Empiricus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Empiricus
Publicações
Atividade Publicações Financeiras
Fundação 2009[1]
Fundador(es) Caio Mesquita, Rodolfo Amstalden e Felipe Miranda
Sede Sao Paulo, SP,[1] Brasil
Empregados 200
Website oficial empiricus.com.br

A Empiricus é uma empresa brasileira fundada em 2009 e com sede em São Paulo, especializada em publicação de conteúdo financeiro e de ideias de investimentos.[2][1][3]

A empresa oferece publicações de diferentes conteúdos sobre investimentos, que vão desde ações, renda fixa, fundos imobiliários, fundos de investimentos, até criptomoedas.[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A empresa foi fundada em 2009 por dois professores universitários, Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden, após terem conhecido o ex-sócio da corretora Link, Marcos Elias. Os três decidiram empreender e convocaram Caio Mesquita, ex-diretor dos bancos Brascan e BNP Paribas.

Marcos saiu da sociedade em 2012 para se dedicar a outros negócios, enquanto Caio, Felipe e Rodolfo redobraram a aposta no conceito original de levar ideias de investimento para a pessoa física.

Em 2013, os fundadores da Empiricus negociaram uma sociedade com o grupo americano Agora, que reúne publicadoras de conteúdo financeiro em mais de 16 países. A aplicação local de regras de negócio provadas no mercado internacional contribuiu para o crescimento exponencial da base de seguidores da Empiricus de 2013 a 2018, que hoje se aproxima de 2 milhões de leitores gratuitos e 200 mil assinantes pagantes.[3]

Em novembro de 2017, o número de assinantes da empresa chegava a 180.000, tendo um aumento de seis vezes desde 2014. Em 2016, teve um faturamento de 154 milhões de reais. A empresa comprou metade do site O Antagonista em março de 2016 por 5 milhões de reais.[3]

No início de 2018, a Empiricus firmou parceria com a empresa de informações financeiras Quantum para criar um buscador e comparador de fundos.[5]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Vídeo de Bruno Gervasoni, gerente de Mercado de Capitais, acerca da Empiricus

A empresa é criticada por ter orientado seus clientes a investir na empresa de Eike Batista.[6] Em 2019, Bettina Rudolph, que trabalha na equipe publicitária da consultoria de investimentos Empiricus Research, virou meme de internet devido aos excessos publicitários da Empiricus.[7]

As atitudes controversas envolvendo a empresa não são recentes. O principal sócio da Empiricus, Felipe Miranda, agrediu um concorrente durante um evento público. No Latin America Investment Conference, promovido pelo banco de investimento Credit Suisse, em fevereiro de 2017, Miranda acertou uma cabeçada em Tiago Reis, um dos sócios da consultoria concorrente Suno Research, com quem já vinha se estranhando há vários meses nas redes sociais e trocado mensagens ofensivas pelo celular. Na ocasião, Reis, que registrou um boletim de ocorrência na delegacia contra Miranda, declarou que “não é segredo que sempre tivemos visões diferentes, sobretudo quanto às práticas de publicidade que existem no setor financeiro. Porém, até então, as discussões aconteciam no campo das ideias. Mas, assim como todos os presentes, fomos surpreendidos pelo ato de agressão física”[9].

Em março de 2019, a empresa possuía uma avaliação "regular" no site Reclame AQUI, quando 33,9% dos reclamantes disseram que voltariam a fazer negócios com a empresa.[10]

Prisão de ex-sócio[editar | editar código-fonte]

O ex-sócio, Marcos Elias, saiu da Empiricus em 2012, após discordância com os três sócios sobre o futuro da companhia. Em meados de 2013, o grupo americano The Agora comprou cinquenta por cento da companhia e implementou o atual modelo de negócios, focado na produção de conteúdo para pessoa física. [11] A partir de então, a Empiricus ganhou robustez e cresceu exponencialmente.

Em 2017, Elias entrou com uma ação na Justiça de São Paulo para pleitear ganhos obtidos pela Empiricus após a sua saída.[12] O pedido foi indeferido pela juíza Maria Carolina de Mattos Bertoldo, da 21a. Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julho de 2018.[13] No dia 5 de setembro de 2018, Marcos Elias, foi preso na Suíça sob acusação de ter desviado mais de 750 mil dólares. A investigação foi conduzida pelo FBI.[14]

Referências

  1. a b c «Plano da Empiricus de criar corretora atrai atenção de outras empresas». br.reuters.com 
  2. «Quem Somos | Empiricus». Empiricus 
  3. a b c «O que está por trás do impressionante crescimento da Empiricus - EXAME». exame.abril.com.br 
  4. «Empiricus Research: Private Company Information - Bloomberg». www.bloomberg.com (em inglês) 
  5. «Buscador diz tudo o que você precisa saber para aplicar em fundos». exame.abril.com.br. 12 de janeiro de 2018 
  6. «Empiricus e seus crimes que levam milionários à falência». Revista Fórum. 2 de agosto de 2014. Consultado em 17 de março de 2019 
  7. «Conhece a Bettina? Internet não perdoa "milionária das propagandas"». noticias.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2019 
  8. «Samy Dana declara guerra contra Bettina, a milionária do YouTube». chicobarney.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 18 de março de 2019 
  9. «A Empiricus é confiável? Veja polêmicas e promessas da casa de análises». IQ Brasil. 5 de abril de 2019. Consultado em 28 de maio de 2019 
  10. «Reclame AQUI:Empiricus». Reclame AQUI. Consultado em 17 de março de 2019 
  11. Rizério, Lara. «Grupo norte-americano Agora virá sócio da casa de research Empiricus». www.infomoney.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  12. «Ex-sócio e idealizador da Empiricus processa empresa | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  13. «Gestor Marcos Elias é preso acusado de fraude nos EUA». Valor Econômico 
  14. «Ex-sócio da Empiricus é preso pelo FBI por fraudes bancárias». ISTOÉ DINHEIRO. 5 de setembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]