Eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 1945

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1935 Brasil 1947
Eleições estaduais no  Rio Grande do Sul em 1945
2 de dezembro de 1945
(Turno único)
Senadores eleitos
Getúlio Vargas - retrato oficial de 1930.JPG Replace this image male.png
Candidato Getúlio Vargas Ernesto Dorneles
Partido PTB PSD
Natural de São Borja, RS São Borja, RS
Votos 461.913 460.113
Porcentagem 38,98% 38,83%


Brasão do Rio Grande do Sul.svg
Governador do Rio Grande do Sul

Eleito
Cylon Rosa
PSD

As eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 1945 foram realizadas em 2 de dezembro de acordo com as regras fixadas no decreto-lei 7.586[1] e numa resolução do Tribunal Superior Eleitoral publicada em 8 de setembro como parte das eleições gerais em 20 estados, no Distrito Federal e no território federal do Acre.[nota 1] Os gaúchos elegeram dois senadores e vinte e dois deputados federais[2] enviados à Assembleia Nacional Constituinte para elaborar a Constituição de 1946 e restaurar o regime democrático após o Estado Novo.[3]

Elevado ao cargo de presidente da República após um golpe de estado por meio da Revolução de 1930, Getúlio Vargas assumiu o comando do governo provisório onde governou através de decretos assumindo até mesmo as atribuições do Poder Legislativo até a eleição de uma Assembleia Nacional Constituinte,[4] promessa cumprida após a conflagração da Revolução Constitucionalista de 1932 que legou ao país a Constituição de 1934.[5] Graças às disposições transitórias da mesma, foi eleito presidente da República pelos constituintes por via indireta ao derrotar Borges de Medeiros, candidato apoiado pelos paulistas. Com o tempo, a radicalização ideológica entre integralistas e aliancistas fomentou a Intentona Comunista e forneceu a desculpa, alimentada pelo fraudulento Plano Cohen, para o fechamento do regime através do Estado Novo em 1937.

Fase mais repressiva da Era Vargas, o Estado Novo foi guarnecido pela Constituição de 1937 e acabou após a Segunda Guerra Mundial.[6] A essa altura o país já tomara conhecimento do Manifesto dos Mineiros e com o fim do nazi-fascismo, a ditadura varguista foi obrigada a abrir o regime e marcar eleições gerais para 1945. Em 29 de outubro a deposição de Getúlio Vargas levou ao poder o ministro José Linhares, presidente do Supremo Tribunal Federal.

Mesmo fora do poder o ex-ditador não foi importunado e regressou a São Borja. Durante a estadia em sua cidade natal foi agraciado com nove mandatos eletivos. Graças ao ardil das candidaturas múltiplas e a inexistência de regas quanto ao domicílio eleitoral, foi eleito deputado federal pela Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, além de senador pelo Rio Grande do Sul e São Paulo.[7] Em meio a tantas opções integrou a bancada gaúcha no Senado Federal pelo PTB, mas renunciou em favor de Camilo Mércio tão logo foi promulgada a Constituição de 1946.

Também eleito senador, o coronel Ernesto Dorneles ingressou no Colégio Militar de Porto Alegre e a seguir na Escola Militar do Realengo. Nascido em São Borja, foi adjunto da Polícia Militar de Minas Gerais durante a interventoria de seu cunhado, Benedito Valadares e a seguir trabalhou com o ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra. Nomeado interventor federal no Rio Grande do Sul em 1943 como sucessor de Osvaldo Cordeiro de Farias, ingressou na vida política após dois anos e filiou-se ao PSD sendo eleito senador beneficiando-se ainda por ser primo de Getúlio Vargas.[8]

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Com informações do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul.[2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Getúlio Vargas[nota 2]
PTB
Camilo Mércio[nota 3][nota 4]
PSD
-
PTB (sem coligação)
461.913
38,98%
Ernesto Dorneles[nota 5]
PSD
Alfredo Simch[nota 5][nota 4]
PSD
-
PSD (sem coligação)
460.113
38,83%
Joaquim Luís Osório
UDN
Não havia
-
-
UDN (sem coligação)
95.794
8,08%
Francisco Antunes Maciel
UDN
Não havia
-
-
UDN (sem coligação)
95.154
8,03%
Luís Carlos Prestes[nota 6]
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
37.033
3,12%
Álvaro Moreira
PCB
Não havia
-
-
PCB (sem coligação)
35.033
2,96%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[9][10]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Gaston Englert PSD 52.444 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Adroaldo Costa PSD 48.248 Taquari  Rio Grande do Sul
Brochado da Rocha PSD 45.579 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Eloy Rocha PSD 26.650 São Leopoldo  Rio Grande do Sul
Teodomiro Fonseca PSD 23.518 Cachoeira do Sul  Rio Grande do Sul
Damaso da Rocha PSD 23.317 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Daniel Faraco PSD 22.740 Florianópolis  Santa Catarina
João Batista Luzardo PSD 21.525 Uruguaiana  Rio Grande do Sul
João Neves da Fontoura PSD 20.176 Cachoeira do Sul  Rio Grande do Sul
Raul Pilla PL 16.996 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Flores da Cunha UDN 16.489 Santana do Livramento  Rio Grande do Sul
Antero Leivas PSD 14.550 Pelotas  Rio Grande do Sul
Manuel Duarte PSD 12.679 [nota 7]  Rio Grande do Sul
Artur de Sousa Costa PSD 10.159 Pelotas  Rio Grande do Sul
Bittencourt de Azambuja PSD 9.596 Pinhal Grande  Rio Grande do Sul
Glicério Alves PSD 9.219 Rio Pardo  Rio Grande do Sul
Nicolau Vergueiro PSD 7.731 Passo Fundo  Rio Grande do Sul
Mércio Teixeira PSD 7.401 Dom Pedrito  Rio Grande do Sul
Artur Fischer[nota 2] PTB 6.595 Venâncio Aires  Rio Grande do Sul
Pedro Vergara PSD 6.262 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Abílio Fernandes[nota 8] PCB 5.947 Pelotas  Rio Grande do Sul
Osório Tuiuty UDN 4.759 São Borja  Rio Grande do Sul

Notas

  1. Este elegeria dois deputados federais sendo que em 1947 Amapá, Rondônia e Roraima elegeriam apenas um deputado federal cada.
  2. a b Graças ao ardil das candidaturas múltiplas, Getúlio Vargas obteve nove mandatos em 1945: deputado federal pela Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo e senador pelo Rio Grande do Sul e São Paulo, optando por representar seu estado no Senado Federal levando à efetivação de seu suplente de deputado federal gaúcho. Consta aqui sua inscrição como concorrente pelo PTB embora o acervo do Tribunal Superior Eleitoral assegure que Getúlio Vargas foi eleito senador pelo PSD.
  3. Efetivado quando Getúlio Vargas renunciou após a promulgação da nova constituição.
  4. a b Segundo o Art. 11, § 2º, inciso I, alínea "b" das Disposições Transitórias, os suplentes dos senadores eleitos em 1945 seriam escolhidos por voto direto em 1947.
  5. a b A eleição de Ernesto Dorneles para o governo do Rio Grande do Sul em 1950 levou à efetivação de seu suplente.
  6. Luís Carlos Prestes foi eleito senador pelo Distrito Federal e deputado federal pelo Distrito Federal, Pernambuco e Rio Grande do Sul optando pela vaga senatorial.
  7. Não foi possível determinar o município de seu nascimento.
  8. Beneficiado pela decisão de Luís Carlos Prestes de exercer o mandato de senador pelo Distrito Federal, foi efetivado e exerceu o mandato até que o Congresso Nacional declarou extintos os mandatos da bancada comunista em 10 de janeiro de 1948 após decisão do Tribunal Superior Eleitoral proferida em 7 de maio de 1947.

Referências