Enrico Letta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Enrico Letta
Primeiro-ministro da Itália
Período 27 de abril de 2013
a 22 de fevereiro de 2014
Presidente Giorgio Napolitano
Antecessor Mario Monti
Sucessor Matteo Renzi
Ministro do Desenvolvimento Econômico da Itália
Período 22 de Dezembro de 1999
10 de Junho de 2001
Primeiro-ministro Massimo D'Alema
Giuliano Amato
Antecessor Pier Luigi Bersani
Sucessor Antonio Marzano
Dados pessoais
Nascimento 20 de agosto de 1966 (53 anos)
Pisa, Itália
Nacionalidade  Itália
Progenitores Mãe: Anna Banchi
Pai: Giorgio Letta
Alma mater Universidade de Pisa
Scuola Superiore Sant'Anna
Cônjuge Gianna Fregonara
Partido Partido Democrático
Profissão cientista político
Website www.enricoletta.it

Enrico Letta (Pisa, 20 de agosto de 1966) é um político italiano, foi primeiro-ministro de seu país, de 2013 até 2014.[1]

Já ocupou em diversas legislaturas uma assento parlamentar na Câmara dos Deputados da Itália. É filiado ao Partido Democrático (PD), já tendo sido seu vice-presidente.[2] Enrico Letta, de centro-esquerda, é sobrinho de Gianni Letta, político de primeiro escalão do partido O Povo da Liberdade (PDL), coalizão política de centro-direita. Tomou posse o cargo de primeiro-ministro da Itália em 28 de abril 2013 como novo chefe de governo e comandará um gabinete de coalizão com o PDL, grupo do ex-premiê Silvio Berlusconi, e sucederá o tecnocrata Mario Monti.[3]

Carreira politica[editar | editar código-fonte]

Enrico Letta tem doutorado em Direito Comunitário, e está na política desde 1990, ano em que conheceu o seu mentor, Beniamino Andreatta, ministro democrata-cristão que o levou para o seu gabinete no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Trabalhou depois com o antigo Presidente Carlo Azeglio Ciampi na comissão para o euro.

Vice-presidente do Partido Popular, que sucedeu à democracia cristã, integrou o primeiro Governo de centro-esquerda de Massimo D'Alema, em 1998, como ministro das Políticas Comunitárias. Será depois ministro da Indústria e do Comércio. Em 2006, é escolhido por Romano Prodi para o vital lugar de subsecretário de Estado da Presidência do Conselho, sucedendo a seu tio, Gianni Letta, o “braço direito” de Silvio Berlusconi. Devolverá o lugar ao tio dois anos depois, na sequência da derrota do centro-esquerda e do regresso do “Cavaliere”. Foi a seguir deputado europeu pela coligação A Oliveira (centro-esquerda).

Em 2007, é um dos fundadores do Partido Democrático, que reúne três famílias políticas: pós-comunistas, democratas cristãos e centristas liberais, sendo eleito para o secretariado. Em 2009, foi eleito vice-secretário nacional, o “número dois” do partido, a seguir a Pier Luigi Bersani.[4]

Enrico Letta é membro do comitê europeu da Comissão Trilateral, um grupo de interesse de orientação neoliberal fundado em 1973 por David Rockefeller, faz parte do comitê executivo do Instituto Aspen na Itália e em 2012 participou da reunião do Clube de Bilderberg, em Chantilly, nos Estados Unidos.[5]

Enrico Letta é casado com a jornalista do Corriere della Sera, Gianna Fregonara, com quem tem três filhos.

Em 24 de abril de 2013 foi convidado pelo presidente de Itália, Giorgio Napolitano, a formar um governo de coalizão.[2] Em 27 de abril 2013 foi apresentado pelo presidente italiano como o novo Primeiro-ministro da Itália.[6]

Em 13 de fevereiro de 2014 apresentou a sua demissão,[1] em consequência de a direção do seu partido, o Partido Democrata ter aprovado a formação de um novo governo.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Enrico Letta

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Mario Monti
Primeiro-ministro de Itália
2013 - 2014
Sucedido por
Matteo Renzi