Epílio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Epílio (Do latim epillium que é derivado do diminutivo da palavra grega επος -epos-) é uma pequena composição literária de gênero épico, constituindo-se assim num subgênero da épica.

Enquanto subgênero literário de índole poética das obras clássicas gregas, o epílio se encontra escrito em hexâmetros.

O epílio se difundiu durante o período helenístico quando houve preferências pelas formas poéticas condensadas, breves ainda que intensas. Era considerada a obra mestra que consagraria o neotérico romano que pretendesse tornar-se doctus poeta.[1]

Principais autores de epílios[editar | editar código-fonte]

Calímaco foi um dos principais poetas gregos que praticarão este (sub)gênero, outros significativos autores gregos de epílios foram Teócrito (com seu famoso "Idílio 24" sobre Héracles criança), Mosco e Euforion de Cálcis mas suas produções literárias chegaram ao presente de um modo escasso e fragmentário como para conhecer o suficiente seus epílios.

Na literatura latina o exemplo mais significativo de epílio (epillium) é o canto (carmen) 4 de Catulo que consta de 400 hexâmetros e tem como argumento épico as núpcias de Peleu e Thetis progenitores (pelo menos Thetis) segundo o mito de Aquiles; outro latino que se destacou no epílio foi Virgílio.

Referências

  1. "La obra maestra que tenía que escribir el neotérico romano para graduarse de "doctus poeta" era un epilio." in <http://www.culturaclasica.com/literatura/lirica_romana.htm>

Ligações externas[editar | editar código-fonte]