço Nacional de Tuberculose no Rio de Janeiro e em Cirurgia Cardiovascular quando residiu em São Paulo, Almir Gabriel exerceu por duas vezes a direção do Sanatório Barros Barreto em Belém. No Governo Ernesto Geisel foi diretor da Divisão Nacional de Pneumologia Sanitária e secretário interino de Programas Especiais de Saúde sob o comando do ministro da Saúde, Paulo de Almeida Machado. No segundo governo de Alacid Nunes foi secretário de Saúde e prefeito biônico de Belém no primeiro governo Jader Barbalho, administrando assim a cidade onde nasceu.[3] Aliado àquele político, elegeu-se senador pelo PMDB em 1986.[4] Rompido com o jaderismo, ingressou no PSDB e foi candidato a vice-presidente da República em 1989 na chapa de Mário Covas. Em 1990 disputou o governo do Pará à frente de uma coligação de esquerda, mas não obteve sucesso, contudo foi eleito governador em 1994 sendo agora reeleito.[5]

O vice-governador foi eleito é o engenheiro agrônomo Hildegardo Nunes. Nascido na cidade do Rio de Janeiro e formado na Universidade Federal Rural da Amazônia, foi secretário de Agricultura no primeiro governo Almir Gabriel e agora faz a sua estreia na vida política via PTB. Sua ascendência mostra que é filho de Alacid Nunes e neto de Abel Figueiredo.

Na eleição para senador o vitorioso foi Luiz Otávio Campos. Empresário nascido em Belém, foi secretário de Transportes no governo Hélio Gueiros. Formado em Administração de Empresas pela Universidade da Amazônia,[6] foi eleito vereador na capital paraense pelo PMDB em 1992 e deputado estadual pelo PFL em 1994 chegando à presidência da Assembleia Legislativa do Pará sendo agora eleito senador pelo PPB.[nota 2]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará houve 1.735.915 votos nominais (80,84%), 226.499 votos em branco (10,55%) e 184.918 votos nulos (8,61%) resultando no comparecimento de 2.147.332 eleitores. As abstenções somaram 1.071.191 votos (33,28%) dentre os 3.218.523 eleitores inscritos.[5]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Almir Gabriel
PSDB
Hildegardo Nunes
PTB
45
União pelo Pará
(PSDB, PTB, PPB, PL, PSC, PPS, PMN, PSD, PV, PTdoB)
773.185
44,54%
Jader Barbalho
PMDB
Parsifal Pontes
PMDB
15
Caminhando com o Trabalho
(PMDB, PFL)
630.872
36,34%
Ademir Andrade
PSB
Geraldo Pastana
PT
40
Frente do Povo
(PSB, PT, PCdoB, PCB)
296.563
17,08%
Cacilda Pinto
PSTU
José da Piedade Farias
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
26.160
1,51%
Roberto de Carvalho
PRONA
Ana Catarina Negrão
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
9.135
0,53%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará houve 1.821.246 votos nominais (80,84%), 25.548 votos em branco (10,55%) e 70.687 votos nulos (8,61%) resultando no comparecimento de 1.917.481 eleitores.[5]

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Almir Gabriel
PSDB
Hildegardo Nunes
PTB
45
União pelo Pará
(PSDB, PTB, PPB, PL, PSC, PPS, PMN, PSD, PV, PTdoB)
981.409
53,89%
Jader Barbalho
PMDB
Parsifal Pontes
PMDB
15
Caminhando com o Trabalho
(PMDB, PFL)
839.838
46,11%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará houve 1.655.255 votos nominais (77,08%), 303.008 votos em branco (14,11%) e 189.069 votos nulos (8,81%), resultando no comparecimento de 2.147.332 eleitores. As abstenções somaram 1.071.191 votos (33,28%) dentre os 3.218.523 eleitores inscritos.[nota 3][5]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Luiz Otávio Campos
PPB
Antônio Jorge Hamad
PSDB
11
União pelo Pará
(PSDB, PPB, PTB, PL, PSC, PPS, PMN, PSD, PV, PTdoB)
609.026
36,80%
Ana Júlia Carepa
PT
José Nery
PT
13
Frente do Povo
(PSB, PT, PCdoB, PCB)
567.308
34,27%
Hélio Gueiros
PFL
Hélio Gueiros Junior
PFL
25
Caminhando com o Trabalho
(PMDB, PFL)
448.379
27,09%
Claiton Coffy
PSTU
Luiz Otávio Lobato
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
15.277
0,92%
Edvaldo Leite
PRONA
Clóvis Lago
PRONA
56
PRONA (sem coligação)
15.265
0,92%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[2]

Número Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
2555 Vic Pires Franco PFL 92.214 5,36% Belém Pará Pará
1511 Elcione Barbalho PMDB 88.742 5,15% Belém Pará Pará
4560 Anivaldo Vale PSDB 65.691 3,82% Ipanema  Minas Gerais
1515 José Priante PMDB 60.094 3,49% Belém Pará Pará
1311 Paulo Rocha PT 58.405 3,39% Terra Alta Pará Pará
1313 Valdir Ganzer[nota 4] PT 53.065 3,08% Iraí  Rio Grande do Sul
2522 Raimundo Santos PFL 49.517 2,88% Santarém Pará Pará
4567 Zenaldo Coutinho PSDB 49.412 2,87% Belém Pará Pará
1550 Jorge Costa[nota 5] PMDB 48.297 2,81% Capanema Pará Pará
1115 Gerson Peres PPB 43.993 2,56% Cametá Pará Pará
4550 Nicias Ribeiro PSDB 42.000 2,44% Belém Pará Pará
4590 Nilson Pinto[nota 6] PSDB 40.588 2,36% Belém Pará Pará
1456 Josué Bengtson PTB 40.253 2,34% Getulina  São Paulo
2525 Deusdeth Pantoja PFL 39.643 2,30% Igarapé-Miri Pará Pará
1580 Renildo Leal PMDB 38.016 2,21% Prado Bahia Bahia
1314 João Batista Babá PT 32.414 1,88% Faro Pará Pará
1212 Giovani Queiroz PDT 31.730 1,84% Campina Verde  Minas Gerais

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram eleitos quarenta e um (41) deputados federais pelo estado.[5]

Candidato (a) Votos %
Duciomar Costa (PSD) 41111 37.350 2,03%
Pastor Carlos de Jesus (PFL) 25133 29.456 1,60%
Zé Neto (PPB) 11110 23.282 1,27%
Cipriano Sabino (PPB) 11115 22.072 1,20%
Sefer (PL) 22120 21.977 1,20%
Lourdes Lima (PSDB) 45151 21.718 1,18%
Zeca Araújo (PSDB) 45144 21.190 1,15%
Martinho Carmona (PSDB) 45110 20.832 1,13%
Antenor Bararú (PPB) 11120 18.187 0,99%
Mário Couto Filho (PSDB) 45112 17.663 0,96%
Haroldo Martins (PMDB) 15109 17.520 0,95%
Faisal (PSDB) 45188 17.086 0,93%
Francisco Victer (PDT) 12234 16.477 0,90%
Elza Miranda (PSDB) 45147 16.276 0,89%
Luís Cunha (PDT) 12120 16.161 0,88%
Antônio Armando (PSDB) 45125 16.102 0,88%
Zequinha Marinho (PDT) 12101 16.060 0,87%
Pio X (PTB) 14110 15.819 0,86%
Capitão Ivanildo (PSB) 40150 15.583 0,85%
Cezar Colares (PSDB) 45150 15.318 0,83%
Gabriel Guerreiro (PMDB) 15115 15.017 0,82%
Maria do Carmo (PT) 13123 14.612 0,80%
Zé Geraldo (PT) 13500 14.589 0,79%
Claudinei Furman (PTB) 14555 13.858 0,75%
Zé Lima (PMDB) 15105 13.555 0,74%
André Dias (PFL) 25125 13.459 0,73%
Rosa Hage (PPB) 11151 13.356 0,73%
Hélio Leite (PMDB) 15192 12.808 0,70%
Bira Barbosa (PMDB) 15111 12.562 0,68%
Di (PMDB) 15135 12.481 0,68%
Bosco (PTB) 14610 12.189 0,66%
Antônio Rocha (PMDB) 15195 12.034 0,65%
Cristina (PMDB) 15156 11.706 0,64%
Nadir Neves (PL) 22123 11.579 0,63%
Soares (PL) 22123 10.551 0,57%
Mário Cardoso (PT) 13513 10.542 0,57%
Araceli (PT) 13131 10.335 0,56%
Murilo (PFL) 25234 8.971 0,49%
Cláudio Almeida (PPS) 23611 7.890 0,43%
Sarub (PSD) 41101 7.178 0,39%
Sandra Batista (PCdoB) 65123 6.525 0,36%

Notas

  1. A reeleição para cargos executivos foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. Na época de sua graduação a universidade era chamada de "Faculdades Integradas Colégio Moderno".
  3. Embora a constituição afirme que cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  4. Eleito vice-prefeito de Belém em 2000 na chapa que reelegeu Edmilson Rodrigues, renunciou em favor de Socorro Gomes.
  5. Eleito prefeito de Capanema em 2000, foi substituído por Asdrúbal Bentes.
  6. Afastou-se do mandato em favor de Haroldo Bezerra para assumir o cargo de secretário especial de Promoção Social a convite do governador Almir Gabriel.

Referências