Enel Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Enel Brasil
Razão social Enel Brasil S.A.
Empresa de capital fechado
Atividade Energia
Gênero Subsidiária
Fundação 2005 (17 anos)
Sede São Paulo, SP, Brasil
Proprietário(s) Enel
Presidente Nicola Cotugno
Produtos Energia elétrica
Subsidiárias Enel Distribuição Ceará
Enel Distribuição Goiás
Enel Distribuição Rio
Enel Distribuição São Paulo
Enel Green Power
Enel Geração Fortaleza
Enel Cachoeira Dourada
Enel Cien
Enel X
Antecessora(s) Endesa Brasil (2005-2015)
Website oficial www.enel.com.br

Controlada pelo grupo italiano Enel, a Enel Brasil é uma empresa brasileira do ramo de energia elétrica. A Enel Brasil S.A. centraliza as participações societárias do Grupo Enel no país.

História[editar | editar código-fonte]

Com o propósito de centralizar as participações societárias do grupo Enel no Brasil e criar, por meio de uma holding de empresas, uma plataforma sólida de gestão dos ativos que preparasse a companhia para futuras expansões, a Enel Brasil foi constituída em 2005.

Dois anos depois, em 2007, a Enel SpA, controladora indireta da Enel Brasil, iniciou a consolidação de sua participação sobre a holding brasileira. Por meio de uma oferta pública no exterior, a Enel SpA adquiriu a totalidade das ações de emissão da espanhola Endesa – na época acionista controladora indireta da Enel Brasil.

Com a aquisição de 92,06% do capital social e votante da Endesa, em 2009, o controle da Enel SpA sobre a Enel Brasil foi ampliado. E então, em 2014, a Enel SpA adquiriu – por meio de uma operação de compra e venda de ações – a participação da Endesa em sociedades na América Latina, o que incluiu a Enel Brasil. A partir desse momento, a empresa espanhola foi excluída da estrutura acionária no país.

Hoje, é a maior empresa privada de energia do país em número de clientes, chegando a mais de 18 milhões de unidades consumidoras e atingindo 20% de participação no mercado.

Subsidiárias da Enel Brasil[editar | editar código-fonte]

A Enel Brasil detém participações majoritárias em quatro distribuidoras de energia, três geradoras, uma transmissora e uma empresa de serviços. Juntas, elas representam aproximadamente 1% de toda a capacidade de geração de energia nacional e cerca de 8% do total de consumidores de energia do país.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Trata-se da maior distribuidora do país em número de clientes, chegando a atender 7,5 milhões de unidades consumidoras distribuídas em 24 cidades da região metropolitana de São Paulo, incluindo a capital paulista, um dos principais centros econômico-financeiros do Brasil e do mundo.

A companhia, anteriormente conhecida como Eletropaulo, foi adquirida em junho de 2018 pelo grupo Enel e, desde o dia 4 de dezembro de 2018, passou a se chamar Enel Distribuição São Paulo.

A Enel Distribuição Rio, fundada como CERJ e posteriormente renomeada como Ampla, atende 3 milhões de consumidores no Estado do Rio de Janeiro. Com isso, a Enel Rio presta serviço a uma população de 7,8 milhões de pessoas, distribuídas em 66 cidades do estado.

A ex-estatal Coelce hoje faz parte da Enel Brasil. A Enel Ceará distribui energia para  4,4 milhões de clientes em todos os 184 municípios do Ceará, sendo uma das maiores empresas de distribuição de energia do nordeste brasileiro.

A Enel Brasil adquiriu, em 2016, a CELG em leilão na B3.[1] A Enel Distribuição Goiás atende a  3,3 milhões de clientes e distribuí energia para 237 municípios no estado.

Ranking das distribuidoras[editar | editar código-fonte]

Ranking de Continuidade dos Serviços das distribuidoras elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL):[2]

Ano Subsidiária Indicador
de Desempenho
Global de
Continuidade (DGC)
Posição no
ranking (nº)
2018 [3] Enel Distribuição Ceará 0,73
Enel Distribuição São Paulo 0,89 25º
Enel Distribuição Rio 1,18 28º
Enel Distribuição Goiás 1,65 30º
2019 [4] Enel Distribuição São Paulo 0,80 15º
Enel Distribuição Ceará 1,09 26º
Enel Distribuição Rio 1,21 27º
Enel Distribuição Goiás 1,40 28º
2020 [5] Enel Distribuição São Paulo 0,88 15º
Enel Distribuição Ceará 1,24 28º
Enel Distribuição Rio 1,00 25º
Enel Distribuição Goiás 1,14 27º
2021[6] Enel Distribuição São Paulo 0,82 19º
Enel Distribuição Ceará 0,97 25º
Enel Distribuição Rio 0,86 23º
Enel Distribuição Goiás 1,23 27º

Transmissão[editar | editar código-fonte]

  • Enel Cien:

Controlada pela Enel, a Companhia de Interconexão Energética (Enel Cien) é responsável pela interligação, conversão e transmissão de energia do Brasil (que opera em frequência de 60 hertz) para a Argentina (frequência de 50 hertz), e vice-versa, possibilitando a integração energética no Mercosul.

A companhia é conectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e é formada pelas estações de interconexão energética Garabi I e II, ambas no município de Garruchos (RS), e por quatro linhas de transmissão que, juntas, somam cerca de 974 quilômetros.

No segmento de geração, a companhia também é o maior operador de energia solar e eólica do Brasil em termos de capacidade instalada, gerenciando ao todo uma capacidade renovável total de mais de 4,3 GW, dos quais mais de 1,8 GW são de fonte eólica, cerca de 1,2 GW são de fonte solar e cerca de 1,3 GW de hidro.[7]

  • Enel Geração Fortaleza

Integrante do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, localizado a 50 quilômetros da capital Fortaleza, a Enel Geração Fortaleza foi construída numa área de 70 mil metros quadrados.

Trata-se de uma usina que gera energia em um ciclo combinado de gás e vapor, com capacidade instalada de 326,6 MW, e que conta com uma linha de transmissão de 1,2 quilômetro em alta-tensão (230kV).  

Serviços[editar | editar código-fonte]

  • Enel X

É uma companhia que disponibiliza produtos e serviços personalizados nas áreas de infraestrutura elétrica, geração distribuída com energia solar, eficiência energética, automação e armazenamento de energia. Além disso, a empresa também oferece serviços de comercialização e cobrança em contas de luz.

A companhia tem como objetivos impulsionar a mobilidade elétrica, o consumo consciente e eficiente de energia e a transição para um sistema energético global mais sustentável em benefício dos seus clientes.

Referências

  1. «Italiana Enel compra Celg por R$ 2,2 bi em 1ª privatização sob Temer - 30/11/2016 - Mercado». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de maio de 2019 
  2. «Ranking da Continuidade». Agência Nacional de Energia Elétrica. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  3. «Ranking da Continuidade do Serviço 2018». Agência Nacional de Energia Elétrica. 2019. Consultado em 18 de junho de 2020 
  4. «Ranking da Continuidade do Serviço 2019». Agência Nacional de Energia Elétrica. 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  5. «Qualidade no fornecimento de energia em 2020 alcança melhor resultado». AID. 15 de março de 2021. Consultado em 26 de março de 2021 
  6. «ANEEL divulga desempenho e ranking das distribuidoras sobre fornecimento de energia em 2021». https://www.gov.br. 16 de março de 2022. Consultado em 10 de maio de 2022 
  7. Prodweb. «Enel Group realiza webinar global com foco em negócios inclusivos • notícias • plurale em site: ação, cidadania, ambiente». PLURALE. Consultado em 3 de janeiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]