Elvira Vigna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Elvira Vigna
Nome completo Elvira Maria Vigna Lehmann
Nascimento 29 de setembro de 1947
Rio de Janeiro, RJ
Morte 10 de julho de 2017 (69 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Cônjuge Roberto Lehmann
Ocupação escritora, tradutora e artista plástica
Prémios
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus Nada a dizer

Elvira Vigna (Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1947São Paulo, 10 de julho de 2017) foi uma escritora, ilustradora, tradutora e jornalista brasileira. Teve vários livros publicados e alguns prêmios, como o de ficção da Academia Brasileira de Letras e um prêmio Jabuti de literatura infantil - setor a que se dedicou no início de sua carreira. Recebeu também um Jabuti como ilustradora.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Elvira Vigna nasceu em 29 de setembro de 1947, na cidade do Rio de Janeiro. Formou-se em Literatura Francesa pela Universidade de Nancy, em convênio com a Aliança Francesa e Universidade Federal do Rio de Janeiro[1], e fez o mestrado na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1979, na área de Teoria da Significação[2]. Após, especializou-se em gravura no Instituto de Belas Artes do Rio de Janeiro (atualmente Escola de Artes Visuais do Parque Lage). Em 1984 e 1985, estudou na Parsons School of Design de Nova York, na área de imagens[3].

Vigna trabalhou em diversos veículos de comunicação, tais como Correio da Manhã, Jornal do Brasil, O Globo, Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo[4]. Por cinco anos, manteve uma editora chamada Bonde (MAIS) e a revista de literatura marginal A Pomba[5]. Em 2016, em parceria com o marido e os filhos fundou a editora Uva Limão[6][7], especializada em textos acadêmicos[5].

Em 2012, Vigna foi diagnosticada com um carcinoma micropapilar invasivo, mas essa informação só veio à público após a sua morte, em 10 de julho de 2017, pois a autora não queria que o conhecimento de sua condição de saúde prejudicasse sua vida profissional[2].

Carreira literária[editar | editar código-fonte]

O início da sua carreira literária foi marcada pela produção de livros para crianças e jovens, além de trabalhar com ilustração de livros, chegando a ganhar dois prêmios Jabuti: um na categoria Livro Infantil, em 1980[8], e outro na categoria Ilustração, em 2013[7][9]. A vontade de escrever para crianças se deu por acreditar que seria uma forma de se comunicar com seus filhos[1].

Seu primeiro romance adulto, Sete Anos e Um Dia, foi escrito em 1984, quando a escritora e a família decidiram morar por um período nos Estados Unidos, mas só foi publicado em 1988, pela editora José Olympio. O livro se passa entre os anos 1970 e 1980, num Brasil pós-ditadura militar em meio a um precário processo de redemocratização, e conta a história de um grupo de amigos durante sete anos da abertura política brasileira[10].

Em 1990, Elvira Vigna publicou o romance A um passo de Eldorado, um livro fragmentado e bastante experimental. A obra passou despercebida pela imprensa à época, razão pela qual Vigna dizia tê-la como favorita[11]. Em 2004, a autora reeditou o livro, e publicou-o sob um novo título, A um passo, pela editora Lamparina. Segundo a autora, foi um dos livros que ela teve mais dificuldade para editar[12]. Em 2018, a editora Companhia das Letras lançou a reimpressão do livro[13]. Segundo Vigna, a história do livro não é contada por ela; ela apenas apresenta as cenas e quem conta a história é o leitor, que pode intuir o que está sendo contado[12]. Essa obra foi inspirada pela peça de teatro A Tempestade, de William Shakespeare[1].

Em 1997, Vigna publicou o romance O Assassinato de Bebê Martê pela editora Companhia das Letras[14], iniciando uma trajetória meteórica rumo ao topo da literatura nacional[7], passando a publicar uma nova obra numa média de a cada dois anos[10]. Neste livro, a história é contada a partir do olhar da narradora que revive uma situação no presente que é parecida com uma situação do passado, e em ambas as situações há um crime que foi cometido[15].

O romance Às seis em ponto foi publicado em 1998, pela editora Companhia das Letras[16], e ganhou o prêmio Cidade de Belo Horizonte, na categoria Melhor romance[17]. No livro, a narradora acaba matando seu pai e se sente em dificuldades para revelar esse fato a seu namorado[18].

Coisas que os homens não entendem, quinto romance da autora, foi publicado em 2002 pela editora Companhia das Letras[19], e conta a história de uma personagem que se vê obrigada a voltar para um lugar onde ela não quer estar devido a um evento traumático ocorrido em seu passado. O título do livro foi inspirado no canto quinto de Os Lusíadas, poema épico de Luís Vaz de Camões.[20]

Em 2006, Elvira Vigna publicou o romance Deixei ele lá e vim pela editora Companhia das Letras[21].

Nada a Dizer, sétimo romance da autora, foi publicado em 2010[22] e venceu o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, na categoria Ficção[23]. A história é narrada por uma mulher que foi traída por seu marido, e enquanto conta o caso, tenta pensar em motivos e explicações para o que aconteceu[24].

O romance O que deu para fazer em matéria de história de amor foi publicado em 2012, pela editora Companhia das Letras[25]. A narradora deste livro se propõe a contar a história de Rose e Arno, um casal já falecido, deduzindo, inventando e completando a história, tentando, assim, entender a sua própria história[24][26].

Em 2015, publicou o romance Por Escrito, pela editora Companhia das Letras[27], e ficou em 2º lugar no Prêmio Oceanos[28].

Em 2016, publicou o romance Como se Estivéssemos em Palimpsesto de Putas, pela editora Companhia das Letras, o último publicado em vida[29]. O livro narra o encontro de dois estranhos em um escritório de uma editora prestes a falir, a narradora, uma designer em busca de trabalho, e João, um homem contratado para informatizar a empresa. Todos os dias eles se encontram para uma pausa, onde ele rememora a ela seus encontros com garotas de programa, mesmo sendo um homem casado[30]. No romance, a narradora conta, reflete e preenche as histórias que ela ouve de João. À primeira vista parece que a trama gira em torno dessas aventuras extraconjugais, mas a partir das interpretações da narradora e do pouco que ela conta sobre si mesmo, o leitor vai percebendo a crítica que se estabelece sobre as relações de poder entre homens e mulheres, a hipocrisia da sociedade e a indiferença em relação às mulheres[24]. Com este livro, ganhou o Troféu APCA, na categoria Romance[31].

Em 2019, Elvira Vigna foi agraciada com o Prêmio Clarice Lispector (Prêmio Literários da Fundação Biblioteca Nacional), pelo livro de contos Kafkianas[32].

Temas[editar | editar código-fonte]

Vigna afirmava que todos os seus romances eram baseados em pessoas, lugares e fatos reais, que aconteceram pessoalmente com ela ou com pessoas próximas, bastando a ela encontrar o narrador para suas histórias[33]. Quando a história contada envolvia outras pessoas, a autora mudava algumas características e fatos para que as pessoas não pudessem ser reconhecidas e sempre teve o cuidado de pedir permissão aos envolvidos para a publicação de seus livros[1].

Seus livros não são explicitamente políticos, mas possuem camadas narrativas que podem trazer um olhar político implícito, uma maneira muito única de ler as relações interpessoais[34].

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Livro Observações
1980 Prêmio Jabuti Infantil Lã de Umbigo[8]
1998 Prêmio Cidade de Belo Horizonte Melhor romance Às seis em ponto[17]
2010 Prêmio Machado de Assis Ficção Nada a Dizer[23]
2013 Prêmio Jabuti Ilustração Primeira Palavra[9] Autor: Tino Freitas
2015 Prêmio Oceanos Por Escrito[35] 2º lugar[36]
2016 Troféu APCA Romance Como se estivéssemos em palimpsesto de putas[31]
2019 Prêmio Literário Biblioteca Nacional Prêmio Clarice Lispector (Conto) Kafkianas[37]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Ano Título Editora ISBN Observação
1988 Sete anos e um dia José Olympio ISBN 8503001470
1990 A um passo de Eldorado Editora Nórdica ISBN 9788570071965
1997 O assassinato de Bebê Martê Companhia das Letras ISBN 9788571646292
1998 Às seis em ponto Companhia das Letras ISBN 9788571648296
2002 Coisas que os homens não entendem Companhia das Letras ISBN 9788535902112
2004 A um passo Lamparina ISBN 9798598271209 Reedição do livro A um passo de Eldorado
2006 Deixei ele lá e vim Companhia das Letras ISBN 9788535909036
2010 Nada a dizer Companhia das Letras ISBN 9788535915983
2012 O que deu para fazer em matéria de história de amor Companhia das Letras ISBN 9788535920796
2014 Por escrito Companhia das Letras ISBN 9788535924749
2016 Como se estivéssemos em palimpsesto de putas Companhia das Letras ISBN 9788535927399
2018 Kafkianas Todavia ISBN 9788588808195 Póstumo
2018 A um passo Companhia das Letras ISBN 9788535931082 Reimpressão

Livros infantis e juvenis[editar | editar código-fonte]

Ano Título Editora ISBN Observação
1978 A breve história de Asdrúbal, o Terrível José Olympio não tem Reimpressão
1978 Viviam como gato e cachorro Paz e Terra não tem
1979 Lã de umbigo Antares/INL-MEC não tem
1979 A Verdadeira História de Asdrúbal, o Terrível José Olympio não tem Reimpressão
1980 Asdrúbal no museu José Olympio não tem Reimpressão
1983 O Triste Fim de Asdrúbal, o Terrível Miguilim não tem Reimpressão
1996 Mônica e Macarra Miguilim ISBN 9788585672751
2001 O jogo dos limites Companhia das Letras ISBN 9788535901252
2010 A pontinha menorzinha do enfeitinho do fim do cabo de uma colherzinha de café Positivo ISBN 9788538573920 Reimpressão
2010 Problemas com o cachorro? Positivo ISBN 9788538541264 Reimpressão
2013 Vitória Valentina Lamparina ISBN 9788583160038
2018 Uma história pelo meio Positivo ISBN 9788546722921 Reimpressão

Ilustrações[editar | editar código-fonte]

Ano Autor Título Editora ISBN
1981 Eliane Ganem O coração de Corali José Olympio não tem
1982 Mino Carta Histórias da Mooca Berlendis & Vertechia não tem
1982 Mirna Pinsky O canguru emprestado Global não tem
1989 Roseana Murray Paredes vazadas Memórias Futuras
1990 Maria Lúcia Dahl A bailarina agradece Terceira Margem
1994 Roseana Murray Três velhinhas tão velhinhas Miguilim ISBN 8504007235
1997 Roseana Murray Receitas de olhar FTD ISBN 8532235352
2001 Roseana Murray Manual da delicadeza FTD ISBN 8532247733
2003 Sylvia Orthof Você viu, você ouviu? Vertente
2004 Carlos Augusto Nazareth Filomena Lamparina ISBN 8598271160
2004 Donaldo Schüler Refabular Esopo Lamparina ISBN 8598271039
2004 Elvira Vigna

Ruth Silviano Brandão

Aporias de Astérion Lamparina ISBN 8598271144
2004 Maria Esther Maciel O livro de Zenóbia Lamparina ISBN 9788598271071
2005 Anna Cláudia Ramos Tempo mágico, tempo de namoros Larousse ISBN 9788576350095
2005 Ayeska Paulafreitas O que o coração mandar Dimensão ISBN 9788573190632
2005 Rogério Andrade Barbosa Contos de encantos, seduções e outros quebrantos Bertrand Brasil ISBN 9788528611106
2007 Iacy Rampazzo O gato Tom e o tigre Tim Lamparina ISBN 9788598271361
2009 Roseana Murray Arabescos ao vento Prumo ISBN 9788561618803
2009 Roseana Murray Fardo de carinho ISBN 9788532907158
2010 Roseana Murray Carteira de identidade ISBN 9788532907271
2010 Roseana Murray O mar e os sonhos Abacatte ISBN 9788562549281
2011 Angélica Lopes Manoo Tatoo ISBN 9788532907349
2012 Tino Freitas Primeira palavra Abacatte ISBN 9788562549403
2012 Walter Omar Kohan.(org.) Pensar com Sócrates Lamparina ISBN 9788598271927
2013 Antonio Barreto O papagaio de Van Gogh ISBN 9788532907790
2013 Walter Omar Kohan.(org.) Pensar com Heráclito Lamparina ISBN 9788583160007
2014 Roseana Murray Cinco sentidos e outros Abacatte ISBN 9788562549748
2014 Tino Freitas O menino que falava pouco Abacatte ISBN 9788562549830
2015 Walter Omar Kohan.(org.) Pensar com Foucault Lamparina ISBN 9788583160268
2017 Roseana Murray Duas casas Abacatte ISBN 9788594680181

Contos[editar | editar código-fonte]

Ano Título do conto Título da publicação Observações
2003 Foi ao sentir o cheiro dele que Izildinha deu uma relaxada Todos os sentidos CL edições autorais
2004 Mais um caso de violência choca a cidade Os cem menores contos brasileiros do século Ateliê Editorial
2005 I+zil+d=inha + 30 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira Editora Record
2008 Confissões Ser mãe é tudo de bom Editora Matrix[38]
2009 O que deu para fazer em matéria de história de amor (parte) Jornal Rascunho Edição #115[39]
2010 5 mil toques é tudo o que ele tem a dizer - a voz de Paulo do romance Nada a dizer Suplemento Pernambuco Edição #51[40]
2010 No momento que a viagem não nos move Suplemento Pernambuco Edição #53[41]
2011 Eles têm a chave uns dos outros Suplemento Pernambuco Edição #60[42]
2011 Retrato em cores frias Folha de S.Paulo Edição do dia 18/09/2011[43]
2012 Lugares, talvez um fim para contar Suplemento Pernambuco Edição #71[44]
2013 La imposibilidad de un Kilimanjaro La invención de la realidade Ediciones Cal y Arena[45]
2014 A copa de 1990 Formas breves Editora e-galáxia[46]
2014 N de nada de eso Narrar San Pablo: una ciudad a través de sus libros Eduvim e Editorial de la Universidad Presbiteriana Mackenzie[47]
2014 Places, in the middle of everything The book of Rio Comma Press[48]
2015 Pra quem é doente do pé: ‘Depois de tudo’ O Globo Edição do dia 16/02/2015[49]
2015 In writing Wasafiri Edição #82[50]
2015 Por escrito Revista Pessoa[51]
2015 Pulando amarelinha com a Eneida de Virgílio São Paulo Review[52]
2015 Deve ter sido assim Suplemento Pernambuco Edição #118[53]

Referências

  1. a b c d «Segundas Intenções - Elvira Vigna». Youtube - Canal BSPbiblioteca. 29 de agosto de 2016. Consultado em 20 de julho de 2020 
  2. a b Meireles, Maurício (10 de julho de 2017). «Morre a escritora Elvira Vigna, em São Paulo, aos 69 anos». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2019 
  3. «Biografia». Elvira Vigna. Consultado em 16 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2019 
  4. Benevides, Daniel (8 de março de 2018). «A ira de Vigna». Arte!Brasileiros. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  5. a b «Morre, aos 69 anos, a escritora e ilustradora Elvira Vigna». Revista Cult. 10 de julho de 2017. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  6. «Os sócios». Uva Limão. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2019 
  7. a b c Baldi, Mateus (10 de julho de 2017). «Muito a dizer». Piauí. Consultado em 20 de julho de 2020 
  8. a b «PREMIADOS 1980». Prêmio Jabuti. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  9. a b «PREMIADOS 2013». Prêmio Jabuti. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  10. a b Carpeggiani, Schneider. «Há 30 anos, Elvira Vigna estreava na escrita». Suplemento Pernambuco. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2018 
  11. Baldi, Mateus (18 de agosto de 2018). «'A Um Passo', obra-prima de Elvira Vigna, é relançado». Estadão. Consultado em 20 de julho de 2020 
  12. a b «elvira vigna apresenta o livro 'a um passo'». Youtube - Canal Elvira Vigna. Consultado em 20 de julho de 2020 
  13. «UM PASSO, A». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020 
  14. «O ASSASSINATO DE BEBÊ MARTÊ». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 14 de julho de 2015 
  15. «elvira vigna apresenta o livro 'o assassinato de bebê martê'». Youtube - Canal Elvira Vigna. Consultado em 20 de julho de 2020 
  16. «ÀS SEIS EM PONTO». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2017 
  17. a b Perlatto, Fernando (5 de outubro de 2017). «A literatura labiríntica de Elvira Vigna». Escuta: Revista de Política e Cultura. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 20 de julho de 2020 
  18. «elvira vigna apresenta o livro 'às seis em ponto'». Youtube - Canal Elvira Vigna. Consultado em 20 de julho de 2020 
  19. «COISAS QUE OS HOMENS NÃO ENTENDEM». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de maio de 2015 
  20. «elvira vigna apresenta o livro "coisas que os homens não entendem"». Youtube - Canal Elvira Vigna. Consultado em 20 de julho de 2020 
  21. «DEIXEI ELE LÁ E VIM». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020 
  22. «Nada a dizer». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de julho de 2016 
  23. a b «ABL comemora 114 anos e entrega seus Prêmios Literários aos vencedores de 2011». Academia Brasileira de Letras. 21 de julho de 2011. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  24. a b c Azevedo, Karina (16 de julho de 2018). «A vida é a obra de Elvira Vigna». Valkírias. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  25. «O QUE DEU PARA FAZER EM MATÉRIA DE HISTÓRIA DE AMOR». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2017 
  26. «O que deu para fazer em matéria de história de amor - Elvira Vigna». Youtube - Companhia das Letras. 7 de dezembro de 2012. Consultado em 20 de julho de 2020 
  27. «POR ESCRITO». Companhia das Letras. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 26 de maio de 2016 
  28. «Silviano Santiago vence o prêmio Oceanos, antigo Portugal Telecom». G1. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 10 de julho de 2018 
  29. «Como se estivéssemos em palimpsestos de putas». Companhia das Letras. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  30. Bressane, Ronaldo (5 de junho de 2017). «Ácida e sulfúrica». Revista Cult. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  31. a b «'Aquarius', 'Velho Chico', Rita Lee e Montagner levam prêmios da APCA». Folha de S. Paulo. 30 de novembro de 2016. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 13 de abril de 2019 
  32. «Elvira Vigna e Wisnik estão entre os vencedores do prêmio da Biblioteca Nacional». Folha de S. Paulo. 10 de outubro de 2019. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2019 
  33. «Bondelê #04: Resenha de Como se estivéssemos (...), mais entrevista com a autora». Youtube. 17 de março de 2017. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  34. Sobotta, Guilherme (10 de julho de 2017). «Morre, aos 69, a escritora Elvira Vigna». O Estado de S. Paulo. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2017 
  35. «Prêmio Oceanos 2015». Oceanos. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2019 
  36. «Vencedores Oceanos 2015» (PDF). Oceanos. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  37. «Prêmio Literário Biblioteca Nacional». Biblioteca Nacional. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2019 
  38. «Ser Mãe É Tudo De Bom». Editora Matrix. Consultado em 20 de julho de 2020 
  39. Vigna, Elvira. «O que deu para fazer em matéria de história de amor». Jornal Rascunho. Consultado em 20 de julho de 2020 
  40. Vigna, Elvira (2010). «5 mil toques é tudo o que ele tem a dizer - a voz de Paulo do romance Nada a dizer». Suplemento Pernambuco: p. 13. Consultado em 20 de julho de 2020 
  41. Vigna, Elvira (2010). «No momento que a viagem não nos move». Suplemento Pernambuco (53): p. 24. Consultado em 20 de julho de 2020 
  42. Vigna, Elvira. «Eles têm a chave uns dos outros». Suplemento Pernambuco (60): p. 20-21. Consultado em 20 de julho de 2020 
  43. Vigna, Elvira (18 de setembro de 2011). «Retrato em cores frias». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de julho de 2020 
  44. Vigna, Elvira (2012). «Lugares, talvez um fim para contar». Suplemento Pernambuco (71): p. 4-5. Consultado em 20 de julho de 2020 
  45. «La invención de la realidad» (em espanhol). Ediciones Cal y Arena. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de junho de 2020 
  46. «A Copa de 1990». e-galáxia. Consultado em 20 de julho de 2020 
  47. «Narrar San Pablo». Eduvim. Consultado em 20 de julho de 2020 
  48. «The book of Rio». Comma Press. Consultado em 20 de julho de 2020 
  49. Vigna, Elvira (16 de fevereiro de 2015). «Pra quem é doente do pé: 'Depois de tudo'». O Globo. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2015 
  50. Vigna, Elvira (2015). «In writing». Wasafiri (em inglês) (82). Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 14 de junho de 2017 
  51. Vigna, Elvira (11 de agosto de 2014). «Por escrito». Revista Pessoa. Consultado em 20 de julho de 2020 
  52. «'Pulando amarelinha com a Eneida de Virgílio', de Elvira Vigna». SP Review. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2015 
  53. Vigna, Elvira (2015). «Deve ter sido assim». Suplemento Pernambuco (118): p. 14-15. Consultado em 20 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]