Eleições legislativas na Itália em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleições legislativas na Itália em 2018
 

2013 ← Itália


4 de março de 2018
Todos os 630 assentos da Câmara dos Deputados
Todos os 315 assentos eletivos do Senado
Matteo Salvini Viminale crop.jpg Di Maio 2018.jpg Matteo Renzi crop 2015.jpeg
Candidato Matteo Salvini Luigi Di Maio Matteo Renzi
Partido LN M5S PD
Assentos no parlamento C: 265 (Aumento 138)
S: 137 (Aumento 20)
C: 227 (Aumento 114)
S: 112 (Aumento 58)
C: 122 (Baixa 227)
S: 60 (Baixa 65)
Votos C: 12 164 732 Aumento
S: 11 340 602 Aumento
10 743 566 (C) Aumento
9 745 068 (S) Aumento
7 512 243 (C) Baixa
6 960 318 (S) Baixa
Italian 2018 elections Chamber of Deputies constituencies.svg
Mapa eleitoral da Italia (Câmara dos Deputados).

Primeiro-Ministro da Itália

As eleições legislativas na Itália em 2018 ocorreram em 4 de março para eleger todos os 630 assentos da Câmara dos Deputados e todos os 315 assentos eletivos do Senado. O resultado desta eleição determina o próximo primeiro-ministro do país. A eleição aconteceu simultaneamente com as eleições regionais da Lombardia e do Lácio.

Os italianos elegem de forma direta seus membros do Parlamento desde 1948. Na última eleição, em 2013, o Partido Democrático conseguiu uma maioria na Câmara dos Deputados, mas não no Senado. Consequentemente, formou uma grande coalizão e, através de Enrico Letta, Matteo Renzi e Paolo Gentiloni, governa o país desde então.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Nas eleições gerais de 2013 nenhuma das três principais alianças – a de centro-direita liderada por Silvio Berlusconi, a de centro-esquerda liderada por Pier Luigi Bersani e o MoVimento 5 Estrelas (M5S) liderado por Beppe Grillo - ganhou uma maioria absoluta no Parlamento.[1][2] Após Bersani fracassar em sua tentativa de formar um governo, Enrico Letta, vice-secretário-geral do Partido Democrático, recebeu do presidente Giorgio Napolitano a tarefa de formar um governo de coalizão.[3] O Gabinete de Letta consistiu, além do seu partido, do O Povo da Liberdade, de Berlusconi, da Escolha Cívica, da União dos Democratas-Cristãos e de Centro, além de outras agremiações.[4][5]

Em novembro de 2013, Berlusconi anunciou a recriação do partido Força Itália, bem como sua ida para a oposição ao governo Letta.[6] O movimento levou a uma ruptura, com um grande número de deputados e senadores liderados pelo ministro do Interior, Angelino Alfano, migrando para o recém-criado Novo Centro-direita, fiel ao governo.[7] Em dezembro, após a eleição de Matteo Renzi como secretário-geral do PD, houve tensões persistentes que culminaram com a renúncia de Letta como primeiro-ministro em fevereiro de 2014.[8][9] Renzi então formou um governo baseado na mesma coalizão (incluindo o NCD), mas apresentando um discurso reformista.[10][11][12]

Renzi recebeu um forte apoio de seu partido, algo reforçado com os bons resultados obtidos pelos democratas nas eleições parlamentares europeias e pela eleição de Sergio Mattarella como presidente da Itália em 2015.[13][14] No poder, Renzi implementou várias reformas, incluindo uma nova lei eleitoral (que mais tarde seria declarada parcialmente inconstitucional pelo Tribunal Constitucional), um relaxamento das leis trabalhistas com a intenção de impulsionar o crescimento econômico, uma profunda reforma da administração pública, a simplificação dos processos civis, o reconhecimento das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e a abolição de vários impostos menores.[15][16][17]

Como uma das consequências da Guerra Civil da Líbia, o alto nível de imigração ilegal para a Itália teve de ser enfrentado pelo governo. Houve um aumento no número de imigrantes resgatados no mar que eram trazidos para os portos do sul do país, provocando críticas do M5S, FI e Liga Norte (LN), causando também uma diminuição da popularidade de Renzi.[18][19][20] Em dezembro de 2016, uma reforma constitucional proposta pelo governo de Renzi e devidamente aprovada pelo Parlamento foi rejeitada em um referendo constitucional.[21][22] Quase 60% dos eleitores opuseram-se, e Renzi renunciou, sendo substituído pelo ministro das Relações Exteriores, Paolo Gentiloni.[23][24][25] Em dezembro de 2017, uma pesquisa de opinião conduzida pelo Instituto Piepoli indicou que o índice de confiança em Gentiloni era de 44 por cento, superado apenas pelo presidente Mattarella, com 57 por cento.[26][27]

Processo eleitoral[editar | editar código-fonte]

Decreto do presidente Sergio Mattarella convocando as eleições de 2018.

Como resultado do referendo constitucional de 2016 e de duas sentenças diferentes do Tribunal Constitucional, as leis eleitorais para as duas casas do Parlamento italiano careciam de uniformidade. Em outubro de 2017, os partidos PD, AP, FI e LN, além de outros menores, concordaram com uma nova legislação eleitoral, que foi aprovada pela Câmara dos Deputados por 375-215 e pelo Senado por 214-61, com a oposição de parlamentares do MoVimento 5 Estrelas.[28][29][30] O chamado Rosatellum bis é um sistema misto, com 37% dos assentos sendo alocados por maioria simples de votos e 63% pelo método do resto maior, em um único turno de votação.[31][32] Com isso, a escolha dos assentos em ambas as casas do Parlamento foi dividida da seguinte forma:

  • Através do sistema eleitoral de maioria simples, por pluralidade de votos, 232 deputados e 116 senadores;
  • Através do sistema de distritos com representantes múltiplos, por representação proporcional nacional, 386 deputados e 193 senadores;
  • Através de distritos eleitorais em cada região do exterior, 12 deputados e 6 senadores.

Em 28 dezembro de 2017, o presidente Sergio Mattarella dissolveu o Parlamento, convocando novas eleições para 4 de março de 2018.[33] O decreto assinado por Mattarella também estabeleceu em 23 de março a eleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado.[34] Em seu tradicional discurso de final de ano, em 31 de dezembro, Mattarella pediu aos partidos que apresentassem propostas "realistas e concretas", bem como expressou seu desejo por uma alta participação dos eleitores.[35][36]

Campanha[editar | editar código-fonte]

Definição das candidaturas e coligações[editar | editar código-fonte]

Matteo Renzi discursando na convenção do Partido Democrático no Lingotto, em março de 2017.

No início de 2017, em oposição às políticas de Renzi, alguns democratas de esquerda liderados por Pier Luigi Bersani, Massimo D'Alema e Roberto Speranza lançaram, juntamente com dissidentes da Esquerda Italiana, o Movimento Democrático e Progressista (MDP).[37][38][39] Em abril, Renzi foi reeleito secretário-geral do Partido Democrático e, com isso, escolhido o candidato do partido para o cargo de primeiro-ministro, derrotando o ministro da Justiça Andrea Orlando e o Governador da Apúlia Michele Emiliano.[40][41][42]

Em maio de 2017, Matteo Salvini foi reeleito secretário federal da Liga do Norte e lançou sua própria candidatura.[43][44] Sob sua liderança, o partido enfatizou o eurocepticismo, a oposição à imigração e outras políticas populistas. De fato, o objetivo de Salvini foi relançar o LN como um partido "nacional" ou, mesmo, "nacionalista italiano", enfraquecendo qualquer proposta de separatismo do norte. Esta estratégia tornou-se particularmente evidente em dezembro, quando o LN apresentou seu novo logotipo eleitoral, sem a palavra "Nord" (Norte).[45]

O outono registrou alguns desenvolvimentos importantes à esquerda do espectro político: em novembro, o Força Europa, os Radicais Italianos e alguns liberais lançaram uma lista conjunta denominada Mais Europa (+E), liderada pela líder radical de longa data Emma Bonino;[46] em dezembro, o MDP, o SI e Possível anunciaram a criação de uma lista conjunta denominada Livres e Iguais (LeU) sob a liderança de Pietro Grasso, presidente do Senado e ex-promotor anti-máfia;[47] o Partido Socialista, a Federação dos Verdes, a Área Cívica e a Área Progressista formaram uma lista denominada "Juntos" (I; Insieme, em italiano) em apoio ao PD;[48] o Partido da Refundação Comunista, o Partido Comunista, centros sociais, partidos menores, comitês locais e associações criaram uma lista conjunta de extrema-esquerda denominada Poder ao Povo (PaP), sob a liderança da Viola Carofalo.[49]

Luigi Di Maio foi escolhido como o candidato a primeiro-ministro do MoVimento 5 Estrelas.

Aos 31 anos de idade, Luigi Di Maio foi selecionado como candidato a primeiro-ministro e "chefe político" do MoVimento 5 Estrelas, substituindo Beppe Grillo.[50][51][52] No entanto, nos meses seguintes o comediante populista foi acusado pelos críticos de continuar a ser o líder de fato do partido, enquanto um papel cada vez mais importante, embora não oficial, foi assumido por Davide Casaleggio, filho de Gianroberto, um estrategista que fundou o M5S juntamente com o Grillo em 2009 e morreu em 2016.[53][54][55]

No final de dezembro, o centrista Alternativa Popular (AP), que tinha sido um parceiro chave na coalizão com o PD, dividiu-se entre aqueles que queriam voltar a apoiar a centro-direita e aqueles que preferiam apoiar a coalizão de Renzi. Dois grupos de integrantes da AP, um liderado por Maurizio Lupi e outro por Enrico Costa, formaram com a Direção Itália, Escolha Cívica, Aja!, Construção Popular e o Movimento para as Autonomias uma lista conjunta de centro-direita nomeada Nós com a Itália (NcL).[56] A lista foi posteriormente ampliada com a entrada da União dos Democratas-Cristãos e de Centro, a União dos Democratas pela Europa e outros partidos menores.[57] Os membros restantes da AP, do Itália dos Valores, dos Centristas pela Europa, da Democracia Solidária e dos grupos menores uniram forças e criaram a lista Cívica Popular (PC), pró-PD e liderada pela Ministra da Saúde Beatrice Lorenzin.[58]

Silvio Berlusconi, líder do Força Itália, em dezembro de 2017.

Embora líder do Força Itália desde sua refundação, em junho de 2013, Silvio Berlusconi, primeiro-ministro por três ocasiões diferentes, não pôde apresentar-se como candidato ao cargo caso sua coligação fosse vitoriosa por estar inelegível devido a uma condenação judicial. Condenado em 2013 por fraude fiscal, Berlusconi ficou inelegível até 2019, admitindo a possibilidade de ser candidato a primeiro-ministro depois deste período.[59][60][61] No final de fevereiro de 2018, Berlusconi indicou que Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu, seria o candidato do partido a primeiro-ministro.[62] Em 1º de março, Tajani aceitou o convite de Berlusconi, declarando: "Agradeço ao presidente Berlusconi por seu ato de estima para mim. Eu lhe transmiti esta tarde minha disponibilidade para servir à Itália. Agora a decisão compete a nossos cidadãos e ao presidente da República."[63]

Lista de partidos e líderes[editar | editar código-fonte]

Os seguintes partidos disputaram as eleições gerais de 2018:

Coligação Partido Ideologia principal Líder Notas
Centro-esquerda
Partido Democrático Social-democracia Matteo Renzi [64][65]
Mais Europa Liberalismo Emma Bonino [66]
Juntos Progressismo Giulio Santagata [67]
Lista Cívica Popular Democracia cristã Beatrice Lorenzin [68]
SVP–PATT Regionalismo Philipp Achammer [69]
Centro-direita
Força Itália Conservadorismo liberal Silvio Berlusconi [70][71]
Liga Norte Populismo de direita Matteo Salvini [72][73]
Irmãos de Itália Nacionalismo italiano Giorgia Meloni [74][75]
Nós com a Itália Democracia cristã Raffaele Fitto [76]
MoVimento 5 Estrelas Populismo Luigi Di Maio [77][78]
Livres e Iguais Socialismo democrático Pietro Grasso [79][80]
Poder para o Povo Comunismo Viola Carofalo [81][82]
CasaPound Neofascismo Simone Di Stefano [83][84]
PRIALA Liberalismo Corrado Saponaro [85][86]
O Povo da Família Conservadorismo social Mario Adinolfi [87]
Partido Comunista Comunismo Marco Rizzo [88]
Itália para os Italianos Neofascismo Roberto Fiore [89]
10 Vezes Melhor Liberalismo Andrea Dusi [90]
Lista do Povo pela Constituição Anticorrupção Antonio Ingroia [91]

Propostas[editar | editar código-fonte]

Logotipos de coligações, candidatos e partidos das eleições gerais na Itália em 2018.

O programa eleitoral do PD incluiu, entre os principais pontos, a introdução de um salário mínimo por hora de €10, um aumento dos subsídios para os desempregados, um subsídio mensal de €80 para pais de crianças pequenas, uma redução progressiva do impostos de renda e do corporativo,[92][93][94] e uma redução dos fluxos de migrantes através de acordos bilaterais com os países de origem, sugerindo suspender o financiamento da União Europeia para países que se recusaram a recebê-los, como a Hungria e a Polônia.[95] Entre os aliados do PD, o CP propôs a gratuidade da educação infantil, uma isenção fiscal para o bem-estar corporativo e outras medidas de saúde pública, como uma extensão do atendimento domiciliar para os idosos.[96] O Mais Europa advogou pelo relançamento do processo de integração e federação europeias, com o objetivo de formar os Estados Unidos da Europa, e defendeu fortemente a integração social dos migrantes, opondo-se silenciosamente às políticas implementadas pelo ministro do Interior, Marco Minniti, do PD.[97][98] A posição do Mais Europa sobre o processo europeu de integração também foi fortemente apoiada pelo PD.[99]

A principal proposta da coalizão de centro-direita é uma grande reforma tributária baseada na introdução de um imposto fixo.[100] Berlusconi também propôs o cancelamento do imposto sobre a produtividade, o aumento das pensões mínimas para €1.000, a introdução de uma "renda digna" para combater a pobreza, e o lançamento de um "Plano Marshall" para a África para reduzir a imigração ilegal para a Itália.[101] Dentro do FI, existem alguns representantes do Movimento Animalista (MA) liderados por Michela Brambilla, cujo principal foco é, em especial, a proibição das roupas de peles e controles mais rigorosos em circos, cuidados veterinários gratuitos e estabelecimento de uma ouvidoria dos direitos dos animais.[102] Além disso, a Liga do Norte propôs a possibilidade de aposentadoria com 41 anos de contribuições e a regularização da prostituição, tendo como objetivo principal a redução drástica da imigração ilegal, reintroduzindo os controles nas fronteiras, bloqueando as chegadas e repatriando todos os migrantes que não possuam direito de permanecer na Itália.[103][104] A FdI defendeu um subsídio de €400 mensais aos recém nascidos até os seis anos como forma de aumentar o crescimento populacional, e a expansão do uso do exército como medida para combater o crime e uma nova lei sobre autodefesa.[105]

O M5S apresentou um programa cujos principais pontos são: a introdução de uma renda básica, conhecida como "rendimento da cidadania", para combater a pobreza; o corte da dívida pública em 40 por cento em relação ao produto interno bruto em dez anos; a adoção de medidas para aumentar a quantidade de empregos entre os jovens; o aumento dos gastos em medidas de bem-estar familiar de 1,5 a 2,5 por cento do PIB; e uma lei constitucional que obrigaria os parlamentares a renunciar se pretendessem mudar de partido.[106] A aliança Livre e Igual centrou-se no chamado direito a estudar, propondo a abolição das taxas universitárias em determinados casos, além da reintrodução das proteções legais aos trabalhadores que foram retiradas pela Lei do Emprego do governo Renzi, e da luta contra a evasão fiscal, a corrupção e o crime organizado.[107]

Pesquisas de opinião[editar | editar código-fonte]

O gráfico abaixo revela os resultados das pesquisas eleitorais de intenções de votos realizadas de fevereiro de 2013 até fevereiro de 2018. De acordo com a legislação eleitoral da Itália, a publicação de pesquisas de opinião encontrava-se proibida nas últimas duas semanas da campanha eleitoral.[108]

                     PD                      M5S                      FI                      SC                      NCD/AP                      LN                      SEL/SI                      FdI                      UdC                      MDP                      CP                      LeU                      I                      CP                      NcI

Resultados Oficiais[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

(Excluindo o Vale de Aosta e a Emigração)[editar | editar código-fonte]

(Resultados provisórios)
Partido Método Uninominal Método Proporcional Total +/-
Votos % Deputados Votos % +/- Deputados
Liga Norte 12 147 611 37,00
49 / 232
5 691 921 17,37 Aumento13,28
73 / 385
122 / 617
Aumento104
Força Itália
44 / 232
4 590 774 14,01 Baixa7,55
59 / 385
103 / 617
Aumento6
Irmãos de Itália
14 / 232
1 426 564 4,35 Aumento2,39
19 / 385
33 / 617
Aumento24
Nós com a Itália
6 / 232
428 298 1,30 Novo
0 / 385
6 / 617
Novo
Centro-direita (Total)
113 / 232
12 565 855 37,03 Aumento7,84
151 / 385
264 / 617
Aumento140
MoVimento 5 Estrelas 10 727 567 32,68
94 / 232
10 697 994 32,66 Aumento7,10
133 / 385
227 / 617
Aumento119
Partido Democrático 7 502 056 22,85
18 / 232
6 134 727 18,72 Baixa6,71
86 / 385
104 / 617
Baixa188
Mais Europa
1 / 232
134 651 0,41 Novo
0 / 385
1 / 617
Novo
Juntos
2 / 232
177 825 0,54 Novo
0 / 385
2 / 617
Novo
Lista Cívica Popular
2 / 232
196 766 0,60 Novo
0 / 385
2 / 617
Novo
SVP-PATT
2 / 232
836 837 2,55 Baixa0,02
2 / 385
4 / 617
Baixa1
Centro-esquerda (Total)
25 / 232
7 480 206 22,82 Baixa6,73
88 / 385
113 / 617
Baixa227
Livres e Iguais 1 113 969 3,39
0 / 232
1 109 198 3,38 Novo
14 / 385
14 / 617
Novo
Poder para o Povo 372 022 1,13
0 / 232
370 320 1,13 Novo
0 / 385
0 / 617
Novo
Outros (com menos de 1,00%) 962 174 2,95
0 / 232
959 327 2,98
0 / 385
0 / 617
Votos Inválidos 1 091 061 3,22 1 161 416 3,42 Baixa0,17
Total 33 916 460 100
232 / 232
33 916 460 100
385 / 385
617 / 617
Eleitorado/Participação 46 505 499 72,93 46 505 499 72,93 Baixa2,27
Fonte [109]

Vale de Aosta[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
MoVimento 5 Estrelas 15 999 24,10 Aumento5,60
1 / 1
Aumento1
Coligação Vale de Aosta 14 429 21,74 Baixa3,63
0 / 1
Baixa1
Por Todos, Para Todos 12 118 18,25 Novo
0 / 1
Novo
Liga Norte 11 588 17,45 Aumento14,16
0 / 1
Estável
Força Itália-Irmãos de Itália 5 533 8,33 Aumento4,12
0 / 1
Estável
Resposta Cívica 2 623 3,95 Novo
0 / 1
Novo
Poder para o Povo 1 700 2,56 Novo
0 / 1
Novo
CasaPound 1 205 1,81 Novo
0 / 1
Novo
Partido Valor Humano 1 175 1,77 Novo
0 / 1
Novo
Votos Inválidos 5 573 7,75 Aumento1,42
Total 71 947 100
1 / 1
Eleitorado/Participação 99 547 72,27 Baixa4,69
Fonte [110]

Emigração[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Deputados +/-
Partido Democrático 285 429 26,44 Baixa2,86
5 / 12
Estável
Liga Norte-Força Itália-Irmãos de Itália (a) 232 078 21,49 Aumento6,66
3 / 12
Aumento2
MoVimento 5 Estrelas 188 933 17,50 Aumento7,82
1 / 12
Estável
Movimento Associativo dos Italianos no Estrangeiro 104 538 9,68 Baixa4,65
1 / 12
Baixa1
União Sul-Americana dos Emigrantes Italianos 65 363 6,05 Aumento1,58
1 / 12
Estável
Livres e Iguais 61 714 5,71 Novo
0 / 12
Novo
Mais Europa 60 859 5,63 Novo
1 / 12
Novo
Lista Cívica Popular 30 375 2,81 Novo
0 / 12
Novo
União Tricolor na América Latina 24 939 2,31 Novo
0 / 12
Novo
Nós com a Itália 11 845 1,09 Novo
0 / 12
Novo
Outros (com menos de 1,00%) 13 457 1,23
0 / 12
Votos Inválidos
Total 1 079 530 100
12 / 12
Eleitorado/Participação 4 230 854 25,52 Baixa7,07
Fonte [111]
(a) 2 deputados da Liga Norte e 1 deputado da Força Itália

Senado[editar | editar código-fonte]

(Excluindo o Vale de Aosta e Emigração)[editar | editar código-fonte]

Partido Método Uninominal Método Proporcional Total +/-
Votos % Senadores Votos % +/- Senadores
Liga Norte 11 323 360 37,49
20 / 115
5 317 019 17,63 Aumento13,29
37 / 193
57 / 308
Aumento40
Força Itália
22 / 115
4 352 380 14,43 Baixa7,87
33 / 193
55 / 308
Baixa44
Irmãos de Itália
10 / 115
1 286 122 4,26 Aumento2,33
7 / 193
17 / 308
Aumento17
Nós com a Itália
5 / 115
361 737 1,19 Novo
0 / 193
5 / 308
Novo
Centro-direita (Total)
57 / 115
11 317 258 37,51 Aumento6,79
77 / 193
134 / 308
Aumento17
MoVimento 5 Estrelas 9 729 621 32,22
45 / 115
9 713 763 32,21 Aumento8,41
68 / 193
113 / 308
Aumento59
Partido Democrático 6 943 450 22,99
8 / 115
5 768 101 19,12 Baixa8,32
43 / 193
51 / 308
Baixa58
Mais Europa
1 / 115
712 844 2,36 Novo
0 / 193
1 / 308
Novo
Juntos
0 / 115
163 028 0,54 Novo
0 / 193
0 / 308
Novo
Lista Cívica Popular
1 / 115
157 205 0,52 Novo
0 / 193
1 / 308
Novo
SVP-PATT
2 / 115
128 282 0,42 Aumento0,12
1 / 193
3 / 308
Aumento1
Centro-esquerda (Total)
13 / 115
6 929 460 22,96 Baixa8,67
44 / 193
57 / 308
Baixa52
Livres e Iguais 990 500 3,28
1 / 115
987 706 3,27 Novo
4 / 193
5 / 308
Novo
Poder para o Povo 320 210 1,06
0 / 115
319 094 1,05 Novo
0 / 193
0 / 308
Novo
Outros (com menos de 1,00%) 889 601 2,96
0 / 115
887 740 3,00
0 / 193
0 / 308
Votos Inválidos 1 091 061 3,22 1 069 240 3,42 Baixa0,15
Total 33 916 460 100
115 / 115
31 224 261 100
193 / 193
308 / 308
Eleitorado/Participação 46 505 499 72,93 46 505 499 72,93 Baixa2,18
Fonte [109]

Vale de Aosta[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Senadores +/-
Coligação Vale de Aosta 15 958 25,76 Baixa11,28
1 / 1
Estável
MoVimento 5 Estrelas 14 398 23,24 Aumento2,53
0 / 1
Estável
Liga Norte 11 004 17,76 Aumento13,83
0 / 1
Estável
Por Todos, Para Todos 9 659 15,59 Novo
0 / 1
Novo
Força Itália-Irmãos de Itália 5 223 8,43 -
0 / 1
-
Resposta Cívica 1 911 3,08 Novo
0 / 1
Novo
Poder para o Povo 1 688 2,72 Novo
0 / 1
Novo
CasaPound 1 207 1,94 Novo
0 / 1
Novo
Partido Valor Humano 890 1,43 Novo
0 / 1
Novo
Votos Inválidos 4 728 7,09 Baixa0,27
Total 66 670 100
1 / 1
Eleitorado/Participação 92 087 72,39 Baixa4,69
Fonte [110]

Emigração[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % +/- Senadores +/-
Partido Democrático 268 612 27,09 Baixa3,60
2 / 6
Baixa2
Liga Norte-Força Itália-Irmãos de Itália (a) 218 553 22,04 Aumento6,84
2 / 6
Aumento2
MoVimento 5 Estrelas 174 948 17,64 Aumento7,63
0 / 6
Estável
Movimento Associativo dos Italianos no Estrangeiro 107 879 10,88 Baixa2,56
1 / 6
Estável
União Sul-Americana dos Emigrantes Italianos 65 069 6,56 Aumento2,29
1 / 6
Aumento1
Livres e Iguais 55 279 5,57 Novo
0 / 6
Novo
Mais Europa 52 494 5,29 Novo
0 / 6
Novo
Lista Cívica Popular 31 293 3,15 Novo
0 / 6
Novo
Nós com a Itália 10 404 1,04 Novo
0 / 6
Novo
Outros (com menos de 1,00%) 6 680 0,67
0 / 6
Votos Inválidos
Total
6 / 6
Eleitorado/Participação 3 835 780
Fonte [112]
(a) 2 senadores da Força Itália

Resultados por Distrito Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Método Proporcional[editar | editar código-fonte]

Distrito

Eleitoral

% D % D % D % D % D % D % D % D % D % D D Votantes
M5S PD LN FI FdI LU +E NCI PaP SVP
Piemonte 1 28,5 4 22,4 4 19,2 3 12,1 2 3,6 - 4,5 1 4,7 - 0,6 - 1,4 - - - 14 1 320 192
Piemonte 2 24,3 3 18,3 3 26,3 4 14,8 2 4,5 1 3,0 1 3,2 - 0,9 - 0,9 - - - 14 1 220 735
Lombardia 1 23,2 6 23,2 7 22,1 6 14,3 4 4,0 1 3,5 1 4,7 - 1,0 - 1,0 - - - 24 2 248 842
Lombardia 2 20,7 3 18,9 3 31,9 5 13,8 2 3,9 1 2,4 - 2,8 - 1,1 - 0,6 - - - 14 1 260 063
Lombardia 3 18,0 3 20,1 4 34,3 5 12,8 2 4,4 1 2,5 - 2,4 - 0,9 - 0,9 - - - 15 1 305 919
Lombardia 4 22,7 3 20,5 3 28,3 3 14,6 2 4,0 - 2,6 - 2,3 - 0,7 - 0,8 - - - 11 945 493
Trentino-Alto Ádige 19,5 1 14,7 - 19,2 2 7,0 - 2,6 - 3,9 - 2,5 - 0,5 - 1,0 - 24,2 2 5 592 33
Veneto 1 25,0 3 17,5 3 31,9 4 10,3 1 3,7 1 2,9 - 2,8 - 0,7 - 0,7 - - - 12 1 153 170
Veneto 2 23,9 5 16,2 4 32,3 7 10,8 2 4,5 1 2,6 - 2,7 - 1,4 - 0,6 - - - 19 1 781 237
Friuli-Veneza Júlia 24,6 2 18,7 2 25,8 2 10,7 1 5,3 1 3,2 - 3,4 - 1,2 - 0,9 - - - 8 713 973
Ligúria 30,1 3 19,7 2 19,9 3 12,7 1 3,8 - 4,4 1 3,4 - 0,9 - 1,4 - - - 10 885 066
Emília-Romanha 27,5 8 26,4 9 19,2 6 9,9 3 3,3 1 4,5 1 3,1 - 0,6 - 1,2 - - - 28 2 604 664
Toscana 24,7 6 29,6 9 17,4 4 9,9 3 4,2 1 4,6 1 2,9 - 0,6 - 2,0 - - - 24 2 200 959
Úmbria 27,5 2 24,8 2 20,2 1 11,2 1 4,9 - 3,0 - 1,9 - 0,5 - 1,3 - - - 6 525 978
Marche 35,6 4 21,3 2 17,3 2 9,9 1 4,9 1 2,9 - 1,9 - 1,0 - 1,1 - - - 10 915 119
Lazio 1 32,3 8 20,5 6 11,8 3 11,7 3 9,0 3 4,0 1 3,9 - 0,7 - 1,8 - - - 24
Lazio 2 34,5 5 15,0 2 16,5 3 16,3 2 6,7 1 2,8 - 1,7 - 1,2 - 1,0 - - - 13
Abruzzo 39,9 4 13,8 2 13,8 2 14,4 1 5,0 - 2,6 - 1,9 - 2,3 - 1,3 - - - 9 786 533
Molise 44,8 - 15,2 - 8,7 - 16,1 - 3,1 - 3,7 1 1,2 - 1,9 - 1,1 - - - 1 182 007
Campânia 1 54,1 11 12,2 3 2,9 1 18,0 4 2,6 - 3,1 1 1,2 - 1,6 - 1,8 - - - 20 1 569 793
Campânia 2 44,5 8 14,2 3 5,8 1 18,4 4 4,4 1 2,8 1 1,5 - 1,8 - 1,2 - - - 18 1 539 573
Apúlia 44,9 12 13,7 4 6,2 2 18,7 6 3,8 1 3,5 1 1,4 - 3,5 - 1,0 - - - 26 2 257 628
Basilicata 44,4 2 16,1 1 6,3 - 12,4 1 3,7 - 6,4 - 1,2 - 3,0 - 1,3 - - - 4 329 087
Calábria 43,4 5 14,3 2 5,6 1 20,1 3 4,6 - 2,8 1 1,0 - 1,9 - 1,1 - - - 12 981 045
Sicília 1 48,2 8 10,6 2 5,2 1 21,1 3 3,6 1 3,2 1 1,2 - 3,0 - 0,8 - - - 16 1 161 710
Sicília 2 49,3 9 12,3 2 5,1 1 20,1 3 3,7 1 2,6 1 1,1 - 1,8 - 0,7 - - - 17 1 353 640
Sardenha 42,5 5 14,8 2 10,8 1 14,8 2 4,0 1 3,1 - 2,0 - 1,4 - 0,9 - - - 11 896 495
Itália 32,7 133 18,7 86 17,4 73 14,0 59 4,4 19 3,4 14 2,6 - 1,3 - 1,1 - 0,4 2 385 33 916 460

Referências

  1. «Presidente da Itália busca solução para impasse político pós-eleitoral». Reuters. G1. 20 de março de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  2. Nina Markovic (1º de março de 2013). «The 2013 Italian general election: a new source of European instability?». Parliament of Australia. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  3. «Presidente italiano convoca Enrico Letta para pedir formação de governo». AFP. Terra. 24 de abril de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  4. «Italy's Enrico Letta forms new government with Berlusconi ally as deputy PM». Reuters. The Telegraph. 27 de abril de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  5. «Factbox: Key ministers in Enrico Letta's new Italian government». Reuters. 27 de abril de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  6. «Partido de Berlusconi retira apoio ao governo de coalizão na Itália». AFP. Terra. 26 de novembro de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  7. «Pdl, è scissione. Alfano: "Non aderiamo a FI". Pronti nuovi gruppi, ira dei falchi». Repubblica. 15 de novembro de 2013. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  8. «Itália: Rivalidade interna coloca governo sob pressão». Agência Estado. LogoTnOnline. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  9. «Presidente da Itália diz que se aposentará em breve». O Estado de S. Paulo. 1º de janeiro de 2015. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  10. «Renzi: con 47, 8 anni di media, è il governo più giovane di sempre». Corriere Della Sera. 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  11. Claudio Bernabucci (5 de março de 2014). «A juventude no poder». Carta Capital. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  12. «Renzi promete uma reforma por mês na Itália». Deutsche Welle. Carta Capital. 5 de março de 2014. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  13. «UPDATE 2-Renzi's triumph in EU vote gives mandate for Italian reform». Reuters. 26 de maio de 2014. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  14. Elisabetta Povoledo (31 de janeiro de 2015). «Italy Elects President, While Mulling a Change in Role». The New York Times. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  15. «Italy Prime Minister Mattro Renzi on Senate Reform». Bloomberg. 29 de setembro de 2015. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  16. Lorenzo Totaro (15 de outubro de 2015). «Renzi Gives Italians Lower Taxes, Higher Cash Use to Back Growth». Bloomberg. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  17. Lucas Rizzi (23 de fevereiro de 2016). «Nos 2 anos de Renzi, confira um balanço de suas reformas». Ansa Brasil. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  18. «Italy PM Renzi attacks northern regions for refusing migrants». BBC. 8 de junho de 2015. Consultado em 1º de março de 2018 
  19. «Italy coastguard: 3,000 migrants rescued in one day in Mediterranean». Agence France-Presse. The Guardian. 23 de agosto de 2015. Consultado em 1º de março de 2018 
  20. Mario Valenza (25 de agosto de 2015). «L'analisi del sondaggista: "Con l'immigrazione, Renzi perde tra i 2 e i 4 milioni di voti"». il Giornale. Consultado em 1º de março de 2018 
  21. Susana Salvador (4 de dezembro de 2016). «Renzi arrisca futuro com referendo». DN. Consultado em 1º de março de 2018 
  22. Chris Hanretty (5 de dezembro de 2016). «Italy voted 'no' to constitutional reform. This is why, and what will happen next.». The Washington Post. Consultado em 1º de março de 2018 
  23. «Primeiro-ministro da Itália anuncia renúncia após derrota em referendo». G1. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 1º de março de 2018 
  24. «New Italian PM Paolo Gentiloni sworn in». BBC. 12 de dezembro de 2016. Consultado em 1º de março de 2018 
  25. «2016 has been the year of referendums. The latest strike has been on Italy». Qrius. 7 de dezembro de 2016. Consultado em 1º de março de 2018 
  26. «Who is Paolo Gentiloni? The steady hand of Italian politics». AFP. The Local. 1º de março de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  27. Nicolò Magnani (23 de dezembro de 2017). «Sondaggi Politici/ Elezioni 2018, Piepoli: fiducia leader, Grasso e Bonino superano Renzi». IlSussidiario. Consultado em 3 de março de 2018 
  28. Barbara Acquaviti (7 de outubro de 2017). «Il patto a quattro Pd-Ap-Lega-Fi regge. Primo ok al Rosatellum, ma da martedì in Aula entra nel mirino dei franchi tiratori». HuffPost. Consultado em 1º de março de 2018 
  29. Silvio Buzzanca e Paolo Gallori (12 de outubro de 2017). «Rosatellum approvato alla Camera. Evitata la trappola dello scrutinio segreto. Via libera al salva-Verdini». Repubblica. Consultado em 1º de março de 2018 
  30. Monica Rubino (26 de outubro de 2017). «l Rosatellum bis è legge dello Stato: via libera definitivo al Senato con 214 sì». Repubblica. Consultado em 1º de março de 2018 
  31. Giuseppe Alberto Falci (7 de outubro de 2017). «Rosatellum, come funziona la legge elettorale e cosa prevede». Corriere della Sera. Consultado em 1º de março de 2018 
  32. Emilia Patta (21 de setembro de 2017). «Rosatellum 2.0, tutti i rischi del nuovo Patto del Nazareno». 24Ore. Consultado em 1º de março de 2018 
  33. Lorena Pacho (29 de dezembro de 2017). «Itália convoca eleições para 4 de março». El País. Consultado em 1º de março de 2018 
  34. «Presidente da Itália assina decreto que convoca eleições». Ansa. Terra. 28 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  35. «Mattarella, il discorso di fine anno: "I partiti hanno il dovere di programmi realistici. Fiducia nei giovani al voto"». il Fatto Quotidiano. 31 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  36. «Messaggio di fine anno del Presidente della Repubblica Sergio Mattarella». Presidência da Itália. 31 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  37. Franco Stefanoni (25 de fevereiro de 2017). «Ecco il nome degli ex Pd: Articolo 1 Movimento dei democratici e progressisti». Corriere Della Sera. Consultado em 1º de março de 2018 
  38. Andrea Gagliardi (25 de fevereiro de 2017). ««Democratici e progressisti» il nuovo nome degli ex Pd. Speranza: lavoro è nostra priorità». 24Ore. Consultado em 1º de março de 2018 
  39. Sofia Lorena (26 de fevereiro de 2017). «Novo partido quer lançar "renovação do centro-esquerda" em Itália». Público. Consultado em 1º de março de 2018 
  40. Alberto Custodero (30 de abril de 2017). «Primarie Pd, Renzi vince nettamente: "Al fianco del governo"». Repubblica. Consultado em 1º de março de 2018 
  41. «Matteo Renzi vence primárias de Partido Democrático». Ansa. 30 de abril de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  42. Daniel Verdú (1º de maio de 2017). «Ex-premiê italiano Matteo Renzi arrasa nas primárias do Partido Democrático». El País. Consultado em 1º de março de 2018 
  43. Oriana Liso (14 de maio de 2017). «Primarie Lega, Salvini centra l'obiettivo: con l'82,7% resta segretario. L'attacco di Bossi: "Con lui la Lega è finita"». Reppublica. Consultado em 1º de março de 2018 
  44. «Lega, Salvini avverte Berlusconi: "Maggioritario se vuoi davvero vincere"». Affaritaliani. 21 de maio de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  45. «Lega. Ecco il simbolo, via Nord ma con Salvini premier». RaiNews. 21 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  46. Andrea Carugati (23 de novembro de 2017). «I radicali alle elezioni da soli: la nuova lista si chiamerà "+ Europa"». La Stampa. Consultado em 1º de março de 2018 
  47. «Presidente do Senado da Itália desponta como candidato a premier». Ansa. 3 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  48. Gabriella Cerami (14 de dezembro de 2017). «Ritorna, in piccolo, L'Ulivo e l'avversario è sempre lo stesso: "Siamo gli unici che hanno battuto due volte Berlusconi"». HuffPost. Consultado em 1º de março de 2018 
  49. Viola Carofalo (3 de janeiro de 2018). «In risposta a Luciana Castellina e il suo articolo "L'errore di strategia della lista Potere al Popolo». Poder ao Povo. Consultado em 1º de março de 2018 
  50. Simona Casalini e Alberto Custodero (23 de setembro de 2017). «M5s, Di Maio eletto candidato premier e nuovo capo politico. Ma alle primarie votano solo in 37 mila». Repubblica. Consultado em 1º de março de 2018 
  51. Marco Imarisio (24 de setembro de 2017). «Movimento 5 Stelle: l'incoronazione gelida. E Di Maio promette a tutti «disciplina e onore»». Corriere Della Sera. Consultado em 1º de março de 2018 
  52. «Itália: movimento 5 estrelas escolhe Luigi Di Maio como candidato a premiê». Agência Estado. Em. 23 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  53. Andrea Signorelli (19 de abril de 2016). «Chi comanda ora nel Movimento 5 Stelle? Il ruolo di Davide Casaleggio». Blogo. Consultado em 1º de março de 2018 
  54. Annalisa Cuzzocrea (21 de setembro de 2016). «M5s, la prima volta di Davide Casaleggio». Reppublica. Consultado em 1º de março de 2018 
  55. Giovanni Drogo (26 de setembro de 2016). «Il nuovo regolamento M5S e il ruolo di Davide Casaleggio nelle espulsioni». NeXt Quotidiano. Consultado em 1º de março de 2018 
  56. Francesco Curridori (19 de dezembro de 2017). «Nasce Noi con l'Italia, la 'quarta gamba' del centrodestra». il Giornale. Consultado em 1º de março de 2018 
  57. Pier Francesco Borgia (10 de janeiro de 2018). «Simbolo e liste: è pronta la «quarta gamba»». il Giornale. Consultado em 1º de março de 2018 
  58. «Nasce "Civica popolare", lista centrista alleata col Pd: sarà guidata dalla Lorenzin». Reppublica. 29 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  59. «Tajani é candidato de Berlusconi para dirigir governo italiano». AFP. Em. 1º de março de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  60. Diogo Bercito (27 de fevereiro de 2018). «Eleições na Itália expõem resiliência de Berlusconi, mesmo inelegível». Folha de S.Paulo. Consultado em 1º de março de 2018 
  61. «Berlusconi diz que poderá se candidatar se Itália não formar governo». O Globo, Ansa e Reuters. O Globo. 27 de fevereiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  62. Daniel Verdú (28 de fevereiro de 2018). «Inabilitado, Berlusconi aponta seu candidato a premiê na reta final da eleição». El País. Consultado em 1º de março de 2018 
  63. «Tajani aceita ser candidato do partido de Berlusconi nas eleições italianas». EFE. Uol. 1º de março de 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  64. «Avanti, insieme. Mozione congressuale di Matteo Renzi». Partido Democrático. 16 de março de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  65. «Political cheat sheet: Understanding Italy's Democratic Party». The Local. 4 de setembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  66. Mark Chandler (5 de janeiro de 2018). «'We need MORE Europe' Left wing Italians form coalition promising United States of Europe». Express. Consultado em 1º de março de 2018 
  67. «Comitati territoriali "Insieme è meglio!"». Insieme è meglio. 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  68. «Italian General Elections 2018». New Europeans. 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  69. «Accordo SVP-PATT-PD per le elezioni di marzo„Accordo SVP-PATT-PD per le elezioni di marzo"». Trento Today. 16 de janeiro de 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  70. «Forza Italia lancia primo manifesto: onestà, esperienza, saggezza». Ask News. 14 de janeiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  71. Laura Mowat (26 de fevereiro de 2018). «Italian election 2018: Renzi branded a 'wasted vote' as popularity PLUMMETS in poll». The Express. Consultado em 1º de março de 2018 
  72. «Prima gli italiani, Salvini invita Di Maio: "Vieni alla nostra manifestazione di Milano"». Secolo. 14 de janeiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  73. Jamie Bartlett, Jonathan Birdwell e Duncan McDonnell (4 de outubro de 2012). «Populism in Europe: Lega Nord». Demos. Consultado em 1º de março de 2018 
  74. «4 MARZO 2018 IL VOTO CHE UNISCE L'ITALIA» (PDF). Fratelli d'Italia Piancenza. Consultado em 1º de março de 2018. Arquivado do original (PDF) em 2 de março de 2018 
  75. Catherine Edwards (11 de setembro de 2017). «An introduction to Italy's small political parties». The Local. Consultado em 1º de março de 2018 
  76. Erika Bertossi (19 de fevereiro de 2018). «Roccella, Noi con l'Italia: 'Siamo l'anima cattolica del centrodestra'». Bologna Today. Consultado em 1º de março de 2018 
  77. «Partecipa, Scegli, Cambia anche in Europa con la consultazione pubblica su sicurezza alimentare». Efd. 24 de janeiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  78. «Italy election: how populist Five Star Movement is wrecking government hopes for the mainstream». The Conversation. 23 de fevereiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  79. «Grasso adotta lo slogan di Corbyn: «Per i molti, non per i pochi»». Il Messaggero. 7 de janeiro de 2018. Consultado em 1º de março de 2018 
  80. David Broder (26 de fevereiro de 2018). «The Gross Coalition». Jacobin. Consultado em 1º de março de 2018 
  81. Erika Bertossi (21 de fevereiro de 2018). «Carofalo (Potere al Popolo): "Saremo la sorpresa elettorale, siamo l'unica lista di sinistra"». Micro Mega. Consultado em 1º de março de 2018 
  82. «Power to the People: In Italy, Potere al Popolo, a new left-wing movement is born». Mr Online. 27 de dezembro de 2017. Consultado em 1º de março de 2018 
  83. «CasaPound Italia Novara». CasaPound. Facebook. 15 de janeiro de 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  84. Jason Horowitz (17 de novembro de 2017). «In Italy, a Neo-Fascist Party's Small Win Creates Big Unease». The New York Times. Consultado em 2 de março de 2018 
  85. «Elezioni Politiche 2018 – Le risposte di PRI-ALA». Dibattito Scienza. 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  86. Gabriele Maestri (7 de janeiro de 2018). «L'edera del Pri tornerà sulle schede sull'Ala di Verdini?». I simboli della discordia. Consultado em 2 de março de 2018 
  87. «Mario Adinolfi: «Il Popolo della Famiglia contro il grande inciucio alle spalle della gente comune»». Giovinazzo Viva. 25 de fevereiro de 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  88. Aurora Bosotti (21 de fevereiro de 2018). «Italian election 2018: Now another party wants to take Italy out of European Union CAGE». Express. Consultado em 2 de março de 2018 
  89. Nick Squires (7 de setembro de 2017). «Italian neo-Fascists plan new march on Rome more than 90 years after Mussolini seized power». The Telegraph. Consultado em 2 de março de 2018 
  90. Frederico Guerrini (1º de março de 2018). «Would you vote for a tech political party? This new Italian group is banking on it». ZD Net. Consultado em 2 de março de 2018 
  91. «Italy: The List of the People». Defend Democracy Press. 6 de janeiro de 2018. Consultado em 2 de março de 2018 
  92. «Più forte, più giusta. L'Italia -Il programma del Pd». Partido Democrático. 7 de fevereiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  93. «Porta a porta». Rai Play. 10 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  94. «Pd, Renzi ecco il programma elettorale: 240 euro al mese per figlio. "Taglio contributi tempo indeterminato"». Repubblica. 2 de fevereiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  95. «Italian election pledges: Pizza or pazza?». Politico. 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  96. «Rai Play». Rai Play. 16 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  97. «Migranti e legittima difesa, è campagna sulla sicurezza». 24Ore. 13 de fevereiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  98. Monica Rubino (23 de novembro de 2017). «Radicali italiani, ecco la lista europeista di Bonino e Della Vedova». Repubblica. Consultado em 3 de março de 2018 
  99. «Renzi: il futuro sono gli Stati Uniti d'Europa». 24Ore. 20 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  100. «Dalla flat tax all'abolizione della legge Fornero, quanto costano le promesse elettorali dei partiti». 24Ore. 1º de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  101. «Porta a porta». Rai Play. 11 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  102. «"Stop agli allevamenti per le pellicce e interventi nei circhi": il programma animalista di Berlusconi». La Stampa. 20 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  103. «Porta a porta». Rai Play. 18 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  104. Fabio Cantarella (16 de janeiro de 2018). «Immigrati occupano la Statale, Salvini: "Stanno male? Rispediamoli a casa loro!"». Il Populista. Consultado em 3 de março de 2018 
  105. «Porta a porta». Rai Play. 17 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  106. «Porta a porta». Rai Play. 9 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  107. «Grasso: "Eliminare il canone Rai? Noi vogliamo abolire le tasse per l'università come in Germania. E cancellare il Jobs Act"». Ill Fatto Quotidiano. 7 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  108. «Especial/O que dizem as pesquisas para as eleições na Itália?». Ansa. IstoÉ. 2 de março de 2018. Consultado em 3 de março de 2018 
  109. a b «Eligendo: Camera [Scrutini] Italia (esclusa VALLE D'AOSTA) (Italia) - Camera dei Deputati del 4 marzo 2018 - Ministero dell'Interno». Eligendo (em italiano). Consultado em 5 de março de 2018 
  110. a b «Eligendo: Camera [Scrutini] Collegio uninominale VALLE D'AOSTA - 01 (Italia) - Camera dei Deputati del 4 marzo 2018 - Ministero dell'Interno». Eligendo (em italiano). Consultado em 5 de março de 2018 
  111. «Eligendo: Camera [Scrutini] Estero (Estero) - Camera dei Deputati del 4 marzo 2018 - Ministero dell'Interno». Eligendo (em italiano). Consultado em 8 de março de 2018 
  112. «Eligendo: Camera [Scrutini] Estero (Estero) - Camera dei Deputati del 4 marzo 2018 - Ministero dell'Interno». Eligendo (em italiano). Consultado em 8 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eleições legislativas na Itália em 2018