Em Nome da Razão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em nome da razão - Um filme sobre os porões da loucura
 Brasil
1979 •  pb •  25 min 
Direção Helvécio Ratton
Roteiro Helvécio Ratton
Gênero Filme documentário
Página no IMDb (em inglês)

Em nome da razão é um documentário brasileiro de 1979 do cineasta Helvécio Ratton.

O documentário é todo filmado em preto e branco, mostrando o cotidiano dos pacientes internados no Hospital Colônia de Barbacena.[1]. O documentário mostra relatos de pacientes sobre a realidade no Hospital, possui como técnica cinematográfica o documentário denúncia, que evidencia, através da edição de depoimentos uma determinada realidade social. O filme foi recebido pela crítica à época como uma contribuição àquilo que surgiu posteriormente como Movimento de Luta AntiManicomial. De acordo com a psicóloga Maria Estela Brandão Goulart o documentário fez história na luta contra os manicômios e todas as formas de violência no Brasil de 1979 que ressurgia da opressão e censura característicos do período da ditadura militar. Trata-se de um marco histórico da Reforma Psiquiátrica Brasileira, mas tem ainda hoje muito a dizer e poderia sob diversos ângulos encontrar sua atualidade no nosso cenário[2]. O diretor não se furta em fazer comentários durante o desenvolvimento das cenas, que mostram, por exemplo um interno no chão, quando o diretor denuncia a locução dizendo "...o ócio é absoluto[3] um conjunto de relatos de pacientes internos do o que ainda hoje existe nas clínicas particulares em Barbacena, que utilizam de métodos de encarceramento medicamentoso para tornar aqueles que eventualmente teriam chance de diminuir seu sofrimento mental

Referências

  1. «Em nome da razão - Um filme sobre os porões da loucura (1979)». Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  2. Maria Stella Brandão Goulart (Abril 2010). «Artigo: Em nome da razão: Quando a arte faz história». M. Imaculada M. Consultado em 13 agosto 2014 
  3. «Em nome da razão: Quando a arte faz história». Consultado em 20 de agosto de 2014