Ellie (The Last of Us)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ellie
Aparência de Ellie em The Last of Us Part II (2020)
Informações gerais
Série The Last of Us
Primeiro jogo The Last of Us (2013)
Criador Neil Druckmann
Dublador em inglês Ashley Johnson
Dublador brasileiro Luiza Caspary
Dublador português Joana Ribeiro
Captura de movimentos Ashley Johnson
Interpretado por Bella Ramsey
(série de televisão)
Informações pessoais
Sexo Feminino
Nacionalidade Americana

Ellie Williams é uma personagem fictícia da franquia de jogos eletrônicos The Last of Us, da Naughty Dog. No primeiro jogo, o personagem Joel é encarregado de acompanhar Ellie em um Estados Unidos pós-apocalíptico, na tentativa de criar uma cura potencial para uma infecção à qual Ellie é imune. Enquanto os jogadores assumem brevemente o controle de Ellie por uma parte do jogo, a inteligência artificial do jogo controla principalmente suas ações, muitas vezes ajudando no combate, atacando ou identificando inimigos. Ellie reapareceu como a única personagem jogável no conteúdo para download The Last of Us: Left Behind, na qual passa um tempo com sua amiga Riley. Ellie também é a personagem principal da história em quadrinhos The Last of Us: American Dreams, onde ela faz amizade com Riley e tem seu primeiro encontro com o grupo rebelde Vaga-Lumes. Em The Last of Us Part II, o jogador assume o papel de Ellie, com 19 anos de idade, enquanto busca vingança contra os responsáveis ​​pela morte de Joel.

Ellie é interpretada por Ashley Johnson através de sua voz e captura de movimentos; ela é dublada em português do Brasil por Luiza Caspary, e em português europeu por Joana Ribeiro, enquanto na futura série de televisão, Ellie será interpretada pela atriz britânica Bella Ramsey. Ellie foi criada por Neil Druckmann, o diretor de criação e escritor de The Last of Us. Inspirado por uma personagem muda proposta para Uncharted 2: Among Thieves, Druckmann a criou como uma personagem feminina forte, com um relacionamento próximo com Joel; durante o desenvolvimento do primeiro jogo, o relacionamento entre Ellie e Joel foi o foco central, com todos os outros elementos desenvolvidos em torno dele. Johnson inspirou aspectos da personalidade de Ellie, levando Druckmann a torná-la mais ativa no combate a inimigos hostis. Após comparações com o ator Elliot Page, a Naughty Dog redesenhou sua aparência para refletir melhor a personalidade de Johnson e torná-la mais jovem. Em sua performance em Part II, Johnson considerou utilizar suas próprias experiências com ansiedade e pesquisou os efeitos do transtorno de estresse pós-traumático.

A personagem foi bem recebida pelos críticos, com o relacionamento entre Ellie e Joel sendo mais frequentemente objeto de elogios. A força e a complexidade de sua personalidade, e sua subversão do estereótipo de donzela em apuros, também foram elogiadas. O papel de Ellie na trama de Left Behind provocou alguns comentários sociais dentro da indústria, com foco em uma cena que descreve temas LGBT. O desempenho de Johnson em Part II foi elogiado por sua descrição de vulnerabilidade e sofrimento. Tanto a personagem quanto a performance de Johnson em The Last of Us (2013) receberam inúmeros prêmios e indicações, e foram regularmente colocadas favoravelmente em listas de fim de ano.

Conceito e criação[editar | editar código-fonte]

O conceito de Ellie começou com uma ideia não utilizada em Uncharted 2: Among Thieves (2009). Os diretores de The Last of Us, Neil Druckmann e Bruce Straley, conceberam uma sequência com uma personagem feminina muda que acompanharia o protagonista de Uncharted, Nathan Drake; Druckmann achou que isso criaria um relacionamento "bonito" apenas através da jogabilidade.[1] Um nome alternativo inicial para a personagem era "Lily"; Druckmann escolheu "Ellie" por ter considerado o nome de sua filha;[2] enquanto o sobrenome "Williams" é em homenagem aos pioneiros de jogos eletrônicos, Ken e Roberta Williams.[3] Druckmann projetou Ellie como uma contraparte de Joel, o principal personagem jogável de The Last of Us.[4] Ele também pretendia demonstrar que um vínculo entre os personagens poderia ser criado inteiramente através da jogabilidade. Druckmann descreveu o jogo como uma história de maioridade para Ellie, na qual ela adota as qualidades de uma sobrevivente.[1]

Intérprete[editar | editar código-fonte]

A atriz americana Ashley Johnson interpretou Ellie na franquia The Last of Us.

Ashley Johnson foi escolhida para interpretar Ellie em The Last of Us logo após suas audições;[5] a equipe de desenvolvimento achou que ela se encaixava no papel, principalmente quando atuava ao lado de Troy Baker, que interpretou Joel. Johnson fez importantes contribuições ao desenvolvimento da personagem. Ela convenceu Druckmann a dar a Ellie uma personalidade mais independente e torná-la mais bem-sucedida em combate.[6] Como Ellie, as performances de Johnson foram gravadas principalmente usando a tecnologia de captura de movimentos, que produziu aproximadamente 85% das animações do jogo. Os demais elementos de áudio foram gravados posteriormente em um estúdio.[7] Ao interpretar Ellie, Johnson às vezes se sentia desconfortável ao realizar cenas "perturbadoras".[6] No entanto, ela estava animada por interpretar um exemplo raro de uma forte personagem feminina em jogos eletrônicos.[8] Para The Last of Us Part II, Johnson considerou utilizar suas próprias experiências com ansiedade e pesquisou os efeitos do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) com Druckmann.[9] Por sua interpretação como a principal personagem jogável, Johnson teve lições que aprendeu trabalhando com Baker no primeiro jogo.[10]

Aparência[editar | editar código-fonte]

A equipe de desenvolvimento achou que estabelecer a aparência física de Ellie era algo "crítico". Eles determinaram que ela precisava parecer jovem o suficiente para tornar seu relacionamento com Joel — que tem mais de 40 anos[11] — inacreditável, mas velha o suficiente para ser credível como uma adolescente engenhosa capaz de sobreviver.[12] A equipe considerou Ellie importante para o marketing do jogo; Druckmann disse que, quando foi solicitado a mover a imagem de Ellie da frente da capa do jogo para a traseira, "todo mundo na Naughty Dog simplesmente recusou".[13]

Após o anúncio de The Last of Us, comparações foram feitas entre Ellie e o ator Elliot Page. Em junho de 2013, Page disse que a Naughty Dog "rasgou" sua imagem e que "não foi apreciada", pois ela estava atuando em outro jogo, Beyond: Two Souls (2013).[14] De acordo com o diretor do jogo Bruce Straley, a Naughty Dog não tinha conhecimento de seu envolvimento em Beyond,[15] que foi anunciado vários meses após The Last of Us.[16] A Kotaku observou que alguns jogadores provavelmente confundiriam os dois personagens.[14] Straley disse que, seguindo as comparações, a Naughty Dog revisou a aparência de Ellie porque "queremos que nossos personagens se sustentem com seus próprios pés".[15] O redesenho foi revelado em um trailer em maio de 2012; Druckmann e Straley disseram que a mudança foi feita para refletir melhor a personalidade de Johnson e fazê-la parecer mais jovem.[15][17]

Para Part II, a artista principal da personagem, Ashley Swidowski, projetou os olhos de Ellie para demonstrar uma melancolia não presente no primeiro jogo, que usava olhos mais largos para refletir sua natureza infantil.[2] A tatuagem de mariposa de Ellie foi desenhada pela artista californiana Natalie Hall, depois que a equipe lutou para se estabelecer em um design. Hall desenhou a tatuagem no braço de um desenvolvedor para que a equipe pudesse visualizá-la. Druckmann sentiu que a obsessão das mariposas com a luz refletia a obsessão de Ellie durante o jogo, além de lhe dar um lembrete de Joel.[18] As roupas de Ellie no jogo foram projetadas para que enrugassem autenticamente.[19]

Escrita[editar | editar código-fonte]

The Last of Us: Left Behind (2014) foi escrito para focar especificamente no relacionamento entre Ellie e Riley e para recontar os eventos que definiram suas personalidades posteriores.[20] Druckmann também foi inspirado pelas guerras que ocorreram na Síria e no Afeganistão; ele sentiu que, para Ellie, o conflito era familiar para as crianças daqueles países.[21] Left Behind mostra o comportamento de Riley mudar Ellie, resultando no foco desta última em lutar para salvar aqueles que estão próximos a ela. A equipe também estava interessada no comportamento de Ellie em torno de Riley; ela é percebida como sendo mais divertida.[22] Em Left Behind, Ellie e Riley se beijam; a equipe considerou omitir o beijo no jogo, mas achou que era imperativo para a história e para fortalecer o relacionamento entre elas.[20] Embora inicialmente ele sentisse que Ellie via Riley como uma influência, Druckmann mais tarde considerou seu apelo romântico e decidiu explorar o conceito.[23]

Em Part II, Druckmann lembrou a empolgação da equipe em explorar ainda mais a personagem Ellie como protagonista, desenvolvendo particularmente a perda de sua inocência, comparando-a com o sentimento dos escritores de Breaking Bad (2008–2015) quando tiveram a oportunidade de explorar Walter White. A equipe discutiu a criação de uma sequência sem Ellie e Joel, mas achou que seria menos interessante.[24] A empolgação de Ellie pela astronomia foi baseada nos próprios interesses de Johnson, enquanto sua obsessão por quadrinhos se baseava na infância de Druckmann.[25] A co-roteirista e líder da narrativa de Part II, Halley Gross, sentiu que a decisão de Ellie de rastrear Abby foi motivada por seu desejo de superar seu TEPT mais do que seu desejo de matar Abby.[26] Gross, que sofreu duas vezes de TEPT, considerou que era de sua responsabilidade descrever com precisão o assunto;[27] ela queria que os jogadores que poderiam ter sofrido um trauma entendessem que não estão sozinhos.[28] Os escritores queriam desconstruir a percepção da violência em Joel e Ellie: enquanto Joel é indiferente e prático, Ellie mata para manter uma "cultura de honra", anexando a violência ao seu ego.[26] Alguns membros da equipe consideraram a obsessão de Ellie por Abby semelhante a um vício em drogas, e que Dina partiu por sentir que essa obsessão nunca acabaria.[29] Gross considerou que a cena final do jogo, em que Ellie deixa para trás o violão que Joel lhe deu, representa Ellie passando de sua morte para um novo capítulo. Druckmann sentiu que isso ilustrava Ellie finalmente superando seu ego, embora ele preferisse que o jogador criasse sua própria interpretação.[26]

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

A inteligência artificial (IA) de Ellie exigiu uma revisão significativa no motor do jogo.[30] A equipe a fez ficar perto de Joel, para evitar ser vista pelos jogadores como um fardo.[31] O programador de IA, Max Dyckhoff, disse que, para garantir que Ellie tomasse decisões realistas durante o jogo, ele considerou "o que ela estava passando" e "qual seria seu relacionamento com Joel e os inimigos".[31] Durante o segmento do inverno de The Last of Us, os jogadores assumem o controle de Ellie. Os desenvolvedores garantiram que essa mudança, assim como o conhecimento da imunidade de Ellie, fossem mantidos em segredo antes do lançamento do jogo para surpreender os jogadores.[4]

Atributos[editar | editar código-fonte]

Como uma sobrevivente de quatorze anos, Ellie está "madura além dos anos", como resultado das circunstâncias de seu mundo. Ellie é caracterizada como "forte, espirituosa e um pouco áspera".[32] Seu trauma emocional é acentuado após seu encontro com David no primeiro jogo.[33][34] Tendo perdido muitas pessoas em sua vida, ela sofre de autofobia severa e síndrome do sobrevivente.[35] Isso resulta em ela se tornando uma pessoa muito endurecida; ela usa violência sem hesitação[36][37][38] e difama com frequência.[39] Ellie também se sente inútil, acreditando que sua vida é um fardo e que sua morte seria benéfica para os outros.[40] Enquanto ela mostra iniciativa, no primeiro jogo, ela não é tão adepta à sobrevivência quanto Joel, sendo um pouco impulsiva e ingênua,[21][41] e incapaz de nadar.[42] Apesar disso, ela mostra grande resiliência física, força emocional e total destemor, como demonstrado por sua capacidade de cuidar de si e de Joel quando ele está gravemente ferido. Ela persevera constantemente diante das muitas situações terríveis que suas viagens a colocam.[43][44] Left Behind mostra uma cena em que Ellie beija sua amiga Riley. Druckmann afirmou em entrevistas que Ellie é uma personagem lésbica totalmente realizada.[45][46]

Aparições[editar | editar código-fonte]

Aparência de Ellie em The Last of Us (2013).

Sendo forçadamente abandonada por sua mãe logo após o seu nascimento, Ellie foi criada inicialmente por Marlene, uma amiga de sua mãe. Mais tarde, ela frequentou um internato militar na zona de quarentena de Boston, onde fez amizade com Riley Abel, uma rebelde que a protege de agressores, como retratado na série de quadrinhos The Last of Us: American Dreams.[47] Durante os eventos de Left Behind, que ocorrem várias semanas antes do início de The Last of Us, Riley retorna após uma longa ausência e diz a ela que se juntou aos Vaga-Lumes, um grupo de milícias revolucionárias. Enquanto passa algum tempo juntas em um shopping abandonado perto da zona de quarentena, Riley revela que está prestes a ser colocada em outra cidade, e Ellie hesitantemente apóia suas decisões. Riley abandona suas chapas de identificação quando Ellie pede que ela permaneça. Em resposta, ela beija impulsivamente Riley, que responde alegremente. Atraídos pelo barulho de suas atividades, os infectados perseguem Ellie e Riley. Elas tentam escapar, mas são mordidas. A dupla considera cometer suicídio, mas escolhe passar suas últimas horas juntas.[48] No entanto, Ellie sobrevive à infecção e procura ajuda de Marlene, a líder dos Vaga-Lumes. Ela concorda em escoltar Ellie enquanto tenta encontrar uma cura graças à sua imunidade aos infectados. Marlene é ferida mais tarde, e no começo de The Last of Us, atribui a Joel a tarefa de escoltar Ellie.[49]

Inicialmente irritada com a insegurança de Joel, Ellie começa a sentir um forte apego a ele. No entanto, ao saber que ele pretende deixá-la com seu irmão Tommy e retornar a Boston, ela foge. Mais tarde, ela o confronta exigindo que ele não a abandone. Isso fortalece o vínculo entre eles e eles continuam sua jornada. Depois de experimentar um encontro traumatizante no inverno, onde Ellie é quase assassinada por um grupo de canibais e seu líder David, ela fica retraída e introvertida. Quando Joel finalmente a leva aos Vaga-Lumes, descobre-se que ela tem a mutação do fungo Cordyceps crescendo em seu cérebro, algo que pode ser usado para criar uma vacina; entretanto, a cirurgia para retirar o fungo muito provavelmente irá matá-la. Enquanto ela está sendo preparada para a cirurgia, Joel mata Marlene e os Vaga-Lumes, segue para a sala de operações e resgata Ellie.[49] Como ela estava inconsciente durante o ocorrido, Ellie não sabe o que aconteceu. Quando saem do hospital, Joel mente sobre os acontecimentos, dizendo que os Vaga-Lumes haviam encontrado muitas outras pessoas imunes e haviam parado de procurar uma cura.[38] Ellie confronta Joel sobre a história, exigindo saber a verdade, porém ele jura que tudo que contou era verdade.[49]

Em The Last of Us Part II, Ellie retorna ao hospital e descobre a verdade. Ela está zangada com Joel, sentindo que sua vida poderia ter dito algum significado e importância se a cirurgia fosse realizada. Ellie testemunha o assassinato de Joel nas mãos de Abby, filha de um cirurgião dos Vaga-Lumes que Joel matou enquanto salvava Ellie. Ellie vai com Tommy, sua namorada Dina e seu amigo Jesse para Seattle em busca de vingança. Ao longo do caminho, Ellie revela sua imunidade a Dina, e Dina revela que está grávida de Jesse. Depois que Ellie mata vários membros do grupo de Abby, Abby os confronta, mata Jesse, atira em Tommy e domina Ellie e Dina. Ela as poupa e as avisa para deixar Seattle. Algum tempo depois, Ellie e Dina estão morando em uma fazenda com o bebê de Dina, mas Ellie sofre de estresse pós-traumático por conta da morte de Joel. Apesar dos apelos de Dina, Ellie segue Abby até Santa Barbara e a liberta de um grupo de bandidos. Quando Ellie está prestes a matar Abby, ela a deixa ir. Ellie volta para a fazenda e a encontra vazia. Alguns pertences dela permaneceram por lá, incluindo o violão de Joel. Recordando uma memória recente em que prometeu tentar perdoar Joel, Ellie deixa o violão dele na fazenda e segue para um futuro incerto.[50]

Recepção[editar | editar código-fonte]

A personagem Ellie recebeu uma resposta geralmente positiva. Jason Killingsworth, da Edge, elogiou a complexidade de Ellie e enalteceu a Naughty Dog por não a ter feita como "uma adolescente subordinada e precoce que Joel deve tomar conta".[51] Ashley Reed e Andy Hartup, da GamesRadar, nomearam Ellie como uma das "personagens femininas mais inspiradoras dos jogos eletrônicos", escrevendo que ela é "uma das personagens mais modernas e realistas já projetadas".[52] Ellie Gibson, da Eurogamer, elogiou a força e a vulnerabilidade da personagem, elogiando a subversão do clichê de donzela em apuros.[53] A GamesRadar listou Ellie entre os melhores personagens da sétima geração de consoles, afirmando que sua coragem excede a da maioria dos personagens masculinos.[54] Greg Miller, da IGN, comparou Ellie a Elizabeth, de BioShock Infinite (2013), e achou que a primeira era uma personagem "muito mais completa".[55] Por outro lado, Kimberley Wallace, da Game Informer, sentiu que o jogo se concentrava demais em Joel, "dificilmente capitalizando a importância de Ellie",[56] e Chris Suellentrop, do The New York Times, julgou que Ellie foi escalada "em um papel mais secundário e subordinado".[57]

Os críticos elogiaram o relacionamento entre Ellie e Joel. Matt Helgeson, da Game Informer, escreveu que o relacionamento era "comovente" e "bem elaborado",[58] Richard Mitchell, da Joystiq, considerou-o "genuíno" e "emocionante",[59] e Colin Moriarty, da IGN, o identificou como o maior destaque do jogo.[60] Oli Welsh, da Eurogamer, sentiu que os personagens foram desenvolvidos com "verdadeira paciência e habilidade".[61] Philip Kollar, da Polygon, observou que o relacionamento foi demonstrado pelas conversas opcionais do jogo.[62] Wallace, da Game Informer, nomeou Joel e Ellie como uma das "melhores duplas dos jogos eletrônicos de 2013".[63] Kyle Hilliard, da Game Informer, comparou o relacionamento de Joel e Ellie com o de Prince e Elika em Prince of Persia (2008), escrevendo que as duas duplas se importam profundamente um com o outro e elogiando o "crescimento emocional" em The Last of Us, que ele julgou não ter sido alcançado em Prince of Persia.[64] David Meikleham, da PlayStation Official Magazine, nomeou Joel e Ellie como os melhores personagens de um jogo para PlayStation 3.[65]

Após o lançamento de The Last of Us: Left Behind, o relacionamento entre Ellie e Riley foi elogiado pelos revisores. Tom McShea, da GameSpot, sentiu um novo apreço por Ellie ao ver suas ações em torno de Riley.[41] Tim Martin, da The Daily Telegraph, elogiou as interações das personagens,[66] e Stace Harman, da Eurogamer, sentiu que Left Behind melhora a compreensão do relacionamento de Joel e Ellie.[67] Kirk Hamilton, da Kotaku, descreveu o beijo de Ellie e Riley como o "mais recente momento de grande importância dos jogos eletrônicos", declarando-o como "uma grande coisa".[68] Keza MacDonald, da IGN, escreveu que o beijo foi "tão bonito, natural e engraçado que me deixou estupefata".[69] Luke Karmali, da IGN, questionou a motivação da Naughty Dog por trás do beijo, observando que eles poderiam fazer com que os jogadores se importassem primeiro com a personagem antes de revelar sua sexualidade, mas descartou tal hipótese e elogiou o tratamento da sexualidade de Ellie e a sutileza de quem a escreveu.[70] Colin Campbell, da Polygon, nomeou Ellie e Riley como uma das melhores personagens de jogos eletrônicos da década de 2010, citando suas diferenças e eventual proximidade.[71]

A personagem Ellie recebeu diversos prêmios de fim de ano, incluindo "Melhor Personagem Novo" da Hardcore Gamer[72] e "Personagem Mais Valiosa" na SXSW Gaming Awards por Left Behind;[73] ela recebeu uma indicação para "Melhor Personagem" pela Destructoid.[74] O desempenho de Ashley Johnson também foi bastante premiado: "Melhor Performance" na British Academy Games Awards de 2014 e 2015,[75][76] "Excelência em Performance de Personagem" na 17ª Edição Anual do D.I.C.E. Awards,[77] "Melhor Performance em um Drama" na 13ª Edição Anual da National Academy of Video Game Trade Reviewers Awards,[78] "Melhor Interpretação Feminina" na Spike VGX 2013,[79] e "Melhor Intérprete" pela The Daily Telegraph.[80]

A performance de Johnson em The Last of Us Part II recebeu aclamação da crítica.[81][82] Chris Carter, da Destructoid, elogiou sua capacidade de interpretar novamente a personagem depois de muitos anos.[83] Oli Welsh, da Eurogamer, considerou a atuação de Johnson como um "destaque" devido à sua representação de "crueza, vulnerabilidade e ódio".[84] Alex Avard, da GamesRadar+, considerou o retrato de sofrimento de Johnson "digno de prêmios".[85] Jonathon Dornbush, da IGN, escreveu que Johnson acrescentou nuances a todos os elementos de Ellie.[86] Em relação a personagem, Maddy Myers, da Polygon, e Julie Muncy, da Wired, criticaram o desenvolvimento e a incapacidade de Ellie de aprender com seus erros.[87][88]

Referências

  1. a b Takahashi, Dean (5 de agosto de 2013). «The definitive interview with the creators of Sony's blockbuster The Last of Us (part 1)». GamesBeat. VentureBeat. p. 1. Consultado em 10 de abril de 2016. Cópia arquivada em 10 de abril de 2016 
  2. a b Favis, Elise (12 de junho de 2020). «A child in a dangerous world: Inside the creation of Ellie». The Washington Post. Nash Holdings. Consultado em 27 de junho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  3. «The Last of Us: Saga Creator Reveals Ellie's Last Name». Market Research Telecast. 30 de dezembro de 2021. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  4. a b Takahashi, Dean (5 de agosto de 2013). «The definitive interview with the creators of Sony's blockbuster The Last of Us (part 1)». GamesBeat. VentureBeat. p. 1. Consultado em 15 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 10 de abril de 2016 
  5. Dutton, Fred (31 de maio de 2013). «The Last of Us: Ashley Johnson bringing Ellie to life». PlayStation Blog. Sony Computer Entertainment. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  6. a b Robertson, Andy (31 de maio de 2013). «The Last of Us: interview with Neil Druckmann and Ashley Johnson». The Daily Telegraph. Telegraph Media Group. Consultado em 13 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2014 
  7. Hanson, Ben (20 de fevereiro de 2012). «Capturing Joel And Ellie For The Last Of Us». Game Informer. GameStop. Consultado em 7 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2015 
  8. Grounded: Making The Last of Us. Sony Computer Entertainment. YouTube. 2013. Em cena em 11:06. Consultado em 11 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015. To sort of be such a strong female character that is completely normal-looking—regular t-shirt and jeans—and she's fourteen, and she's still a total bad-ass: it's really exciting to be a part of that. 
  9. Beresford, Trilby (19 de junho de 2020). «Becoming Ellie: Ashley Johnson Navigates Grief and Guilt in 'The Last of Us Part II'». The Hollywood Reporter. Valence Media. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020 
  10. Stedman, Alex (18 de junho de 2020). «'The Last of Us Part II': Ellie's Voice Actor, Ashley Johnson, on the Pressure of a Sequel and Facing Ellie's Trauma». Variety. Penske Media Corporation. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 19 de junho de 2020 
  11. Moriarty, Colin (8 de fevereiro de 2012). «The Last of Us Storyline Explained in Detail». IGN. Ziff Davis. Consultado em 10 de abril de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2012 
  12. Druckmann & Straley 2013, pp. 19
  13. Weber, Rachel (12 de dezembro de 2012). «Naughty Dog: We've been asked to push Ellie to the back of the box art». Gamesindustry.biz. Gamer Network. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  14. a b Plunkett, Luke (23 de junho de 2013). «Ellen Page Says The Last Of Us' Ellie "Ripped Off My Likeness"». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  15. a b c Welsh, Oli (8 de junho de 2012). «Changes to The Last of Us' Ellie and announcement of Ellen Page in Beyond are "complete coincidence"». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 28 de junho de 2020. Cópia arquivada em 10 de junho de 2012 
  16. Byford, Sam (24 de junho de 2013). «Ellen Page accuses 'The Last of Us' developers of 'ripping off' her likeness». The Verge. Vox Media. Consultado em 28 de junho de 2020. Cópia arquivada em 24 de junho de 2013 
  17. Miller, Greg (16 de maio de 2012). «The Last of Us: New Trailer, New Ellie». IGN. Ziff Davis. Consultado em 28 de junho de 2020 
  18. Favis, Elise (19 de junho de 2020). «Naughty Dog explains meaning behind Ellie's tattoo in 'The Last of Us Part II'». The Washington Post. Nash Holdings. Consultado em 27 de junho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020 
  19. King, Darryn (10 de junho de 2020). «The Last of Us Part II and Its Crisis-Strewn Path to Release». Wired. Condé Nast. Consultado em 28 de junho de 2020. Cópia arquivada em 10 de junho de 2020 
  20. a b Mc Shea, Tom (18 de fevereiro de 2014). «The Last of Us Developers Talk Left Behind DLC [SPOILERS]». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 3 de março de 2015. Cópia arquivada em 17 de julho de 2015 
  21. a b Parker, Laura (1 de fevereiro de 2013). «Staying Human in the Inhuman World of The Last of Us». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 7 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2015 
  22. Naughty Dog (2014). From Dreams - The Making The Last of Us: Left Behind. Sony Computer Entertainment. Consultado em 2 de março de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  23. Hudson, Laura (18 de fevereiro de 2014). «Inside the Mind Behind the Brilliant New Last of Us DLC». Wired. Condé Nast. Consultado em 3 de março de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2015 
  24. Juba, Joe (1 de junho de 2020). «The Last of Us Part II Interview – Adding Depth, Staying Grounded, And The Cost Of Revenge». Game Informer. GameStop. Consultado em 29 de junho de 2020. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  25. Fils-Aime, Reggie; Goldberg, Harold (29 de junho de 2020). «The Podcast: Naughty Dog's Neil Druckmann And Media Molecule's Siobhan Reddy Join Talking Games With Reggie And Harold!». The New York Videogame Critics Circle. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 30 de junho de 2020 
  26. a b c Ehrlich, David (22 de junho de 2020). «Neil Druckmann and Halley Gross Open Up About the Biggest Twists of 'The Last of Us Part II'». IndieWire. Penske Media Corporation. Consultado em 25 de junho de 2020. Cópia arquivada em 23 de junho de 2020 
  27. White, Sam (9 de junho de 2020). «The Last of Us Part II: how Naughty Dog made a classic amidst catastrophe». GQ. Condé Nast. Consultado em 26 de junho de 2020. Cópia arquivada em 11 de junho de 2020 
  28. Meredith, Karenna (25 de junho de 2020). «The Last of Us Part II's Cowriter Wants Women to Feel "a Little More Seen" in the PS4 Game». PopSugar. Group Nine Media. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 26 de junho de 2020 
  29. Miller et al. 2020, 1:10:55.
  30. Moriarty, Colin (13 de fevereiro de 2012). «Naughty Dog Talks Combat in The Last of Us». IGN. Ziff Davis. Consultado em 23 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2014 
  31. a b Farokhmanesh, Megan (22 de março de 2014). «How Naughty Dog created a partner, not a burden, with Ellie in The Last of Us». Polygon. Vox Media. Consultado em 14 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2015 
  32. Clements, Ryan (9 de fevereiro de 2014). «The Drop: New PlayStation Releases for February 11th, 2014». PlayStation Blog. Sony Computer Entertainment. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  33. O'Brien, Lucy (1 de dezembro de 2013). «Is This the Most Important Moment in The Last of Us». IGN. Ziff Davis. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  34. Hamilton, Kirk (27 de junho de 2013). «The Last Of Us' Climactic Moments Could Have Been Very Different». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  35. Amini, Tina (2 de julho de 2013). «The Moral Ambiguities In The Last Of Us». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  36. Mc Shea, Tom (5 de junho de 2013). «The Last of Us Review». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  37. Agnello, Anthony John (27 de dezembro de 2013). «2013 in Review: In The Last of Us, No Death is Meaningless». USgamer. Gamer Network. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2015 
  38. a b Plante, Chris (24 de julho de 2013). «Let's Talk About: The ending of The Last of Us». Polygon. Vox Media. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  39. Plunkett, Luke (4 de julho de 2013). «Every Time Ellie Says F**k, S**t (And Motherf**ker) In The Last Of Us». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  40. Kerzner, Liana (18 de setembro de 2014). «Some of gaming's greatest heroes are mentally ill, and that's a great thing». Polygon. Vox Media. Consultado em 26 de março de 2016. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  41. a b Mc Shea, Tom (13 de fevereiro de 2014). «The Last of Us: Left Behind Review». GameSpot. CBS Interactive. Consultado em 22 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2015 
  42. Bradford, Matt (16 de julho de 2013). «The 12 biggest nitpicks of The Last of Us». GamesRadar. Future plc. Consultado em 19 de abril de 2015. Cópia arquivada em 19 de abril de 2015 
  43. MacDonald, Keza (17 de fevereiro de 2014). «The Last of Us: Left Behind – review». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 15 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2016 
  44. Orland, Kyle (6 de junho de 2013). «The Last of Us review: Me, you, and the infected». Ars Technica. Condé Nast. Consultado em 15 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2016 
  45. Mattos, Sal (21 de fevereiro de 2014). «Is Ellie Gay? Naughty Dog's Neil Druckmann Weights In on The Last of Us: Left Behind». GayGamer.net. Consultado em 22 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2015 
  46. Silver, Dan (26 de setembro de 2019). «The Last of Us Part 2 exclusive interview: Neil Druckmann on Ellie sexuality, video game violence and the 'death' of Joel». The Telegraph. Telegraph Media Group. Consultado em 26 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2019 
  47. Druckmann, Neil; Hicks, Faith Erin; Rosenberg, Rochelle (3 de abril de 2013). The Last of Us: American Dreams. 1. Estados Unidos: Dark Horse Comics 
  48. Naughty Dog (14 de fevereiro de 2014). The Last of Us: Left Behind. PlayStation 3 (1.0). Sony Computer Entertainment 
  49. a b c Naughty Dog (14 de junho de 2013). The Last of Us. PlayStation 3 (1.0). Sony Computer Entertainment 
  50. Naughty Dog (19 de junho de 2020). The Last of Us Part II. PlayStation 4 (1.0). Sony Interactive Entertainment 
  51. Killingsworth, Jason (25 de junho de 2013). «Sexism sells? The Last Of Us begs to differ». Edge. Future plc. Consultado em 23 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de junho de 2013 
  52. Reed, Ashley; Hartup, Andy (11 de março de 2014). «The 20 most inspirational female characters in games». GamesRadar. Future plc. Consultado em 26 de abril de 2015. Cópia arquivada em 26 de abril de 2015 
  53. Gibson, Ellie (5 de julho de 2013). «The Last of Us isn't the solution to sexism in games, but it's a start». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 23 de abril de 2015. Cópia arquivada em 23 de abril de 2015 
  54. «Best game characters of the generation». GamesRadar. Future plc. 11 de outubro de 2013. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  55. Miller, Greg; Moriarty, Colin; Altano, Brian (24 de junho de 2013). «The Last of Us' Ellie vs. BioShock Infinite's Elizabeth». IGN. Ziff Davis. Consultado em 29 de abril de 2015. Cópia arquivada em 29 de abril de 2015 
  56. Wallace, Kimberley (23 de dezembro de 2013). «Opinion: Important Female Character Weren't Marketed Well This Year». Game Informer. GameStop. Consultado em 23 de abril de 2015. Cópia arquivada em 23 de abril de 2015 
  57. Suellentrop, Chris (14 de junho de 2013). «In the Video Game The Last of Us, Survival Favors the Man». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 23 de abril de 2015. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  58. Helgeson, Matt (5 de junho de 2013). «Naughty Dog's Grim Masterpiece». Game Informer. GameStop. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  59. Mitchell, Richard (5 de junho de 2013). «The Last of Us review: Humans, conditioned». Joystiq. AOL. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  60. Moriarty, Colin (5 de junho de 2013). «The Last of Us Review». IGN. Ziff Davis. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  61. Welsh, Oli (31 de julho de 2014). «The Last of Us review». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  62. Kollar, Philip (5 de junho de 2013). «The Last of Us review: dead inside». Polygon. Vox Media. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  63. Wallace, Kimberley (28 de dezembro de 2013). «The Best Gaming Duos Of 2013». Game Informer. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 22 de abril de 2015 
  64. Hilliard, Kyle (22 de julho de 2013). «From Elika To Ellie: Comparing Prince Of Persia And The Last Of Us». Game Informer. GameStop. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  65. Meikleham, David (5 de junho de 2013). «The Last Of Us review SPOILER FREE - Naughty Dog's latest masterpiece is apocalypse wow». PlayStation Official Magazine. Future plc. Consultado em 22 de abril de 2015. Cópia arquivada em 8 de junho de 2013 
  66. Martin, Tim (1 de março de 2014). «The Last of Us: Left Behind review». The Daily Telegraph. Telegraph Media Group. Consultado em 22 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2015 
  67. Harman, Stace (14 de fevereiro de 2014). «The Last of Us: Left Behind review». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 22 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2015 
  68. Hamilton, Kirk (17 de fevereiro de 2014). «Video Gaming's Latest Breakthrough Moment». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 2 de março de 2015. Cópia arquivada em 2 de março de 2015 
  69. MacDonald, Keza (19 de fevereiro de 2014). «The Significance of The Last of Us: Left Behind». IGN. Ziff Davis. Consultado em 2 de março de 2015. Cópia arquivada em 2 de março de 2015 
  70. Karmali, Luke (14 de março de 2014). «Why We Need More Gay Characters In Video Games». IGN. Ziff Davis. Consultado em 29 de abril de 2015. Cópia arquivada em 29 de abril de 2015 
  71. Campbell, Colin (27 de novembro de 2019). «The 70 best video game characters of the decade». Polygon. Vox Media. Consultado em 3 de junho de 2020. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2019 
  72. HG Staff (21 de dezembro de 2013). «2013 Best New Character». Hardcore Gamer. Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  73. Blase, Aurora (14 de março de 2015). «Congratulations to the 2015 SXSW Gaming Award Winners!». South by Southwest. Consultado em 15 de março de 2015. Cópia arquivada em 15 de março de 2015 
  74. Zimmerman, Conrad (24 de dezembro de 2013). «The winner of Destructoid's best 2013 character». Destructoid. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  75. Karmali, Luke (13 de março de 2014). «BAFTA Games Awards 2014 Winners Announced». IGN. Ziff Davis. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  76. Nutt, Christian (12 de março de 2015). «BAFTA Awards honors Destiny, Monument Valley, and David Braben». Gamasutra. UBM plc. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 13 de março de 2015 
  77. «Game Title: The Last of Us». Academy of Interactive Arts & Sciences. 7 de fevereiro de 2014. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  78. Allen, Thomas J. (7 de fevereiro de 2014). «2013 NAVGTR Winners». National Academy of Video Game Trade Reviewers. Consultado em 22 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2017 
  79. Dane, Patrick (7 de dezembro de 2013). «'Grand Theft Auto V' Tops Spike VGX 2013 Award Winners List». Game Rant. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  80. Hoggins, Tom (31 de dezembro de 2013). «Telegraph Video Game Awards 2013». The Daily Telegraph. Londres: Telegraph Media Group. Consultado em 28 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de abril de 2015 
  81. Barker, Sammy (19 de junho de 2020). «The Last of Us: Part II Review». Push Square. Gamer Network. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  82. McKeand, Kirk (12 de junho de 2020). «The Last of Us Part 2 review – a generation-defining masterpiece». VG247. videogaming247 Ltd. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  83. Carter, Chris (18 de junho de 2020). «Review: The Last of Us Part II». Destructoid. Enthusiast Gaming. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 7 de julho de 2020 
  84. Welsh, Oli (16 de junho de 2020). «The Last of Us Part 2 review - a gut-wrenching sequel». Eurogamer. Gamer Network. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  85. Avard, Alex (12 de junho de 2020). «The Last of Us Part 2 Review: "AN Astonishing, Absurdly Ambitious Epic"». GamesRadar. Future plc. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  86. Dornbush, Jonathon (12 de junho de 2020). «The Last of Us Part 2 Review». IGN. Ziff Davis. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  87. Myers, Maddy (12 de junho de 2020). «The Last of Us Part 2 review: We're better than this». Polygon. Vox Media. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  88. Muncy, Julie (12 de junho de 2020). «Last of Us Part II Is Great, but Can't Escape Its Father's Shadow». Wired. Condé Nast. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]