Emília Tércia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emília Tércia
Nascimento 230 a.C.
Roma
Morte Século II a.C.
Roma
Cidadania Roma Antiga
Progenitores Pai:Lúcio Emílio Paulo
Cônjuge Cipião Africano
Filho(s) Cornélia Africana
Emília Tércia no "Promptuarii Iconum Insigniorum"

Emília Tércia, também conhecida como Emília Paula c. 230–163 ou 162 A.C.[1]), foi a esposa do cônsul romano e censor Cipião Africano. Ela era, possivelmente, a terceira filha, do cônsul - Lúcio Emílio Paulo e a irmã do cônsul Lúcio Emílio Paulo Macedonico.[2]

A família e o nome[editar | editar código-fonte]

O nome de Emília deriva seu nome de família (nomen), a gens Emília sendo uma das cinco famílias patrícia mais importantes. As mulheres do Meio República habitualmente usavam o nome de seu pai e o nome da família, por vezes, eram distinguidas pela sua ordem de nascimento. Assim como os homens chamados Quintus ("o Quinto") ou Sextus ("Sexto"), embora o nome Tércia pode nem sempre significar que uma mulher tinha duas irmãs mais velhas. Valério Máximo[3] dá o seu nome como Tércia Emília", a esposa de Cipião o Africano e a mãe de Cornelia."[4] Emília não é conhecida por ter duas irmãs mais velhas, mas por ter duas irmãs mais novas, que por vezes, são mais notáveis para o registro histórico do que a mais velha. As filhas de Emília foram Cornelia Africana Maior e Cornelia Africana Menor, a mais jovem que era muito mais famosa do que sua mãe ou sua irmã mais velha.

O casamento com Cipião[editar | editar código-fonte]

O casamento de Emília Tércia com Cipião o Africano teve lugar no mais tardar,em 215 a.C.[5] Eles foram muito felizes no casamento, de acordo com Lívio, Políbio e outros historiadores. Tiveram dois filhos e duas filhas, a mais nova, sendo a famoso Cornélia, ´´Mãe dos Gracco´´.

Personagem Emília[editar | editar código-fonte]

Emília Tércia é retratada como sendo ferozmente leal a seu marido.[6] O historiador grego Políbio , que estava vivendo na casa de seu irmão Lucio Emílio Paulo Macedonico por algum tempo, e que quase certamente foi uma testemunha ocular, escreveu Emília Tércia:

"Essa senhora, cujo nome era Emília, usado para exibir grande magnificência, sempre que ela deixava sua casa para tomar parte nas cerimônias que as mulheres participavam, para além da riqueza de seu próprio vestido e a decoração de seu transporte, todas as cestas, copos e outros utensílios usados para o sacrifício eram de ouro ou de prata, e foram usados em todas ocasiões solenes, .. e o número de empregadas domésticas e servos no atendimento era correspondentemente grande. (Políbio, traduzido por John Dryden, Livro 31 De Fragmentos: 26)[7]

Esta passagem mostra que, para esse período, durante a República, Emília Tércia tinha muita liberdade e riqueza, ambos dado a ela por um marido excessivamente liberal . Ela é uma das poucas mulheres romanas conhecidos por nós, deste período . Devido a sua invulgar riqueza e a liberdade, e seu próprio comportamento, ela exerceu um importante papel de modelo para muitas jovens mulheres romanas, assim como sua filha, Cornelia (190-121 BC), teria um importante papel de modelo para muitas mulheres nobres na república romana, incluindo supostamente, Aurélia Cota, a mãe de Júlio César.[8]

De acordo com outras fontes,[9] Emília era gentil, bem educada, mas também ferozmente leal a seu marido. Valério Máximo relata um incidente onde Cipião foi infiel a ela com uma de suas servas, mas Emília optou por não tornar o assunto público. Valério Máximo e Plutarco teria considerado tal comportamento como honroso para Cipião. O sexo era considerado, essencialmente feito para a procriação para os romanos que viveram na metade da república . O ano do incidente foi cerca de 191 a.C. ou mais tarde, no momento em que Emília estava grávida de seu filho mais novo ou tinham dado à luz recentemente. O fato de que Emília optou por não expor seu marido (por Valerius Maximus), poderia indicar um desejo de poupá-lo do constrangimento ou seu desejo em evitar um constrangimento para ela mesma. Além disso, ao se divorciar de seu marido, uma mulher perdia a guarda de seus filhos e, geralmente, tinha de voltar para a sua casa. 

Fontes, tais como Políbio também enfatizam o seu amor pelo luxo e sua extravagância; ela dirigia uma carruagem especial para às mulheres, nas procissões religiosas e contava com a presença de um grande número de servos. Uma fonte afirma que ela tinha um bom gosto para compras, apesar de suas extravagantes obras de arte.[10]

Morte de Cipião e consequências[editar | editar código-fonte]

Cipião, morreu em 183 a.C., depois de ter retirado-se para sua casa de campo em Liternum em 185 a.C. Durante seus últimos anos, ele escreveu suas memórias em latim e grego. 

De acordo com Políbio, Cipião havia feito generosas disposições para a sua viúva, para garantir que ela iria manter o mesmo estilo de vida que tinha se acostumado como sua esposa. Ele também deixou para suas filhas cinqüenta talentos de prata para cada uma, o que era um grande dote para os padrões da época.

Emília como uma viúva[editar | editar código-fonte]

Ela continuou seu estilo de vida luxuoso, apesar de sua viuvez, presumivelmente, tendo sido garantida uma generosa renda pelo seu marido. No entanto, devido à lex Voconia (que proibiu as mulheres de herdar muito ou passar a sua própria riqueza para mulheres) em 169 a.C., ela foi incapaz de dispor de seus bens como ela realmente queria. Em sua morte, seu herdeiro, automaticamente seu neto por adoção, Cipião Africano II, ou Cipião, o mais Jovem (mais conhecido para os Romanos como Cipião Emiliano).[11] 

Filhos[editar | editar código-fonte]

Emília Tércia e Cipião tiveram quatro filhos sobreviventes, dois filhos e duas filhas.

O filho mais velho, Públio Cornélio Cipião não era saudável o suficiente para buscar uma carreira militar ou política de carreira, e foi-lhe dada uma carreira religiosa em vez disso. Ele adotou seu primo de primeiro grau Públio Cornélio Cipião Emiliano como herdeiro. O filho mais jovem Lucio Cornélio Cipião tornou-se pretor em 174 a.C.

As duas filhas, Cornelia Maior e Cornelia Menor foram casadas duas vezes com dois cônsules e censores.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Dixon, Suzanne. "Polybius on Roman Women and Property, " The American Journal of Philology, Vol. 106, No. 2 (Summer, 1985), pp. 147-170.[1]. Google reference, not full article, retrieved 7 June 2007. The Dixon article claims that Aemilia died in 162 BC per her reading of Polybius. In Polybius The Histories Fragments of Book XXXI: 26-28, Aemilia's death and funeral, and Scipio Aemilianus's disposition of her effects are discussed, but no year is given for her death. However, her brother Lucius Aemilius Paulus Macedonicus is known to have died in 160 BC, and two years earlier, Scipio Aemilianus gave the remaining 50 talents owed the husbands of his adoptive paternal aunts. That transfer took place ten months after Aemilia's death, at which point he had given Aemilia's finery to his own mother. If Aemilius Paullus died in 160 BC, the money transfers took place in 162 BC and Aemilia died ten months earlier, either that year or in 163 BC.[2]
  2. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page 196
  3. Valerius Maximus, Memorable Deeds and Sayings 6.7.1-3. L; see Tertia Aemilia.
  4. Boccaccio, in On Famous Women, also refers to her as Tertia Aemilia, and in the biography as just "Tertia" (in Virginia Brown's translation, Harvard University Press, 2001, pp 153 - 154; ISBN 0-674-01130-9).
  5. Her second son Lucius was praetor in 174 BC. A praetor at this time must be at least 39 years old, so he was born no later than 213 BC.
  6. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page 24
  7. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page 188
  8. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page 205
  9. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page ii
  10. This claim is made by Michael Akinde on his website about Scipio, but he does not cite his source, be it Liddell-Hart or one of the classical historians.[3]
  11. Scipio Africanus: Soldier and Politician by H. H. Scullard Cornell University Press Ithaca, New York 1970 printed in England. Standard Book Number 8014-0549-1;
    Library of Congress Catalog Card Number 76-98158 H. H. Scullard, Scipio Africanus: Soldier and Politician, Thames and Hudson, London, 1970. ISBN 0-500-40012-1; page 238

Referências[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]