Eleições gerais em Angola em 1992

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As eleições gerais em Angola em 1992 ocorreram nos dias 29 e 30 de setembro para eleger o presidente da República e a Assembleia Nacional. Foram as primeiras eleições multipartidárias, democráticas e livres realizadas no país, no contexto da Guerra Civil Angolana.[1] Ocorreram na sequência da assinatura dos Acordos de Bicesse de 31 de maio de 1991, que pretendia pôr fim ao impasse militar de mais de dezessete anos. A participação eleitoral foi de 91,3% nas eleições parlamentares e 91,2% nas eleições presidenciais.[2]

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) ganhou as duas eleições; no entanto, oito partidos de oposição, em particular a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), rejeitaram os resultados como fraudulentos. Como consequência, a guerra civil seria retomada.[3] Alguns milhares a dezenas de milhares de membros da UNITA ou apoiantes em todo o país seriam mortos pelas forças do MPLA em poucos dias, no que é conhecido como o Massacre do Dia das Bruxas.[4]

Referências

  1. «Angola: The Bicesse Accords». EISA 
  2. Nohlen, D; Krennerich, M; Thibaut, B (1999). Elections in Africa: A data handbook. [S.l.: s.n.] pp. 71–74. ISBN 0-19-829645-2 
  3. «Primeiras eleições em Angola realizaram-se há 23 anos». AngoNotícias. 29 de setembro de 2015 
  4. «Massacre de Outubro em Angola completa 20 anos». Deutsche Welle 
Ícone de esboço Este artigo sobre Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.