Eleições parlamentares no Brasil em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 2014 Brasil 2022
Eleições parlamentares no Brasil em 2018
7 de outubro de 2018
Maiores Bancadas Eleitas na Câmara
Foto oficial de Gleisi Hoffmann.jpg Deputado Eduardo Bolsonaro em plenário.jpg Arthur Lira.jpg
Líder Gleisi Hoffmann Eduardo Bolsonaro Arthur Lira
Partido PT PSL PP
Natural de Paraná São Paulo Alagoas
Votos 10.126.611 11.640.033 5.480.067
Porcentagem 10,37% 11,92% 5,61%

As eleições parlamentares no Brasil em 2018 foram realizadas no domingo, 7 de outubro de 2018,[1] como parte das eleições gerais brasileiras de 2018. Nesta data, todos os 513 assentos da Câmara dos Deputados serão renovados para um mandato de 4 anos e 54 dos 81 assentos no Senado Federal serão renovados para um mandato de 8 anos.

O parlamento terá uma grande renovação. No Senado, apenas 8 das 54 vagas em disputa serão ocupadas por candidatos que se reelegeram.[2] O Congresso deverá também ser significativamente mais conservador.[3]

Informação[editar | editar código-fonte]

De acordo com o artigo 46 da Constituição Federal de 1988, cada estado é representado por três Senadores eleitos pela maioria dos votos. Eles são eleitos diretamente para um mandato de oito anos, sem limite no número de mandatos. Alternadamente, um terço (27) e dois terços (54) dos assentos são colocados em disputa a cada quatro anos. Em 2014, um terço dos assentos foram colocados em disputa e, assim sendo, em 2018 serão dois terços, o que corresponde a dois Senadores eleitos por cada estado e pelo Distrito Federal.[4]

A Câmara dos Deputados representa o povo de cada estado e do Distrito Federal, e seus membros são eleitos pelo sistema de representação proporcional, uma vez que o princípio do federalismo é adotado como forma de governo no país. Os deputados federais são eleitos diretamente para um mandato de quatro anos, sem limite no número de mandatos. Cada estado tem direito a um número diferente de deputados federais, dependendo de seu número de habitantes[5]

Sistema Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Os Deputados Federais são eleitos através do voto proporcional em cada uma das unidades da federação. Cada partido ou coligação recebem um número de assentos proporcional à sua votação[6].

Neste ano houve uma novidade com a instituição de uma cláusula de barreira. Os partidos tiveram de obter 1,5% dos votos totais ou eleger 9 deputados em 9 diferentes unidades da federação para continuar tendo acesso ao fundo partidário e ao tempo de televisão durante a próxima legislatura[7].

Senado[editar | editar código-fonte]

Os Senadores são eleitos através do voto majoritário e turno único. Como dois terços[8] do senado será renovado, ganham os 2 mais votados em cada estado e no Distrito Federal.[9]

Resultados[editar | editar código-fonte]

A jurista Janaína Paschoal foi a deputada estadual mais votada da história com mais de dois milhões de votos (o que seria também recorde de votos para deputada federal).[10][11][12][13]

O Congresso Nacional teve um alto índice de eleições novas, tendo sido considerada a maior renovação de parlamentares das últimas décadas.[14][15][16] Anteriormente ocorreu na Câmara dos Deputados em 1994.[15]

Segundo levantamento da BBC, no Senado Federal, apenas oito das 54 vagas em disputa serão ocupadas por candidatos que disputaram reeleição. Na Câmara dos Deputados, a renovação deve ficar acima de 50 por cento das cadeiras. O número é superior ao das últimas eleições, quando a taxa ficou em 47 por cento. A última vez em que a Câmara teve uma renovação tão grande foi em 1994, quando 54,2 por cento dos deputados eleitos eram novos.[15]

O partido mais votado para a Câmara foi o Partido Social Liberal (PSL), tornando-se o segundo maior partido na casa, ficando atrás somente do PT.[17] Dentre os eleitos pelo PSL estão Eduardo Bolsonaro, o candidato mais votado da história do país[18]; o ator Alexandre Frota; a jornalista Joice Hasselmann; o cientista político e príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança; e a ativista Carla Zambelli,[19] pautados no combate à corrupção e liberalismo econômico, e de perfil conservador nos costumes.[20] Já por outros partidos, dentre os que se opuseram à corrupção e apoiaram o impeachment de Dilma, elegeram-se Kim Kataguiri e Arthur Moledo do Val do Movimento Brasil Livre, pelo Democratas (DEM).[21] Pelo Partido Novo foram eleitos oito deputados federais na Câmara,[22] dentre eles Vinicius Poit[23] e Adriana Ventura.[24]

No Distrito Federal, apenas uma de oito cadeiras ficará com uma deputada federal reeleita. A deputada Erika Kokay (PT) conquistou seu terceiro mandato na Câmara. Todos os outros sete eleitos pelo DF são novos.[15] No Paraná, dos 25 deputados que tentaram a reeleição, dez não conseguiram um novo mandato. O deputado federal mais votado foi o Sargento Fahur, do PSD, com mais de 300 mil votos, elegendo-se para seu primeiro mandato.[25][26] Em Minas Gerais, foram eleitos 24 estreantes,[27] sendo Mauro Tramonte o deputado estadual mais votado, pelo PRB.[28] No Rio de Janeiro, o deputado mais votado foi Hélio Fernando Barbosa Lopes, conhecido como "Hélio Negão", pelo PSL. Hélio é negro,[29], subtenente do Exército e também representa renovação.[30] Em São Paulo foram eleitos 30 novos deputados federais.[27]

Dos senadores considerados da velha política que tentaram reeleição,[31] o atual presidente, Eunício Oliveira, ficou em terceiro lugar no Ceará,[32] os senadores Edison Lobão,[32] Garibaldi Alves,[32] Romero Jucá,[33] e Roberto Requião,[34] todos do MDB, não se reelegeram.[35] Pelo PSDB, Cássio Cunha Lima[34] não conseguiu a reeleição após 32 anos de mandatos.[34]

Por partido[36][editar | editar código-fonte]

Partidos Câmara Senado
Votos % de votos Assentos % de assentos +/– Votos % de votos Assentos eleitos Assentos totais % de assentos +/–
PT Partido dos Trabalhadores 10126611 10.37% 56 10.92% -13 24785670 14.47% 4 6 7.41%
PSL Partido Social Liberal 11640033 11.92% 52 10.14% 51 19413869 11.33% 4 4 4.94%
PP Partido Progressista 5480067 5.61% 37 7.21% -1 7529901 4.40% 5 5 6.17%
MDB Movimento Democrático Brasileiro 5439167 5.57% 34 6.63% -32 12800290 7.47% 7 12 14.81%
PSD Partido Social Democrático 5749008 5.89% 34 6.63% -2 8202342 4.79% 4 7 8.64%
PR Partido da República 5224591 5.35% 33 6.43% -1 3130082 1.83% 1 2 2.47%
PSB Partido Socialista Brasileiro 5386400 5.52% 32 6.24% -2 8234195 4.81% 2 2 2.47%
PRB Partido Republicano Brasileiro 4992016 5.11% 30 5.85% 9 1505607 0.88% 1 1 1.23%
PSDB Partido da Social Democracia Brasileira 5905541 6.05% 29 5.65% -25 20310558 11.86% 4 9 11.11%
DEM Democratas 4581162 4.69% 29 5.65% 8 9218658 5.38% 4 6 7.41%
PDT Partido Democrático Trabalhista 4571756 4.68% 28 5.46% 9 7737982 4.52% 2 4 4.94%
SD Solidariedade 1953067 2.00% 13 2.53% -2 4001903 2.34% 1 1 1.23%
PODE Podemos 2243320 2.30% 11 2.14% 7 5494125 3.21% 1 5 6.17%
PTB Partido Trabalhista Brasileiro 2022719 2.07% 10 1.95% -15 1899838 1.11% 2 3 3.70%
PSOL Partido Socialismo e Liberdade 2783669 2.85% 10 1.95% 5 5273853 3.08% - - -
PCdoB Partido Comunista do Brasil 1329575 1.36% 9 1.75% -1 1673190 0.98% - - -
PSC Partido Social Cristão 1765226 1.81% 8 1.56% -5 4126068 2.41% 1 1 1.23%
PROS Partido Republicano da Ordem Social 2042610 2.09% 8 1.56% -3 1370513 0.80% 1 1 1.23%
PPS Partido Popular Socialista 1590084 1.63% 8 1.56% -2 2954800 1.72% 2 2 2.47%
Novo Partido Novo 2748079 2.81% 8 1.56% - 3467746 2.02% - - -
Avante Avante 1844578 1.89% 7 1.36% 6 731379 0.43% - - -
PHS Partido Humanista da Solidariedade 1426444 1.46% 6 1.17% 1 4228973 2.47% 2 2 2.47%
PATRI Patriota 1432304 1.47% 5 0.97% 3 60589 0.04% - - -
PV Partido Verde 1592173 1.63% 4 0.78% -4 1220637 0.71% - - -
PRP Partido Republicano Progressista 851368 0.87% 4 0.78% 1 1974061 1.15% 1 1 1.23%
PMN Partido da Mobilização Nacional 634129 0.65% 3 0.58% 0 329973 0.19% - - -
PTC Partido Trabalhista Cristão 601814 0.62% 2 0.39% 0 222931 0.13% - 1 1.23%
DC Democracia Cristã 369386 0.38% 1 0.19% -1 154068 0.09% - - -
PPL Partido Pátria Livre 385197 0.39% 1 0.19% 1 504209 0.29% - - -
Rede Rede Sustentabilidade 816784 0.84% 1 0.19% - 7166003 4.18% 5 5 6.17%

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Eleições 2018 - Datas». G1 Notícias 
  2. «3 em cada 4 senadores que tentaram novo mandato perderam a eleição em 2018». G1 
  3. @andreshalders, André Shalders- (8 de outubro de 2018). «Câmara e Senado terão a maior renovação das últimas décadas, estimam analistas». BBC News Brasil (em inglês) 
  4. «Constituição de 1988: TÍTULO IV-DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES: CAPÍTULO I - DO PODER LEGISLATIVO - SEÇÃO I DO CONGRESSO NACIONAL». www12.senado.leg.br  line feed character character in |título= at position 104 (ajuda)
  5. «Quantos e de que forma é definido o número de deputados». www2.camara.leg.br 
  6. «Qual o tempo de mandato e qual a forma de eleição dos deputados?». //www12.senado.leg.br 
  7. «Câmara aprova PEC que extingue coligações e cria cláusula de barreira?». //g1.com.br 
  8. «54 senadores podem buscar novo mandato em 2018; 22 desistem». g1.globo.com 
  9. «Qual o tempo de mandato e qual a forma de eleição dos senadores?». www12.senado.leg.br 
  10. «Janaina Paschoal é a candidata a deputada com maior número de votos do Brasil - Política». Política. 7 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  11. «Janaina Paschoal bate recorde com 2 milhões de votos para Assembleia». R7.com. 7 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  12. «Janaína Paschoal é a deputada mais votada na história do país». G1. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  13. «Janaina Paschoal bate recorde e se torna a deputada estadual mais votada do País». iG. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  14. https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/com-reeleicao-abaixo-de-50-camara-tera-renovacao-recorde.shtml
  15. a b c d André Shalders. «Eleições 2018: Câmara e Senado terão a maior renovação das últimas décadas, estimam analistas». BBC. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  16. «Renovação do congresso: como fica a governabilidade?». G1. Globo.com 
  17. «PT e PSL formam maiores bancadas da Câmara, mostra levantamento da XP». Exame. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  18. «Eduardo Bolsonaro é o deputado federal mais votado da história». Folha de S.Paulo. 8 de outubro de 2018 
  19. «Alexandre Frota e tataraneto de D. Pedro II são eleitos deputados federais por SP». G1 
  20. «Renovação deixa Congresso mais à direita e fragmentado». DW. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  21. «Arthur Mamãe Falei é eleito deputado estadual em São Paulo». HuffPost Brasil. 7 de outubro de 2018 
  22. «Saiba como eram e como ficaram as bancadas na Câmara dos Deputados, partido a partido». G1. Globo. 8 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  23. «Deputados Federais eleitos em São Paulo». Bom Dia. 7 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  24. Zogbi, Paula. «Eduardo Bolsonaro, Joice Hasselmann e Kataguiri estão entre eleitos em SP; confira os novos deputados federais». www.infomoney.com.br. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  25. Roger Pereira (7 de outubro de 2018). «Bancada federal paranaense tem 50% de renovação». Uol. Consultado em 19 de outubro de 2018. 
  26. Catarina Scortecci. «"Paraná troca metade dos seus 30 deputados federais em Brasília». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de outubro de 2018. 
  27. a b «Câmara dos Deputados tem a maior renovação dos últimos 20 anos». O Globo. Globo. 8 de outubro de 2018. Consultado em 19 de outubro de 2018. 
  28. «Deputados estaduais eleitos em Minas Gerais». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de outubro de 2018. 
  29. «Deputado federal mais votado do Rio foi um negro – Hélio Negão». Diário do Rio. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  30. «Eleições 2018: Deputado federal mais votado no Rio, Hélio Negão desafia quem vê racismo no padrinho Bolsonaro». BBC. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  31. «Velha política se recusa a morrer: 402 deputados concorrem à reeleição». Uol. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  32. a b c «Cúpula do Senado não consegue reeleição». Estadão. 7 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  33. «Romero Jucá não consegue se reeleger em Roraima e deixa Senado após 24 anos». Uol. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  34. a b c Fernanda Calgaro, Guilherme Mazui e Gustavo Garcia (8 de outubro de 2018). «Deputados e senadores que não se reelegeram comentam revés nas urnas». G1. Globo. Consultado em 19 de outubro de 2018. 
  35. «Diminui a bancada do MDB no Senado». senado.leg.br. 7 de outubro de 2018. Consultado em 18 de outubro de 2018. 
  36. «PSL é o partido que ganhou maior número de votos na eleição para a Câmara; MDB e PSDB são os que mais perderam». G1