Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
‹ 2010 Brasil 2018
Eleições estaduais do  Rio de Janeiro em 2014
26 de outubro de 2014
(Segundo turno)
Pezão 2015.jpg Crivella05122006.jpg
Candidato Luiz Fernando Pezão Marcelo Crivella
Partido PMDB PRB
Natural de Piraí, RJ Rio de Janeiro, RJ
Vice Francisco Dornelles (PP) General Abreu (PRB)
Votos 4.343.298 3.442.713
Porcentagem 55,78% 44,22%



Governador do Rio de Janeiro
Eleição parlamentar no  Rio de Janeiro em 2014 (Senado)
5 de outubro de 2014
(Candidatos a senador)[a]
Senador Romário (Retrato oficial).jpg César Maia.jpg
Líder Romário Faria Cesar Maia
Partido PSB DEM
Natural de Rio de Janeiro, RJ Rio de Janeiro, RJ
Votos 4.683.963 1.514.727
Porcentagem 63,43% 20,51%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador

Titular(es)
Francisco Dornelles
PP

Eleito(s)
Romário
PSB

As eleições estaduais do Rio de Janeiro , em 2014, foram realizadas em 05 de outubro (1º turno) e 26 de outubro (2º turno), como parte das eleições gerais no Brasil. Os eleitores aptos a votar escolheram o Presidente da República, Governador do Estado e um Senador da República, além de 46 deputados federais e 70 deputados estaduais. Como nenhum dos candidatos a governador obteve mais da metade dos votos válidos no primeiro turno, um segundo turno foi realizado.

Os candidatos ao Palácio Guanabara foram: Anthony Garotinho (PR), Dayse Oliveira (PSTU), Lindberg Farias (PT), Luiz Fernando Pezão (PMDB), Marcelo Crivella (PRB), Ney Nunes (PCB) e Tarcísio Motta (PSOL).

O governador Luiz Fernando Pezão venceu com 40,57% dos votos válidos, mas não foi suficiente para se eleger em primeiro turno, indo para o segundo turno, onde enfrentou o segundo colocado Marcelo Crivella, que obteve 20,67% dos votos válidos na primeira votação, ficando a frente do ex-governador e deputado federal Anthony Garotinho, que obteve 19,73%, ficando na terceira colocação.

No Senado, o ex-futebolista Romário Faria (PSB) foi eleito com 63,43% dos votos válidos, obtendo a maior votação para senador na história do estado (4.683.369 votos). Em segundo lugar, ficou o ex-prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia (DEM), com 20,51%.

No segundo turno, foi eleito o atual governador Luiz Fernando Pezão, com 55,78% dos votos válidos contra 44,22% do então senador Marcelo Crivella. Pezão recebeu 4.343.298 votos.

Regras[editar | editar código-fonte]

Governador e Vice-governador No geral, as regras para as eleições presidenciais também se aplicam às estaduais. Isto é, as eleições possuem dois turnos e se nenhum dos candidatos alcança maioria absoluta dos votos válidos, um segundo turno entre os dois mais votados acontece. Todos os candidatos com cargos executivos devem renunciar até 5 de abril, para poderem disputar.

Senador Para o Senado, conforme rodízio previsto para as eleições ao Senado, em 2014, será disputada apenas uma vaga por estado com mandato de 8 anos. O candidato mais votado é eleito, não havendo segundo turno para as eleições legislativas.

Candidatos a governador[editar | editar código-fonte]

Pezão (PMDB): Luiz Fernando de Souza, conhecido como Pezão, foi vereador e prefeito de Piraí por dois mandatos (1997-2000 e 2001-2004) e foi secretário de estado durante o governo de Rosinha. Em 2006 é eleito vice-governador do estado, assumindo no ano seguinte, também acumulando o cargo de Secretário de Obras durante o governo de Sérgio Cabral. Com a renúncia de Cabral em abril de 2014, assumiu o governo do estado. É candidato à reeleição pela coligação O Rio em Primeiro Lugar, encabeçada pelo PMDB e tem como vice o senador Francisco Dornelles (PP).

Marcelo Crivella (PRB): Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella foi eleito senador em 2002, assumindo em 2003. Durante o mandato, assumiu o ministério da pesca em 2012. Crivella concorreu duas vezes à prefeitura do Rio - em 2004 e 2008 - e disputa o governo do estado pela segunda vez, sendo a primeira em 2006, quando ficou de fora do segundo turno. No segundo turno de 2014, obteve apoio de Garotinho e Lindbergh Farias contra Pezão.

Anthony Garotinho (PR): Ex-prefeito de Campos dos Goytacazes por dois mandatos, Garotinho foi governador do estado entre 1999 e 2002. Ainda em 2002 foi candidato à presidência da república, ficando na terceira colocação. Em 2010 foi eleito deputado federal com a maior votação do estado do Rio de Janeiro. Tentará a volta ao Palácio Guanabara pela Aliança Republicana e Trabalhista, formada por PR, PTdoB e PROS e terá como vice em sua chapa o vereador e major do Corpo de Bombeiros Márcio Garcia, que foi um dos presos em 2011 devido à invasão do quartel general da corporação em protesto por melhores salários.

Lindberg Farias (PT): Ex-líder estudantil durante o movimento Fora Collor, Lindberg foi deputado federal e prefeito de Nova Iguaçu por dois mandatos consecutivos. Em 2010 deixou a prefeitura de Nova Iguaçu para ser candidato a senador, sendo eleito com a maior votação da história. É candidato pela Frente Popular formada por PT, PSB, PCdoB e PV e tem como vice na chapa Roberto Rocco (PV).

Tarcísio Motta (PSOL): Em candidatura própria, o partido decidiu por lançar o nome de Tarcísio Motta para a corrida ao Palácio Guanabara, Tarcísio é professor de história do Colégio Pedro II e tem como candidato a vice o vigilante José Renato Gomes, conhecido como Renatão do Quilombo.

Dayse Oliveira (PSTU): O partido lança a candidatura da professora da rede estadual e militante socialista e do movimento negro no Rio de Janeiro Dayse Oliveira, ela foi candidata à vice-presidente em 2002, ao senado em 2006, e a prefeitura de São Gonçalo por duas vezes, será a única mulher a disputar a corrida ao Palácio Guanabara.

Ney Nunes (PCB): Novamente lançando candidatura própria, o PCB indicou o nome do Ney Nunes, bancário que trabalha há dez anos no Banco do Brasil, sua história na militância política se iniciou ainda nos tempos da Ditadura Militar. Em 1976/77 participou da reconstrução do movimento estudantil e das primeiras manifestações pela Anistia. No ano de 1978 começa a trabalhar na LIGHT e se dedica a militância sindical, em 1984 ajudou a organizar a primeira greve dos eletricitários no Rio de Janeiro depois do golpe de 64. Foi delegado no Congresso de fundação da CUT em 1983 e integrou sua primeira diretoria no Rio de Janeiro no ano de 1986. Após a eleição de Lula (2002), rompe com a CUT por discordar do seu atrelamento ao governo e sua política de conciliação de classes. Ney Nunes graduou-se em História pela UERJ.

Candidatos a governador e a vice Número
Eleitoral
Coligação Tempo de horário eleitoral Votos no
1º turno
Porcentagem Votos no
2º turno
Porcentagem
Luiz fernando de souza pezao.jpg
Luiz Fernando Pezão (PMDB)
Francisco Dornelles (PP)
15
O Rio em Primeiro Lugar
PMDB, PP, DEM, PSD, PSC,
PSDB, PPS, PSL, SD,
PHS, PTN, PSDC, PMN, PTC,
PRP, PRTB, PEN e PTB
8'57
3.242.513
40,57%
4.343.298
55,78%
Crivella05122006.jpg
Marcelo Crivella (PRB)
General Abreu (PRB)
10
sem coligação
1'09
1.619.165
20,26%
3.442.713
44,22%
Anthony Garotinho 24559.jpeg
Anthony Garotinho (PR)
Márcio Garcia (PR)
22
Aliança Republicana
e Trabalhista

PR, PROS e PTdoB
2'17
1.576.511
19,73%
Lindbergh Farias 2011.jpg
Lindberg Farias (PT)
Roberto Rocco (PV)
13
Frente Popular
PT, PV, PSB e PCdoB
4'38
798.897
10,00
Professor Tarcísio.jpg
Tarcísio Motta (PSOL)
Renatão do Quilombo (PSOL)
50
sem coligação
1'01
712.734
8,92%
Dayse Oliveira, PSTU-RJ (cropped).jpg
Dayse Oliveira (PSTU)
Marília Macedo (PSTU)
16
sem coligação
0'57
33.442
0,42%
NeyNunesBB.jpg
Ney Nunes (PCB)
Heitor César (PCB)
21
sem coligação
0'57
8.950
0,11%
  Segundo Turno

Candidatos a Senador[editar | editar código-fonte]

Romário (PSB): Coligado com a chapa de Lindberg Farias, o ex-jogador e atual deputado federal Romário é o candidato ao Senado pelo PSB.

César Maia (DEM): Coligado com a chapa de Pezão, o economista César Maia é candidato ao senado pelo DEM. César foi Secretário de Fazenda do Governo Brizola e prefeito da cidade do Rio de Janeiro por três mandatos (1993-1996, 2001-2004 e 2005-2008). Atualmente é vereador e vice-presidente da International Democrata de Centro. Concorreu ao Governo do Estado em 1998 e ao Senado em 2010, sendo derrotado em ambas.

Carlos Lupi (PDT): Após romper com a chapa do PMDB por ter perdido a vaga para o candidato a vice-governador, que seria Felipe Peixoto, e não declarar apoio a nenhum outro candidato, o PDT lança em chapa própria o ex-ministro do trabalho Carlos Lupi como candidato ao Senado.

Líliam Sá (PROS): Coligado com Garotinho, o PROS lançou chapa para a disputa do senado, inicialmente o candidato do partido seria Hugo Leal, que acabou desistindo para disputar a reeleição para a Câmara dos Deputados, o partido decidiu por lançar a candidatura da deputada federal Líliam Sá.

Diplomata Sebastião Neves (PRB): Com a candidatura de Marcelo Crivella ao governo do Rio, o partido lança a candidatura do Diplomata Sebastião Neves ao senado.

Pedro Rosa (PSOL): Em Convenção Estadual realizada em 13 de junho, o PSOL oficializou a candidatura de senador do sindicalista paraense Pedro Rosa.[1] O candidato, formado em Geografia, é servidor público da Universidade Federal Fluminense (UFF) e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFF (SINTUFF).[2] Pedro Rosa defende o fim dos privilégios dos senadores, como o alto salário, o longo mandato de oito anos e o direito de aposentadoria ao fim do mandato.[3] Ele também critica a enorme influência do poder econômico nas eleições, pois prejudica os candidaturas com pouco dinheiro e sem apoio dos empresários.[3] Pedro Rosa compõe a Corrente Socialista dos Trabalhadores (CST), tendência radical do PSOL, e defende um programa que reflita as demandas das enormes manifestações nacionais de 2013 e as várias greves de 2014 (muitas dessas tiveram sua participação como apoiador).[4]

Ney Nunes (PCB): Com a candidatura de Ney Nunes ao governo fluminense, o partido lança a candidatura de Eduardo Serra, professor de Engenharia Naval e Ambiental e militante do PCB desde os anos 70. Eduardo já foi candidato a Prefeito e Governador do Rio pelo partido em 2008 e 2010, respectivamente.

Heitor Fernandes (PSTU): Com a candidatura de Dayse Oliveira ao governo do estado, o partido lança a candidatura de Heitor Fernandes, que é servidor dos correios. Heitor já foi três vezes candidato a Prefeitura de Niterói e candidato ao senado em 2010.

Candidato a Senador 1º Suplente 2º Suplente Número Eleitoral Coligação Tempo de horário eleitoral
Romário at the Brazilian Chamber of Deputies 2010-05-04 2.jpg
Romário
PSB
João Batista Lemos (PCdoB) Vivaldo Barbosa (PSB)
400
Frente Popular
2'12
César Maia.jpg
Cesar Maia
DEM
Ronaldo Cezar Coelho (PSD) Jorge Coutinho (PMDB)
255
O Rio em Primeiro Lugar
4'18
Carlos Lupi.JPG
Carlos Lupi
PDT
Sheila Gama (PDT) Arildo Teles (PDT)
123
Partido Democrático Trabalhista
PDT
0'36
Silver - replace this image male.svg
Líliam Sá
PROS
Comandante Norberto (PROS) Fernando Willian Ferreira (PTdoB)
901
Trabalhista e Republicana
PROS, PR, PTdoB
1'03
Silver - replace this image male.svg
Diplomata Sebastião Neves
PRB
Coronel Amêndola (PRB) Leide (PRB)
100
Partido Republicano Brasileiro
PRB
0'31
Silver - replace this image male.svg
Pedro Rosa
PSOL
Ana Carvalhaes (PSOL) Nascimento Bombeiro (PSOL)
500
Partido Socialismo e Liberdade
PSOL
0'27
Eduardo serra.JPG
Eduardo Serra
PCB
Paulo Oliveira (PCB) Dinarco Reis Filho (PCB)
211
Partido Comunista Brasileiro
PCB
0'25
Silver - replace this image male.svg
Heitor Fernandes
PSTU
Vânia Gobetti (PSTU) Lauson Regis (PSTU)
161
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado
PSTU
0'25

Coligações para os cargos Legislativos[editar | editar código-fonte]

Coligações para candidatos a Deputado Estadual[editar | editar código-fonte]

  • PR/PROS
  • Juntos pelo Trabalhismo (PTB/PTN)
  • Em defesa da família (PSC/PTC)
  • Pacto pelo Rio de Janeiro e o Brasil (PSDB/DEM/PPS)
  • Unidos pela Família (PSDC/PMN)
  • Para Melhorar tem que Mudar (PRTB/PPL)
  • PRB, PP, PDT, PT, PMDB, PSTU, PSL, PCB, PHS, PSB, PV, PRP, PSOL, PEN, PSD, PCdoB, PTdoB e SD não formaram coligações para as candidaturas a Deputado Estadual.

Coligações para candidatos a Deputado Federal[editar | editar código-fonte]

  • PR/PROS
  • Frente Popular I (PT/PSB/PCdoB)
  • PMDB/PP/PSD/PTB/PSC
  • Pacto pelo Rio de Janeiro e o Brasil (PSDB/DEM/PPS)
  • Rio Solidário (PSL/SD)
  • Frente Trabalhista e Solidária (PHS/PTN)
  • Por um Rio melhor (PSDC/PMN/PTC)
  • Renova Rio (PRP/PRTB/PPL)
  • PRB, PDT, PSTU, PCB, PV, PSOL, PEN e PTdoB não formaram coligações para as candidaturas a Deputado Federal.

Programa eleitoral[editar | editar código-fonte]

De acordo com a lei eleitoral, todas as redes de acesso gratuito de televisão e rádio devem reservar dois programas de 50 minutos por dia. O tempo reservado a cada um dos candidatos é determinado com base no número de assentos ocupados pelos partidos que correspondem a sua coligação na Câmara dos Deputados.[5] Os programas eleitorais são considerados uma ferramenta-chave de campanha no Brasil, onde a televisão e o rádio são as principais fontes de informação para muitos eleitores. O horário eleitoral gratuito também inclui candidatos concorrendo a cargos como Governador, Deputados Estadual e Federal, e Senador.[5]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Pesquisas de Opinião[editar | editar código-fonte]

Governador 1ºTurno[editar | editar código-fonte]

Data Instituto Candidato
Garotinho (PR) Pezão (PMDB) Crivella (PRB) Lindbergh (PT) Tarcísio Motta (PSOL) Dayse (PSTU) Ney Nunes (PCB) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
17 de junho Ibope 18% 13% 16% 11%
17 de julho Datafolha 24% 14% 24% 12% 2% 1% 0% 21% 12%
30 de julho Ibope 21% 15% 16% 11% 1% 2% 1% 16% 7%
15 de agosto Datafolha[6] 25% 16% 18% 12% 1% 1% 1% 17% 10%
26 de agosto Ibope[7] 28% 16% 18% 12% 3% 1% 1% 15% 6%
2 de setembro Ibope[8] 27% 19% 17% 11% 3% 1% 0% 14% 8%
4 de setembro Datafolha[9] 28% 23% 18% 11% 3% 1% 0% 10% 6%
9 de setembro Ibope[10] 26% 25% 17% 9% 2% 0% 0% 14% 6%
10 de setembro Datafolha[11] 25% 25% 19% 12% 2% 1% 0% 10% 6%
23 de setembro Ibope[12] 26% 29% 17% 8% 2% 1% 0% 10% 7%
26 de setembro Datafolha[13] 23% 31% 17% 12% 2% 1% 0% 9% 5%
29 de setembro Ibope[14] 24% 31% 16% 9% 1% 1% 0% 12% 6%
2 de outubro Datafolha[15] 21% 30% 17% 13% 6% 1% 0% 8% 5%
4 de outubro Datafolha[16] 25% 36% 22% 10% 6% 1% 0% - -

Governador 2ºTurno[editar | editar código-fonte]

Data Instituto Candidato
Pezão (PMDB) Crivella (PRB) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
10 de Outubro Gerp 36% 44% 11% 9%
16 de Outubro Datafolha[17] 46% 36% 10% 8%
16 de Outubro Ibope[18] 45% 38% 12% 5%
20 de Outubro Ibope[19] 46% 36% 13% 5%
22 de Outubro Ibope[20] 46% 37% 12% 5%
23 de Outubro Datafolha[21] 46% 38% 10% 6%

Senador[editar | editar código-fonte]

Data Instituto Candidato
Romário (PSB) Cesar Maia (DEM) Carlos Lupi (PDT) Lílian Sá (PROS) Pedro Rosa (PSOL) Sebastião Neves (PRB) Eduardo Serra (PCB) Heitor (PSTU) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
17 de julho de 2014 Datafolha 29% 23% 5% 2% 2% 1% 7% 1% 14% 16%
30 de julho de 2014 Ibope 24% 17% 3% 2% 3% 1% 7% 1% 24% 18%
16 de agosto de 2014 Datafolha[22] 29% 23% 5% 1% 1% 1% 8% 1% 17% 15%
26 de agosto de 2014 Ibope 37% 22% 3% 2% 2% 1% 5% 1% 17% 10%
4 de setembro de 2014 Datafolha 38% 25% 4% 2% 1% 1% 6% 0% 13% 11%
9 de setembro de 2014 Ibope 44% 21% 3% 1% 1% 1% 4% 1% 15% 9%
10 de setembro de 2014 Datafolha 43% 22% 5% 1% 1% 0% 5% 0% 10% 13%
23 de setembro de 2014 Ibope 44% 21% 2% 2% 1% 1% 2% 0% 15% 11%
26 de setembro de 2014 Datafolha 48% 23% 3% 2% 1% 1% 4% 0% 13% 11%
29 de setembro de 2014 Ibope[23] 49% 18% 0% 3% 0% 0% 2% 0% 13% 9%
4 de outubro de 2014 Ibope[24] 49% 19% 2% 3% 2% 1% 2% 0% 14% 9%

Resultados[editar | editar código-fonte]

Debates na TV[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

1º Turno[editar | editar código-fonte]

O primeiro debate com os candidatos ao Governo do Estado aconteceu em 19 de agosto de 2014, promovido pela Band Rio e com parceria do Twitter, foi o primeiro debate a contar com participação dos usuários do microblog, os eleitores ainda puderam participar através de perguntas enviadas pelo aplicativo WhatsApp. O segundo ocorreu à 2 de Setembro, promovido pela RedeTv!, Jornal O Dia e portal IG. Ambos os debates foram realizados no teatro Oi Casa Grande, no bairro do Leblon. O terceiro debate, promovido pela Record, foi realizado nos estúdios da emissora em 26 de setembro. O quarto e último ocorreu em 30 de setembro, nos estúdios da Rede Globo.

Data Organizadores Mediador Anthony Garotinho (PR) Luiz Fernando Pezão (PMDB) Marcelo Crivella (PRB) Lindberg Farias (PT) Tarcísio Motta (PSOL) Dayse Oliveira (PSTU) Ney Nunes (PCB)
19 de agosto de 2014 Band Rio Sérgio Costa Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado
2 de setembro de 2014 RedeTv!, Portal IG, Jornal O Dia Amanda Klein Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado
26 de setembro de 2014 Record Rio Gustavo Marques Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado
30 de setembro de 2014[27] TV Globo Rio de Janeiro Ana Paula Araújo Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado

2° turno[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do primeiro, o segundo turno teve apenas dois debates, o primeiro foi a 9 de outubro promovido pela Band Rio e realizado no Teatro Oi Casa Grande, o segundo e último foi promovido pela TV Globo em 23 de outubro nos estúdios da emissora.

Data Organizadores Mediador Pezão (PMDB) Crivella (PRB)
9 de Outubro de 2014 Band Rio Sérgio Costa Presente Presente
23 de outubro de 2014 TV Globo Ana Paula Araújo Presente Presente

Referências

  1. "Convenção Estadual do PSOL-RJ será na sexta-feira" Arquivado em 13 de junho de 2015, no Wayback Machine. PSOL-RJ. Junho de 2014. Página acessada em 1 de junho de 2015.
  2. "Pedro Rosa Senador 500" Eleições 2014. Julho de 2014. Página acessada em 1 de junho de 2015.
  3. a b "‘Temos o desafio de acabar com privilégios’, diz Pedro Rosa, candidato do PSOL’" Extra Globo 2014. Agosto de 2014. Página acessada em 1 de junho de 2015.
  4. "Pedro Rosapré-candidato a senador pelo PSOL!"[ligação inativa] CST-PSOL 2014. Maio de 2014. Página acessada em 1 de junho de 2015.
  5. a b c d "Cálculo do tempo de propaganda no rádio e na televisão e o peso dos partidos para coligação" Gurgel, Mônica. Jus Navigandi. Maio de 2014. Página acessada em 04 de junho de 2014.
  6. «Garotinho lidera disputa para governo do RJ com 25%, diz Datafolha». G1. 15 de agosto de 2014. Consultado em 16 de agosto de 2014 
  7. «No RJ, Garotinho tem 28%, Pezão, 18% e Crivella, 16%, diz Ibope». G1. 27 de agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014 
  8. «Ibope: no RJ, Garotinho tem 27%; Pezão e Crivella estão empatados tecnicamente». G1. 27 de agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014 
  9. «No RJ, Garotinho tem 28%, Pezão 23% e Crivella 18%, diz Datafolha». G1. 27 de agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014 
  10. «Ibope no Rio: Garotinho tem 26%, Pezão tem 25% e Crivella, 17%». UOL. 9 de setembro de 2014. Consultado em 25 de setembro de 2014 
  11. «Datafolha mostra Pezão e Garotinho empatados com 25% no Rio». RedeTV!. 10 de setembro de 2014. Consultado em 19 de setembro de 2014 
  12. «Pezão tem 29%, Garotinho, 26%, e Crivella, 17%, aponta Ibope». G1. 23 de setembro de 2014. Consultado em 25 de setembro de 2014 
  13. «Pezão tem 31%, Garotinho, 23%, e Crivella, 17%, diz Datafolha». G1. 26 de setembro de 2014. Consultado em 26 de setembro de 2014 
  14. «Pezão tem 31%, Garotinho, 24%, e Crivella, 16%, aponta Ibope». G1. 30 de setembro de 2014. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  15. «Pezão tem 30%, Garotinho, 21%, e Crivella, 17%, diz Datafolha». G1. 02 de outubro de 2014. Consultado em 02 de outubro de 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  16. «Datafolha RJ: Pezão tem 36%, Garotinho 25% e Crivella, 22%». G1. 05 de outubro de 2014. Consultado em 02 de outubro de 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  17. «Datafolha, votos válidos: Pezão tem 56%, e Crivella, 44%». G1. 16 de Outubro de 2014. Consultado em 16 de Outubro de 2014 
  18. «Ibope, votos válidos: Pezão tem 54%, e Crivella, 46%». G1. 16 de Outubro de 2014. Consultado em 16 de Outubro de 2014 
  19. «Ibope, votos válidos: Pezão tem 56%, e Crivella, 44% no RJ». G1. 20 de Outubro de 2014. Consultado em 21 de Outubro de 2014 
  20. «Ibope, votos válidos: Pezão tem 55%, e Crivella, 45% no RJ». G1. 23 de Outubro de 2014. Consultado em 23 de Outubro de 2014 
  21. «Datafolha, votos válidos: Pezão tem 55%, e Crivella, 45%». G1. 23 de Outubro de 2014. Consultado em 23 de Outubro de 2014 
  22. «Romário permanece à frente no RJ na disputa pelo Senado, diz Datafolha». G1. 16 de agosto de 2014. Consultado em 16 de agosto de 2014 
  23. «Romário tem 49% das intenções de voto para o Senado, mostra Ibope». G1. 30 de setembro de 2014. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  24. «Ibope, votos válidos para o Senado: Romário tem 64%, e Cesar Maia, 25%». G1. 30 de setembro de 2014. Consultado em 5 de outubro de 2014 
  25. Terra eleições: Resultados à deputado federal. Acessado em 8 de abril de 2011.
  26. «Senador e deputados federais/estaduais eleitos». UOL. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  27. G1 (01 out. 2014 01h04). «Debate na Globo reúne cinco candidatos ao governo do RJ». Consultado em 03 out. 2014  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)