Entre Segredos e Mentiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


All Good Things
Entre Segredos e Mentiras (PT/BR)
Pôster original do filme.
 Estados Unidos
2010 • cor • 101 min 
Direção Andrew Jarecki
Produção Andrew Jarecki, Michael London, Bruna Papandrea e Marc Smerling
Roteiro Marcus Hinchey e Marc Smerling
Gênero Drama
Música Rob Simonsen
Cinematografia Michael Seresin
Edição David Rosenbloom e Shelby Siegel
Distribuição Magnolia Pictures (Estados Unidos)
The Weinstein Company (internacional)
Lançamento Estados Unidos 3 de dezembro de 2010
Brasil 21 de outubro de 2011
Orçamento US$ 20 milhões[1]
Receita US$ 644.535[2]
Página no IMDb (em inglês)

Entre Segredos e Mentiras (All Good Things, título original) é um filme lançado em 2010, de gênero drama, dirigido por Andrew Jarecki e protagonizado por Ryan Gosling e Kirsten Dunst. O filme foi inspirado na história real de Robert Durst, acusado de homicídio, e filmado entre abril e julho de 2008 em Connecticut e Nova Iorque.

Foi recebido de forma mista pelos críticos especializados e obteve uma baixa arrecadação nos cinemas, sendo mais bem sucedido como vídeo sob demanda.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Na cidade de Nova Iorque dos anos 70, David Marks, filho de uma poderosa família do mercado imobiliário, se casa com uma estudante sem posses, Katie McCarthy. Eles se mudam para o interior de Vermont para levar uma vida tranquila, mas David é pressionado pelo pai e retorna. Ele começa então a trabalhar no negócio da família e Katie a estudar medicina, enquanto o relacionamento dos dois é prejudicado pelas oscilações de humor dele, que se transformam em comportamento violento e controlador a medida que ela se torna mais independente. Os segredos da família passam a ser revelados quando Katie desaparece sem deixar pistas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O roteiro de Entre Segredos e Mentiras foi escrito por Marcus Hinchey e Marc Smerling, com a narrativa livremente inspirada nas experiências reais de Robert Durst, um herdeiro imobiliário cuja primeira esposa, Kathleen McCormack, desapareceu em 1982.[3] [4] O nome original do filme (All Good Things) é uma referência a uma loja de comidas saudáveis que pertencia a Robert e Kathleen nos anos 70.[3] Depois do roteiro estar finalizado e Andrew Jarecki ter concordado em dirigi-lo, Ryan Gosling e Kirsten Dunst foram acrescentados no projeto como protagonistas.[5] Em abril de 2008, The Weinstein Company fechou um acordo para distribuir o filme e seu orçamento foi estabelecido em 20 milhões de dólares.[6]

As filmagens começaram em abril de 2008 na cidade de Nova Iorque e em várias locações em Connecticut,[7] que foi escolhido por causa dos seus "incentivos fiscais e suas paisagens".[8] O diretor Andrew Jarecki afirmou que produzir o filme "foi menos sobre querer fazer uma narrativa vs. um documentário e mais sobre os méritos desse projeto em particular", e completou que "por ser impossível saber o que realmente aconteceu, nós não tentamos replicar a história, mas capturar as emoções e a complexidade de um mistério não resolvido".[9] [10] Ele gravou "centenas de horas de footage" de pessoas associadas a história real de Robert Durst, dizendo que "isso foi uma parte do processo. Talvez ainda acabe fazendo parte do DVD algum dia".[9]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

O filme estava originalmente previsto para ser lançado em 24 de julho de 2009,[11] mas foi diversas vezes adiado até ser finalmente liberado nos cinemas em 3 de dezembro de 2010.[10] Semanas antes, já havia sido lançado como vídeo em demanda, formato no qual arrecadou mais de quatro milhões de dólares até o início de janeiro de 2011.[1] Com um orçamento de 20 milhões de dólares, obteve US$ 644.535 nos cinemas, tendo sido lançado em apenas 35 salas.[2]

Foi recebido com resenhas geralmente mistas dos críticos especializados. O Rotten Tomatoes calculou uma média de 33% de aprovação, baseado em 98 críticas recolhidas, das quais 32 foram consideradas positivas e 66, negativas. Segundo o site, o consenso é que o filme "teve boas performances dos atores e a história em que é inspirado oferece bastante drama - motivo pelo qual é tão frustrante que All Good Things seja tão clichê e ambíguo".[12]

Referências

  1. a b George Prentice (5 de janeiro de 2011). A New Economic Model for Film?. Boise Weekly. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  2. a b All Good Things. Box Office Mojo. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  3. a b Rubinstein, Dana (8 de agosto de 2008). Ryan Gosling Is Robert Durst. The New York Observer. Página visitada em 15 de agosto de 2008.
  4. Jones, Leigh (22 de agosto de 2008). Movie based on Durst's wife's disappearance. The Galveston County Daily News. Página visitada em 25 de agosto de 2008.
  5. Siegel, Tatiana (20 de janeiro de 2008). Gosling, Dunst line up 'Good Things'. Variety. Página visitada em 13 de junho de 2008.
  6. Miller, Winter (9 de abril de 2008). Weinsteins welcome 'Good Things'. Variety. Página visitada em 13 de junho de 2008.
  7. Miller, Winter (3 de abril de 2008). 'Good Things' in store for Langella. Variety. Página visitada em 13 de junho de 2008.
  8. Benton, Elizabeth (31 de maio de 2008). Shelton bridge becomes movie set. New Haven Register. Página visitada em 13 de junho de 2008.
  9. a b Siegel, Tatiana (30 de janeiro de 2009). Documentary directors change gears. Variety. Página visitada em 31 de janeiro de 2009.
  10. a b Siegel, Tatiana (24 de agosto de 2010). Magnolia picks up Andrew Jarecki's 'All Good Things'. Los Angeles Times. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  11. Original Release Date. Film-Releases.com (2009). Página visitada em 25 de junho de 2010.
  12. All Good Things (2010). Rotten Tomatoes. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]