Eleições gerais na Espanha em 2015

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
‹ 2011 • Flag of Spain.svg • 2016
Eleições gerais de 2015
Cortes Gerais para a XI legislatura
20 de Dezembro de 2015
Demografia eleitoral
Hab. inscritos:  36 511 848
Votantes : 25 349 824
  
73.01% Green Arrow Up.svg 1.8%
PP 2015.png
Partido Popular
Votos: 7 236 965  
Deputados obtidos: 123 Red Arrow Down.svg 33.9%
  
28.71%
Logotipo del PSOE.svg
Partido Socialista Operário Espanhol
Votos: 5 545 315  
Deputados obtidos: 90 Red Arrow Down.svg 18.2%
  
22.00%
Podemos (logo círculos).svg
Podemos
Votos: 5 212 711  
Deputados obtidos: 69  
  
20.68%
Ciudadanos-icono.svg
Cidadãos - Partido da Cidadania
Votos: 3 514 528  
Deputados obtidos: 40  
  
13.94%
Unidad Popular.svg
Unidade Popular
Votos: 926 783  
Deputados obtidos: 2 Red Arrow Down.svg 81.8%
  
3.68%
ERC logotipo compacto.svg
Esquerda Republicana da Catalunha
Votos: 601 782  
Deputados obtidos: 9 Green Arrow Up.svg 200%
  
2.39%
Democracia i Llibertat.png
Democracia e Liberdade
Votos: 567 253  
Deputados obtidos: 8 Red Arrow Down.svg 50%
  
2.25%
EAJlogo.svg
Partido Nacionalista Basco
Votos: 302 316  
Deputados obtidos: 6 Green Arrow Up.svg 20%
  
1.20%
EHBilduLogoa.jpg
Euskal Herria Bildu
Votos: 219 125  
Deputados obtidos: 2 Red Arrow Down.svg 71.4%
  
0.87%
Logocoalicion.svg
Coligação Canária
Votos: 81 917  
Deputados obtidos: 1 Red Arrow Down.svg 50%
  
0.32%
Mapa representando os partidos vencedores em cada província de acordo com a legenda em cores.
Eleições gerais na Espanha em 2015

As eleições gerais na Espanha decorreram no dia 20 de dezembro de 2015 e serviram para eleger 350 deputados para o Congresso dos Deputados e 208 senadores para o Senado. A data destas eleições foi anunciadas por Mariano Rajoy, em 1 de outubro, marcando as eleições para a última data legalmente possível[1][2]. O Partido Popular foi o mais votado (28,72%) e com mais deputados (123), mas não atingiu a maioria absoluta[3]

Situação do país[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Após a sua eleição em 2011, Mariano Rajoy deu uma volta completa na sua política económica, quebrando muitas das suas promessas eleitorais e, levando uma queda acentuada do Partido Popular nas sondagens[4]. Espanha foi duramente atingida pela Grande Recessão de 2008, tendo já o anterior governo anterior de Zapatero, efectuado imensos cortes nos gastos do Estado e aumentado impostos, que foram continuados pelo governo de Mariano Rajoy, tendo mesmo em Julho de 2012, anunciado um corte de 65 mil milhões em diversas funções do Estado, como a saúde pública e o ensino público, e, um novo aumento de impostos, em especial, o IVA que passou dos 18% para os 21%[5][6][7].

Além de mais, a crise económica atingiu, em especial, o sistema bancário do país, com especial destaque para o Bankia, liderado por Rodrigo Rato, que entrou em queda livre, desvalorizando imenso e pondo em perigo todo o sistema bancário nacional, algo que, obrigou Espanha a pedir um resgate ao FMI direccionado para o sistema bancário[8][9].

Os impactos da política de austeridade seguida por Rajoy são enormes. Apesar de uma queda da taxa de desemprego para os 21,18% em 2015[10], quando em 2011, esta atingia os 27,16%, muitos atribuem esta queda na taxa à vaga de emigração que fez com muitos espanhóis, em idade activa, abandonassem o país, e, também, a um aumento dos contratos temporários, ou seja, trabalhos considerados precários[11][12]. Por outro lado, apesar da redução do déficit público, que atingiu, em 2014, os 5,8%[13], a dívida governamental nunca foi tão alta como agora, atingindo os 98% do PIB[14].

Assuntos Internos[editar | editar código-fonte]

A legislatura 2011-2015 foi dominada por uma regressão em direitos políticos e direitos sociais. Os imensos cortes na Saúde pública e no Ensino público fizeram que crescesse a desigualdade de acesso a estes serviços entre aqueles com recursos financeiros e os mais desfavorecidos[15]. Também foram introduzidas taxas de tribunais, que foram consideradas um ataque ao Direito de Acesso à Justiça e ao princípio de gratuitidade deste direito, embora, em 2015, estas taxas tenham sido eliminadas[16][17].

Também as novas políticas de educação desta legislatura foram duramente criticadas, em especial, pelo governo do País Basco e da Catalunha, que, acusaram o governo de re-centralizar a política de educação conforme a vontade de Madrid, e, também, que estas políticas promoviam a segregação escolar[18]. Outra lei polémica, foi a "Lei da Mordaça", que impôs regras bastantes duras sobre manifestações, limites aos protestos de ruas e multas para os que não respeitavam os limites legais. Esta lei foi considerada um ataque ao direito de liberdade de reunião e de liberdade de expressão[19].

Outra situação polémica, foi a alteração da Lei do Aborto, que foi aprovada em 2013, e, era considerada um "regresso ao passado" por diversos partidos, movimentos e organizações[20], embora, em 2014, e, depois de imensas críticas a nova lei, Mariano Rajoy decidiu não avançar com a Lei, mantendo a Lei que vigorava desde 2005[21].

Corrupção política[editar | editar código-fonte]

Um dos grandes problemas actuais em Espanha foi a eclosão de diversos escândalos de corrupção, envolvendo políticos dos diversos partidos, sindicatos e, até, membros da família real.

O primeiro grande escândalo de corrupção foi o "Caso Bárcenas", que envolvia o antigo tesoureiro do Partido Popular, Luís Bárcenas, e ponha a descoberta, um esquema de pagamentos ilegais efectuados no partido desde 1987[22].

Ao mesmo tempo, eram julgados em tribunal, Iñaki Urdangarin e a sua esposa, Cristina de Bourbon filha de Juan Carlos I, por fraude fiscal e lavagem de dinheiro[23], tendo, este caso, tido um impacto negativo na popularidade da família real espanhola, atingido o ponto mais baixo, em 2013[24].

Os casos de corrupção sucederam-se em 2014, o que, levou muitos a compararem a situação actual, com a Itália no início da década de 1990 e o caso Operação Mãos Limpas, que levou à prisão de imensos políticos e à queda dos partidos tradicionais, algo semelhante à situação vivida em Espanha, o que, levou a muitos a chamarem ao momento actual o "Tagentopoli Espanhol" ou "Outubro Negro"[25][26][27].

Os casos de corrupção atingiam vários políticos de todos os quadrantes políticos, em especial:

Antevisão eleitoral[editar | editar código-fonte]

Estas eleições gerais irão marcar o fim do "bipartidarismo", reinante em Espanha desde da Transição Espanhola[32][33]. O PSOE e o Partido Popular, que, desde da década de1980, eram os grandes rivais políticos, e, em norma, superavam os 70% dos votos, irão sofrer os efeitos da ascensão de dois novos partidos: o Podemos, liderado por Pablo Iglesias, nascido em 2014, fruto de diversos movimentos cívicos e sociais, que tiveram grande impacto nos Protestos de 2011 na Espanha contra a austeridade[34][35] e,o Cidadãos - Partido da Cidadania, nascido em 2006 como reacção ao movimento independentista catalão, e, em 2014, se tornou um partido nacional, liderado por Albert Rivera[36][37].

Este anunciado fim do "bipartidarismo" em eleições gerais, reflectiu-se nas eleições locais e regionais de 2015, nas quais o Partido Popular obteve uma enorme derrota, perdendo a liderança de diversas Câmaras e Regiões, embora o PSOE também não tenha ganho votos, mas, conseguiu recuperar diversas regiões e Câmaras, graças a acordo pós-eleitorais. O Cidadãos - Partido da Cidadania consegui resultados importantes nessas eleições, sendo decisivo, em muitos locais, o partido que tinha o poder de determinar o novo governo, embora o Podemos tenha tido resultados mais notáveis, ao conquistar, a Câmara de Madrid e Barcelona[38][39][40].

Sondagens[editar | editar código-fonte]

As sondagens indicam que estas eleições irão ser as mais renhidas na Espanha democrática, verificando-se poucas diferenças percentuais entre Partido Popular, PSOE, Podemos e Cidadãos - Partido da Cidadania, embora, seja claro que o Partido Popular irá ser o partido mais votado, embora, bastante distante da maioria absoluta, correndo o risco de ganhar as eleições, obtendo o pior resultado da sua história. O PSOE, segundo as sondagens, também corre o sério o risco de obter o seu pior resultado eleitoral, havendo sondagens que, indicam a possibilidade dos socialistas ficarem em quarto lugar. Quantos aos novos partidos, Podemos e Cidadãos - Partido da Cidadania, revela-se uma grande incerteza quanto ao resultado que estes irão obter, sendo, apenas, certo, que irão obter um resultado superior aos 15%.

As sondagens seguintes serão aquelas efectuadas desde do ínicio oficial da Campanha Eleitoral, ou seja, 4 de Dezembro de 2015:

Data Fonte PP PSOE IU/UP UPyD DiL EHB PNV ERC P C's Vantagem
20 de dezembro de 2015 Legislativas 28,7 22,0 3,7 0,6 2,3 0,9 1,2 2,4 20,7 13,9 6,7
20 de dezembro de 2015 [41] 26,8 20,5 4,1 1,7 1,0 1,1 2,5 21,7 15,2 5,1
19 de dezembro de 2015 [42] 26,6 20,1 4,0 21,5 15,3 5,1
18 de dezembro de 2015 [43] 26,6 20,8 4,4 20,1 15,5 5,8
17 de dezembro de 2015 [43] 25,8 21,4 3,8 20,4 16,0 4,4
16 de dezembro de 2015 [43] 26,2 21,0 3,7 20,4 15,9 5,2
16 de dezembro de 2015 [44] 28,0 21,4 19,8 17,4 6,6
15 de dezembro de 2015 [45] 25,4 20,6 4,5 19,6 16,3 4,8
14 de dezembro de 2015 [46] 25,4 20,9 4,8 19,0 17,2 4,5
14 de dezembro de 2015 [47] 26,9 22,8 4,0 1,9 1,1 1,4 2,2 18,4 17,0 4,1
14 de dezembro de 2015 [48] 24,5 21,3 3,8 0,9 2,7 1,2 1,2 3,2 19,9 16,5 3,2
12 de dezembro de 2015 [49] 25,2 20,8 18,4 18,0 4,4
11 de dezembro de 2015 [50] 28,8 19,7 2,7 0,2 1,2 17,9 19,9 8,9
11 de dezembro de 2015 [51] 27,0 18,2 5,2 0,6 2,0 0,7 17,2 20,9 6,1
11 de dezembro de 2015 [52] 26,5 22,7 3,2 0,5 1,7 1,0 1,1 2,0 18,1 20,3 3,8
10 de dezembro de 2015 [53] 25,3 21,0 5,0 19,1 18,2 4,3
10 de dezembro de 2015 [54] 27,7 20,5 4,3 0,3 2,1 1,1 1,1 2,1 16,2 19,8 7,2
9 de dezembro de 2015 [55] 26,5 21,7 4,0 1,0 17,0 18,6 4,8
9 de dezembro de 2015 [56] 27,2 20,3 3,7 2,4 1,1 1,2 2,5 18,4 19,6 6,9
9 de dezembro de 2015 [57] 28,3 20,8 3,3 0,3 2,1 1,1 1,4 2,0 16,6 19,8 7,5
9 de dezembro de 2015 [58] 26,7 17,0 6,3 19,1 23,2 3,5
7 de dezembro de 2015 [59] 29,0 18,9 3,6 17,2 18,9 10,1
7 de dezembro de 2015 [60] 26,7 24,9 4,9 1,9 1,0 1,5 2,2 16,4 16,2 1,8
4 de dezembro de 2015 [61] 28,1 21,0 3,8 1,6 1,4 1,4 1,8 15,1 21,0 7,1
4 de dezembro de 2015 [62] 27,8 19,4 3,6 3,0 0,7 1,2 2,1 18,2 19,9 7,9
4 de dezembro de 2015 [63] 27,9 22,9 3,8 0,3 2,0 1,0 1,2 1,9 16,1 18,6 5,0
20 de novembro de 2011 Legislativas 44,6 28,8 6,9 4,7 4,2 (CiU) 1,4 1,3 1,1 - - 15,9

Tabela de resultados oficiais[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 7 236 965 28,71 Baixa15,92
123 / 350
Baixa63
Partido Socialista Operário Espanhol 5 545 315 22,00 Baixa6,76
90 / 350
Baixa20
Podemos 5 212 711 20,68 Novo
69 / 350
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 3 514 528 13,94 -
40 / 350
-
Unidade Popular 926 783 3,68 Baixa3,24
2 / 350
Baixa9
Esquerda Republicana da Catalunha 601 782 2,39 Aumento1,33
9 / 350
Aumento6
Democracia e Liberdade 567 253 2,25 Baixa1,92
8 / 350
Baixa8
Partido Nacionalista Basco 302 316 1,20 Baixa0,13
6 / 350
Aumento1
Euskal Herria Bildu 219 125 0,87 Baixa0,50
2 / 350
Baixa5
Coligação Canária 81 917 0,32 Baixa0,27
1 / 350
Baixa1
Outros 814 486 3,22
0 / 350
Votos Inválidos 415 351 1,64 Baixa1,02
Total 25 349 633 100 350
Eleitorado/Participação 36 511 848 73,01 Aumento1,32
Fonte [64]

Tabela de resultados por Regiões Autónomas[editar | editar código-fonte]

A seguinte tabela apenas contêm os resultados obtidos por partidos que tenham elegido deputados:

% D % D % D % D % D % D % D % D % D % D
Região Autónoma PP PSOE P C's UP ERC DiL PNV EHB CC Deputados Votantes
Andaluzia 29,1 21 31,5 22 16,9 10 13,8 8 5,8 - - - - - - - - - - - 61 4 482 758
Aragão 31,3 6 23,1 4 18,6 2 17,2 1 6,2 - - - - - - - - - - - 13 737 467
Astúrias 30,1 3 23,4 2 21,4 2 13,6 1 8,4 - - - - - - - - - - - 8 623 993
Baleares 29,1 3 18,3 2 23,1 2 14,8 1 2,4 - - - - - - - - - - - 8 488 082
Canárias 28,5 5 22,0 4 23,3 3 11,4 2 3,1 - - - - - - - - - 8,2 1 15 1 005 508
Cantábria 36,9 2 22,4 1 17,8 1 15,3 1 4,4 - - - - - - - - - - - 5 352 691
Castela e Leão 39,1 17 22,5 9 15,1 3 15,4 3 4,6 - - - - - - - - - - - 32 1 519 174
Castela-Mancha 38,1 10 28,4 7 13,7 1 13,8 3 3,6 - - - - - - - - - - - 21 1 181 383
Catalunha 11,1 5 15,7 8 24,7 12 13,1 8 - - 16,0 9 15,1 8 - - - - - - 47 3 774 296
Ceuta 44,9 1 23,1 - 14,1 - 13,3 - 1,3 - - - - - - - - - - - 1 33 421
Comunidade Valenciana 31,3 11 19,8 7 25,1 9 15,8 5 4,2 - - - - - - - - - - - 32 2 697 654
Estremadura 34,8 4 36,0 5 12,7 1 11,4 - 3,0 - - - - - - - - - - - 10 655 542
Galiza 37,1 10 21,3 6 25,0 6 9,1 1 - - - - - - - - - - - - 23 1 653 867
Madrid 33,4 13 17,8 6 20,9 8 18,8 7 5,3 2 - - - - - - - - - - 36 3 622 408
Melilha 43,9 1 24,6 - 11,5 - 15,6 - 1,3 - - - - - - - - - - - 1 28 383
Múrcia 40,4 5 20,3 2 15,2 1 17,7 2 3,1 - - - - - - - - - - - 10 732 329
Navarra 28,9 2 15,5 1 23,0 2 7,1 - 4,1 - - - - - - - 9,9 - - - 5 355 299
País Basco 11,6 2 13,3 3 26,0 5 4,1 - 2,9 - - - - - 24,7 6 15,1 2 - - 18 1 226 704
La Rioja 38,3 2 23,7 1 15,8 1 15,1 - 4,2 - - - - - - - - - - - 4 178 674
Espanha 28,7 123 22,0 90 20,7 69 13,9 40 3,7 2 2,4 9 2,3 8 1,2 6 0,9 1 0,3 1 350 25 349 824

Resultados por Regiões Autónomas[editar | editar código-fonte]

Andaluzia[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Socialista Operário Espanhol 1 402 393 31,50 Baixa5,10
22 / 61
Baixa3
Partido Popular 1 294 293 29,08 Baixa16,49
21 / 61
Baixa12
Podemos 752 367 16,90 Novo
10 / 61
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 613 447 13,78 -
8 / 61
-
Unidade Popular 257 019 5,77 Baixa2,50
0 / 61
Baixa2
Outros 94 255 2,11
0 / 61
Votos Inválidos 80 048 1,79 Baixa0,46
Total 4 482 758 100 61 Aumento1
Eleitorado/Participação 6 285 866 71,31 Aumento0,62

Aragão[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 229 691 31,31 Baixa16,39
6 / 13
Baixa2
Partido Socialista Operário Espanhol 169 057 23,05 Baixa8,47
4 / 13
Estável
Podemos 136 434 18,60 Novo
2 / 13
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 126 346 17,22 -
1 / 13
-
Unidade Popular 45 199 6,16 Baixa4,37
0 / 13
Baixa1
Outros 20 061 2,72
0 / 13
Votos Inválidos 12 919 1,76 Baixa1,85
Total 737 467 100 13
Eleitorado/Participação 987 154 74,71 Aumento2,14

Astúrias[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 187 568 30,11 Baixa5,29
3 / 8
Estável
Partido Socialista Operário Espanhol 145 113 23,39 Baixa5,95
2 / 8
Baixa1
Podemos 132 984 21,35 Novo
2 / 8
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 84 464 13,56 -
1 / 8
-
Unidade Popular 52 583 8,44 Baixa4,80
0 / 8
Baixa1
Outros 14 664 2,36
0 / 8
Votos Inválidos 10 824 1,73 Baixa0,57
Total 623 993 100 8
Eleitorado/Participação 876 171 71,22 Aumento0,89

Baleares[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 140 640 29,06 Baixa20,53
3 / 8
Baixa2
Podemos 111 628 23,07 Novo
2 / 8
Novo
Partido Socialista Operário Espanhol 88 635 18,31 Baixa10,56
2 / 8
Baixa1
Cidadãos - Partido da Cidadania 71 551 14,78 -
1 / 8
-
Més per Mallorca 33 877 7,00 Novo
0 / 8
Novo
Proposta per les Illes 12 910 2,67 Novo
0 / 8
Novo
Unidade Popular 11 451 2,37 Baixa2,57
0 / 8
Estável
Partido Animalista contra o Mau Trato Animal 5 114 1,06 Aumento0,23
0 / 8
Estável
Outros 4 167 0,86
0 / 8
Votos Inválidos 8 693 1,79 Baixa1,64
Total 488 082 100 8
Eleitorado/Participação 748 577 65,20 Aumento3,00

Canárias[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 283 575 28,53 Baixa19,44
5 / 15
Baixa4
Podemos 231 519 23,29 Novo
3 / 15
Novo
Partido Socialista Operário Espanhol 218 413 21,97 Baixa2,88
4 / 15
Estável
Cidadãos - Partido da Cidadania 113 642 11,43 -
2 / 15
-
Coligação Canária 81 917 8,24 Baixa7,23
1 / 15
Baixa1
Unidade Popular 30 978 3,12 Baixa1,19
0 / 15
Estável
Partido Animalista contra o Mau Trato Animal 11 888 1,20 Aumento0,67
0 / 15
Estável
Outros 14 837 1,49
0 / 15
Votos Inválidos 20 162 2,01 Baixa0,99
Total 1 005 508 100 15
Eleitorado/Participação 1 531 507 65,65 Aumento1,93

Cantábria[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 129 216 36,91 Baixa15,26
2 / 5
Baixa2
Partido Socialista Operário Espanhol 78 460 22,41 Baixa2,82
1 / 5
Estável
Podemos 62 569 17,87 Novo
1 / 5
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 53 371 15,25 -
1 / 5
-
Unidade Popular 15 488 4,42 Aumento0,83
0 / 5
Estável
Outros 8 118 2,32
0 / 5
Votos Inválidos 6 753 1,91 Baixa0,41
Total 352 691 100 5
Eleitorado/Participação 464 081 76,00 Aumento0,63

Castela e Leão[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 590 438 39,10 Baixa16,27
17 / 32
Baixa4
Partido Socialista Operário Espanhol 339 277 22,47 Baixa6,72
9 / 32
Baixa2
Cidadãos - Partido da Cidadania 231 979 15,36 -
3 / 32
-
Podemos 227 507 15,07 Novo
3 / 32
Novo
Unidade Popular 68 816 4,56 Baixa1,08
0 / 32
Estável
Outros 37 631 2,50
0 / 32
Votos Inválidos 31 036 2,04 Baixa1,05
Total 1 519 174 100 32
Eleitorado/Participação 2 091 313 72,64 Baixa2,44

Castela-Mancha[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 446 235 38,14 Baixa17,67
10 / 21
Baixa4
Partido Socialista Operário Espanhol 331 856 28,36 Baixa1,98
7 / 21
Estável
Cidadãos - Partido da Cidadania 161 083 13,77 -
3 / 21
-
Podemos 159 726 13,65 Novo
1 / 21
Novo
Unidade Popular 41 986 3,59 Baixa2,19
0 / 21
Estável
Outros 20 889 1,80
0 / 21
Votos Inválidos 21 796 1,85 Baixa0,92
Total 1 181 383 100 21
Eleitorado/Participação 1 544 552 76,49 Baixa0,22

Catalunha[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Podemos 929 880 24,71 Novo
12 / 47
Novo
Esquerda Republicana da Catalunha 601 782 15,99 Aumento8,92
9 / 47
Aumento6
Partido dos Socialistas da Catalunha 590 274 15,69 Baixa10,97
8 / 47
Baixa6
Democracia e Liberdade 567 253 15,08 Baixa14,27
8 / 47
Baixa8
Cidadãos - Partido da Cidadania 490 872 13,05 -
5 / 47
-
Partido Popular 418 369 11,12 Baixa9,58
5 / 47
Baixa6
União Democrática da Catalunha 65 388 1,74 -
0 / 47
-
Partido Animalista contra o Mau Trato Animal 43 930 1,17 Aumento0,48
0 / 47
Estável
Outros 29 671 0,79
0 / 47
Votos Inválidos 48 505 1,29 Baixa2,14
Total 3 774 296 100 47
Eleitorado/Participação 5 317 575 70,98 Aumento4,15

Ceuta[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 14 813 44,86 Baixa21,07
1 / 1
Estável
Partido Socialista Operário Espanhol 7 627 23,10 Aumento2,84
0 / 1
Estável
Podemos 4 646 14,07 Novo
0 / 1
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 4 392 13,30 -
0 / 1
-
Unidade Popular 431 1,31 Baixa0,50
0 / 1
Estável
Partido Animalista contra o Mau Trato Animal 358 1,08 Aumento0,50
0 / 1
Estável
Outros 343 1,04
0 / 1
Votos Inválidos 906 2,72 Baixa0,33
Total 33 421 100 1
Eleitorado/Participação 59 213 56,44 Aumento1,39

Comunidade Valenciana[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 838 135 31,26 Baixa22,06
11 / 32
Baixa9
Podemos 673 549 25,12 Novo
9 / 32
Novo
Partido Socialista Operário Espanhol 531 489 19,83 Baixa6,92
7 / 32
Baixa3
Cidadãos - Partido da Cidadania 424 621 15,84 -
5 / 32
-
Unidade Popular 111 963 4,18 Baixa2,33
0 / 32
Baixa1
Outros 84 962 3,18
Votos Inválidos 39 303 1,46 Baixa0,84
Total 2 697 654 100 32 Baixa1
Eleitorado/Participação 3 522 704 76,58 Aumento1,08

Estremadura[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Socialista Operário Espanhol 233 251 35,98 Baixa1,21
5 / 10
Aumento1
Partido Popular 225 564 34,79 Baixa16,39
4 / 10
Baixa2
Podemos 82 098 12,66 Novo
1 / 10
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 73 756 11,38 -
0 / 10
-
Unidade Popular 19 590 3,02 Baixa2,68
0 / 10
Estável
Outros 9 409 1,45
0 / 10
Votos Inválidos 13 327 2,04 Baixa0,54
Total 655 542 100 10
Eleitorado/Participação 884 552 74,11 Baixa1,52

Galiza[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 609 623 37,12 Baixa15,41
10 / 23
Baixa5
Podemos 410 698 25,01 Novo
6 / 23
Novo
Partido Socialista Operário Espanhol 350 220 21,33 Baixa6,48
6 / 23
Estável
Cidadãos - Partido da Cidadania 148 852 9,06 -
1 / 23
-
Bloco Nacionalista Galego 70 863 4,32 Baixa6,86
0 / 23
Baixa2
Outros 34 627 2,10
0 / 23
Votos Inválidos 40 068 2,42 Baixa0,82
Total 1 653 867 100 23
Eleitorado/Participação 2 265 558 73,00 Aumento1,18

Madrid[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 1 210 219 33,44 Baixa17,53
13 / 36
Baixa6
Podemos 756 257 20,90 Novo
8 / 36
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 681 167 18,82 -
7 / 36
-
Partido Socialista Operário Espanhol 645 645 17,84 Baixa8,21
6 / 36
Baixa4
Unidade Popular 190 193 5,26 Baixa2,78
2 / 36
Baixa1
União, Progresso e Democracia 43 508 1,20 Baixa9,10
0 / 36
Baixa4
Outros 73 178 2,03
0 / 36
Votos Inválidos 41 960 1,16 Baixa0,92
Total 3 622 408 100 36
Eleitorado/Participação 4 658 397 77,76 Aumento1,73

Melilha[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 12 331 43,91 Baixa22,80
1 / 1
Estável
Partido Socialista Operário Espanhol 6 905 24,59 Baixa0,73
0 / 1
Estável
Cidadãos - Partido da Cidadania 4 366 15,55 -
0 / 1
-
Podemos 3 215 11,45 Novo
0 / 1
Novo
Unidade Popular 366 1,30 -
0 / 1
-
Partido Animalista contra o Mau Trato Animal 314 1,12 Aumento0,61
0 / 1
Estável
Outros 286 1,01
0 / 1
Votos Inválidos 662 2,34 Baixa0,66
Total 28 383 100 1
Eleitorado/Participação 53 257 53,29 Aumento0,44

Múrcia[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 293 943 40,40 Baixa23,72
5 / 10
Baixa3
Partido Socialista Operário Espanhol 147 883 20,32 Baixa0,67
2 / 10
Estável
Cidadãos - Partido da Cidadania 128 570 17,67 -
2 / 10
-
Podemos 110 601 15,20 Novo
1 / 10
Novo
Unidade Popular 22 767 3,13 Baixa2,57
0 / 10
Estável
Outros 19 340 2,66
0 / 10
Votos Inválidos 10 893 1,49 Baixa0,35
Total 732 329 100 10
Eleitorado/Participação 1 003 799 72,96 Baixa2,57

Navarra[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 102 244 28,94 Baixa9,27
2 / 5
Estável
Podemos 81 216 22,98 Novo
2 / 5
Novo
Partido Socialista Operário Espanhol 54 856 15,52 Baixa6,50
1 / 5
Estável
Euskal Herria Bildu 34 939 9,89 Baixa4,97
0 / 5
Baixa1
Geroa Bai 30 642 8,67 Baixa4,14
0 / 5
Baixa1
Cidadãos - Partido da Cidadania 24 969 7,07 -
0 / 5
-
Unidade Popular 14 528 4,11 Baixa1,40
0 / 5
Estável
Outros 6 240 1,76
0 / 5
Votos Inválidos 6 828 1,92 Baixa1,70
Total 355 299 100 5
Eleitorado/Participação 478 330 74,28 Aumento2,94

País Basco[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Podemos 317 674 25,98 Novo
5 / 18
Novo
Partido Nacionalista Basco 302 316 24,72 Baixa2,69
6 / 18
Aumento1
Euskal Herria Bildu 184 186 15,06 Baixa9,05
2 / 18
Baixa4
Partido Socialista do País Basco - Esquerda Basca 161 988 13,25 Baixa8,30
3 / 18
Baixa1
Partido Popular 142 127 11,62 Baixa6,19
2 / 18
Baixa1
Cidadãos - Partido da Cidadania 50 268 4,11 -
0 / 18
-
Unidade Popular 36 002 2,94 Baixa0,75
0 / 18
Outros 19 527 1,59
0 / 18
Votos Inválidos 17 110 1,40 Baixa0,78
Total 1 226 704 100 18
Eleitorado/Participação 1 717 117 71,44 Aumento2,22

La Rioja[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Popular 67 941 38,34 Baixa16,36
2 / 4
Baixa1
Partido Socialista Operário Espanhol 41 973 23,69 Baixa7,40
1 / 4
Estável
Podemos 28 073 15,84 Novo
1 / 4
Novo
Cidadãos - Partido da Cidadania 26 812 15,13 -
0 / 4
-
Unidade Popular 7 423 4,19 Baixa0,41
0 / 4
Estável
Outros 3 489 1,96
0 / 4
Votos Inválidos 3 558 1,99 Baixa1,20
Total 178 674 100 4
Eleitorado/Participação 233 087 76,66 Aumento0,78

Referências

  1. País, Ediciones El (1 de outubro de 2015). «Rajoy fija el periodo más largo de la democracia sin elecciones generales». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  2. País, Ediciones El (2 de outubro de 2015). «Rajoy anuncia que las elecciones generales serán el 20 de diciembre». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  3. ElMundo.es. «RESULTADOS ELECCIONES GENERALES 2015Escrutinio España tumba el bipartidismo y deja en el aire el gobierno». 20-12-2015. Consultado em 21 de dezembro de 2105  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «Diez incumplimientos electorales de Mariano Rajoy». eldiario.es. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  5. País, Ediciones El (30 de março de 2012). «Rajoy afronta hoy un ajuste histórico con más impuestos y menos inversión». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  6. País, Ediciones El (11 de julho de 2012). «El ajuste más duro de la democracia». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  7. País, Ediciones El (11 de julho de 2012). «La subida del IVA hasta el 21% busca elevar la recaudación en 7.500 millones». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  8. País, Ediciones El (9 de junho de 2012). «El FMI adelanta el informe que aboca a España al rescate bancario». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  9. País, Ediciones El (24 de julho de 2012). «Los pasos hacia el escándalo de Bankia». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  10. País, Ediciones El (22 de outubro de 2015). «El paro baja de los cinco millones por primera vez en cuatro años». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  11. «El trampantojo de la recuperación: 'Se avecina una oleada de trabajo precario'». ELMUNDO. plus.google.com/u/0/+elmundo. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  12. País, Ediciones El (22 de outubro de 2015). «Balance provisional de la legislatura: menos paro y menos empleo». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  13. «Déficit público de España 2015». datosmacro.com. plus.google.com/+datosmacro. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  14. País, Ediciones El (14 de maio de 2015). «La deuda pública ya sube en más de 300.000 millones en la etapa de Rajoy». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  15. «Europa alerta de que los recortes podan derechos en España». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  16. «Gallardón defiende las tasas judiciales porque «van a garantizar más la justicia gratuita»». ABC.es. plus.google.com/+AbcEs1903. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  17. «El Gobierno elimina para las personas físicas el polémico 'tasazo' de Gallardón - elEconomista.es». www.eleconomista.es. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  18. «Organic Law on the Improvement of the Quality of Education (LOMCE) - Document & Legislation - SpanishReforms». www.spanishreforms.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  19. Madrid, Ashifa Kassam in. «Spain puts 'gag' on freedom of expression as senate approves security law». the Guardian. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  20. País, Ediciones El (20 de dezembro de 2013). «La oposición y las organizaciones feministas cargan contra la reforma». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  21. País, Ediciones El (19 de setembro de 2014). «El Gobierno desautoriza a Gallardón al no aprobar la ley del aborto en el plazo fijado». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  22. «Bárcenas pagó sobresueldos en negro durante años a parte de la cúpula del PP». www.elmundo.es. plus.google.com/u/0/+elmundo/posts. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  23. País, Ediciones El (3 de abril de 2013). «El juez cita como imputada a la infanta Cristina en el 'caso Urdangarin'». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  24. País, Ediciones El (2 de junho de 2014). «La monarquía, en el peor momento de popularidad». EL PAÍS (em espanhol). Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  25. «Tangentópolis a la española». www.cuatro.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  26. «» Tangentópolis en la política española». www.lamiradacritica.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  27. País, Ediciones El (31 de outubro de 2014). «Octubre negro en los recovecos del poder». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  28. País, Ediciones El (26 de julho de 2014). «Pujol reconoce que su familia tuvo en el extranjero una fortuna sin declarar». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  29. «El juez Ruz imputa a Jordi Pujol Ferrusola por presunto blanqueo y delito fiscal». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  30. País, Ediciones El (6 de outubro de 2014). «Caja Madrid: a bottomless money pit for Spain's political parties?». EL PAÍS (em inglês). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  31. País, Ediciones El (8 de outubro de 2014). «Ex-IMF chief targeted in Caja Madrid credit card investigation». EL PAÍS (em inglês). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  32. «Novas forças políticas em ascensão na Espanha | Internacional | DW.COM | 21.05.2015». DW.COM. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  33. «Fim do bipartidarismo em Espanha? Sí! - Renascença». rr.sapo.pt. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  34. «Pablo Iglesias elected to head Spain's leftist Podemos party». Yahoo News. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  35. «Intelectuales y activistas llaman a "recuperar la soberanía popular" con una candidatura para las europeas». www.publico.es (em espanhol). Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  36. País, Ediciones El (26 de novembro de 2012). «Pro-Spain Ciutadans group demands Mas step down as regional premier». EL PAÍS (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  37. «Clean hands». The Economist. ISSN 0013-0613 
  38. PAÍS, Ediciones EL. «Elecciones Autonómicas». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais/posts. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  39. SER, Cadena (25 de maio de 2015). «España gira a la izquierda». Cadena SER (em espanhol). cadenaser.com. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  40. «El PP se desploma en un mapa territorial marcado por los pactos de izquierdas». El Huffington Post. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  41. País, Ediciones El (20 de dezembro de 2015). «El PP primero en un parlamento sin mayoría clara, según los sondeos». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  42. «La encuesta prohibida de las elecciones generales: sondeo definitivo». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  43. a b c «Encuesta prohibida de elecciones generales: penúltimo sondeo». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  44. «Podemos será tercera fuerza el #20D | EL MUNDO». ELMUNDO. plus.google.com/u/0/+elmundo. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  45. «La encuesta prohibida de las elecciones generales: tras el cara a cara». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  46. «Podemos sigue su remontada y vuelve a ser la tercera fuerza». El Periòdic d'Andorra. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  47. «Termómetro Político de Diciembre: el sondeo definitivo para el 20D - Encuestamos.com». Encuestamos.com (em espanhol). plus.google.com/109217842605634912573. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  48. «epo-uv.es | Generales2015». www.epo-uv.es. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  49. «Encuesta elecciones generales: Rajoy y Rivera no suman para gobernar». El Periódico. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  50. «Barômetro Sin Complejos: Ciudadanos supera a un PSOE que se desploma». Libertad Digital. plus.google.com/109071921142347319773/. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  51. «Simple Lógica. Índices de opinión pública: Intención de voto y valoración de líderes políticos». www.simplelogica.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  52. «SPAIN, December 2015. Hamalgama Métrica-Ágora Integral poll ~ electograph». www.electograph.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  53. País, Ediciones El (14 de dezembro de 2015). «El PP se consolida en el primer puesto y Ciudadanos cae al cuarto». EL PAÍS (em espanhol). plus.google.com/+elpais. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  54. «SPAIN, December 2015. IBES poll ~ electograph». www.electograph.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  55. Miguel, Rafa de (14 de dezembro de 2015). «El PP ganaría las elecciones en un escenario con opciones múltiples». Cadena SER (em espanhol). cadenaser.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  56. «El PP se mantiene, Podemos crece y Ciudadanos se estanca». ELMUNDO. plus.google.com/u/0/+elmundo. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  57. Press, Europa. «Una encuesta sitúa al PP con 120 diputados y ampliando a 40 escaños su ventaja sobre PSOE». europapress.es (em espanhol). plus.google.com/101131134978819552698. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  58. «Elecciones Generales 2015 - La semana negra de Pedro Sánchez: Podemos (19,1%) ya es tercero y supera al PSOE (17%)». El Confidencial. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  59. «SPAIN, December 2015. Invymark poll ~ electograph». www.electograph.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  60. «Sondeo Electoral Continuo: quedan 10 días - Encuestamos.com». Encuestamos.com (em espanhol). plus.google.com/109217842605634912573. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  61. «El PP gana y tras él se desata una cerrada pugna, pero aún hay un 31,5% de indecisos - 20minutos.es». 20minutos.es - Últimas Noticias. plus.google.com/+20minutos. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  62. «SPAIN, December 2015. Sondaxe poll ~ electograph». www.electograph.com. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  63. «El PSOE aguanta como segunda fuerza aunque pierde casi un punto en una semana a favor de Podemos». eldiario.es. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  64. «Consulta de resultados electorales. Ministerio del Interior». www.infoelectoral.interior.es. Consultado em 2 de julho de 2016