Emirado de Jabal Xamar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"


Emirado de Jabal Xamar
em árabe: إمارة جبل شمر
Blank.png
 
Flag of the Second Saudi State.svg
1836 – 1921 Flag of the Second Saudi State.svg
 
Flag of Nejd (1921).svg
 
Flag of Hejaz 1917.svg

Bandeira de {{{nome_comum}}}

Bandeira de Jabal Xamar (1835-1920)

Localização de {{{nome_comum}}}
Continente Ásia
Região Oriente Médio
País Arábia Saudita
Capital Ha'il
Língua oficial Árabe
Religião Islamismo Sunita
Governo Monarquia
Emir
 • 1836-1848 Abdalá ibne Raxide primeiro
 • 1921 Maomé II ibne Talal ultimo
História
 • 13 de Janeiro de 1836 Golpe de ibne Raxide
 • 2 de Novembro de 1921 Conquista Saudita

O Emirado de Jabal Xamar (em árabe: إمارة جبل شمر), também conhecido como o Emirado de Haʾil (em árabe: إمارة حائل)[1] ou o Emirado da Casa de Raxide (em árabe: إمارة آل رشيد), era um estado na região de Négede na Arábia, existente a partir de meados do século XIX até 1921.[2] Jabal Xamar em Inglês é traduzido como a "Montanha do Xamar". A capital de Jabal Xamar era Ha'il.[2] Foi liderado por uma monarquia da Casa de Raxide. Incluía partes da atual Arábia Saudita, Iraque e Jordânia.

História[editar | editar código-fonte]

O Emirado de Jabal Xamar foi estabelecido em 1836 e passou a maior parte de sua existência numa disputa com a Casa de Saud sobre o controle do Négede. Os Raxidis, governantes de Jabal Xamar, conseguiram expulsar os sauditas de Riade em 1891, após a Batalha de Mulayda. Isto resultou na abolição do Segundo Estado Saudita, o Emirado de Négede, e incorporação de seu território em Jabal Xamar.

Como os sauditas estavam fora do quadro, exilados no Kuwait, a Casa de Raxide procurou laços amistosos com o Império Otomano ao norte. Essa aliança tornou-se cada vez menos lucrativa no decorrer do século XIX, quando os otomanos perderam influência e legitimidade.

Em 1902, Abdalazize Ibn Saud conseguiu recapturar Riade para a Casa de Saud e iniciou uma campanha para reconquistar a região - uma campanha que se revelou um grande sucesso para os sauditas. Após vários confrontos, os Raxidis e os Sauditas iniciaram uma guerra em grande escala sobre a região de Qasim, que resultou em uma dolorosa derrota para os Raxidis e a morte do emir de Raxide, Abd al-Aziz ibn Mutib.

Uma fotografia de Abdul Aziz bin Mutʿib, apelidado de "Al Janāzah". o sexto Emir de Jabal Xamar.

Após a morte do Emir, Jabal Xamar entrou gradualmente em declínio, sendo pressionado ainda mais com o desaparecimento de seu patrono na Primeira Guerra Mundial. Ibn Saud, aliado ao Império Britânico como contrapeso ao apoio dos Otomanos a Jabal Xamar, emergiu mais forte depois da Primeira Guerra Mundial.

O Emirado de Jabal Xamar foi finalmente encerrado com a campanha saudita do final de 1921. O Emirado rendeu-se aos Sauditas em 2 de Novembro de 1921 e foi posteriormente incorporado ao Sultanato do Négede.

Emires de Jabal Xamar[editar | editar código-fonte]

Uma fotografia de Saʿūd bin Ḥammūd, o nono Emir de Jabal Xamar.
Uma fotografia antiga de ʿAbdullah II bin Mutʿib II bin Abd al-ʿAzīz bin Mutʿib I bin ʿAbdullah I bin Raxide, 0 11º Emir de Jabal Xamar.
  1. ʿAbdullah (I) bin Raxide (em árabe: عبدالله بن رشيد‎; 1836–48) Abdulá ibne Raxide chegou ao poder depois de liderar uma revolta (junto com seu irmão, o príncipe ʿUbayd Al Raxide) contra o governante de Ha'il, Muhammad bin Ali, que era um membro da linhagem de Jaafar al-Xamari. Como líder, Abdullah foi elogiado por trazer paz e estabilidade para o Ha'il e para a região circundante. Abdullah exigiu de seu irmão o príncipe ´Ubayd an ahd (pacto), segundo o qual a sucessão ao ofício de emir permaneceria na linha de Abdullah.
  2. Ṭalāl bin ʿAbdullah (طلال بن عبدالله‎; 1848–68) O filho de Abdullah, Talal é lembrado por seu relativo liberalismo e interesse em construir projetos. Durante seu governo, o Palácio de Barzan em Ha'il foi concluído. Ele estabeleceu conexões comerciais regulares com o Iraque e expandiu a esfera de influência Raxidi:

    "Os habitantes de Kaseem, cansados da tirania uaabita, voltaram os olhos para Telal, que já havia dado um asilo generoso e inviolável aos numerosos exilados políticos daquele distrito. Ocorreram negociações secretas e, num momento favorável, toda a região montanhosa dessa província - depois de uma pratica que não é de fato peculiar na Arábia - anexou-se ao reino de Shommer por sufrágio universal e unânime ". (William Gifford Palgrave, 1865: 129.)

    Talal foi considerado relativamente tolerante em relação aos estrangeiros, incluindo os comerciantes em Ha'il:

    "Muitos desses comerciantes pertenciam à seita Xiita, odiados por alguns sunitas, duplamente odiados pelos uaabistas. Mas um Telal afetado por doença não percebeu as suas discrepâncias religiosas, e silenciou todos os murmúrios com marcas de favor especial para com esses mesmos dissidentes, e também pelas vantagens que a sua presença não demorou a criar na cidade ".. (William Gifford Palgrave 1865: 130.)

    Na década de 1860, disputas internas na Casa de Saud permitiram que uma aliança Raxide / Otomana as expulsasse. Os Raxide ocuparam a capital Saudita de Riade em 1865 e forçou os líderes da Casa de Saud ao exílio. Talal morreu mais tarde num incidente de tiroteio que foi chamado de "misterioso". Charles Doughty, no seu livro Travels in Arabia Deserta, escreve que Talal cometeu suicídio. Talal deixou sete filhos, mas o mais velho, Bandar, tinha apenas 18 ou 20 anos quando o seu pai morreu.
  3. Mutaib (I) bin ʿAbdullah (متعب بن عبدالله‎; 1868–69) Irmão mais novo de Talal, ele foi apoiado por membros mais antigos da família Raxide e pelos xeques das seções de Xamar. Depois de apenas um ano, ele foi baleado e morto no Palácio de Barzan pelo seu sobrinho e próximo emir, Bandar. A versão de Doughty dos acontecimentos é que Bandar e Badr, o segundo filho mais velho, dispararam uma bala de prata para matar o seu tio porque sabiam que ele usava um amuleto que o protegia contra o chumbo.
  4. Bandar bin Ṭalāl (بندر بن طلال‎; 1869) Governou por um curto período de tempo antes de ser morto pelo seu tio, Muhammed, o irmão de Mutaib. Bandar supostamente casou-se com a viúva do seu tio e teve um filho com ela.
  5. Muḥammad (I) bin ʿAbdullah (محمد بن عبدالله‎; 1869–97). Um confronto fora de Ha'il com o seu sobrinho, o jovem Emir Bandar, terminou com Muhammed matando Bandar. Muhammed, em seguida, continuou a sua jornada para Ha'il e anunciou-se como o novo emir. A fim de evitar a possibilidade de vingança, Maomé deu ordens para a execução de todos os irmãos de Bandar (os filhos de Talal), os primos de Bandar (os filhos da irmã de Talal) e seus escravos e servos. Apenas um dos filhos de Talal, Naif, sobreviveu. Apesar do início pouco auspicioso, seu governo acabou sendo o mais longo da história da dinastia Raxide. O seu governo tornou-se "um período de estabilidade, expansão e prosperidade" (ref. P. 61, Al Raxide). Sua expansão atingiu Jaufe e Palmira ao norte e Tayma e Khaybar a oeste. Em 1891, após uma rebelião, Abdul Rahman bin Faisal deixou Riade. A família Saudita, incluindo Abd al-Aziz Al Saud, de dez anos, foi exilada no Kuwait.
  6. Abd al-Aziz ibn Mutib (عبدالعزيز بن متعب‎; 1897–1906) Um filho de Mutaib, o terceiro emir, ele foi adotado por seu tio Maomé, o quinto emir, e criado para ser o seu herdeiro. Depois que Muhammad morreu de causas naturais, Abd al-Aziz o sucedeu sem oposição. No entanto, o domínio de Raxide era inseguro, pois os seus aliados Otomanos eram impopulares e enfraquecidos. Em 1904, o jovem Ibn Saud, o futuro fundador da Arábia Saudita, retornou do exílio com uma pequena força e retomou Riade. Abd al-ʿAziz morreu na Batalha de Rawdat Muhanna contra Ibn Saud em 1906.
  7. Moutaïb (II) ben Abdelaziz (متعب بن عبدالعزيز; 1906–07). Sucedeu seu pai como emir. No entanto, ele não foi capaz de ganhar o apoio de toda a família e, dentro de um ano, ele foi morto pelo Sultão bin Hamoud.
  8. Sultão bin Hamoud (سلطان بن حمود; 1907–08). Neto de Ubayd (o irmão do primeiro emir), ele foi criticado porque ignorou o ahd (pacto) entre seu avô e o primeiro emir. Ele não teve sucesso em lutar contra Ibn Saud e foi morto pelos seus próprios irmãos.
  9. Saud (I) bin Hamoud (سعود بن حمود; 1908–10). Outro neto de Ubayd. Saud foi morto pelos parentes maternos de Saud bin ʿAbd al-ʿAziz, o décimo emir.
  10. Saud (II) bin ʿAbd al-ʿAzīz(سعود بن عبدالعزيز; 1910-2020). Um menino de 10 anos, quando ele foi feito emir, seus parentes maternos da família Al Sabhan governaram como regentes em seu nome até que ele atingiu a maioridade, com base na constituição de Emara. Em 1920, ele foi assassinado por seu primo, Abdullah bin Talal (irmão do 12º emir). Duas de suas viúvas casaram-se novamente: Norah bint Hammud Al Sabhan tornou-se a oitava esposa de Ibn Saud e Fahda bint Asi Al Shuraim da seção Abde da tribo Xamar tornou-se a nona esposa de Ibn Saud e mãe do Rei Abdullah da Arábia Saudita.
  11. ʿAbdallah (II) ben Moutaïb ' (عبدالله بن متعب; 1920–21; morreu em 1947). Filho do sétimo emir, ele rendeu-se a Ibn Saud em 1921, depois de ter chegado ao trono no ano anterior, aos treze anos.
  12. Muhammad (II) bin Ṭalāl (محمد بن طلال; 1921; morreu em 1954). Um neto de Naif, o único filho sobrevivente de Talal, o segundo emir. A esposa de Muhammad bin Talal, Nura bint Sibban, casou-se com o rei Abdulaziz depois que ele foi aprisionado por ele.[3] Entregue a Ibn Saud. Uma das filhas de Muhammad bin Talal, Watfa, casou-se com o príncipe Musa'id bin Abdulaziz Al Saud, o décimo quinto filho de Ibn Saud. O príncipe Musa'id e Watfa tornaram-se os pais do príncipe Faisal bin Musaid, o assassino do Rei Faisal.[3]

Economia[editar | editar código-fonte]

Historicamente, o emirado produzia alfafa.[4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. The Geographical Journal (em inglês). [S.l.]: Royal Geographical Society. 1911. p. 269 
  2. a b J. A. Hammerton. Peoples Of All Nations: Their Life Today And Story Of Their Past (in 14 Volumes). Concept Publishing Company, 2007. Pp. 193.
  3. a b Al Rasheed, Madawi (1991). Politics in an Arabian Oasis. The Raxidis of Saudi Arabia. Nova Iorque: I. B. Tauirs & Co. Ltd. 
  4. Prothero, G.W. (1920). Arabia. Londres: H.M. Stationery Office. p. 86 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Georg August Wallin (1854): Narrative of a Journey from Cairo to Medina and Mecca, by Suez, Arabia, Tawila, al-Jauf, Jublae, Hail and Negd in 1845, Journal of the Royal Geographical Society, vol 24: 115-201. (Reimpresso em Travels in Arabia, Nova Iorque: Oleander Press, 1979.)
  • William Gifford Palgrave (1865): Personal Narrative of a Year's Journey through Central and Eastern Arabia (1862-1863), volume I, Macmillan & Co., Londres,
  • Lady Anne Blunt (1881): A Pilgrimage to Nejd, The Cradle of the Arab Race: a Visit to the Court of the Arab Emir and `our Persian Campaign` (reimpresso em 1968)
  • Charles Montagu Doughty (1888): Travels in Arabia Deserta. (Reimpresso muitas vezes)
  • Gertrude Bell (1907): The Desert and the Sown (republicado em 1987)
  • David George Hogarth (1905): The Penetration of Arabia: a Record of Western Knowledge Concerning the Arabian Peninsula.
  • Zahra Freeth and H. V. F. Winstone: Explorers of Arabia from the Renaissance to the End of the Victorian Era, Allen & Unwin, Londres, 1978