Eleições estaduais no Piauí em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
2010 Brasil 2018
Eleições estaduais no  Piauí em 2014
5 de outubro de 2014
(Decisão em primeiro turno)
Wellington Dias senador 20dez2011.jpg Replace this image male.png
Candidato Wellington Dias Moraes Souza Filho
Partido PT PMDB
Vice Margarete Coelho Sílvio Mendes
Votos 1.053.342 555.201
Porcentagem 63,08% 33,25%


Brasão do Piauí.svg
Governador do Piauí

As eleições estaduais no Piauí em 2014 aconteceram em 5 de outubro como parte das eleições em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador Wellington Dias, a vice-governadora Margarete Coelho, o senador Elmano Férrer, 10 deputados federais e 30 estaduais.[1] Como o candidato a governador recebeu mais da metade do votos válidos, a eleição foi decidida em primeiro turno. Pela Constituição, o governador será eleito para um mandato de quatro anos a se iniciar em 1º de janeiro de 2015.[2]

Após vencer as eleições para governador com Wellington Dias em 2002 e 2006 o PT consolidou a posição de partido governista no Piauí não apenas por suas realizações, mas também pelo alinhamento com o Governo Lula que dirigiu o país no mesmo período. Impossibilitado de lançar um candidato de suas fileiras, o partido apoiou em 2010 o nome de Wilson Martins, médico filiado ao PSB que chegou ao Palácio de Karnak após a renúncia do titular que disputaria com êxito um mandato de senador e com a vitória de Wilson Martins o petismo assegurou sua participação num novo período governamental[3] tendo ainda o suporte do Governo Dilma Rousseff.

O mando petista foi construído pelas vitórias de Wellington Dias sobre Hugo Napoleão e Mão Santa e pelo suporte do PMDB ao governo do PT enquanto as lideranças de oposição se alinhavam em torno do PSDB, que desde 1992 é o vencedor das eleições municipais em Teresina.[4] Tal cenário foi mantido até 2013 quando o PSB rompeu os vínculos com o Governo Federal e lançou a candidatura presidencial de Eduardo Campos e em virtude dessa realidade o PT foi lançado à oposição no cenário estadual e passou a combater tanto Wilson Martins quanto Moraes Souza Filho (Zé Filho), que assumiu o governo em abril de 2014 após a renúncia do titular e se consolidou como candidato do PMDB ao substituir o deputado federal Marcelo Castro.[5]

Derrotado na eleição para prefeito de Teresina em 2012, Wellington Dias reconstruiu seu grupo político ao aliar-se ao senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP e genro do ex-governador Lucídio Portela, oferecendo à deputada estadual Margarete Coelho a candidatura a vice-governadora e também atraiu o PTB que elegeu Elmano Ferrer como substituto do senador João Vicente Claudino. Apurados os votos esta chapa foi vencedora e deu a Wellington Dias a inédita condição de vencer três eleições diretas para o Palácio de Karnak tornando-se o primeiro piauiense a romper a barreira do milhão de votos e ainda estabeleceu um novo recorde percentual na disputa pelo governo do estado.[1]

No referente à eleição para senador o triunfo de Elmano Ferrer fez de Wilson Martins o primeiro ex-governador a ser derrotado na disputa senatorial no mesmo ano da renúncia ao Executivo desde Chagas Rodrigues em 1962, embora a legislação da época tenha permitido sua eleição para deputado federal no mesmo pleito.[4] Sobre o novo senador, ele nasceu em Lavras da Mangabeira e formou-se engenheiro agrônomo na Universidade Federal do Ceará e advogado pela Universidade Federal do Piauí. Secretário de Planejamento no governo Freitas Neto, foi eleito vice-prefeito de Teresina via PTB na chapa de Sílvio Mendes em 2004 e reeleito em 2008 sendo efetivado prefeito em 2010 quando o titular renunciou a fim de disputar o governo do estado. Derrotado por Firmino Filho ao buscar a reeleição na eleição municipal de 2012, Elmano Ferrer substituirá o senador João Vicente Claudino.[6][1][7]

Este ano a presença da mulher na política estadual alcançou um novo patamar após a eleição de Margarete Coelho como vice-governadora e também no aumento da presença feminina na bancada piauiense no Congresso Nacional com a efetivação da senadora Regina Sousa e a eleição de duas deputadas federais, embora a "bancada do batom" na Assembleia Legislativa tenha sofrido uma redução de sete para quatro integrantes.[1]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Wellington Dias
PT
Margarete Coelho
PP
13
A vitória com a força do povo
(PT, PP, PTB, PR, PHS, PROS, PRP, SD)
1.053.342
63,08%
Moraes Souza Filho
PMDB
Sílvio Mendes
PSDB
15
Piauí no coração
(PMDB, PSDB, PSB, PSD, DEM, PPS, PDT, PCdoB, PV, PRB, PSL, PTN, PSDC, PMN, PTC, PTdoB, PEN)
555.201
33,25%
Mão Santa
PSC
Nilfrânio Nascimento
PSC
20
PSC
(sem coligação)
25.877
1,55%
Maklandel Aquino
PSOL
Romualdo Brasil
PCB
50
O poder popular na construção do socialismo
(PSOL, PCB)
22.480
1,35%
Daniel Solon
PSTU
Solimar Silva
PSTU
16
PSTU
(sem coligação)
6.452
0,39%
Neto Sambaíba
PPL
Rejane Palácio
PPL
54
PPL
(sem coligação)
4.217
0,25%
Lourdes Melo
PCO
Cloves José
PCO
29
PCO
(sem coligação)
2.180
0,13%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

O candidato Aldir Nunes (PCB) teve indeferido o seu registro.[1][nota 1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Elmano Ferrer
PTB
José Amauri
PROS
141
A vitória com a força do povo
(PT, PP, PTB, PR, PHS, PROS, PRP, SD)
981.219
62,29%
Wilson Martins
PSB
Edvaldo Marques
PSB
400
Piauí no coração
(PMDB, PSDB, PSB, PSD, DEM, PPS, PDT, PCdoB, PV, PRB, PSL, PTN, PSDC, PMN, PTC, PTdoB, PEN)
562.615
35,72%
Gustavo Henrique
PSC
Ismaías Mesquita
PSC
200
PSC
(sem coligação)
19.286
1,22%
Geraldo Carvalho
PSTU
Petrônio de Paula
PSTU
160
PSTU
(sem coligação)
8.274
0,53%
Professor Claudionor
PPL
Lisete Napoleão
PPL
544
PPL
(sem coligação)
3.840
0,24%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[8] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[9]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Rejane Dias[nota 2] PT 134.157 7,74% São João do Piauí  Piauí
Átila Lira PSB 129.276 7,46% Piripiri  Piauí
Iracema Portela PP 121.121 6,99% Teresina  Piauí
Marcelo Castro[nota 3] PMDB 111.132 6,41% São Raimundo Nonato  Piauí
Júlio César PSD 99.750 5,75% Guadalupe  Piauí
Assis Carvalho PT 94.093 5,43% Oeiras  Piauí
Rodrigo Martins PSB 92.349 5,33% Teresina  Piauí
Heráclito Fortes PSB 90.898 5,24% Teresina  Piauí
Paes Landim PTB 82.549 4,76% São João do Piauí  Piauí
Capitão Fábio Abreu[nota 2] PTB 80.839 4,66% Fortaleza  Ceará

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Haviam 30 cadeiras na Assembleia Legislativa do Piauí, número vigente desde 1986 sendo relacionadas as legendas às quais pertenciam no momento da eleição.[1][nota 4][nota 5]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Wilson Brandão PSB 63.400 3,57% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Severo Eulálio PMDB 48.374 2,73% Teresina  Piauí
Zé Santana PMDB 46.955 2,65% Paraibano  Maranhão
Themistocles Filho PMDB 44.462 2,51% Teresina  Piauí
Juliana Melo Falcão PMDB 43.579 2,46% Teresina  Piauí
Rubem Martins PSB 41.884 2,36% Santa Cruz do Piauí  Piauí
Flávio Nogueira Júnior PDT 39.152 2,21% Teresina  Piauí
Hélio Isaías da Silva PTB 37.764 2,13% Teresina  Piauí
Georgiano Lima PSD 37.204 2,10% Teresina  Piauí
Robert Rios PDT 36.903 2,08% Teresina  Piauí
Marden Menezes PSDB 35.809 2,02% Teresina  Piauí
Fernando Monteiro PTB 35.558 2,00% Teresina  Piauí
Gustavo Neiva PSB 35.388 2,00% Teresina  Piauí
Zezinho Pessoa PSD 34.664 1,95% Água Branca  Piauí
Francisco Lima PT 34.639 1,95% Matias Olímpio  Piauí
Luciano Nunes[nota 6] PSDB 33.770 1,90% Teresina  Piauí
Pablo Santos PMDB 33.665 1,90% Picos  Piauí
Janaína Marques PTB 31.830 1,79% Teresina  Piauí
Júlio Arcoverde PP 31.055 1,75% Teresina  Piauí
Edson Ferreira PSD 30.606 1,73% São Raimundo Nonato  Piauí
Fábio Novo PT 28.684 1,62% Bom Jesus  Piauí
João Madison Nogueira PMDB 26.722 1,51% Corrente  Piauí
Firmino Paulo PSDB 26.623 1,50% Teresina  Piauí
Liziê Coelho PTB 26.552 1,50% Paulistana  Piauí
Gessivaldo Isaías PRB 25.626 1,44% Teresina  Piauí
Nerinho PTB 24.382 1,37% Picos  Piauí
Fábio Xavier PR 24.163 1,36% São Luís  Maranhão
Flora Izabel PT 23.733 1,34% Teresina  Piauí
Evaldo Gomes PTC 21.059 1,19% Teresina  Piauí
Hélio Oliveira PTC 12.997 0,73% Canto do Buriti  Piauí

Estatísticas parlamentares[editar | editar código-fonte]

Na eleição para deputado federal as duas coligações mais votadas conseguiram cinco vagas cada enquanto na eleição para deputado estadual o placar foi de vinte a dez para os apoiadores do governador Moraes Souza Filho sobre os de Wellington Dias.[1]

Notas

  1. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  2. a b O governador Wellington Dias escolheu o deputado federal Fábio Abreu para a Secretaria de Segurança e Rejane Dias para a Secretaria de Educação enquanto o segundo suplente, Merlong Solano, ficou na Secretaria de Governo. Foram convocados então os suplentes Silas Freire e José Maia Filho.
  3. Afastou-se em favor do suplente, Flávio Nogueira, após ser nomeado para comandar o Ministério da Saúde pela presidente Dilma Rousseff.
  4. Por força de acordos políticos, o governador Wellington Dias nomeou dez deputados estaduais (Fábio Novo, Fábio Xavier, Flávio Nogueira Júnior, Francisco Lima, Gessivaldo Isaías, Hélio Isaías da Silva, Janaína Marques, Nerinho, Pablo Santos e Zé Santana) e três suplentes (Francis Lopes, Henrique Rebelo e Ziza Carvalho) para compor sua equipe.
  5. O triunvirato de suplentes acima mencionados chegou a exercer o mandato antes de ocupar secretarias e órgãos de estado, e além desses foram convocados Aluísio Martins, Antônio Uchôa, Belê Medeiros, Cícero Magalhães, Ismar Marques, João de Deus, José Hamilton, Joel Rodrigues, Mauro Tapety e Bessah Filho.
  6. Nomeado presidente da Fundação Municipal de Saúde de Teresina pelo prefeito Firmino Filho, deu lugar a Antônio Félix.

Referências

  1. a b c d e f g «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 6 de outubro de 2014 
  2. «BRASIL. Presidência da República: Constituição de 1988». Consultado em 15 de junho de 2014 
  3. «Wilson Martins é reeleito governador do Piauí (UOL eleições 2010)». Consultado em 28 de setembro de 2014 
  4. a b «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí». Consultado em 28 de setembro de 2014 
  5. «Zé Filho empossa secretários e diretores da nova gestão no Piauí (g1piaui.com)». Consultado em 28 de setembro de 2014 
  6. SANTOS, José Lopes dos. Política e Outros Temas. v. II. Teresina: Gráfica Mendes, 1991.
  7. «Senado Federal do Brasil: senador Elmano Ferrer». Consultado em 29 de junho de 2017 
  8. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 6 de outubro de 2014 
  9. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 6 de outubro de 2014