Raciocínio emocional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Emocionalização)

Raciocínio emocional (diz-se também emocionalismo ou emocionalização) é um processo cognitivo que ocorre quanto uma pessoa acredita que o que ele ou ela está sentindo é verdadeiro independentemente de qualquer evidência apresentada.

O raciocínio emocional amplia o feito de outras distorções cognitivas. Por exemplo, alguém submetido a um teste pode se sentir inseguro sobre a sua compreensão do material, embora ela seja perfeitamente capazes de responder às perguntas. Se essa pessoa age com base na sua insegurança sobre a falha no teste escrito, ela pode assumir que não entende o material do teste e tentar adivinhar aleatoriamente respostas. Criando, assim, uma profecia autorrealizável da falha no teste.

Origem[editar | editar código-fonte]

Como conceito, o raciocínio emocional foi introduzido originalmente pelo psicólogo Aaron Beck.[1] Foi incluído como parte de um amplo tópico de pesquisa de Beck: distorções cognitivas e depressão. Para neutralizar qualquer ou todas as distorções cognitivas, Beck desenvolveu um tipo de terapia formalmente conhecida como terapia cognitiva, que tornou-se associado com a terapia cognitivo-comportamental.[2] Originalmente, o raciocínio emocional foi atribuído ao pensamento automático. Beck acreditava que o raciocínio emocional resultava de pensamentos negativos que eram incontroláveis e aconteciam sem esforço.[3] Este raciocínio tem sido comumente aceito ao longo dos anos. Mais recentemente, uma nova explicação afirma que um "agente de ativação" ou gatilho sensorial do ambiente aumenta a excitação emocional.[4] Com este aumento de excitação, certas áreas do cérebro são inibidas.[5] A combinação do aumento no estímulo emocional com a inibição de partes do cérebro leva à raciocínio emocional.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

References[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.beckinstitute.org/cognitive-behavioral-therapy/#q-n-a-71
  2. http://www.beckinstitute.org/history-of-cbt/
  3. http://www.beckinstitute.org/history-of-cbt/
  4. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 10 de outubro de 2015 
  5. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 10 de outubro de 2015 
  6. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 10 de outubro de 2015