Elizângela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Elizângela
Elizângela
Nome completo Elizângela do Amaral Vergueiro
Nascimento 11 de dezembro de 1955 (61 anos)
Resende, RJ
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Atriz
Cantora
Apresentadora
Atividade 1962–presente
Outros prêmios
IMDb: (inglês)

Elizângela do Amaral Vergueiro[1] (Resende, 11 de dezembro de 1955)[2] é uma atriz, cantora e apresentadora brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Caçula de três irmãs, seu pai era um executivo e sua mãe, dona de casa. Seus pais se separaram quando ela tinha 1 ano e meio, e assim, ela teve pouquíssimo contato com o pai. Sua mãe voltou a ser manicure e doceira após a separação, e teve que criar as três filhas sozinhas, com uma pequena pensão do ex-marido, onde passou muitas dificuldades. Passando por dificuldades, Elizângela, então, começou a trabalhar ainda criança, aos 8 anos de idade, ajudando a mãe a vender doces junto com as irmãs. Elizângela chegou à Cidade do Rio de Janeiro ainda criança. Sua mãe queria dar uma vida melhor as filhas e trocou o interior fluminense pela capital, onde teria mais chances de trabalho. Para criar as filhas, trabalhava em comércio. Elizângela e as irmãs viam o pai raramente, quando ele vinha a trabalho no Rio.[3]

Aos 18 anos, em 1972, casou-se pela primeira vez, com o engenheiro Jorge Humberto Moreira, que foi seu primeiro namorado. Com ele teve sua única filha, Marcelle, que nasceu em 1974. Ficaram casados por 7 anos, mas desentendimentos fizeram a relação terminar de forma tranquila. Tentou ficar amiga do ex-marido, e sofria por ver a filha apegada ao pai, e não queria separá-la dele. Fez um acordo, e ficou morando com o pai de sua filha por mais 3 anos, já que não queria que sua filha fosse criada longe do pai, pois sabe como isso é muito traumático e difícil. Eles conviveram como irmãos nesse período e Elizângela só saiu de casa com a filha porque ele casou-se novamente.[4]

Durante sua vida passou grandes dificuldades financeiras, inclusive para criar a filha adolescente. Nessa época ainda morava sozinha com a filha, e a Globo, emissora na qual trabalhava, não estava chamando para novos trabalhos. A pensão do ex-marido não era alta e só dava para o sustento da filha. Sem grandes trabalhos, acabou atuando em pequenas peças de teatro. Ela fez um teatral chamado Lar Doce Lar, até que o presidente da época, Fernando Collor, proibiu o teatro por causa da censura. Elizângela, então, por dívidas acumuladas e falta de pagamento, foi despejada de seu apartamento, e passou a morar com a mãe, economizando ao máximo para conseguir pagar o aluguel dela. Desesperada, mandou a filha ir morar com o pai, pois não queria a menina passando fome junto com ela e sua mãe. Após alguns meses vivendo de pequenas peças de teatro e passando necessidade para pagar o aluguel da mãe, deu a volta por cima e enfim conseguiu novos contratos de trabalho através de antigas amizades.

Financeiramente mais estável, voltou a morar sozinha com a filha. Neste período teve alguns namorados, e até então não pensava numa segunda união, até que conheceu um homem com quem decidiu viver junto. Seu segundo casamento foi com um empresário. O matrimônio durou 8 anos, até 2001. A separação foi amigável e se tornaram amigos após o término.[5]

Após essa separação, sua filha, que é bailarina, já estava casada, e Elizângela foi morar sozinha.[6]

Atualmente vive sozinha em seu apartamento, está solteira e afirma estar muito bem e feliz.[7].

Em 2016, assinou contrato com a Record para fazer A Terra Prometida, mas voltará a Globo em 2017, fazendo a nova novela das 9, A Força do Querer

Afirmou não usar sobrenome em seu nome artístico pois, seguindo o conselho de um funcionário do departamento de elenco, Elizângela Vergueiro, com o qual iniciou sua carreira, ficaria muito longo.[8]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou na televisão no Clube do Guri da TV Tupi Rio e em 1965 apresentou o programa Essa Gente Inocente na TV Excelsior do Rio. Na Globo Rio estreou em 1966 no Clube do Capitão Furacão, programa infantil da Globo Rio comandado por Pietro Mário. Começou a atuar em novelas nos anos 70.

Iniciou a carreira de cantora sem muita expectativa. Queria cantar por amor, adorava cantar, mas nunca pensou ser profissional. Todos elogiavam sua voz, e por isso decidiu tentar. A carreira de atriz estava instável, e decidiu lançar-se a novos rumos. Gravou um disco em 1978, o compacto simples/single intitulado "Elizângela", que continha as canções "Ele ou Você" e "Pertinho de Você", distribuído pela gravadora RCA para todo o Brasil e exterior. O single vendeu mais de um milhão de exemplares e a canção do compacto, "Pertinho de Você" ficou entre as mais tocadas por 52 semanas no Brasil e é recordista de audiência no ECAD. Elizângela ficou muito surpresa, e emocionada quando foi premiada como uma das melhores cantoras do país.[9] Após o estrondoso sucesso, a atriz sofreu pressão da indústria fonográfica e teve que decidir entre interpretar ou cantar, e resolveu desistir da carreira de cantora. "Era uma manipulação horrorosa. Queriam me forçar a entrar em um gênero e eu queria buscar meu estilo."[10]

Interpretou diversos personagens marcantes na televisão, entre eles a bela e mimada Patrícia de Locomotivas (1977), a dissimulada Mariúcha de Jogo da Vida (1982), a obsessiva Marilda de Roque Santeiro (1985), a extravagante Rosemary Pontes de Pedra sobre Pedra (1992), a suburbana Magnólia de Por Amor (1997), a divertida Noêmia de O Clone (2001), a chantagista Djenane de Senhora do Destino (2004), a interesseira Shirley Miranda de Cobras & Lagartos (2006), a cafetina Cilene de A Favorita (2008) e a divertida Nicole no remake de Ti Ti Ti (2010).

De 1985 a 1992 ficou afastada da Rede Globo, que estava deixando muitos atores na famosa "geladeira", e muitos estavam se afastando dessa emissora. Elizângela, então, foi chamada para atuar na Rede Manchete, só que lá ficou pouco tempo e a novela que fez não deu um bom resultado e ela decidiu sair, como muitos atores, já que a emissora estava indo à falência. Nesse período passou grandes dificuldades financeiras, inclusive fome. Após meses vivendo de pequenas peças teatrais, recebeu um convite de Older Cazarré para viajar e apresentar peças de teatro, e foi o que a salvou de dias piores.[11]

Conseguiu voltar para a Globo pois Chico Anysio a chamou para participar de um quadro e ela foi conversar com os diretores, que pediram a sua volta para as novelas.[12]

Em agosto de 2007 integrou o elenco do sucesso Os Monólogos da Vagina, de Eve Ensler com tradução, adaptação e direção de Miguel Falabella, dividindo o palco com Fafy Siqueira e Vera Setta, substituindo Tânia Alves.

Fez sucesso ao interpretar a mãe super protetora Íntima, em Aquele Beijo.[13]

Em 2016, transfere-se para a Rede Record, onde interpreta Milah na novela A Terra Prometida.[14]

Em 2017, volta para a Globo, onde interpretará Aurora Escobar na novela A Força do Querer de Glória Perez

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Emissora
1971 O Cafona Dalva do Espírito Santos Rede Globo
Bandeira 2 Taís
1972 O Bofe Sandra
Caso Especial Episódio: O Médico e o Monstro
Episódio: Somos Todos do Jardim de Infância
1973 Cavalo de Aço Teresa Muniz (Teresinha)
Caso Especial Episódio: Medéia
1974 Episódio: Feliz na Ilusão
1975 Pecado Capital Emilene Batista
Cuca Legal Maria Lúcia Proença (Lu)
1976 O Casarão Mônica Esteves
O Feijão e o Sonho Aparecida Villar (Cidoca)
1977 Locomotivas Patrícia Mello
1978 Te Contei? Rita de Cassia Lobato (Ritinha)
1979 Feijão Maravilha Adelaide
1980 Plumas & Paetês Sandra
1981 Jogo da Vida Mariúcha
Os Trapalhões Vários personagens
1982 Paraíso Maria Rosa
1983 Voltei pra Você Lucinha
1984 Partido Alto Cidinha (Maria Aparecida)
1985 Roque Santeiro Marilda
1986 Tudo ou nada Guadalupe Rede Manchete
1992 Pedra sobre Pedra Rosemary Pontes Rede Globo
1993 Você Decide Episódio: Sinuca de Bico
1994 Éramos Seis Marion SBT
Pupilas do Senhor Teresa
1996 Malhação Zenaide Mendonça Antunes (Zizi) Rede Globo
1997 Por Amor Magnólia Rosa de Lima
1998 Você Decide Episódio: A Primeira Vez de Carlinhos
1999 Suave Veneno Nazaré Gonçalves Pacheco
Zorra Total Vários personagens
2001 O Clone Noêmia Rachid
2004 Senhora do Destino Djenane Pereira/Edileuza Pereira
2005 A Lua me Disse Assunta
2006 Cobras & Lagartos Shirley Gelciara Miranda Café
2008 A Favorita Jucilene Maria Gonzaga (Cilene)
2010 Ti Ti Ti Daguijane Oliveira (Nicole)
2011 Aquele Beijo Íntima Maria Falcão
2012 Salve Jorge Esma
2014 Segunda Dama Edinéia Ramos dos Santos [15]
Império Jurema Conceição dos Santos
2016 A Terra Prometida Milah  Rede Record
2017 A Força do Querer Aurora Feitosa[16][17] Rede Globo

Como Apresentadora[editar | editar código-fonte]

Ano Título Emissora
1964 A Outra Face do Artista TV Excelsior
Jornal Infantil da Excelsior
1965 Essa Gente Inocente
1966 – 1970 Capitão Furacão Rede Globo
1968 Show da Cidade
1970 Topo Gigio Especial

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Direção de: Papel
1969 Quelé do Pajeú Anselmo Duarte Marizolina
1970 O Enterro da Cafetina Alberto Pieralisi Rosa Maria
1971 Vale do Canaã Jece Valadão Guaracy
1973 O Judoka Marcelo Ramos Motta Lúcia
2006 1972 José Emílio Rondeau
Xuxa Gêmeas Jorge Fernando Tia
2014 Pequeno Dicionário Amoroso 2 Sandra Werneck e Mauro Farias Lady Jane

Referências

  1. Fábio Júnior (2013). «Elizângela: atriz da globo, novelas, biografia, mais informações». Dsconto. Consultado em 30 de abril de 2013 
  2. Carol Hungria (24 de outubro de 2005). «Elizângela». Memória Globo. Consultado em 5 de novembro de 2011 
  3. [[1]]
  4. [[2]]
  5. [[3]]
  6. [[4]]
  7. [[5]]
  8. Atriz Elizangela conta por que não usa sobrenome artístico ... - Veja mais em https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2017/05/08/atriz-elizangela-conta-por-que-nao-usa-sobrenome-artistico.htm
  9. Alisson Gothz (11 de dezembro de 2009). «Parabéns, Elizângela!». Trash 80's. Consultado em 30 de setembro de 2011 
  10. Etienne Jacintho (1 de novembro de 2008). «'Eu me dou bem comigo', diz Elizângela». O Estado de S.Paulo. Estadão. Consultado em 30 de setembro de 2011 
  11. [[6]]
  12. [[7]]
  13. [[8]]
  14. «Confira o elenco da novela "A Terra Prometida"» 
  15. «A Segunda dama de Heloísa Périssé tem elenco e equipe definidos». Consultado em 22 de janeiro de 2014 
  16. «Mãe de Bibi da vida real diz se emocionar com A Força do Querer: "Elizangela está representando muito bem"». Observatório da Televisão. Consultado em 6 de Setembro de 2017 
  17. «Elizangela se emociona ao falar de Aurora de A Força do Querer: "Intenso demais"». Observatório da Televisão 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]