Entelequia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Entelequia 1 ou enteléquia2 (do grego ἐντελέχεια, transl. entelékheia, de en, 'dentro' + telos, 'finalidade': entelos, 'finalidade interior' + echein,‘ter’; pelo latim entelechīa-), na filosofia aristotélica, é a realização plena e completa de uma tendência, potencialidade ou finalidade natural, concluindo um processo transformativo de todo e qualquer ser animado ou inanimado do universo. É o ser em ato, isto é, plenamente realizado, em oposição ao ser em potência.

Aristóteles fala de 'entelequia' em contraposição à teoria platônica das ideias e defende que todo ente se desenvolve a partir de uma causa final interna a ele - e não, como afirmava Platão, por razões ideais externas. Entelequia seria portanto a tensão de um organismo para se realizar segundo leis próprias, passando da potência ao ato.3

A palavra foi também usada por Leibniz para significar as substâncias simples, as mónades criadas.

Referências

  1. "Entelequia". Infopédia. Porto: Porto Editora
  2. Dicionário Houaiss. "Enteléquia"
  3. Aristóteles se refere a algo que tem a "vida em potência" (De Anima, II, 412, a27-b1).

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.