Eleições estaduais no Piauí em 1990

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
1986 Brasil 1994
Eleições estaduais no  Piauí em 1990
3 de outubro de 1990
(Primeiro turno)
25 de novembro de 1990
(Segundo turno)
Antonio de Almendra Freitas Neto em 2014.JPG Wall Ferraz.JPG
Candidato Freitas Neto Wall Ferraz
Partido PFL PSDB
Natural de Teresina, PI Teresina, PI
Vice Guilherme Melo Paulo Lages
Votos 572.234 467.015
Porcentagem 55,06% 44,94%


Brasão do Piauí.svg
Governador do Piauí

Eleito
Freitas Neto
PFL

As eleições estaduais no Piauí em 1990 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal.[1] Foram eleitos o governador Freitas Neto, o vice-governador Guilherme Melo, o senador Lucídio Portela, 10 deputados federais e 30 estaduais.[2] Como nenhum candidato a governador recebeu metade mais um dos votos válidos, um segundo turno foi realizado em 25 de novembro e segundo a Constituição, o governador foi eleito para um mandato de quatro anos com início em 15 de março de 1991 sem direito a reeleição.[nota 1]

Natural de Teresina, o governador Freitas Neto é economista formado pela Universidade Mackenzie de São Paulo. Seu ingresso no serviço público ocorreu via Fomento Industrial do Piauí (FOMINPI) e logo depois foi diretor comercial das Águas e Esgotos do Piauí S/A (AGESPISA) no primeiro governo Alberto Silva. Eleito deputado estadual pela ARENA em 1974 e 1978, presidiu a Assembleia Legislativa (1977-1979) da qual se afastou para ocupar a Secretaria de Governo na gestão Lucídio Portela. Pelo PDS foi eleito deputado federal em 1982, porém licenciou-se para ocupar o cargo de prefeito de Teresina durante o primeiro governo Hugo Napoleão (1983-1986) a quem seguiu rumo ao PFL. Derrotado por Alberto Silva ao disputar o Palácio de Karnak em 1986, foi presidente das Telecomunicações do Piauí S/A (TELEPISA) por escolha do Ministro das Comunicações, Antônio Carlos Magalhães, e depois foi eleito presidente do diretório estadual do PFL no Piauí.[3]

A decisão do pleito se deu num embate contra o professor, advogado e historiador Raimundo Wall Ferraz. Nascido em Teresina e formado pela Universidade Federal do Piauí, ministrou aulas na referida instituição e no Instituto de Educação Antonino Freire. Eleito vereador pela UDN em 1954 e 1958 e vice-prefeito de Teresina na chapa de Hugo Bastos em 1962 assumiu a presidência da Câmara Municipal. Nomeado Secretário de Educação no primeiro governo Alberto Silva, foi prefeito de Teresina nos governos Dirceu Arcoverde e Djalma Veloso e com a extinção da ARENA optou pelo PP ingressando depois no PMDB[4] sendo eleito deputado federal em 1982[5] e prefeito de Teresina em 1985 filiando-se ao PSDB meses após as eleições presidenciais de 1989.

Os aliados de Freitas Neto elegeram os cargos majoritários em disputa além de sete deputados federais e dezesseis estaduais enquanto os partidários de Wall Ferraz fizeram três deputados federais e treze estaduais sendo que a vaga restante ficou com a "Frente Piauí Popular" responsável pela eleição de um deputado estadual do PT.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, houve 187.234 votos em branco (15,93%) e 54.294 votos nulos (4,62%) calculados sobre o comparecimento de 1.175.355 eleitores, com os 933.827 votos nominais assim distribuídos:[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Freitas Neto
PFL
Guilherme Melo
PDS
25
Frente de Recuperação do Piauí
(PFL, PDS, PTB, PSC)
466.497
49,95%
Wall Ferraz
PSDB
Paulo Lages
PMDB
45
Movimento de Integração do Piauí
(PSDB, PMDB, PRN, PL, PDC, PTR)
408.910
43,79%
Antônio Neto
PT
Luís Carlos Puskas
PCdoB
13
Frente Piauí Popular
(PT, PCdoB, PDT, PSB)
53.485
5,73%
Francisco Macedo
PMN
Pedro Queiroz
PMN
33
PMN (sem coligação)
4.935
0,53%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, houve 18.566 votos em branco (1,66%) e 56.571 votos nulos (5,08%) calculados sobre o comparecimento de 1.114.395 eleitores, com os 1.039.258 votos nominais assim distribuídos:[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Freitas Neto
PFL
Guilherme Melo
PDS
25
Frente de Recuperação do Piauí
(PFL, PDS, PTB, PSC)
572.243
55,06%
Wall Ferraz
PSDB
Paulo Lages
PMDB
45
Movimento de Integração do Piauí
(PSDB, PMDB, PRN, PL, PDC, PTR)
467.015
44,94%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, houve 366.540 votos em branco (31,19%) e 47.124 votos nulos (4,01%) calculados sobre o comparecimento de 1.175.005 eleitores, com os 761.691 votos nominais assim distribuídos:[2][nota 2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Lucídio Portela
PDS
Aquiles Nogueira
PFL
111
Frente de Recuperação do Piauí
(PFL, PDS, PTB, PSC)
373.982
49,10%
Paulo Freitas
PRN
-
PL
361
Movimento de Integração do Piauí
(PSDB, PMDB, PRN, PL, PDC, PTR)
307.607
40,38%
Francisco Pedrosa
PDT
-
PSB
121
Frente Piauí Popular
(PT, PCdoB, PDT, PSB)
72.010
9,46%
Anselmo Oliveira de Moraes
PMN
-
PMN
331
PMN (sem coligação)
8.076
1,06%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[6][7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Átila Lira[nota 3] PFL 66.812 6,18% Piripiri  Piauí
Benedito Sá PDS 63.381 5,87% Oeiras  Piauí
Paulo Silva PSDB 55.402 5,13% Parnaíba  Piauí
Paes Landim PFL 48.694 4,51% São João do Piauí  Piauí
José Luís Maia PDS 41.913 3,88% Picos  Piauí
Murilo Rezende PMDB 41.284 3,82% Piripiri  Piauí
Jesus Tajra PFL 39.677 3,67% Teresina  Piauí
Mussa Demes[nota 3] PFL 37.810 3,50% Floriano  Piauí
João Henrique PMDB 36.931 3,42% Teresina  Piauí
Ciro Nogueira PFL 35.025 3,24% Pedro II  Piauí

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo trinta cadeiras na Assembleia Legislativa do Piauí, ressalvada a efetivação de suplentes.[2][8]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Marcelo Castro PMDB 21.567 2,00% São Raimundo Nonato  Piauí
Moraes Souza[nota 4] PFL 20.473 1,90% Parnaíba  Piauí
Luiz Menezes PDS 17.533 1,63% Piripiri  Piauí
Luciano Nunes[nota 5] PDS 16.892 1,57% Oeiras  Piauí
Ismar Marques[nota 4] PFL 16.882 1,57% Luzilândia  Piauí
Tomaz Teixeira PMDB 16.493 1,53% Campos Sales  Ceará
Jesualdo Cavalcanti[nota 5] PFL 15.782 1,46% Corrente  Piauí
Kleber Eulálio PMDB 15.410 1,43% Teresina  Piauí
Barros Araújo[nota 4] PFL 14.906 1,38% Picos  Piauí
Robert Freitas PFL 14.574 1,35% José de Freitas  Piauí
Bona Medeiros PFL 14.209 1,32% União  Piauí
Themístocles Filho PMDB 13.897 1,29% Teresina  Piauí
Paulo Henrique PDC 13.811 1,28% São João do Piauí  Piauí
Xavier Neto PL 13.716 1,27% Amarante  Piauí
João Silva Neto PMDB 13.675 1,27% Parnaíba  Piauí
José Isaías da Silva PDC 13.562 1,26% Oeiras  Piauí
Francílio Almeida[nota 6] PMDB 13.528 1,26% Teresina  Piauí
Sabino Paulo[nota 4] PFL 12.937 1,20% São João do Piauí  Piauí
Batista Dias PMDB 12.907 1,20% São Raimundo Nonato  Piauí
Sebastião Leal[nota 5] PFL 12.744 1,18% Uruçuí  Piauí
Wilson Brandão[nota 5] PFL 12.695 1,18% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Warton Santos PMDB 12.628 1,17% Picos  Piauí
Adolfo Nunes PL 12.532 1,16% Teresina  Piauí
César Sindô PMDB 12.209 1,13% Alto Longá  Piauí
César Melo[nota 5] PFL 12.148 1,13% Campo Maior  Piauí
Fernando Monteiro PFL 12.061 1,12% Teresina  Piauí
Waldemar Macedo[nota 4] PFL 11.945 1,11% São Raimundo Nonato  Piauí
Pedro Borges PDS 11.514 1,07% Picos  Piauí
Eurimar Nunes PDS 11.501 1,07% Canto do Buriti  Piauí
Nazareno Fonteles PT 9.170 0,85% Acaraú  Ceará

Estatísticas parlamentares[editar | editar código-fonte]

Na análise da tabela a seguir, o número de deputados federais e estaduais agrupados na coluna "antes" reflete as bancadas existentes sob a Resolução n.º 16.347 baixada pelo Tribunal Superior Eleitoral em 27 de março de 1990 para disciplinar a filiação partidária.[1][9]

Notas

  1. A data da posse dos governadores eleitos em 1990 foi determinada pelo Art. 4º, § 3º do Ato das Disposições Constituições Transitórias, exceto no Amapá, Distrito Federal e Roraima, que empossaram seus mandatários em 1º de janeiro de 1991 conforme o Art. 28 da Carta Magna.
  2. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  3. a b Com a nomeação de Átila Lira (secretário de Educação) e Mussa Demes (secretário de Administração) para compor a equipe do governador Freitas Neto foram convocados Felipe Mendes e Caldas Rodrigues, respectivamente.
  4. a b c d e Em 15 de março de 1991, Freitas Neto nomeou três deputados estaduais da coligação "Frente de Recuperação do Piauí" para compor a sua equipe: Barros Araújo (secretário de Justiça) Ismar Marques (secretário de Segurança) e Moraes Souza (secretário de Indústria e Comércio). Em razão disso convocaram Marcelo Coelho, Ferreira Neto e Humberto Silveira. Este triunvirato foi efetivado quando Barros Araújo e Sabino Paulo renunciaram para tomar posse como conselheiros do Tribunal de Contas do Piauí e também devido ao falecimento de Waldemar Macedo.
  5. a b c d e Quando o trio de parlamentares nomeados em 15 de março de 1991 deixou seus cargos no Poder Executivo, Freitas Neto escolheu Luciano Nunes (secretário de Justiça) e César Melo (secretário de Articulação com os Municípios) para compor sua equipe em 10 de agosto de 1993 e isso permitiu as convocações de Juraci Leite e Homero Castelo Branco, mas com o falecimento de Sebastião Leal ocorreu a efetivação de Juraci Leite e a convocação de outro suplente, Antônio Rufino. Com tantos suplentes já efetivados ou em exercício, a nomeação de Wilson Brandão (secretário de Programas Especiais) em 3 de janeiro de 1994, levou à convocação de Carlos Luís Nunes de Barros. Ressalte-se que Homero Castelo Branco e Antônio Rufino foram efetivados quando escolheram Luciano Nunes e Jesualdo Cavalcanti para o Tribunal de Contas do Piauí.
  6. Faleceu em 1º de outubro de 1992 e em seu lugar foi efetivado Juarez Tapety.

Referências

  1. a b BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. «Resolução n.º 16.347 de 27/03/1990». Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  2. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  3. BRASIL. Câmara dos Deputados. «Biografia do deputado Freitas Neto». Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  4. PP e PMDB decidem unir-se (online). Folha de S. Paulo, 21/12/1981. Página visitada em 26 de setembro de 2013.
  5. «Biografia do deputado Wall Ferraz na Câmara dos Deputados». Consultado em 26 de setembro de 2013 
  6. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 19 de agosto de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  7. BRASIL. Presidência da República. «Lei n.º 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 19 de agosto de 2015 
  8. a b FREITAS, Vítor Eduardo Veras de Sandes. A lógica da formação de governos no Estado do Piauí de 1987 a 2007. Teresina, Universidade Federal do Piauí, 2010.
  9. SANTOS, José Lopes dos. Política e outros temas. v. II. Teresina: Gráfica Mendes, 1991.