Emília Viotti da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 3 de novembro de 2017.)
Twemoji 1f464.svg
Emília Viotti da Costa
Nome completo Emília Viotti da Costa
Nascimento 10 de fevereiro de 1928
São Paulo, SP, Brasil
Morte 2 de novembro de 2017 (89 anos)
São Paulo, SP, Brasil
Nacionalidade Brasileira
Ocupação Historiadora e professora

Emília Viotti da Costa (São Paulo, 28 de fevereiro de 1928 — São Paulo, 2 de novembro de 2017) foi uma historiadora e professora brasileira.

Autora de vários livros, entre eles Da Senzala à Colônia, publicado pela Editora UNESP, que aborda a transição do trabalho escravo ao livre na zona cafeeira paulista e é considerado referência obrigatória para estudiosos do período.[1] O mesmo livro lançou novos rumos para a produção historiográfica brasileira dos últimos 30 anos. Foi gratificada com medalha de honra pelos seus feitos.[1]

Recebeu os títulos de professora emérita nas universidades de São Paulo e Yale.

Carreira[2][editar | editar código-fonte]

Emília Viotti da Costa finalizou em 1954 a graduação em história na Universidade de São Paulo, onde permaneceu até o doutorado.[3]

Em 24 de junho de 1999 recebeu o título de professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, onde foi professora de 1964 a 1969, quando foi aposentada pelo AI-5.[1]

O episódio aconteceu pela resistência dos intelectuais de esquerda ao regime político implantado com o golpe de Estado de 1964. A ditadura militar não perdoou, especialmente, o engajamento da professora contra a reforma universitária de 1968.[3]

Depois de proferir a aula inaugural com um tema sobre A crise da Universidade e debater o mesmo assunto em um programa de televisão com o ministro da educação Tarso Dutra, a mais jovem professora foi presa em 1969, juntamente com outros colegas, e posteriormente aposentada compulsoriamente da USP,[3] onde mais tarde passou a fazer parte do conselho consultivo.[4]

A partir de 1973 passou a atuar nos Estados Unidos, onde até 1999 foi professora de história da América Latina na Universidade de Yale e, posteriormente, recebeu o título de professora emérita.[1][2][5] Também foi professora nas universidade Tulane e Illinois[5]

Livros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Folha de S.Paulo. (24 de junho de 1999). Emília Viotti vira emérita da USP
  2. a b Folha Online. (7 de setembro de 2000). Emília Viotti discute a imagem da mulher na USP, acesso em 19 de junho de 2010
  3. a b c Universidade Federal de São Carlos. (2006). Inventários - Coleção Emília Viotti da Costa, acesso em 19 de junho de 2010
  4. Universidade de São Paulo. (23 de fevereiro de 2001) Conselho Consultivo faz primeira reunião em março, acesso em 19 de junho de 2010
  5. a b Conexão Professor. Entrevista Emília Viotti da Costa - referência na historiografia brasileira, acesso em 19 de junho de 2010
  6. a b c d e f Conexão Professor. Por que a monarquia foi derrubada sem que ninguém pegasse em armas para defendê-la?, acesso em 19 de junho de 2010
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.