Eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 2006

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2002 Brasil 2010
Eleições estaduais no  Rio Grande do Sul em 2006
29 de outubro de 2006
Segundo Turno
Yeda Crusius (foto oficial de governadora do Rio Grande do Sul).jpg Olivio Dutra em setembro de 2004.jpg
Candidato Yeda Crusius Olívio Dutra
Partido PSDB PT
Natural de São Paulo, SP Bossoroca, RS
Vice Paulo Feijó Jussara Cony
Votos 3.377.973 2.884.092
Porcentagem 53,95% 46,05%
Mapa Eleitoral Governo RS 2006 (2º Turno).svg
  Municípios onde Yeda obteve maior votação
  Municípios onde Olívio obteve maior votação


Brasão do Rio Grande do Sul.svg
Governador do Rio Grande do Sul

As eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 2006 aconteceram juntamente com as eleições federais no Brasil, em 1 de outubro e em 29 de outubro. Desde 1994, como resultado de uma emenda constitucional que reduziu o mandato presidencial para quatro anos, todas as eleições federais e estaduais no Brasil coincidiram. As eleições estaduais decidem governadores e os deputados estaduais para as Assembleias Legislativas. Também os membros do Congresso Nacional são eleitos por estado.

O atual governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, depois de uma tentativa frustrada de candidatura em nível federal, tentou a reeleição no estado. Contra ele, entre outros, dois ex-governadores: Olívio Dutra (PT), ex-ministro das Cidades, já governou o estado entre 1999 e 2002; e Alceu de Deus Collares, deputado federal, foi governador entre 1991 e 1994. A vencedora foi a candidata Yeda Crusius.

Candidatos[editar | editar código-fonte]

Frente de Esquerda (PSOL, PCB e PSTU)[editar | editar código-fonte]

Roberto Robaina, ex-marido de Luciana Genro, foi o candidato do PSOL, criado por dissidentes do PT, insatisfeitos com os rumos do governo federal. Além da cláusula de barreira, visa confirmar o apoio popular que o partido recebeu quando da sua fundação. Coligado com o PSTU (também uma dissidência do PT) e com o PCB.

Cargo Partido Número Nome
Governador PSOL 50 Roberto Robaina
Vice-Governador PCB - Humberto Sorio Júnior
Senadora PSTU 161 Vera Guasso
Primeiro suplente PSTU - Orlando Silva Filho
Segundo suplente PSTU - Carlos Henrique Almeida

Frente Popular - A Força do Povo (PT e PCdoB)[editar | editar código-fonte]

O Partido dos Trabalhadores teve como candidato Olívio Dutra, governador em 1999 e 2002. Após perder a hegemonia de 16 anos em Porto Alegre, em 2004, o partido lançou seu principal nome no estado para voltar ao Piratini e recuperar a imagem do partido, abalada pelo Mensalão, no governo federal. Coligado com PCdoB.

Cargo Partido Número Nome
Governador PT 13 Olívio Dutra
Vice-Governadora PCdoB - Jussara Cony
Senador PT 131 Miguel Rossetto
Primeira suplente PT - Juçara Dutra Vieira
Segundo suplente PT - Alfredo Tatto

Partido da Causa Operária (PCO)[editar | editar código-fonte]

Lançou Guilherme Giordano a governador.

Cargo Partido Número Nome
Governador PCO 29 Guilherme Giordano
Vice-Governador PCO - Luiz Delvair Barros
Senador PCO 290 Oscar de Souza
Primeiro suplente PCO - Marco Antonio Ávila
Segundo suplente PCO - Otto Weremchuk

Partido Democrático Trabalhista (PDT)[editar | editar código-fonte]

O partido concorreu com Alceu Collares, governador entre 1991 e 1994, em busca do prestígio que já gozaram no estado, terra natal do líder máximo e fundador da legenda, Leonel Brizola. Em chapa pura, além de governar em 1991 e 1994, o PDT participou do primeiro ano do governo Olívio Dutra (1999) e fizeram parte do governo Germano Rigotto da posse até o início de 2006.

Cargo Partido Número Nome
Governador PDT 12 Alceu Collares
Vice-Governador PDT - Pery Coelho
Senador PDT 123 Valmir Batista
Primeiro suplente PDT - Getúlio Vargas Neto
Segundo suplente PDT - João Batista Filho

Partido Progressista (PP)[editar | editar código-fonte]

Teve como candidato Francisco Turra. Usar a força eleitoral que tem no interior do estado, principalmente na região sul, onde possui a maioria dos prefeitos. Fez parte do governo Rigotto, ao qual abandonou para lançar candidatura própria. Já havia governado o estado durante a ditadura militar, quando se chamava ARENA, e, pelo voto direto, entre 1983 e 1987, com Jair Soares, à época denominado PDS.

Cargo Partido Número Nome
Governador PP 11 Francisco Turra
Vice-Governador PP - João Dib
Senadora PP 111 Mônica Leal
Primeiro suplente PP - Paulo Roberto Bier
Segundo suplente PP - Gilmar Weber

Partido Social Democrata Cristão (PSDC)[editar | editar código-fonte]

Pedro Couto foi o candidato.

Cargo Partido Número Nome
Governador PSDC 27 Pedro Couto
Vice-Governadora PSDC - Daniela Buchholz
Senadora PSDC 272 Odette Gonçalves
Primeiro suplente PSDC - José Luís Curço
Segundo suplente PSDC - Aldo Luiz Mineiro

Partido Socialista Brasileiro (PSB)[editar | editar código-fonte]

Beto Grill que já foi Deputado Estadual e Prefeito das cidades de São Lourenço do Sul e Cristal por dois mandatos, foi o candidato socialista. O partido buscou uma identidade eleitoral própria, se desvinculando do PT, tradicional aliado no estado.

Cargo Partido Número Nome
Governador PSB 40 Beto Grill
Vice-Governador PSB - Irani Medeiros
Senador PSB 401 João Batista Conceição
Primeiro suplente PSB - Rubino Souza
Segundo suplente PSB - Mário Pelz

Partido Verde (PV)[editar | editar código-fonte]

Os verdes lançaram Edison Pereira ao Palácio Piratini, numa eleição onde seu principal objetivo é vencer a cláusula de barreira.

Cargo Partido Número Nome
Governador PV 43 Edison Pereira
Vice-Governador PV - Roberto Winkler
Senador PV 430 Nélson Vasconcelos
Primeira suplente PV - Laís Rodrigues
Segundo suplente PV - Ricardo Canabarro

Rio Grande Afirmativo (PSDB, PFL, PPS, PL, PSC, PHS, PTdoB, PRONA, PAN, PRTB e PTC)[editar | editar código-fonte]

O PSDB teve como candidata ao governo a deputada federal Yeda Crusius, que venceu a eleição. Coligou-se com DEM e PPS. O PPS almejava a candidatura própria, mas apoiou o PSDB no contexto das alianças nacionais de seu partido em torno da candidatura de Geraldo Alckmin. Nelson Proença, pré-candidato do PPS desistiu da candidatura na véspera do registro oficial. Junto com o Partido Popular Socialista, juntaram-se a coligação 8 partidos menores, que apoiavam a pré-candidatura de Proença, e formam uma coligação paralela denominada Levante Rio Grande. PSDB e PFL são constantes aliados, não só em nível federal como estadual. A participação do PPS, novidade na esfera nacional, não surpreende no estado: formado principalmente por dissidentes do ASAS PMDB, o PPS já esteve coligado com o PFL na última eleição estadual. O PSDB fez parte do governo Rigotto, o qual abandonou para lançar uma candidatura alternativa. PPS e o PFL se mantiveram neutros na atual legislatura.

Cargo Partido Número Nome
Governadora PSDB 45 Yeda Crusius
Vice-Governador PFL - Paulo Feijó
Senador PPS 234 Mário Bernd
Primeiro suplente PPS - Arlindo Vargas
Segunda suplente PPS - Carmem Carolina Menegalli

União Pelo Rio Grande (PMDB, PTB e PMN)[editar | editar código-fonte]

No governo, tentou mais quatro anos no Palácio Piratini. O PMDB, que encabeçava a chave, já governou o estado entre 1987 e 1991, com Pedro Simon, e entre 1995 e 1998, com Antônio Britto. Coligou-se com o PMN e o PTB - partido da candidata a vice-governadora Sônia Santos.

Cargo Partido Número Nome
Governador PMDB 15 Germano Rigotto
Vice-Governadora PTB - Sônia Santos
Senador PMDB 151 Pedro Simon
Primeiro suplente PTB - Elói Guimarães
Segunda suplente PMDB - Maria da Graça Paiva

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Governador - 1º Turno[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos, Nulos e Indecisos
Germano Rigotto (PMDB) Yeda Crusius (PSDB) Olívio Dutra (PT) Francisco Turra
(PP)
Alceu Collares (PDT) Beto Grill (PSB) Roberto Robaina (PSOL) Edison Pereira (PV) Guilherme Giordano (PCO) Pedro Couto (PSDC)
19/06 a 22/06/2006 Ibope[1] ±3% 26% 11% 26% 3% 8% 0% 0% 0% 0% 0% 24%
12/07 a 14/07/2006 Methodus[2] ±2,3% 28,9% 16,9% 27,6% 3% 9,6% 0,9% 0,6% 0,1% 0,3% 0,3% 11,6%
02/08 a 04/08/2006 CPCP[3] ±2,5% 28% 12,8% 23,1% 3% 9,6% 1,6% 0,4% 0,1% 0,3% 0,3% 21,7%
10/08 a 12/08/2006 Methodus[4] ±2,3% 26,6% 14,1% 26,1% 3% 8,6% 0,4% 0,8% 0,3% 0,4% 0,3% 19,5%
19/06 a 22/06/2006 Ibope[5] ±3% 28% 15% 21% 3% 8% 0% 1% 0% 0% 0% 24%
28/08 a 30/08/2006 Ibope[6] ±3% 28% 16% 21% 3% 8% 1% 1% 0% 0% 0% 22%
06/09 a 08/09/2006 Methodus[7] ±2,3% 32,7% 22,5% 25,9% 4,9% 5,7% 0,6% 1,2% 0,5% 0,4% 0,1% 5,9%
12/09 a 14/09/2006 Ibope[8] ±3% 30% 17% 26% 8% 5% 1% 0% 0% 0% 0% 13%
27/09 a 29/09/2006 CPCP[9] ±1,7% 28,3% 25,7% 22,2% 6,1% 4,9% 1% 0% 0% 0% 0% 11,4%
27/09 a 29/09/2006 Ibope[10] ±2% 29% 22% 22% 7% 5% 1% 1% 0% 0% 0% 13%

Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos, Nulos e Indecisos
Pedro Simon (PMDB) Miguel Rossetto (PT) Mônica Leal (PP) Mário Bernd (PPS) Valmir Batista (PDT) Batista Conceição (PSB) Vera Guasso (PSTU) Nélson Vasconcelos (PV) Odette Gonçalves (PSDC) Oscar de Souza (PCO)
12/09 a 14/09/2006 Ibope[11] ±3% 42% 17% 8% 5% 1% 2% 2% 1% 0% 0% 21%
27/09 a 29/09/2006 Ibope[12] ±2% 38% 19% 10% 9% 1% 2% 2% 1% 0% 0% 18%

Governador - 2º Turno[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos, Nulos e Indecisos
Yeda Crusius (PSDB) Olívio Dutra (PT)
04/10 a 06/10/2006 Ibope (votos totais)[13] ±2% 63% 29% 8%
04/10 a 06/10/2006 Ibope (votos válidos)[14] ±2% 68% 32% -
17/10 a 19/10/2006 Ibope (votos totais)[15] ±2% 55% 35% 10%
17/10 a 19/10/2006 Ibope (votos válidos)[16] ±2% 62% 38% -
23/10 a 25/10/2006 Methodus[17] ±2,3% 49,2% 43,1% 7,8%
25/10 a 26/10/2006 CPCP (votos totais)[18] ±2% 49,9% 42,2% 7,9%
25/10 a 26/10/2006 CPCP (votos válidos)[19] ±2% 54,2% 45,8% -
25/10 a 27/10/2006 Ibope (votos totais)[20] ±2% 49% 40% 11%
25/10 a 27/10/2006 Ibope (votos válidos)[21] ±2% 53% 47% -

Resultados[editar | editar código-fonte]

Presidência da República[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) Vice 1º turno[22]
1 de outubro de 2006
2º turno[23]
29 de outubro de 2006
Votação
Fonte: TSE
Total Percentagem Total Percentagem
Geraldo Alckmin (PSDB) José Jorge Lima (PFL) 3 460 730 55,76% 3 486 916 55,35%
Lula da Silva (PT) José Alencar (PL) 2 052 656 33,07% 2 811 658 44,65%
Heloísa Helena (PSOL) César Benjamin (PSOL) 439 959 7,09%
Cristovam Buarque (PDT) Jefferson Péres (PDT) 239 437 3,86%
Ana Maria Rangel (PRP) Delma Gama e Narcini (PRP) 7 658 0,12%
José Maria Eymael (PSDC) José Paulo da Silva Neto (PSDC) 3 602 0,06%
Luciano Bivar (PSL) Américo de Souza (PSL) 2 699 0,04%
Rui Costa Pimenta (PCO)[nota 1] Pedro Paulo Pinheiro (PCO) 0 0,00%
Total de votos válidos 6 206 741 92,96% 6 297 574 96,09%
→ Votos em branco 214 245 3,21% 108 626 1,66%
→ Votos nulos 255 842 3,83% 147 382 2,25%
Total 6 676 828 86,15% 6 553 582 84,56%
Abstenções 1 073 755 13,85% 1 197 001 15,44%
Total de inscritos 7 750 583 100,00% 7 750 583 100,00%
  Segundo Turno
  Eleito(a)

Governo do Estado[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) Vice 1º turno[24]
1 de outubro de 2006
2º turno[25]
29 de outubro de 2006
Votação
Fonte: TSE
Total Percentagem Total Percentagem
Yeda Crusius (PSDB) Paulo Feijó (PFL) 2 037 923 32,90% 3 377 973 53,94%
Olívio Dutra (PT) Jussara Cony (PCdoB) 1 696 243 27,39% 2 884 092 46,06%
Germano Rigotto (PMDB) Sônia Santos (PTB) 1 679 902 27,12%
Francisco Turra (PP) João Dib (PP) 412 767 6,66%
Alceu Collares (PDT) Pery Coelho (PDT) 229 639 3,71%
Roberto Robaina (PSOL) Humberto Sorio Júnior (PCB) 68 676 1,11%
Beto Grill (PSB) Irani Medeiros (PSB) 36 846 0,59%
Edison Pereira (PV) Roberto Winkler (PV) 27 321 0,44%
Guilherme Giordano (PCO) Luiz Delvair Barros (PCO) 3 018 0,05%
Pedro Couto (PSDC) Daniela Buchholz (PSDC) 1 261 0,02%
Total de votos válidos 6 193 596 92,96% 6 262 065 95,55%
→ Votos em branco 290 919 4,36% 162 821 1,96%
→ Votos nulos 192 313 2,88% 162 821 2,48%
Total 6 676 828 86,15% 6 553 582 84,56%
Abstenções 1 073 755 13,85% 1 197 001 15,44%
Total de inscritos 7 750 583 100,00% 7 750 583 100,00%
  Segundo Turno
  Eleito(a)

Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Deputados Federais[editar | editar código-fonte]

Foram eleitos trinta e um (31) deputados federais pelo Rio Grande do Sul. [27][28]


Deputados Estaduais[editar | editar código-fonte]

Foram eleitos cinquenta e cinco (55) deputados estaduais no estado.[29][30]

Notas

  1. Votos considerados nulos.

Referências

  1. «Rigotto e Olívio empatam com 26% das intenções de voto no RS». UOL Eleições 2006. 26 de junho de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  2. «Rigotto e Dutra empatam no primeiro lugar, aponta pesquisa». UOL Eleições 2006. 27 de julho de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  3. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 4 de agosto de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  4. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 4 de agosto de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  5. «No Ibope, Rigotto tem 28% e Olívio, 21%; Heloísa dobra votação no RS». UOL Eleições 2006. 21 de agosto de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  6. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 30 de agosto de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  7. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 8 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  8. «Ibope/RS: Rigotto lidera, Olívio cresce 5 pontos». Terra Eleições 2006. 16 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  9. «CPCP/RS: Rigotto lidera e Yeda ultrapassa Olívio». Terra Eleições 2006. 29 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  10. «PT e PSDB brigam para enfrentar PMDB no Rio Grande do Sul». UOL Eleições 2006. 30 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  11. «PT e PSDB brigam para enfrentar PMDB no Rio Grande do Sul». UOL Eleições 2006. 14 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  12. «PT e PSDB brigam para enfrentar PMDB no Rio Grande do Sul». UOL Eleições 2006. 30 de setembro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  13. «Ibope no RS mostra Yeda com 63% dos votos, contra 29% de Olívio». UOL Eleições 2006. 7 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  14. «Yeda tem 68% dos votos válidos no RS, diz Ibope». Congresso em Foco. 7 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  15. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 19 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  16. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 19 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  17. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 25 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  18. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 26 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  19. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 26 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  20. «Pesquisas Eleitorais». UOL Eleições 2006. 28 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  21. «Ibope aponta Yeda com 53% e Olívio com 47% no RS». Clic RBS. 28 de outubro de 2006. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  22. «Rio Grande do Sul - Apuração Estadual». G1 – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  23. «Rio Grande do Sul - Apuração para Presidente no Estado». G1 – Eleições 2006. 29 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  24. «Rio Grande do Sul - Apuração Estadual». G1 – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  25. «Rio Grande do Sul - Apuração para Presidente no Estado». G1 – Eleições 2006. 29 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  26. «Rio Grande do Sul - Apuração Estadual (Senador)». G1 – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  27. «Rio Grande do Sul - Apuração Estadual (Deputado Federal)». G1 – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  28. «Eleições 2006 - Bancada por Votos (Deputado Federal)». ClicRBS – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  29. «Rio Grande do Sul - Apuração Estadual (Deputado Estadual)». G1 – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 
  30. «Eleições 2006 - Apuração RS - Deputado Estadual». Folha de S.Paulo – Eleições 2006. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

As ligações a seguir são da página oficial do Tribunal Superior Eleitoral.