Emma Mærsk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emma Mærsk
Emma Mærsk2.jpg
Emma Mærsk (setembro 2006).
Carreira  Dinamarca
Proprietário A.P. Moller-Maersk Group [1]
Operador Maersk Line
Lançamento 18 de maio de 2006
Viagem inaugural 8 de setembro de 2006
Porto de registo Taarbæk, Dinamarca
Estado Em operação
Características gerais
Classe porta-contêineres
Tonelagem 170 974 bt
Largura 56 m
Maquinário Wartsila Sulzer RTA96-C, pesando 2 300 t[2]
Comprimento 397 m
Propulsão 108 920 hp a 102 rpm
Velocidade 25,5 nós
Carga 15 000 TEU

O Emma Mærsk é um navio porta-contentores dinamarquês. É a maior embarcação do mundo desde 2010[3], quando começou a ser desmontado na Índia o superpetroleiro Knock Nevis que ostentava esta marca anteriormente.

O Emma Mærsk é o navio líder da Classe Mærsk E, que é composta por 8 navios com as mesmas características.[4]

O nome do navio é uma homenagem a Emma Mc-Kinney Møller esposa de Mærsk Mc-Kinney Møller sócio do grupo empresarial A.P. Moller-Maersk.[5]

Características[editar | editar código-fonte]

Quadro comparativo de tamanho.

Com seus 397 metros de comprimento e 56 metros de boca, pode transportar cerca de 15 mil conteiners de 20 pés.[1]

O Emma Maersk é de bandeira dinamarquesa, está em atividade desde setembro de 2006 atuando na rota da Ásia à Europa.

A pintura de seu casco a base de silicone, reduz a resistência da água e com isso é economizado cerca de 1,2 milhão de litros de combustível por ano.[1]

Possui 11 gruas para o auxilio de carregamento e descarregamento.

Acidente[editar | editar código-fonte]

O navio foi construído no estaleiro Odense Staalskibsværft localizado no município de Odense na Dinamarca. Durante a construção em consequência de uma operação de soldagem, a ponte de comando do navio pegou fogo, que se alastrou para outros pisos inclusive as cabines. O incêndio de grandes proporções foi extinto por bombeiros locais e tripulantes. O acidente ocasionou um atraso na entrega da embarcação.[6][5]

História[editar | editar código-fonte]

Emma Mærsk foi construída no Odense Steel Shipyard na Dinamarca . Em junho de 2006, durante a construção, o trabalho de soldagem causou um incêndio dentro da superestrutura.  Ele se espalhou rapidamente pela seção de acomodação e ponte, o que atrasou sua conclusão em seis a sete semanas.

Ela foi nomeada em uma cerimônia em 12 de agosto de 2006, depois da esposa de Mærsk Mc-Kinney Møller , Emma. Ela partiu em sua viagem inaugural em 8 de setembro de 2006 às 02:00 horas de Aarhus , visitando Gotemburgo , Bremerhaven , Roterdã , Algeciras , o Canal de Suez e chegou a Cingapura em 1 de outubro de 2006 às 20:05 horas. Ela viajou no dia seguinte para Yantian em Shenzhen , depois em Kobe , Nagoya , chegando a Yokohama em 10 de outubro de 2006 e retornando por Shenzhen, Hong Kong ,Tanjung Pelepas , o Canal de Suez , Felixstowe , Roterdão, Bremerhaven, Gotemburgo para Aarhus, chegando em 11 de novembro de 2006 às 16:00 horas. 

Ela apareceu nas manchetes antes do Natal de 2006, quando foi apelidada de SS Santa, porque ela estava obrigada para o Reino Unido da China carregada com mercadorias de Natal. A viagem de retorno para o sul da China foi carregada com resíduos do Reino Unido para reciclagem . 

Sua aparição na notícia levou a Administração Estatal de Proteção Ambiental na China a prometer "observar de perto o progresso da investigação sobre o despejo de lixo no sul da China pela Grã-Bretanha". Funcionários do Ministério acrescentaram que nenhuma aprovação oficial foi dada a qualquer empresa na área para importar resíduos. 

Em 2008, o navio apareceu em um episódio da série documental de televisão Mighty Ships , durante uma viagem entre a Malásia e a Espanha. 

Em 2011, o Banco Nacional da Dinamarca emitiu uma moeda comemorativa de 20 DKK para ela. 

Indo para o leste em 1 de fevereiro de 2013, sofreu um propulsor de popa danificado e tomou tanta água no canal de Suez que ela tornou-se irrefutável. Reboques, âncoras e o vento  levou-a para Port Said para descarregar 13.500 contentores, drená-la e ser investigada por mergulhadores. Ela não estava em perigo de afundar. 

Em 15 de fevereiro de 2013, a Maersk Line confirmou que estava prestes a deixar Port Said sob reboque para um quintal para posterior avaliação e reparo.  No dia 25 de fevereiro, chegou ao pátio de Palermo , na Sicília, onde estava programada para ficar por quatro meses.  Em agosto de 2013, ela estava em serviço novamente  após um reparo de 250 milhões de DKK (cerca de US $ 44,5 milhões). 

Referências

  1. a b c «Emma Maersk / Container vessel specifications» (em inglês). Maersk Line. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  2. «Wartsila Sulzer RTA96-C / Engine» (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2012 
  3. «World's Biggest Engine - Most Powerful Engine – Emma Maersk's $170 Million Investment - and World's Largest Ship» (em inglês). HubPages Inc. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  4. «Emma Maersk - Container Ship» (em inglês). ship-technology. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  5. a b «Emma Maersk / History» (em inglês). Maersk Line. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  6. John Konrad (5 de abril de 2011). «Emma Maersk – The Secret Story of Building The World's Largest Container Ship» (em inglês). gCaptain. Consultado em 1 de agosto de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Emma Mærsk