Emmanuel Petit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emmanuel Petit
Emmanuel Petit
Petit no Barcelona
Informações pessoais
Nome completo Emmanuel Laurent Petit
Data de nasc. 22 de setembro de 1970 (46 anos)
Local de nasc. Dieppe, França
Altura 1,85 m
Apelido Manu
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Meia
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1988–1997
1997–2000
2000–2001
2001–2004
França Monaco
Inglaterra Arsenal
Espanha Barcelona
Inglaterra Chelsea
0292 0000(5)
0116 000(11)
0038 0000(1)
0076 0000(3)
Seleção nacional
1990–2003 Bandeira da França França 0063 0000(6)

Emmanuel Laurent Petit (Dieppe, 22 de setembro de 1970) é um ex-futebolista francês que jogou duas Copas do Mundo: 1998 e 2002. Era um médio-volante canhoto que tinha como principais marcas a raça e determinação, embora soubesse bem o que fazer com a bola nos pés. Atuou também nas posições de zagueiro-central e lateral esquerdo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

AS Monaco[editar | editar código-fonte]

Petit começou sua carreira no ES Argues, antes de assinar com o Mônaco. Jogando como lateral-esquerdo e zagueiro-central sob o comando de Arsène Wenger, Petit ganhou a titularidade no clube do principado, vencendo a Copa da França em 1989 e 1991 e o Campeonato Francês em 1997.

Arsenal[editar | editar código-fonte]

No final da temporada 96/97, foi abordado pelo Arsenal, que era gerido pelo seu antigo treinador, o mesmo Wenger. "Manu", como era chamado, foi deslocado para o meio-campo, onde formou uma boa dupla com a então jovem promessa francesa Patrick Vieira. Em sua primeira temporada com o Arsenal, Petit foi campeão do Campeonato Inglês e da Copa da Inglaterra. Seu ponto alto foi um belo gol de fora da área contra o Derby County que determinou a vitória dos Gunners. Coroou o estupendo ano sendo campeão mundial com a França.

Emmanuel passou mais duas temporadas, não tão brilhantes, com o Arsenal. Na última, após ouvir insultos racistas da torcida do Aston Villa FC direcionados a Vieira, mostrou o dedo médio aos torcedores rivais, fato que lhe rendeu uma multa e uma suspensão. Após a vitória na Eurocopa 2000,

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Petit transferiu-se então para o Barcelona. Num meio-de-campo que contava com Philip Cocu, Josep Guardiola e Luis Enrique, Manu foi deslocado para a zaga e a lateral esquerda, sofrendo muito com a adaptação, sendo que à época jogava quase como meia-esquerda em sua seleção. Desentendendo-se com o técnico Serra Ferrer, sofrendo com lesões, Petit fez um único e solitário gol pelo Barcelona, contra 11 nas três temporadas pelo Arsenal.[1]

Chelsea[editar | editar código-fonte]

Finalmente, Petit voltou à Inglaterra para jogar em um dos rivais do Arsenal, o Chelsea. Fez uma primeira temporada não muito boa, chegou a fazer reclamações públicas a respeito das condições de trabalho do clube, e sua má participação na Copa 2002 foi o fim adequado para outra temporada esquecível. No entanto, Petit redescobriu seu futebol ao atuar ao lado de Frank Lampard na temporada 2002/2003, sendo mais uma vez uma peça importante do time. Manu teve atuação destacada na vitória de 2 a 1 contra o Liverpool FC que garantiu ao time participação na Liga dos Campeões da UEFA, vaga que o Chelsea não via desde antes de sua chegada.

No primeiro jogo do Chelsea pela Liga dos Campeões 03/04, Petit pediu substituição no intervalo. Posteriormente descobriu-se que havia sofrido uma lesão do ligamento cruzado, e passou todo o resto da temporada tentando recuperar-se da mesma. Em Julho de 2004, o Chelsea liberou-o para procurar outro clube. Enquanto treinava no Bolton, Petit descobriu que seu joelho necessitava de outra operação. O prognóstico médico alertava que ele talvez nunca mais recuperasse a forma e assim, com 35 anos, Emmanuel Petit aposentou-se.

Seleção nacional[editar | editar código-fonte]

Em sua passagem pela Seleção Francesa, Petit foi convocado para quatro competições: as Eurocopas de 1992 e 2000 e as Copas do Mundo de 1998 e 2002. Em 2002 teve atuação abaixo da média, falhando no gol da derrota para o Senegal e tomando dois cartões amarelos nos dois primeiros jogos, ficando de fora do terceiro. Mas em 1998 teve atuação destacadíssima, ganhando a vaga de titular numa disputa contra Christian Karembeu, Alain Boghossian e o próprio Patrick Vieira. Fez dois gols: um contra a Dinamarca, que foi o gol da vitória por 2 a 1, num poderoso chute de fora da área, e o terceiro gol contra o Brasil na retumbante vitória de 3 a 0 na final, num contra-ataque iniciado por ele e após tabelar com Vieira e Christophe Dugarry.

Petit se aposentou do selecionado após brigar com o treinador na derrota por 2 a 1 para a Romênia, em 2003. Ao total, fez 63 jogos e 6 gols.

Trívia[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde dezembro de 2009).
  • Petit foi o autor do cruzamento para o primeiro gol de Zinedine Zidane na final supracitada
  • Casado com a atriz Agathe de la Fontaine
  • Nas palavras do próprio Emmanuel "Todos pensam que aquele foi o momento mais feliz da minha vida, mas a emoção de marcar um gol no Brasil foi tanta que eu não soube o que fazer comigo mesmo. Eu não lembro de muita coisa depois de chutar em gol, o que é uma pena, afinal, era eu ali.". Sobre o terceiro gol sobre o Brasil em 1998.
  • O mesmo gol foi, diga-se, o milésimo da história da Federação Francesa de Futebol.
  • Petit comentou a Copa de 2006 por uma emissora de TV francesa.
  • Petit tem uma ligação íntima com o mesmo Brasil que derrotou na Copa de 1998. Seu tio, Christian, irmão de sua mãe, reside há cerca de 30 anos no Rio de Janeiro. Petit tem dois primos, Sylvie e Antony, cariocas.
  • Seu tio Christian passou pelas divisões de base do Monaco, durante as décadas de 1960/1970.

Referências

  1. «Perfil na soccerbase». Consultado em 13 de fevereiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]