Enya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Enya (desambiguação).
Enya
Enyasweet.jpg
Enya
Informação geral
Nome completo Eithne Ní Bhraonáin
Também conhecido(a) como Rainha do New Age e A Estrela Invisível[1][2][3]
Nascimento 17 de maio de 1961 (55 anos)
Local de nascimento Gaoth Dobhair, Condado de Donegal
 Irlanda
Gênero(s) Instrumental
Celta
New age
World
Instrumento(s) vocal, piano, violino, harpa, teclado
Extensão vocal Meio-soprano
Período em atividade 1982 – atualmente
Gravadora(s) BBC, Atlantic, Warner Music, Geffen, Reprise
Afiliação(ões) Clannad
Moya Brennan
Brídín Brennan
Página oficial enya.com

Eithne Ní Bhraonáin, conhecida como Enya, (Gaoth Dobhair, 17 de maio de 1961) é uma cantora, instrumentista e compositora irlandesa. Enya é uma transliteração aproximada de como Eithne é pronunciado na língua irlandesa.

Começou sua carreira musical em 1980, e se juntou rapidamente à banda Clannad, de sua família, antes de sair para prosseguir com sua carreira solo. Através de seu álbum Watermark, que foi lançado em 1988, obteve reconhecimento internacional, com a ajuda de seu carro-chefe "Orinoco Flow", que atingiu o topo da parada britânica e a posição 24 nos Estados Unidos. Enya ficou conhecida por seu som único, que foi caracterizado por camadas de voz, melodias folk, cenários sintetizados e reverberações etéreas. Logo após, o sucesso de Enya continuou durante a década de 90, com o lançamento dos multi-platinados álbuns Shepherd Moons e The Memory of Trees. Depois da promoção mundial do último, Enya lançou sua primeira coletânea de sucessos, Paint the Sky with Stars, que obteve vendas mundiais de 12 milhões de cópias.[4]

Em 2000, Enya lançou seu quinto álbum de estúdio, A Day Without Rain, que obteve vendas recordes (mais de 16 milhões) e foi o álbum mais vendido por uma artista feminina em 2001, além de ser o álbum new age mais vendidos de todos os tempos. Esse se tornou o trabalho de Enya que mais vendeu durante sua carreira. As vendas do álbum e de seu carro-chefe "Only Time" aumentaram depois do uso da mídia internacional devido aos ataques de 11 de setembro de 2001. Em 2005, lançou o bem recebido disco Amarantine, cantando algumas músicas na língua Loxian, desenvolvida pelo casal Ryan. Em 2008, lançou o disco And Winter Came..., cujos temas principais são o Natal e o inverno e um ano depois sua segunda coletânea de sucessos The Very Best of Enya, que consiste nas músicas preferidas da carreira de Enya, escolhidas por ela e o casal Ryan. Depois de uma pausa, Enya voltou ao estúdio em 2012 para gravar seu oitavo álbum de estúdio Dark Sky Island, lançado em 2015, que recebeu criticas positivas e vendas mundiais de mais de um milhão de cópias.

Enya é a artista solo que mais vende e, do país, é oficialmente a segunda maior exportadora musical, depois da banda U2. Ao todo, Enya vendeu mais de 80 milhões de discos, sendo mais de 26 milhões somente nos Estados Unidos, fazendo dela uma recordista de vendas mundialmente e também nos Estados Unidos.[5] [6] Seu trabalho lhe rendeu, entre outras coisas, uma indicação ao Oscar. Ela é conhecida por ter cantado em 10 línguas diferentes durante sua carreira.

Enya é uma das musicistas mais talentosas e originais da atualidade, preferindo o sucesso musical à mera fama. Disse em uma entrevista: "Eu tenho uma vida muito privada. É muito importante para a música, eu penso que a razão porque consigo ter uma vida privada, é porque a música é maior do que eu. Alguns artistas são maiores que a música". Enya nunca entrou em turnê, divulgando seus trabalhos através de performances em programas de televisão e premiações, entrevistas e canções presentes em trilhas sonoras.

Enya ganhou muitos prêmios durante sua carreira, incluíndo sete World Music Awards, quatro Grammy Awards por Melhor álbum New Age, um Ivor Novello Award, e foi indicada ao Academy Award e Golden Globe Award por "May It Be", uma canção incluída na trilha sonora de O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel (2001).[7]

Uma das artistas mais ricas do Reino Unido, Enya possui uma fortuna de R$ 450 milhões.[8]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Eithne Ní Bhraonáin, filha do casal Máire (o Baba) Duggan e Leo Brennan, é a sexta de nove filhos, cujo nome, dado pelo seu avô materno, é gaélico irlandês, podendo ser traduzido como "Eithne filha de Brennan". Nascida e criada em Gaoth Dobhair, condado de Donegal (Dhún na nGall em irlandês), situado no noroeste da Irlanda, um local cuja língua majoritária é o irlandês.

Filha de pais músicos, Enya sempre procurou inspiração para as suas músicas na sua terra natal, com notada influência, principalmente, da cultura celta. Em 1980, passou a integrar a banda irlandesa Clannad (que significa família). A banda era formada pelos seus irmãos e tios. Enya tocava teclado e fazia vocal. Quando a banda começou a tomar uma direcção mais para a "música pop", ganhando notoriedade e participando em programas de televisão, Enya resolveu deixar o grupo para seguir a carreira solo.

Com a ajuda do casal Roma e Nicky Ryan (Roma escreve a maioria das letras, enquanto que Nick tornou-se seu produtor), ela gravou a trilha sonora da série "The Celts" da BBC. Com uma eclética mistura de sons, que vão do clássico ao new age, passando pelo folk. Em 1987, Enya lançou o seu primeiro disco, que leva o seu próprio nome.

Em 1988, com o lançamento do disco Watermark, que o seu sucesso chegou de forma inesperada, através da canção "Orinoco Flow", que conquistou o primeiro lugar nas paradas da Inglaterra, e de vários outros lugares do mundo, fazendo com que entrasse para a lista das 500 músicas mais ouvidas de todos os tempos.

Em 1991, Enya lançou o álbum Shepherd Moons, que marcou sua estreia nas paradas de sucesso dos Estados Unidos, ficando em décimo sétimo lugar, e atingindo a marca de 13 milhões de cópias vendidas. Foi também com este álbum que ela ganhou seu primeiro Grammy Award.

Enya ficou quatro anos sem lançar nenhum álbum de inéditas, voltando, finalmente, em 1995, com The Memory of Trees, que vendeu onze milhões de cópias, e lhe rendeu mais um prêmio Grammy.

Mais cinco anos passaram e, em novembro de 2000, ela lançou A Day Without Rain, que inclui o clássico "Only Time", que virou trilha sonora do filme Sweet November (Doce Novembro, com Charlize Theron e Keanu Reeves) e lhe rendeu o prêmio Echo 2002.

Posteriormente, ela lançou mais três discos de inéditas: Amarantine (2005), And Winter Came... (2008) e Dark Sky Island (2015), além de uma coletânea de sucessos The Very Best of Enya (2009).

Sua marca de discos vendidos já chegou a oitenta milhões de cópias.[9]

Apesar dos fãs quererem assistir a um espetáculo ao vivo de Enya, ela nunca se apresentou num concerto, mas tem pensado na possibilidade de realizar algum, possivelmente numa catedral, como afirmou em entrevista.

Enya comprou um castelo do século XIX, o Castelo Ayesha (que em árabe significa flor), e o rebatizou de Castelo Manderley.[10] Foi construído em 1840 por Robert Warren e chamava-se Castelo Vitória, em homenagem à coroação da rainha Vitória do Reino Unido. O castelo foi incendiado em 1924, mas em 1928 sir Thomas Power o restaurou e mudou o seu nome. Ele fica situado a 12 quilômetros de Dublin, em Killiney, onde ela vive com seus gatos e sua equiper de segurança. Passa a maior parte do tempo trabalhando em seu estúdio, e raramente recebe visitas, inclusive dos próprios parentes[11].

Em homenagem ao talento de Enya, o asteróide 6433 recebeu como denominação o nome artístico da cantora, em 20 de junho de 1997. Diversos músicos já receberam esta homenagem, mas Enya é a primeira mulher e a única da Irlanda.

Hobbies[editar | editar código-fonte]

Enya ama gatos. Em uma entrevista publicada em 1988, quando indagada sobre animais de estimação, respondeu: "Eu tenho um gato. Amo gatos, houve uma época que possuía doze. São uma grande felicidade. Eles ficam deitados ao sol e quando vêm a mim sobem em meu pescoço."[12]

O compositor de clássico favorito de Enya é Sergei Rachmaninoff.

Os hobbies de Enya incluem assistir a filmes de romance em preto e branco, colecionar artwork (ilustrações: desenhos e fotografias que são preparados para serem incluídos em um livro ou em propaganda), ler e pintar.

Família Brennan[editar | editar código-fonte]

O pai de Enya, Leo Ó Bhraonáin, em 1968 tornou-se proprietário de um pub (Leo's Tavern) localizado na vila Min na Leice (Meenalech). Antes de abrir o pub, porém, era o líder do grupo Slieve Foy Dance Band, na qual tocava acordeão e sax.

Sua mãe, Máire Uí Bhraonáin, conhecida como Baba, era organista em uma igreja e lecionava piano na "Gweedore Comprehensive School".[13]

Os irmãos de Enya são: Máire (ou Moya Brennan), Leon, Ciarán, Deirdre, Pól, Olive, Bartley e Brídín.[14]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Box Sets[editar | editar código-fonte]

  • 1996 - The Enya Collection
  • 1997 - A Box of Dreams
  • 2002 - Only Time - The Collection

EPs[editar | editar código-fonte]

Além disso, o álbum da banda sonora (1986) de The Frog Prince (também conhecido como French Lesson) tem a maior parte de suas músicas compostas por Enya, mas não cantadas por ela; um CD lançado posteriormente trouxe dois vocais inéditos dela.

Junto com a coletânea "Paint The Sky With Stars", foi lançado uma caixa com três CDs chamada "The box of Dreams", reunindo todo o repertório e trazendo as inéditas : "Only if", "Paint the sky with stars", "Oriel Window", "Eclipse" e "Willows on the water".

Compactos[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Indicações[editar | editar código-fonte]

  • Grammy Award de 1990 - Melhor clipe musical e melhor performance new age: "Orinoco Flow"
  • Oscar de melhor canção original 2002: "May It Be"
  • Golden Globes 2002: "May It Be"
  • Grammy Award 2003 - Melhor música para mídia visual: "May It Be"
  • Grammy Award 2007 - Melhor performance instrumental de música pop: "Drifting"
  • ECHO 2016 - Melhor álbum feminino: Dark Sky Island
  • Grammy Awards de 2017 - Melhor álbum New Age: Dark Sky Island

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The invisible star - Times Online» 
  2. «Getting Into Enya: A Rough Guide to the Queen of New Age». Pitchfork 
  3. Trust, Gary (2016), Ask Billboard: Madonna's Career Album Sales, Billboard, "(Next up after Madonna among female soloists? New age queen Enya, at 27.3 million.)" 
  4. Rockol.it - The Very Best of Enya
  5. «Top Selling Artists». RIAA (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 20 de dezembro de 2010 
  6. English, Eoin (23 November 2016). Hark! The herald Enya sings in historic Cork chapel. Irish Examiner. Consultado em 23 November 2016  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  7. Enrique triumphs at Monaco awards. BBC News. 7 March 2002. Consultado em 6 December 2014  Verifique data em: |access-date=, |date= (ajuda)
  8. http://gente.ig.com.br/cultura/2016-05-02/com-fortuna-de-r-450-milhoes-enya-vive-reclusa-em-castelo-com-seus-gatos.html
  9. «The Memory of Trees» 
  10. «Enya's castle invaded by stalker» 
  11. http://caras.uol.com.br/musica/com-fortuna-estimada-em-r-450-milhoes-cantora-enya-vive-reclusa-em-castelo-com-seus-gatos#.VyZmfNQrLcc
  12. Number One magazine, 2 de novembro de 1988.
  13. «Ebudae» 
  14. «MFYI - Profile Enya» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]