Elvira Vigna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.


Elvira Vigna
Nascimento 29 de setembro de 1947
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Morte 10 de julho de 2017 (69 anos)
São Paulo
Residência São Paulo
Ocupação Escritora, tradutora e artista plástica
Prémios Prémio Jabuti 1980

Prêmio ABL de Ficção romance teatro e conto (2011)

Género literário Literatura infantil
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus Nada a dizer

Elvira Vigna (Rio de Janeiro,29 de setembro de 1947São Paulo, 10 de julho de 2017[1]) foi escritora, ilustradora e jornalista brasileira.

Teve vários livros publicados e alguns prêmios, como o de ficção da Academia Brasileira de Letras e um prêmio Jabuti de literatura infantil - setor a que se dedicou no início de sua carreira. Recebeu também um Jabuti como ilustradora. Em seu site, mantinha, para leitura livre, seus textos fora de catálogo.

Biografia e Causa da morte[editar | editar código-fonte]

Formada em Direito pela Universidade de Nancy, em França e mestre em Comunicação pela UFRJ.

Elvira morreu no dia 10 de julho de 2017, em São Paulo aos 69 anos, vítima de câncer.

Os romances[editar | editar código-fonte]

  • Sete anos e um dia, seu primeiro romance, está disponível na íntegra no site da autora. Trata-se da história de quatro amigos durante a época da abertura política, pós-ditadura brasileira, quando nada do que acontecia parecia muito real.
  • Em O assassinato de Bebê Martê uma mulher sabe que sua melhor amiga matou o próprio pai, há muitos anos, durante uma festa onde se comemorava o aniversário de 80 anos dele. Nesta noite haverá uma outra festa. Ela refaz na sua cabeça os acontecimentos passados, acrescentando aqui e ali alguns detalhes de como ela acha que o fato se deu. Durante a festa ela irá repetir esse crime, agora não mais como mera ouvinte, mas como autora dele.
  • Em Às seis em ponto um casal de namorados já maduros vai visitar a família da mulher. O motivo é um drama: na semana anterior o pai dela amanheceu morto na banheira. Durante a viagem, a mulher tenta - e não consegue - contar uma história para o namorado: a de como essa viagem na verdade é uma segunda viagem, a primeira tendo sido feita uma semana antes, quando durante uma briga ela jogou o pai na banheira e o matou. A história não é totalmente contada, o namorado terá que conviver com a dúvida sobre o quanto de verdade ficou do lado de fora.
  • Em 'Coisas que os homens não entendem' uma mulher volta de Nova York em busca de um ex-amante. Ela acredita que só poderá ser feliz se disser a ele o que se passou em um fim de tarde em que um irmão dele morreu, supostamente por bala perdida. Ela precisa contar. Ela começa, ele interrompe: ele já sabe. Ele sempre soube de tudo. Ficam juntos por um tempo mas ela decide ir embora: não dá para ficar com alguém a quem não haja mais nada para contar. Esse livro teve uma edição em sueco.
  • Em A um passo cada personagem conta, em sua própria voz, o que ele acha que sabe sobre os outros. Cada um explica um pouco a respeito de um roubo e de uma tentativa de assassinato. Há um personagem que conta todos os outros e que só vai aparecer no final. É ele o narrador e seu problema é o que ele fará uma vez que os seus companheiros estejam mortos ou tenham fugido. O que fazer depois que as transgressões foram feitas e assimiladas.
  • Deixei ele lá e vim gira em torno de uma noite, na praia semi-privativa de um hotel de luxo, quando uma garota de programa morre afogada. Junto com ela havia outras duas mulheres. É uma delas quem conta o que houve. Ela mente, ela diz o que quer, o que lhe interessa. É ela a narradora do livro, o alter-ego de quem escreve. É uma travesti: põe qualquer roupa que lhe atráia.
  • Em Nada a dizer a história de adultério é apenas a primeira capa de uma guerra de narrativas, em que os personagens destroem mutuamente a auto-imagem que mantinham anteriormente. Esse livro não acaba, é interrompido. Não é possível continuar a contar o que houve na primeira pessoa, quando essa pessoa não mais existe.
  • O que deu para fazer em matéria de história de amor é a indecisão sobre como contar uma história. Dependendo do enfoque ela pode ser uma história de amor ou a de um assassinato. Ou mesmo as duas.
  • Por escrito é uma história de erros, alguns deles fatais.
  • Como se estivéssemos em palimpsesto de putas mostra mulheres empilhadas no imaginário de um homem que não consegue individualizá-las, e o que uma delas fez a respeito disso.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • VIGNA, Elvira. Como se estivéssemos em palimpsesto de putas. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2016, 216p.
prêmio Melhor Romance - APCA, 2016
  • VIGNA, Elvira. Por escrito. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2014, 312p.
segundo lugar Prêmio Oceanos;
finalista Prêmio Rio.
  • VIGNA, Elvira. O que deu para fazer em matéria de história de amor. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2012, 168p.
edição sueca: Den kärlekshistoria som gick att få till. Trad. Örjan Sjögren. Estocolmo: bokförlaget Tranan, 2016, 240p.
finalista Prêmio São Paulo;
finalista Prêmio Jabuti.
  • VIGNA, Elvira. Nada a dizer. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2010, 176p.
edição portuguesa: Nada a dizer. Lisboa: Quetzal, 2013, 168p.
edição italiana: Niente da dire. Narni: Gran vía, 2016, 168p.
Prêmio 'Ficção' da Academia Brasileira de Letras;
finalista Prêmio Portugal Telecom.
  • VIGNA, Elvira. Deixei ele lá e vim. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2006, 152p.
  • VIGNA, Elvira. A um passo. Rio de Janeiro: ed. Lamparina, 2004, 188p.
participante do projeto Mais Leitura de 2014.
  • VIGNA, Elvira. Coisas que os homens não entendem. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2002, 160p;
edição sueca: Saker som män inte förstår. Trad. Örjan Sjögren. Estocolmo: bokförlaget Tranan, 2005, 220p).
  • VIGNA, Elvira. Às seis em ponto. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 1998, 128p.
prêmio Cidade de Belo Horizonte de Melhor Romance.
  • VIGNA, Elvira. O assassinato de Bebê Martê. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 1997, 128p.
  • VIGNA, Elvira. Sete anos e um dia. Rio de Janeiro: ed. José Olympio, 1988, 192p.

Contos (e outros textos curtos)[editar | editar código-fonte]

  • VIGNA, Elvira. Deve ter sido assim (Como se estivéssemos em palimpesesto de p.). In: Suplemento Pernambuco #118. Recife: Cia. Ed. de Pernambuco, dezembro/2015.
  • VIGNA, Elvira. Pulando amarelinha com a Eneida de Virgílio (Como se estivéssemos em palimpsesto de p.). In: Gerúndio a dois. São Paulo: São Paulo Review. São Paulo, 19/10/2015 (online).
  • VIGNA, Elvira. Par écrit. Traduction: Paula Anacaona. Pessoa, edition spéciale Salon du Livre de Paris/2015. São Paulo: Revista Pessoa. Julho 2015, pg. 16-21.
  • VIGNA, Elvira. In writing. Translated by Lucy Greaves. Wasafiri, volume 30, issue 2. Brighton, England: Taylor & Francis. 19 May 2015, pp. 56–58.
  • VIGNA, Elvira. Depois de tudo. In: Segundo Caderno. Rio de Janeiro: jornal O Globo. 16/02/2015.
  • VIGNA, Elvira. Places, in the middle of everything. In: The book of Rio. Great Britain: Comma Press. 2014, pp. 111–119.
  • VIGNA, Elvira.N de nada de eso. In: Narrar San Pablo. São Paulo: editora Mackenzie, 2014, pp. 89–103.
  • VIGNA, Elvira. A copa de 1990. In: Formas Breves. São Paulo: E-galáxia, 2014, e-book.
  • VIGNA, Elvira. La imposibilidad de un Kilimanjaro. In: La invención de la realidade. Ciudad de Mexico: Cal y Arena, Nexos Sociedad Ciencia y Literatura, SA de CV, 2013, pp. 243–259.
  • VIGNA, Elvira. 5 mil toques é tudo o que ele tem a dizer - a voz de Paulo do romance Nada a dizer.In: Suplemento Pernambuco. Recife: Cia. Ed. de Pernambuco, n. 51, maio de 2010, 16p.
inserção no volume Ficcionais, organizado pelo editor do Suplemento, Schneider Carpeggiani, 2012, pp. 57-59.
  • VIGNA, Elvira. Lugares, talvez um fim para contar. In: Suplemento Pernambuco. Recife: Cia. Ed. de Pernambuco, no 71, janeiro de 2012. pp 4–5.
  • VIGNA, Elvira. Retrato em cores frias. In: Caderno Ilustríssima. São Paulo: jornal Folha de S.Paulo, 18/09/2011. pp. 7.
  • VIGNA, Elvira. O que deu para fazer em matéria de história de amor (parte). In: Suplemento Pernambuco. Recife: Cia. Ed. de Pernambuco, #60, fevereiro de 2011. pp 20–21.
  • VIGNA, Elvira. O que deu para fazer em matéria de história de amor (parte). In: Suplemento Pernambuco. Recife: Cia. Ed. de Pernambuco, #53, julho de 2010. pp 24.
  • VIGNA, Elvira. O que deu para fazer em matéria de história de amor (parte). Curitiba: jornal Rascunho, 2009, 32p (28-29).
  • VIGNA, Elvira. Confissões. In: Ser mãe é tudo de bom. São Paulo: Editora Matrix, 2008, 192 p. (71-75).
  • VIGNA, Elvira. I+zil+d=inha. In: + 30 mulheres. Rio de Janeiro: ed. Record, 2005, 306p. (205-302).
  • VIGNA, Elvira. Mais um caso de violência choca a cidade. In: Os cem menores contos brasileiros do século. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004, 224p. (61).
  • VIGNA, Elvira. Foi ao sentir o cheiro dele que Izildinha deu uma relaxada. In: Todos os sentidos. Rio de Janeiro: CL edições autorais, 2003, 132p. (27-37).
prêmio Melhor Livro de Contos da União Brasileira de Escritores.

Textos teóricos[editar | editar código-fonte]

  • Texto publicado pelo suplemento Pernambuco de setembro/2016, pg. 03, seção 'bastidores'
  • Palestra O vão entre o trem e a plataforma, puc-poa, 20/05/2016
  • Apresentação de meus livros na feira de gotemburgo, em setembro/2015
  • Vídeo da entrevista com Edney Silvestre, globonews, 13/03/2015
  • Apresentação Literatura e experiência, de 14/11/2014, de Belo Horizonte
  • Apresentação Pessoas perdidas, em trânsito ou de passagem, de 19/09/2014, na Primeira Festa do Livro do Vale do São Francisco, Petrolina - Pernambuco
  • Entrevista a Tanay Gonçalvez Notargiacomo, publicada no anuário de literatura da UFSC, Florianópolis, v.18, n. esp. 1, p. 255-260, 2013.
  • Apresentação A menina de lá e os meninos de cá, para a unb em 18/10/2013

(apresentado anteriormente em 17/09/2013 na semana de literatura do sesc-paraná)

  • Apresentação Concomitância dos efêmeros (ou como ler os clássicos), para a pucrgs em 25/10/2012

(posteriormente publicado como artigo pelo suplemento Pernambuco #83, de janeiro de 2013)

  • Apresentação Tentativas sobre o conto, as dançarinas de Degas, no festival nacional do conto de Jaraguá do Sul 09/08/2012

(posteriormente publicado como artigo pelo jornal O Globo, caderno Prosa e Verso, em 11/08/2012)

  • Apresentação Escritas incômodas, para a prefeitura de belo horizonte em 19/04/2012
  • Apresentação Os narradores, em duas partes:

vídeo "narradores" para o site da sorbonne iv (40 minutos); 1) texto-base do vídeo "narradores"; 2) texto suplementar apresentado em palestra na sorbonne iv em 10/01/2012.

  • Apresentação O som das palavras, em duas partes:

O som das palavras: possibilidades e limites da novela, um adendo, na unb em 29/06/2011; O som das palavras: possibilidades e limites da novela gráfica. In: Revista Estudos de literatura brasileira contemporânea # 37. Brasilia: UnB, 2011, pp. 105-122. (texto reproduzido em repositório internacional de textos acadêmicos, sistema Redalyc, via Universidad Autónoma del Estado de México)

  • Vídeo Um escritor na biblioteca, na biblioteca pública do paraná, em junho de 2011.

I II III

  • Coisas que os homens não entendem e Camões. In: revista Navegações, volume 5, n. 2 (jul/dez 2012). Porto Alegre: PUC-RS, p. 228-233
  • VIGNA, Elvira: Icléa Goldberg. In: GOLDBERG, Icléa. Objetos extremos. Rio de Janeiro: Galeria Anna Maria Niemeyer, 2011.
  • VIGNA. Elvira: Monica Barki. In: BARKI, Monica. Arquivo Sensível. Rio de Janeiro: Aeroplano editora, 2011.
  • VIGNA, Elvira: A boa fala. In: PELLANDA, Luís. As melhores entrevistas do Rascunho, vol. 1. Curitiba: Arquipélago Editorial, 2010, pp 66-81.

Ilustração[editar | editar código-fonte]

  • MURRAY, Roseana. Cinco sentidos e outros. Il. Elvira Vigna. Belo Horizote: Abacatte, 2014, 39p.
participação no catálogo da Feira de Bolonha, 2015.
  • BARRETO, Antonio. O papagaio de Van Gogh. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Lê, 2013, 88p.
prêmio Literatura para todos, do MEC;
participação no programa PNBE, EJA e Brasil Alfabetizado, do MEC, 2013;
participação no catálogo da Feira de Bolonha, 2014.
  • FREITAS, Tino. Primeira palavra. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Abacatte, 2012, 36p.
participação no programa de compra de livros da Prefeitura de Contagem;
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
prêmio Jabuti de Melhor Ilustração;
finalista Jabuti de Melhor Livro Infantil.
  • MURRAY, Roseana. O mar e os sonhos. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Lê, 2010, 48p.
  • MURRAY, Roseana. O mar e os sonhos. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Miguilim, 1996, 36p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
lista de honra do IBBY;
participação no programa PNBE do MEC, 2013.
  • MURRAY, Roseana. Carteira de identidade. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Lê, 2010, 48p.
participação na exposição "Traçando histórias" da Câmara Riograndense do Livro/2010;
participação no programa de compra de livros da Prefeitura de Belo Horizonte, 2010;
participação no catálogo da Feira do Livro de Bolonha, 2011;
participação no programa PNBE do MEC, 2013.
  • MURRAY, Roseana. Arabescos ao vento. Il. Elvira Vigna. São Paulo: Prumo, 2009, 24p.
participação no catálogo da Feira de Bolonha, 2010.
  • MURRAY, Roseana. Fardo de Carinho. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Lê, 2009, 36p.
  • MURRAY, Roseana. Fardo de Carinho. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Degrau, 1981, n.p.
participação no programa PNBE do MEC, 2009.
participação na Bienal de ilustradores de Bratislava/1982.
  • RAMPAZZO, Iacy. O gato Tom e o tigre Tim. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007, 48p.
participação no programa de compra de livros da Secretaria Estadual de Educação do Espírito Santo, 2008.
  • PAULAFREITAS, Ayeska. O que o coração mandar. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Dimensão, 2005, 40p.
participação no programa PNBE do MEC, 2006.
  • ANDRADE BARBOSA, Rogério. Contos de encantos, seduções e outros quebrantos. Il. Elvira Vigna. São Paulo: Bertrand Brasil, 2005, 64p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
participação no programa PNBE do MEC, 2006.
  • RAMOS, Anna Cláudia. Tempo mágico, tempo de namoros. Il. Elvira Vigna. São Paulo: ed. Larousse, 2005, 68p.
participação no catálogo da Feira de Bolonha.
  • NAZARETH, Carlos Augusto. Filomena. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004, 40p.
participação na exposição "Traçando histórias" da Câmara Riograndense do Livro/2004;
participação no catálogo da Feira do Livro de Bolonha.
  • SCHÜLER, Donaldo. Refabular Esopo. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004, 168p.
exposição individual das ilustrações no Teatro Renascença de Porto Alegre.
  • ORTHOF, Sylvia. Você viu, você ouviu? Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Vertente, 2003, n.p.
participação na exposição "Traçando histórias" da Câmara Riograndense do Livro/2003.
  • MURRAY, Roseana. Manual da delicadeza. Il. Elvira Vigna. São Paulo: FTD, 2001, 32p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.
  • MURRAY, Roseana. Receitas de olhar. Il. Elvira Vigna. São Paulo: FTD, 1997, 48p
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.
  • MURRAY, Roseana. Três velhinhas tão velhinhas. Il. Elvira Vigna. Belo Horizonte: Miguilim, 1994, n.p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.
  • DAHL, Maria Lúcia. A bailarina agradece. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Terceira Margem, 1990, 96p.
participação na Bienal de artistas gráficos de Brno/1992.
  • MURRAY, Roseana. Paredes Vazadas. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Memórias Futuras, 1989, n.p.
medalha Melhores Ilustradores Mundiais do Instituto Noma (Japão) em associação com a UNESCO/1990.
  • CARTA, Mino. Histórias da Mooca. Il. Elvira Vigna. São Paulo: Berlendis & Vertechia, 1982, n.p.
participação na Bienal de artistas gráficos de Brno/1982.
  • PINSKY, Mirna. O canguru emprestado. Il. Elvira Vigna. São Paulo: Global, 1982. 64p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.
  • GANEM, Eliane. O coração de Corali. Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981. n.p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

Infantis e juvenis[editar | editar código-fonte]

  • VIGNA, Elvira. Vitória Valentina (novela gráfica). Il. Elvira Vigna. Rio de Janeiro: Editora Lamparina, 2013, 120p.
participação na exposição "Traçando histórias" da Câmara Riograndense do Livro/2014;
inclusão na lista de obras literárias do vestibular da UFSC/2017.
  • VIGNA, Elvira. A pontinha menorzinha do enfeitinho do fim do cabo de uma colherzinha de café. Il. Simone Matias. Curitiba: ed. Positivo, 2013, 24p.
  • VIGNA, Elvira. A pontinha menorzinha do enfeitinho do fim do cabo de uma colherzinha de café. Il. Janaina Tokitaka. Curitiba: ed. Positivo, 2010, 24p.
  • VIGNA, Elvira. A pontinha menorzinha do enfeitinho do fim do cabo de uma colherzinha de café. Il. Ana Raquel. Belo Horizonte: ed. Miguilim, 1983, n.p.
participação no programa PNAIC do MEC em 2014.
  • VIGNA, Elvira. Problemas com o cachorro? Il. Suppa. Curitiba: ed. Positivo, 2010, 24p.
  • VIGNA, Elvira. Problemas com o cachorro? Il. Ivan Zigg. São Paulo: ed. Moderna, 1998, n.p.
  • VIGNA, Elvira. Problemas com o cachorro? Il. Lenira Brandão Silva. Belo Horizonte: ed. Miguilim, 1982, n.p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
prêmio Melhor Obra Infantil da Associação Paulista de Críticos de Arte.
  • VIGNA, Elvira. Viviam como gato e cachorro. Il. da autora. Belo Horizonte: ed. Dimensão, 2005, 40p.
  • VIGNA, Elvira. Viviam como gato e cachorro. Il. da autora. Rio de Janeiro: ed. Paz e Terra, 1978, 48p.
prêmio Melhor Ilustração da Associação Paulista dos Críticos de Arte;
participação no programa Ciranda de Livros da Fundação Roberto Marinho;
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
participação no catálogo da Feira de Bolonha, 2006.
edição em cd para deficientes visuais através do PNBE-especial, 2010.
  • VIGNA, Elvira. O jogo dos limites. Il. da autora. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2001, 128p.
menção Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil;
participação no programa de compra de livros da prefeitura de Belo Horizonte, 2002.
  • VIGNA, Elvira. Mônica e Macarra. Il. Glória Campos. Belo Horizonte: ed. Miguilim, 1996, 44p.
  • VIGNA, Elvira. Uma história pelo meio. Il. Pic Cortesi. São Paulo: ed. Berlendis & Vertechia, 1982, n.p.
  • VIGNA, Elvira. Lã de umbigo. Il. da autora. Rio de Janeiro: ed. Antares/INL-MEC, 1979, 64p.
prêmio Jabuti de Literatura Infantil da Câmara Brasileira do Livro.
  • VIGNA, Elvira. Coleção Adrúbal, o Terrível. Il. da autora. Quatro livros independentes que tiveram várias edições individuais entre 1971 e 1983, publicadas inicialmente pela Editora Bonde/INL-MEC, e depois pela José Olympio e Miguilim; 78 páginas cada. São eles: A breve história de Asdrúbal, o Terrível; A verdadeira história de Asdrúbal, o Terrível; Asdrúbal no Museu; O triste fim de Asdrúbal, o Terrível.
edições especiais 'Clube do Livro' dos dois primeiros títulos, 1981;
participação no programa Salas de Leitura da FAE, 1985, dos três primeiros títulos.

Referências

  1. Meireles, Maurício (10 de julho de 2017). «Morre a escritora Elvira Vigna, em São Paulo, aos 69 anos». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]