Eleições nos Estados Unidos em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eleições nos Estados Unidos em 2018
Dia de votação 6 de novembro
Eleição para a Câmara dos Representantes
Deputados eleitos 235 democratas
200 republicanos
Maioria Partido Democrata
Mapa dos resultados da eleição para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em 2018.png
  Democratas lideram por 0,1 a 5%
  Democratas lideram por 5 a 10%
  Democratas lideram por +10%
  Republicanos lideram por 0,1 a 5%
  Republicanos lideram por 5 a 10%
  Republicanos lideram por +10%
Eleição para o Senado
Senadores eleitos 53 republicanos
45 democratas
2 independentes
Maioria Partido Republicano
Mapa dos resultados da eleição para o Senado dos Estados Unidos em 2018.png
  Democratas lideram por 0,1 a 5%
  Democratas lideram por 5 a 10%
  Democratas lideram por +10%
  Vitória de independentes
  Republicanos lideram por 0,1 a 5%
  Republicanos lideram por 5 a 10%
  Republicanos lideram por +10%
Eleições para os governos estaduais
Governadores eleitos 27 republicanos
23 democratas
Maioria Partido Republicano
Mapa dos resultados das eleições para os governos estaduais dos Estados Unidos em 2018.png
  Democratas lideram por 0,1 a 5%
  Democratas lideram por 5 a 10%
  Democratas lideram por +10%
  Republicanos lideram por 0,1 a 5%
  Republicanos lideram por 5 a 10%
  Republicanos lideram por +10%

As eleições nos Estados Unidos em 2018 foram realizadas no dia 6 de novembro nos 50 estados e em 3 territórios norte-americanos, além da capital federal Washington, D.C.. Estas eleições de meio de mandato aconteceram na metade do primeiro mandato do presidente republicano Donald Trump. Todos os 435 assentos na Câmara dos Representantes e 35 das 100 vagas no Senado estavam em jogo, além dos governos de 39 estados e territórios, bem como inúmeras outras eleições estaduais e locais.

As eleições resultaram na vitória do Partido Democrata na disputa pela Câmara dos Representantes, marcando a primeira vez em oito anos que os democratas formaram maioria na câmara baixa do parlamento norte-americano. O partido de oposição a Trump ganhou 41 assentos, chegando a 235 representantes, registrando seu melhor resultado desde as eleições de 1974, ocorrida em meio ao descontentamento da população em virtude do escândalo de Watergate.

No Senado, o Partido Republicano aumentou sua maioria, a primeira vez desde 2002 que o partido do presidente elegeu uma bancada maior no Senado em uma eleição de meio de mandato. Os republicanos derrotaram senadores democratas na Flórida, Dakota do Norte, em Indiana e no Missouri, enquanto os democratas conquistaram assentos em Nevada e Arizona.

Os democratas ainda alcançaram ganhos significativos nas eleições estaduais, retomando os governos de Kansas, Michigan, Maine, Wisconsin, Nevada, Novo México e Illinois. As eleições legislativas estaduais também resultaram em um ganho líquido de mais de 350 vagas para os democratas. De modo geral, as eleições de 2018 tiveram participação recorde, com pelo menos 101 milhões de votos sendo contabilizados na disputa pela Câmara dos Representantes.

Contexto e campanha[editar | editar código-fonte]

Em frente ao vice-presidente Mike Pence e ao presidente da Câmara dos Representantes Paul Ryan, o presidente Donald Trump durante o Discurso sobre o Estado da União, em janeiro de 2018.

As eleições de 2018 foram as primeiras desde a posse de Donald Trump como presidente, em janeiro de 2017, depois de derrotar Hillary Clinton na eleição presidencial de 2016, um resultado considerado "surpreendente" por muitos analistas.[1][2][3] As eleições de meio de mandato, tradicionalmente desfavoráveis ao partido do presidente em exercício, ocorreram com a aprovação de Trump marcando cerca de 40%, contra mais de 50% de desaprovação.[4][5] Como o Partido Republicano comandava o Poder Executivo e o Legislativo do governo federal desde 2017, as eleições de 2018 eram uma oportunidade para o Partido Democrata limitar a agenda do governo Trump e impor a sua própria.[6]

As eleições de 2018 tiveram um leque mais vasto e um maior número de propagandas eleitorais em relação a eleições de meio de mandato anteriores.[7] Quase metade de todas as propagandas dos democratas concentraram-se na saúde, em particular na defesa do Affordable Care Act, popularmente conhecido como Obamacare, e na manutenção das proteções para pessoas com doenças pré-existentes.[8] Quase um terço das propagandas dos republicanos se concentrava nos impostos, em particular no Tax Cuts and Jobs Act of 2017, uma legislação que diminuiu impostos.[8] De acordo com um relatório da CNN, "até agora, nas eleições para a Câmara, Senado e governos estaduais deste ano, mais de US$ 124 milhões foram gastos em mais de 280 mil propagandas na TV relacionadas à imigração... isso é mais do que cinco vezes o valor gasto durante as eleições de meio de mandato de 2014, quando cerca de US$ 23 milhões foram gastos em menos de 44.000 propagandas."[9]

Estratégia republicana[editar | editar código-fonte]

Trump discursando em evento de campanha no Arizona, em outubro de 2018.

Desde maio de 2018, Trump passou a enfatizar seu esforço para superar o padrão histórico que a oposição norte-americana tem de recuperar espaço no parlamento durante as eleições de meio de mandato, sendo "prioridade máxima para a Casa Branca manter a maioria republicana no Senado." À época, Trump já estava realizando eventos de campanha para sua própria candidatura à reeleição em 2020, anunciada no dia de sua posse.[10] No decorrer da campanha em 2018, Trump focou nos bons resultados da economia, em sua proposta para construir um muro em toda a fronteira com o México, a defesa da guerra comercial com a China e os ataques à imprensa.[11][12]

Em outubro de 2018, o The New York Times e o The Washington Post noticiaram que o foco principal das mensagens republicanas era infundir o medo em relação a imigração e a raça.[13][14] O jornal canadense Toronto Star relatou que, quando as eleições de meio de mandato se aproximaram, Trump recorreu a "uma nevasca de medo e mentiras, muitas delas sobre estrangeiros de pele mais escura."[15] Em outra estratégia republicana, candidatos do partido vulneráveis que votaram a favor do projeto rejeitado que teria revogado e substituído o Obamacare procuraram defender seus votos com o que a CNN descreveu como "falsidades e ofuscações."[16] Vários desses candidatos republicanos afirmaram apoiar as disposições do Obamacare, como proteções para condições pré-existentes, mesmo que tenham votado por esforços que as enfraqueceram ou as eliminaram.[16]

Estratégia democrata[editar | editar código-fonte]

O ex-presidente Barack Obama ao lado de Stacey Abrams, a candidata democrata ao governo da Geórgia, em novembro de 2018.

Após os resultados frustantes das eleições de 2016, os democratas usaram como estratégia para 2018 o foco na saúde e no governo de Donald Trump. Líderes democratas, como o ex-presidente Barack Obama, defenderam que uma vitória do partido representaria "mais responsabilidade a Washington" pois traria um equilíbrio aos poderes, ajudando a frear as políticas de Trump e os republicanos.[17][18][19] O partido buscou mobilizar as mulheres, os jovens, os negros e os latinos, ambos grupos vistos como favoráveis aos democratas.[20][21] Em 2018, 41% dos vencedores das primárias democratas em todo o país eram mulheres, um número historicamente alto; dos 435 candidatos indicados pelo partido para o Congresso, 197 eram mulheres.[22][23][24][25]

Dado o cenário difícil para os democratas na disputa pelo Senado, o partido priorizou reconquistar a Câmara dos Representantes.[26][27] Boa parte dos distritos mirados pelos democratas que estavam em poder dos republicanos estava localizada nos subúrbios, onde a aprovação de Trump permanecia baixa.[28]

Eleições federais[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Representantes[editar | editar código-fonte]

Speaker e representante desde 1999, Paul Ryan (na foto) decidiu não concorrer à reeleição em 2018.[29]

Todos os mandatos dos ocupantes das 435 vagas com direito a voto na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos foram renovados. Além disso, foram realizadas eleições para a escolha de delegados sem direito a voto para o Distrito de Colúmbia e os territórios norte-americanos, com exceção do comissário residente de Porto Rico, cujo mandato é de quatro anos.[30][31]

O número de congressistas republicanos que decidiram não concorrer à reeleição ou até mesmo que renunciariam a seus assentos antes do término da sessão legislativa foi muito maior do que em qualquer ano desde 2006, quando os republicanos perderam o controle da Câmara. A maioria desses congressistas tinham perspectivas difíceis se fossem candidatos em 2018. Entre os democratas, o número de representantes que estavam deixando seus cargos seguia os padrões anteriores.[32] O número desproporcional de aposentadorias republicanas pode ter prejudicado as perspectivas do partido, devido à perda da vantagem que os ocupantes dos cargos costumam ter.[33][34][35]

Senado[editar | editar código-fonte]

Martha McSally e Kyrsten Sinema durante debate da eleição para o Senado pelo Arizona.

Um terço das vagas (33) do Senado dos Estados Unidos foi disputada, além de duas em eleições especiais. Destas, 24 eram ocupadas por democratas, nove por republicanos (três dos quais decidiram não concorrer à reeleição) e dois independentes, que costumam integrar o caucus democrata. De acordo com o Five ThirtyEight, em 2018 os democratas enfrentaram o mapa para o Senado mais desfavorável que qualquer partido já enfrentou em qualquer eleição.[36][37] Dos 24 senadores democratas candidatos à reeleição, dez eram de estados onde Trump ganhou em 2016, enquanto um era de um estado vencido por Hillary.[38][39] Na Virgínia Ocidental, o senador democrata Joe Manchin concorreu à reeleição em um estado que Trump venceu por 68-26%, ao mesmo tempo que Heidi Heitkamp, democrata da Dakota do Norte, defendeu seu mandato em um estado que também deu a Trump mais de 60% dos votos.[40][39]

Entre as disputas para o Senado, o presidenciável republicano em 2012 Mitt Romney concorreu em Utah, a senadora em exercício mais idosa (85 anos) Dianne Feinstein concorreu à reeleição na Califórnia e no Texas a eleição entre Beto O'Rourke e Ted Cruz fora excepcionalmente acirrada, em contraste com as outras eleições recentes no estado em que os republicanos venceram facilmente.[41][42][43][44]

Eleições estaduais[editar | editar código-fonte]

As eleições estaduais de 2018 terão impacto sobre o redistritamento que se seguirá ao Censo dos Estados Unidos de 2020, já que muitos estados exigem que os governadores e os legisladores estaduais estabeleçam os novos mapas para a Câmara dos Representantes e os legislativos estaduais.[45]

Governos[editar | editar código-fonte]

Andrew Gillum (na foto, ao centro) foi o candidato democrata ao governo da Flórida.

Foram realizadas eleições para os governos de 36 estados dos Estados Unidos e três territórios norte-americanos, bem como para prefeito do Distrito de Colúmbia.[46][47] As constituições de muitos desses estados previam limites de mandato, impedindo que o ocupante do executivo permanecesse no cargo por vários anos. Dois governadores democratas não podiam concorrer à reeleição, enquanto seis eram elegíveis. Entre os republicanos, doze eram elegíveis e onze inelegíveis. Um governador independente era elegível.[48]

As eleições aos governos estaduais consideradas mais disputadas, tanto pelos partidos quanto por analistas, ocorreram em Nevada, Geórgia, Kansas, Wisconsin, Ohio, Dakota do Sul, Iowa, Oregon, Flórida, Maine, Novo México, Connecticut e Alaska.[49] Os democratas lideraram com relativa folga nos populosos estados da Califórnia, Illinois, Nova Iorque e Pensilvânia.[48] Os governadores Scott Walker (Wisconsin) e Andrew Cuomo (Nova Iorque) concorreram a um terceiro mandato.[50][51] Em Illinois, os candidatos democrata e republicano estabeleceram a eleição para um governo estadual mais cara da história dos EUA, com mais de U$$ 280 milhões sendo arrecadados — em parte pelos próprios candidatos, ambos milionários.[52][53]

Legislativos[editar | editar código-fonte]

Das 99 câmaras legislativas estaduais, 87 foram renovadas, representando 6.069 dos 7.383 assentos legislativos do país (82%). Em algumas câmaras legislativas, todos os mandatos foram renovados; algumas câmaras com mandatos escalonados realizaram eleições apenas para uma parte dos assentos do legislativo.[54][nota 1]

Referendos[editar | editar código-fonte]

Foram votados 134 referendos em 34 estados. As votações incluíram muitas iniciativas sobre as reformas do redistritamento e direitos ao voto, maconha, saúde e impostos.[55] Como resultados dos referendos, o Colorado e o Michigan estabeleceram comissões independentes de redistritamento, enquanto Nebraska, Utah e Idaho expandiram o acesso ao Medicaid. Na Flórida, os eleitores aprovaram a Emenda 4, que restaurou os direitos ao voto para alguns criminosos que cumpriram suas sentenças.[56]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Congresso[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Representantes

Na Câmara dos Representantes, os democratas elegeram a maioria dos parlamentares pela primeira vez desde as eleições de 2010.[57][58] O Partido Democrata ganhou pelo menos 30 distritos antes representados por republicanos.[59] Os maiores ganhos para o partido ocorreram nos estados de Califórnia (+3), Nova Iorque (+3), Nova Jersey (+3), Pensilvânia (+3), Virgínia (+3), Flórida (+2), Illinois (+2), Iowa (+2) e Texas (+2).[60]

235 200
Democrata Republicano
Partidos Representantes Votos
2016 2018 +/- % Votos % Mudança
  Democrata 194 235 Aumento 41 54% 60.232.389 53,3% +5,3%
  Republicano 241 200 Baixa 41 46% 50.751.268 44,9% -4,2%
Totals 435 435 0 100% + de 112,932,502 100% -
Senado

Até dados de 11 de novembro de 2018, os republicanos mantiveram seus 51 assentos no Senado, derrotando senadores democratas na Indiana, na Dakota do Norte e em Missouri. Os democratas elegeram pelo menos 46 senadores, derrotando o senador republicano de Nevada. As eleições do Arizona e da Flórida permaneciam em aberto, enquanto a de Mississippi foi para o segundo turno.[61]

53 45 2
Republicano Democrata Ind
Partidos Senadores Votos
2016 2018 +/- % Votos % Mudança
  Republicano 51 53 53% Aumento 2 33.930.718 39,8% -2,6%
  Democrata 47 45 45% Baixa 2 49.505.719 58% +4,2%
Totals 435 435 0 100% + de 84.202.254 100% -

Os resultados por estado foram os seguintes:[62]

Governos estaduais[editar | editar código-fonte]

Os democratas conseguiram um ganho de sete governos estaduais. Além dos candidatos do partido manterem o controle dos estados que já governavam, também tiraram do Partido Republicano os governos de Illinois, Michigan, Wisconsin, Nevada, Kansas, Maine e Novo México. O Alaska, governado por um independente, elegeu um republicano.[63][64]

27 23
Republicano Democrata
Partidos Governadores Votos
2017 2018 +/- % Votos % Mudança
(em relação a 2014)
  Republicano 33 27 Baixa 6 50% 41.337.517 48,2% -2,1%
  Democrata 16 23 Aumento 7 46% 42.392.101 49,4% +3,2%
Totals 435 435 0 100% + de 83.729.618 100% -

Os resultados por estado foram os seguintes:[65]

Os resultados por territórios e o distrito federal foram os seguintes:[66][67]

Território Candidato Votos %
Guam Lou Leon Guerrero
Ray Tenorio
18.081
9.419
50,7
26,4
Washington, D.C. Muriel Bowser
Ann Wilcox
162.199
19.979
79,5
9,8

Legislativos estaduais[editar | editar código-fonte]

Resultados por estado das eleições de 2018:
  Democratas mantiveram o governo e o legislativo;
  Democratas retomaram o governo e o legislativo;
  Republicanos mantiveram o governo e o legislativo;
  Republicanos retomaram o governo e o legislativo;
  Governo dividido mantido;
  Governo dividido estabelecido.

Os democratas conquistaram pelo menos 350 vagas em legislativos estaduais.[68] Cinco câmaras—o Senado do Colorado, a Câmara dos Representantes de Nova Hampshire, o Senado de Nova Hampshire, a Câmara do Minnesota, o Senado do Maine e o Senado do Estado de Nova Iorque—mudaram do controle republicano para o democrata.[69] O Senado de Connecticut deixou de ser dividido para ter uma maioria democrata.[69] Os republicanos ganharam o controle na Câmara dos Representantes do Alaska.[69]

Os democratas ganharam "trifetas", nome dado quando o governador e a maioria legislativa são filiados a um mesmo partido, no Colorado, Illinois, Connecticut, Maine, Novo México, Nova Iorque e Nevada.[68][70] Os republicanos perderam as trifetas em Kansas, Michigan, Wisconsin e Nova Hampshire, mas ganharam uma no Alaska.[68][71] Após as eleições de 2018, os republicanos totalizaram 21 trifetas e os democratas 14 trifetas, enquanto 13 estados tinham governos divididos.[68]

Apenas um estado, Minnesota, tinha uma legislatura com controle dividido entre os partidos (os republicanos mantinham o controle do Senado estadual, enquanto a Câmara era controlada pelos democratas), sendo a primeira vez em 104 anos que apenas um único estado tinha uma legislatura dividida.[69] Na Carolina do Norte, os democratas retiraram dos republicanos suas supermaiorias que lhes permitia derrubar vetos feitos pelo governador democrata Roy Cooper.[72] No Oregon, os democratas alcançaram supermaiorias na Câmara e no Senado.[73]

Participação[editar | editar código-fonte]

O professor Michael McDonald, da Universidade da Flórida, relatou uma participação mínima de pelo menos 48,9% dos eleitores aptos, ultrapassando os 48,7% das eleições de meio de mandato de 1966 e estabelecendo a maior participação popular para uma eleição de meio de mandato desde 1914, cuja participação foi de 50,4%.[74][75] As eleições de meio de mandato de 2018 também foram as primeiras em que mais de 100 milhões de eleitores votaram.[76] Em contraste, as últimas eleições de meio de mandato, em 2014, 36,4% dos eleitores votaram, um número historicamente baixo.[77] Em alguns estados, a participação em 2018 foi atipicamente alta, como no Texas, onde 8,3 milhões de eleitores aptos votaram (53%), ante os 8,9 milhões na eleição presidencial em 2016 (59%) e 4,6 milhões em 2014 (33%).[78][79] Pelo menos 60% dos eleitores aptos votaram em Colorado, Montana, Minnesota, Oregon e Wisconsin. Os estados com menor participação foram Luisiana (35,9%), Havaí (38,4%), Utah (40,3%), Nova Iorque (40,9%) e Arkansas (41,0%).[80]

Recontagens[editar | editar código-fonte]

Rick Scott (cropped).jpgBill Nelson 113th Congress.jpg
Na Flórida, foi determinada uma recontagem em três eleições a nível estadual. Na disputa pelo Senado, de acordo com dados extraoficiais, Rick Scott (à esquerda) tinha uma vantagem sobre Bill Nelson (à direita) de 12 mil votos, em um universo de 8,1 milhões de votos.[81]

Em 10 de novembro, o secretário de Estado da Flórida determinou uma recontagem para as eleições ao Senado, ao governo e a comissário de Agricultura, uma vez que em ambas as eleições os resultados extraoficiais indicavam diferenças muito próximas entre o primeiro e o segundo colocados.[82][83] Devido à recontagem, o candidato democrata a governador Andrew Gillum retirou seu reconhecimento da vitória do candidato republicano Ron DeSantis.[84] Em 9 de novembro, o candidato republicano ao Senado, o governador Rick Scott, ingressou com duas ações contra as autoridades eleitorais nos condados de Broward e Palm Beach, alegando que as autoridades estavam escondendo informações críticas sobre o número de votos expressos e contados.[85][86] Embora o Departamento de Aplicação da Lei da Flórida tenha anunciado que "nenhuma evidência de atividade criminal" fora notada em Broward, uma juíza estadual determinou que os republicanos tivessem acesso "imediato" às informações solicitadas.[87][88][89] Ao fim da recontagem dos votos, ambos os candidatos do Partido Republicano foram declarados vencedores das eleições para governador da Flórida e senador pela Flórida. Rick Scott tomou o assento do então senador Bill Nelson, sendo uma dos 4 ganhos republicanos no Senado.[90]

Na Geórgia, um juiz ordenou uma medida cautelar temporária sobre os resultados do condado de Dougherty em 9 de novembro, já que algumas das 14.000 cédulas de votos solicitadas foram reencaminhadas por Tallahassee devido ao furacão Michael. Consequentemente, o condado não pôde certificar seus resultados prontamente uma vez que nem todas as cédulas haviam sido contadas.[91] Antes da votação houveram alegações de tentativas de impedir eleitores de votar, especialmente de minorias étnicas, bem como uma preocupação pelo fato do candidato a governador, Brian Kemp, não ter renunciado ao seu cargo de secretário de Estado, responsável por supervisionar a eleição.[92][93] Em 8 de novembro, após declarar ter vencido a eleição, Kemp renunciou ao cargo alegando que focaria no processo de transição.[94] A candidata democrata Stacey Abrams recusou-se a reconhecer a derrota até que todos os votos fossem contados.[95] Segundo resultados extraoficiais de 11 de novembro, a diferença de Kemp para Abrams havia caído para 1,50%, com Kemp tendo 50,28% e Abrams 48,78%.[96][97] Se nenhum candidato atingir 50% dos votos válidos, um segundo turno será realizado em 4 de dezembro.[98][99] No dia 16 de novembro, Stacey Abrams reconheceu publicamente que não teria votos suficientes para vencer a eleição. Ela encerrou sua campanha e reconheceu a vitória do republicano Brian Kemp.[100]

Pioneirismos[editar | editar código-fonte]

O Center for Responsive Politics projetou que um total de mais de US$ 5,2 bilhões foi gasto durante as eleições de 2018, sendo projetado como a eleição mais cara da história dos Estados Unidos, superando o recorde anterior de US$ 4,4 bilhões em 2016.[101]

Em 3 de novembro, foi noticiado que o número de votos antecipados chegou a 31,5 milhões, superando o recorde de 2014; dias depois foi relatado que 40 milhões de eleitores votaram antecipadamente.[102][103] Em alguns estados, como Texas e Nevada, mais pessoas votaram antecipadamente do que o total de votos registrado em 2014.[103]

As eleições de 2018 também registraram vários pioneirismos.[104] Sharice Davids (D-KS) e Debra Haaland (D-NM) foram as primeiras mulheres nativas americanas a serem eleitas para o Congresso.[105] Rashida Tlaib (D-MI) e Ilhan Omar (D-MN) foram eleitas as primeiras representantes muçulmanas e Jared Polis foi eleito o primeiro governador abertamente gay.[106][107] Além disso, Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) tornou-se a mulher mais jovem já eleita para o Congresso.[108]

Notas

  1. Não houveram eleições legislativas estaduais na Luisiana, no Mississippi, em Nova Jersey e na Virgínia, que realizam suas eleições estaduais em anos ímpares. Também não houve eleições para os senados do Kansas, de Minnesota, do Novo México e da Carolina do Sul, que ocorrem nos anos das eleições presidenciais.[54]

Referências

  1. Mariana Santos (9 de novembro de 2016). «Donald Trump surpreende o mundo e se torna presidente dos Estados Unidos». DW. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  2. Marcelo Ninio e Anna Virginia Balloussier (9 de novembro de 2016). «Trump atropela previsões e é eleito o 45º presidente dos Estados Unidos». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  3. «Democratas são favoritos nas eleições, mas Trump resiste». France Presse. G1. 4 de novembro de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  4. Marcelo Freire (6 de novembro de 2016). «Com popularidade baixa, Trump encara 1ª eleição que pode referendar ou enfraquecer mandato». Uol. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  5. John Haltiwanger (6 de novembro de 2016). «Trump has the worst approval rating of any president in modern US history heading into their first midterm election». Business Insider. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  6. «Democratas retomam controle da Câmara: o que resultado de eleições nos EUA significa para Trump». BBC. 7 de novembro de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  7. Demetrios Pogkas e David Ingold (2 de novembro de 2018). «What the 2018 Campaign Looks Like in Your Hometown». Bloomberg. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  8. a b Brian McGill e Julie Bykowicz (9 de outubro de 2018). «Health Care Crowds Out Jobs, Taxes in Midterm Ads». The Wall Street Journal. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  9. Catherine E. Shoichet (15 de outubro de 2018). «No, you're not crazy. There are way more campaign ads about immigration this year». CNN. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  10. Jeff Zeleny, Sarah Westwood e Pamela Brown (31 de maio de 2018). «Unprecedented? Trump aims to defy midterm campaign history». CNN. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  11. John Fritze (11 de agosto de 2018). «Trump's midterm message: Five things the president is telling voters». USA Today. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  12. «EUA vão às urnas em eleição de meio de mandato com tom de referendo sobre Trump». G1. 6 de novembro de 2018. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  13. Ashley Parker, Philip Rucker e Josh Dawsey (22 de outubro de 2018). «Trump and Republicans settle on fear – and falsehoods – as a midterm strategy». The Washington Post. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  14. Alexander Burns e Astead W. Herndon (22 de outubro de 2018). «Trump and G.O.P. Candidates Escalate Race and Fear as Election Ploys». The New York Times. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  15. Daniel Dale (22 de outubro de 2018). «Donald Trump's strategy as mid-terms approach: lies and fear-mongering». The Toronto Star. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  16. a b Eric Bradner, Gregory Krieg e Tami Luhby (26 de outubro de 2018). «Republicans' health care strategy for the midterms: Fear and misdirection». CNN. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  17. «Democratic strategy for winning the Midterm election». WSAW - TV. 21 de setembro de 2018. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  18. Andrew Gumbel (8 de setembro de 2018). «'Enough is enough': Barack Obama rallies California Democrats». The Guardian. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  19. Matt Fuller (7 de novembro de 2018). «Democratas recuperam o controle da Câmara nos EUA, mas Trump mantém Senado». The Washington Post. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  20. Antonia Laborde e Joan Faus (3 de novembro de 2018). «Democratas depositam esperanças nos mais jovens para derrotar Trump». El País. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  21. Lateshia Beachum (12 de março de 2018). «A liberal super PAC is raising millions to mobilize black voters. Does it matter that its bankrollers are white?». The Center for Public Integrity. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  22. Matthew Yglesias (16 de agosto de 2018). «Democrats are nominating an unprecedented number of women to run for Congress». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  23. Pablo Ximénez de Sandoval (2 de julho de 2018). «As mulheres que estão escrevendo o futuro do Partido Democrata». El País. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  24. Grace Sparks e Annie Grayer (17 de setembro de 2018). «256 women won House and Senate primaries, a huge new record». CNN. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  25. K.K Rebecca Lai, Denise Lu, Lisa Lerer e Troy Griggs (31 de outubro de 2018). «The Faces of Change in the Midterm Elections». The New York Times. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  26. Tim Reid (24 de agosto de 2018). «Democrats face 'almost impossible map' to retake U.S. Senate». Reuters. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  27. Julie Pace (5 de novembro de 2018). «Analysis: Democrats focus on House, eye Midwest redemption». The Washington Post. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  28. Paul Kane (28 de abril de 2018). «Democrats were looking at suburban districts. Now they're glancing toward rural ones too». The Washington Post. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  29. «Presidente da Câmara Baixa dos EUA, Paul Ryan, não tentará reeleição». AFP. Exame. 11 de abril de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  30. Seán Clarke, Niko Kommenda, Ben Jacobs e Sam Morris (17 de setembro de 2018). «Everything you need to know about the Midterms». The Guardian. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  31. Andrew Goldberg, Billy Huzar e Anthony Chan (Setembro de 2018). «Does the midterm election matter?» (PDF). J.P. Morgan. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  32. Sam Petulla e Jennifer Hansler (5 de junho de 2018). «There is a wave of Republicans leaving Congress, updated again». CNN. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  33. Nathaniel Rakich (12 de setembro de 2017). «The Recent Rush Of GOP Retirements Is Good For Democrats». 538. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  34. Nate Cohn (29 de setembro de 2017). «Why Retirements May Hold the Key in Whether Republicans Can Keep the House». The New York Times. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  35. Hank Berrien (29 de junho de 2018). «WOW: Survey Finds Among White Millenial Men, 23% Move From Dems To GOP In Last Two Years». Daily Wire. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  36. David Wasserman (7 de agosto de 2018). «The Congressional Map Has A Record-Setting Bias Against Democrats». Five ThirtyEight. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  37. Nate Silver (12 de setembro de 2018). «Republicans Are Favorites In The Senate, But Democrats Have Two Paths To An Upset». Five ThirtyEight. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  38. Mark Plotkin (16 de fevereiro de 2018). «10 Senate Democrats are up for reelection in Trump country». The Hill. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  39. a b Dylan Scott (6 de novembro de 2018). «The 10 most important Senate elections, briefly explained». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  40. Ed Kilgore (13 de janeiro de 2017). «Is This Trump-Friendly Democratic Senator Fooling Republicans — or Himself?». Intelligencer. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  41. Liliana Borges (16 de fevereiro de 2018). «Mitt Romney confirma candidatura ao Senado com recado à Casa Branca». Público. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  42. «Dianne Feinstein impede que Califórnia tenha seu primeiro senador latino». EFE. 7 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  43. Isaac Stanley-Becker (2 de setembro de 2018). «Beto O'Rourke: a estrela de que os democratas precisam vem do Texas». Público. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  44. Tara Golshan (12 de setembro de 2018). «Ted Cruz's surprisingly competitive battle against Beto O'Rourke, explained». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  45. Mark Olalde (10 de outubro de 2018). «Redistricting explained: All eyes on state races in 2018». The Center for Public Integrity. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  46. «2018 Gubernatorial Elections». National Governors Association. 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  47. Júlia Zaremba (5 de novembro de 2018). «Eleição nos EUA ameaça domínio republicano nos governos estaduais». Folha de S. Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  48. a b «Elections 2018: Forecasting the races for governor». Five ThirtyEight. 6 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  49. Stavros Agorakis e Dylan Scott (6 de novembro de 2018). «The 13 most important governor elections in 2018, briefly explained». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  50. «Scott Walker announces run for third term». WISN. 5 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  51. Yancey Roy (3 de novembro de 2018). «Cuomo running on his record as he seeks a third term». Newsday. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  52. Aamer Madhani (3 de novembro de 2018). «Nasty Illinois governor's race could be most expensive in U.S. history». USA Today. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  53. Sarah Schulte (16 de outubro de 2018). «Illinois governor's race among most expensive in country thanks to wealthy candidates». ABC. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  54. a b «2018 LEGISLATIVE RACES BY STATE AND LEGISLATIVE CHAMBER». National Conference of State Legislatures. 23 de fevereiro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  55. «2018 ballot measures». Ballotpedia. 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  56. Emanuella Grinberg (7 de novembro de 2018). «Voters approve abortion restrictions and recreational marijuana in state ballot initiatives». CNN. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  57. «Democratas retomam maioria na Câmara dos Estados Unidos». DW. 7 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  58. «Mid-term elections: Democrats win House in setback for Trump». BBC. 7 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  59. «U.S. House Election Results 2018». Politico. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  60. «House Election Results: Democrats Take Control». The New York Times. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  61. «Senate Election Results: Republicans Keep Majority». The New York Times. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  62. «National results: Senate election». CNN. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  63. David Catanese (7 de novembro de 2018). «Election 2018: Democrats Add 7 Governorships». U.S. News. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  64. «Governor Election Results: Democrats Retake Several States». The New York Times. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  65. «National results: governor». CNN. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  66. Monica Busch (6 de novembro de 2018). «Guam's New Governor Lou Leon Guerrero Is The First Woman To Serve In That Role». Bustle. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  67. «District of Columbia Election Results». The Washington Post. 10 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  68. a b c d Sophie Quinton e Elaine S. Povich (9 de novembro de 2018). «So Much Changed in Statehouses This Week. Here's What It All Means». The Pew Charitable Trusts. Stateline. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  69. a b c d «StateVote 2018 / State Legislative Races and Ballot Measures». National Conference of State Legislatures. 7 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  70. Dylan Scott (10 de novembro de 2018). «Democratic wins in these 9 states will have seismic policy consequences». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  71. Steve Quinn (7 de novembro de 2018). «ELECTION RESULTS: Republicans set to control executive, legislative branches». KTVA. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  72. Jim Morrill e Paul A. Specht (7 de novembro de 2018). «Blue waves in urban North Carolina help Democrats break GOP 'supermajorities'». Charlotte Observer. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  73. Connor Radnovich (7 de novembro de 2018). «Oregon Democrats secure supermajorities in both chambers of Oregon Legislature». Salem Statesman Journal. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  74. «2018 November General Election Turnout Rates». United States Elections Project. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  75. Domenico Montanaro (18 de outubro de 2018). «Voter Turnout Could Hit 50-Year Record For Midterm Elections». National Public Radio. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  76. Renae Reints (7 de novembro de 2018). «2018 Midterm Election Sets Record as the First to Exceed Voter Turnout of 100 Million People». Fortune. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  77. Grace Segers (7 de novembro de 2018). «Record voter turnout in 2018 midterm elections». CBS News. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  78. «Turnout and Voter Registration Figures (1970-current)». Secretary of State of Texas. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  79. «Office of the Secretary of State: 2018 General Election: Election Night Returns». Secretary of State of Texas. 10 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  80. John W. Schoen (9 de novembro de 2018). «This chart shows how every state turned out to vote in the record-setting 2018 midterm election». CNBC. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  81. «2018 General Election: U.S. Senator». Florida Department of State. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  82. Frances Robles (10 de novembro de 2018). «Florida Begins Vote Recounts in Senate and Governor's Races». The New York Times. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  83. «Flórida vai ter recontagem de votos da eleição para senador e governador, determina secretário». G1. 10 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  84. Christal Hayes, Jeffrey Schweers e Joel Shannon (10 de novembro de 2018). «Andrew Gillum withdraws concession in Florida's governor race amid recount». USA Today. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  85. Steve Bousquet e Elizabeth Koh (8 de novembro de 2018). «Rick Scott sues elections supervisors over vote count, orders FDLE probe». The Tampa Bay Times. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  86. Elizabeth Koh e Steve Bousquet (8 de novembro de 2018). «Rick Scott sues Broward, Palm Beach elections supervisors over ballot delays». The Miami Herald. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  87. Daniel Chaitin (10 de novembro de 2018). «Florida elections observers find no evidence of criminal activity in Broward County despite Rick Scott's fraud claims». Washington Examiner. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  88. Re Gregg (11 de novembro de 2018). «GOP Senate candidate Rick Scott: 'Sen. Nelson is clearly trying to commit fraud' to win election». Fox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  89. Alex Pappas (9 de novembro de 2018). «Judge sides with Florida's Rick Scott, cites 'violation' of state constitution by election officials». Fox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  90. «Recontagem dos votos na Flórida para o Senado dá vitória a Rick Scott, do Partido Republicano». G1. 18 de novembro de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  91. Ashley Bridges (10 de novembro de 2018). «The ballot count continues in the Georgia Governors race». WJBF. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  92. Khushbu Shah (10 de novembro de 2018). «'Textbook voter suppression': Georgia's bitter election a battle years in the making». The Guardian. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  93. P.R. Lockhart (12 de outubro de 2018). «Georgia, 2018's most prominent voting rights battleground, expl». Vox. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  94. David Clemons (8 de novembro de 2018). «Kemp resigns as secretary of state, focuses on transition». The Walton Tribune. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  95. «Democratas ultrapassaram republicanos em mais de 12 milhões de votos para o Senado». RTP. 8 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  96. «Georgia Election Night Reporting». Secretaria de Estado da Geórgia. 11 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  97. Greg Bluestein (10 de novembro de 2018). «GEORGIA ELECTION UPDATE: Kemp's lead shrinks, Abrams to file new lawsuit». Politically Georgia. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  98. «Georgia e Florida podem ter recontagem de votos; Trump critica no Twitter». O Estado de S. Paulo. Em. 10 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  99. «Disputa por governo da Geórgia segue sem vencedor definido». EFE. Exame. 9 de novembro de 2018. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  100. Alan Blinder e Richard Fausset (16 de novembro de 2018). «Stacey Abrams ends figure for Georgia governor with harsh words for her rival». The New York Times. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  101. Shayanne Gal (3 de novembro de 2018). «The 2018 midterms will be the most expensive in history – here are the candidates who have raised and spent the most money since Trump's election». Business Insider. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  102. Shayanne Gal e Ellen Cranley (3 de novembro de 2018). «Here are all the states where you can vote early in the midterm elections». Business Insider. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  103. a b Heather Timmons (6 de novembro de 2018). «Americans smashed all previous records for early voting in the 2018 midterm elections». Quartz. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  104. «Mid-terms 2018: How these elections broke records». BBC. 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  105. «Candidatas de Novo México e Kansas são primeiras indígenas a chegar à Câmara». EFE. 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  106. «Candidatas de Novo México e Kansas são primeiras indígenas a chegar à Câmara». Lusa. Diário de Notícias. 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  107. «Colorado elege primeiro governador abertamente gay dos EUA». Folha de S. Paulo. 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  108. «Ocasio-Cortez é a mulher mais jovem a chegar ao Congresso dos EUA». EFE. Exame. 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018