Eli Corrêa Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eli Corrêa Filho
Deputado Federal por São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2011
até a atualidade
Deputado Estadual de São Paulo
Período 1 de fevereiro de 1999 até
1 de Fevereiro de 2011
Dados pessoais
Nome completo Adriano Eli Corrêa
Nascimento 13 de janeiro de 1976 (44 anos)
São Paulo, São Paulo
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Pai: Eli Corrêa
Alma mater Universidade Anhembi Morumbi
Partido PFL (1998-2007)
DEM (2007-presente)
Profissão Político, radialista
Website Sítio oficial

Adriano Eli Corrêa, mais conhecido como Eli Corrêa Filho (São Paulo, 13 de janeiro de 1976) é um radialista e político brasileiro.[1] É filho do radialista Eli Corrêa e de Ana Maria Pacolo, psicóloga e advogada. É casado com Francislene Assis de Almeida Corrêa e tem duas filhas: Sophia e Luna.

Participa do programa de rádio "Eli Corrêa", na Rádio Capital AM, 1.040 kHz, com o Quadro "O Repórter do Povo", prestando orientação à população sobre direito do consumidor e problemas com o Estado e o Município. Aos sábados, apresenta o Programa Eli Corrêa, programa que reúne entretenimento, prestação de serviço, dicas de saúde, comportamento e lazer.

Foi Deputado Estadual por três mandatos e hoje é Deputado Federal por São Paulo, em seu segundo mandato.

Também já foi Vice-Presidente da Comissão Parlamentar de Defesa do Direito do Consumidor, que discute, zela e analisa questões sobre o consumidor e é Presidente do Partido Democrata na cidade de Guarulhos-SP.

Foi candidato a prefeitura do Município de Guarulhos pelo DEM em 2016, terminando em 2.º lugar.

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[2] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[2] [3] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[2][4]Na sessão do dia 25 de outubro de 2017, o deputado, mais uma vez, votou contra o prosseguimento da investigação do então presidente Michel Temer, acusado pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação livrou o Michel Temer de uma investigação por parte do Supremo Tribunal Federal (STF)[5].

Referências

  1. «Conheça os Deputados». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  2. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  3. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  4. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  5. «Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer». Terra 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]