Epidemiologia genética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Genética

Epidemiologia genética é um campo emergente com diversos interesses, representa uma importante interação entre as duas disciplinas que o originaram: Genética e Epidemiologia. Epidemiologia genética difere da epidemiologia por sua explicita consideração aos fatores genéticos e semelhança familiar, ela difere da genética de populações por seu foco sobre a doença e também difere da genética médica por sua ênfase na população investigando simultaneamente o impacto dos fatores ambientais. [1]

Nas relações acima descritas deve se observar que a genética também possui seu próprio modelo teórico como o exemplo do postulado que define os organismos como a relação de um conjunto de genes entre si e com o seu meio ambiente, [2] tal modelo se revela capaz de prever ou explicar relações que não seriam percebidas analisando-se somente a distribuição de patologias, concebidas com o modelo de genética determinística, como por exemplo uma mutação de um gene recessivo com possibilidade "X" de expressão em um casamento, consanguíneo ou não, em uma população com freqüência "Y" daquele gene. [3] [4] Cabe a epidemiologia, por análise de multicausalidade, a determinação da freqüência de doenças na população, [5] nesse caso de agravos de natureza genética, em sua interação com fatores (causais) mutagênicos e possibilidades de expressão, além de identificar separadamente a frequência de alelos associados à patologias e seu comportamento na população, por associação à genética populacional.

Alerta de produto radioactivo.

Aplicações da epidemiologia genética[editar | editar código-fonte]

Uma das principais aplicações dessa interdisciplina estendida à toxicologia são às demandas sanitárias e jurídico - políticas decorrentes da agressão tóxico-genética ou seja, dano ao DNA celular e ao aparelho reprodutivo, especialmente os gametas, geralmente por poluição ambiental [6] (especialmente radiativa), acidente nuclear, [7] contaminação de alimentos ou exposição de trabalhadores. [8] [9]

Outra aplicação, ainda mais conhecida são os critérios de liberação comercial /seleção de um fármaco no mercado considerando-se a segurança quanto ao risco de mutagênese, carcinogênese e teratogênese. [10] [11] [12]

Os problemas jurídicos de avaliação de risco devem incorporar tal possibilidade na identificação de um dano à população ou da resposta de cada organismo à uma exposição tóxica, constituem-se como problemas de diagnóstico clínico ou interpretação de indicadores consensualmente instituídos. [13]

A epidemiologia por sua articulação com distintos campos das ciências médicas, ou sociais (onde a norma jurídica é formalizada), torna-se o instrumento da avaliação técnica do risco ou danos. Além do que, logicamente, se articula com as práticas de avaliação, planejamento, administração das ações de saúde pública.[14]

Além da dimensão epidemiológica ou populacional de um dano a ser legado por herança à gerações futuras (efeito fundador [15] ), em nível de indivíduos afetados, a tarefa do pesquisador em epidemiologia genética é o subsídio à informação - aconselhamento genético e incorporação da genética clínica (ou Geneticista) na avaliação p/ laudo pericial da Justiça do Trabalho em Unidades de Saúde do Trabalhador, visando se estabelecer nexo causal entre determinado dano genético e seu ambiente, o que por sua vez também exige a aplicação, por excelência, da genética de populações, para se estabelecer as frequências esperadas no universo de possibilidades (gene pool) de expressão do genoma da população e o risco individual. Não se descarta também o uso de marcadores biológicos de natureza citogenética [16] identificando o dano toxicogenético, que não pode ser caracterizado unicamente por danos ao concepto neonato e lesão cancerígena.

A medida das doenças e da exposição tóxica ambiental[editar | editar código-fonte]

No estudo do efeito tóxico-genético a identificação do dano em nível de população, portanto, se constitui como uma tarefa da epidemiologia. Tal estudo deve incluir a seleção e validação de indicadores de morbi-mortalidade da população, elaborados a partir da estatística vital [17] e inquéritos epidemiológicos.

Em paralelo, ou antes mesmo da monitoração das doenças ou danos, deve-se avaliar indicadores de exposição aos fatores de risco ambientais, inclusive bioindicadores (animais, vegetais, ou aspectos específicos do ecossistema). O conjunto de tais medidas é que vão compor os sistemas de vigilância a saúde ambiental e ocupacional. [18] [19] [20]

Neste ultimo caso associando sua verificação aos parâmetros das medidas de avaliação da poluição ambiental e LTB - Limites de Tolerância Biológica definidos por lei. [21]

Deve-se levar em conta também as frequências normais dos fenômenos observados. Todo polimorfismo ou variação natural da espécie, bem como as doenças genéticas hereditárias onde se incluem alguns tipos de câncer, são decorrentes de mutações na linhagem germinativa, ou seja são hereditárias, transmissíveis para geração seguinte. [22] [23] [24]

A medida de sua ocorrência ou a taxa de mutação de um gene é expressa como o número de mutações novas pelo local ou posição esperada para o gene "normal" no cromossomo (locus) por geração, situa-se na ordem de 1 X 10 -5 a 10 -6 por locus por geração, ou que significa que uma entre cada 10 pessoas recebeu um gene modificado de um dos seus genitores. As alterações cromossômicas são também freqüentes , estima-se que aproximadamente 60% dos abortos espontâneos e 6% dos Natimortos 0.6% dos Nascidos Vivos apresentam um cariótipo anormal. [25] [26] [27] [28]

Risco tóxico para disfunções reprodutivas[editar | editar código-fonte]

O dano tóxicogenético pode se expressar como formas de câncer, malformação congênita e outras disfunções reprodutivas. Problemas aparentemente distintos exceto quanto ao método da “descoberta” por estudos da manifestação de acúmulos de caso (clusters) [29] [30] em populações (dos quais os mais conhecidos referem-se a talidomida [31] [32] e poluição por mercúrio na Baia de Minamata, Japão [33] ) ou estudos experimentais, tem-se evidenciado os múltiplos efeitos de uma mesma substancia cujo efeito nocivo se concentra no aparelho reprodutor humano e mecanismo de regulação e replicação celular, em nível molecular possíveis ações tóxicas ao sistema DNA - RNA - Proteína.

O sanitarista Monteleone Neto (1985) [34] enumerou as principais disfunções da reprodução e desenvolvimento humano possíveis de serem provocados por agentes ambientais, considerando simultaneamente as informações disponíveis nos sistemas de registro de estatísticas vitais e possibilidades de expressão clínica do dano mutagênico (teratogênico - carcinogênico), a saber:

  1. Disfunção sexual: libido, potência
  2. Alteração dos espermatozóides: número, forma motilidade
  3. Diminuição da fertilidade: Anomalias das gônadas, amenorréia, infertilidade, etc.
  4. Aumento da freqüência de doenças durante a gestação ou parto: toxemia, hemorragia, etc.
  5. Perda fetal precoce (menos de 28 semanas): aumento do % de anomalias
  6. Perda fetal tardia (mais de 28 semanas): aumento do % de anomalias
  7. Morte fetal intra-parto
  8. Morte na primeira semana pós-natal
  9. Diminuição do peso ao nascer
  10. Alterações na idade gestacional: pré, pós-maturos
  11. Alterações na razão sexual: nas perdas fetais e nos recém nascidos vivos (RNV)
  12. Aumento da taxa de gestações múltiplas
  13. Aumento da taxa de anomalias congênitas
  14. Aumento da taxa de aberrações cromossômicas: nas perdas fetais, nos natimortos, nos RNV
  15. Aumento da mortalidade infantil
  16. Aumento da morbidade infantil
  17. Aumento do número de casos de câncer
  18. Alterações na idade da menopausa.

Genoma, novas perspectivas[editar | editar código-fonte]

O termo epidemiologia genética, como referido [1] é utilizado para denotar o estudo do papel de fatores genéticos na ocorrência de doença em populações com métodos estatísticos e de análise familiar. Khoury et al, [35] propõem o termo "epidemiologia do genoma humano", para indicar o novo patamar de complexidade decorrente da série de abordagens epidemiológicas do genoma humano, desde a descoberta de genes, até suas aplicações em medicina e saúde pública.

Esta nova abordagem que inclui a integração de marcadores biológicos de exposição, susceptibilidade (de populações e indivíduos) da epidemiologia molecular, [36] abrange os novos e distintos estudos, tanto de genes únicos e seus efeitos, como da genómica, ou estudo de genes individuais, suas funções e interações com todos os genes do genoma. [37]

Referências

  1. a b Khoury, M.J.; Beaty, T.H.; Cohen, B.H. Fundamentals of Genetic Epidemiology. New York, Oxford University Press, 1993
  2. Lewontin, Richard C. Genes, organismo y ambiente: las relaciones de causa y efecto en biología. Barcelona, Gedisa, 1998
  3. McKusic, A. Victor. Mendelian inheritance in man, 1975. apud: Gardner, L.I.;'Neu, R.L. Ortega, C.C. Manual de Genética Humana. RJ, Guanabara Koogan Ed. 1976
  4. Freire-Maia, Newton. Genética de populações humanas. SP, HUCITEC, EDUSP, 1974
  5. Almeida Filho N, Rouquayrol MZ. Introdução à epidemiologia moderna. BR, BA, COOPMED/ APCE/ ABRASCO, 1992.
  6. Ottaway, James H.. Bioquímica da poluição. SP, EPU/Ed. da Universidade de S. Paulo, 1982
  7. Freire Maia, Newton. Radiogenética humana, SP, Edgard Blücher Ed. / EUSP, 1972
  8. Frumkin, H. Carcinogens. in Levy, B.S.; Wegman, D.H. (Ed.) Occupational Health, recognizing and preventing work relatto disease. USA, NY, Little Brown and Company, 1995
  9. Hardy, R.J. A surveilance system for assesing health efects from hazardous exposures. American Jounal of Epidemiology, Vol.132, Suppl nº 1, USA, 1990
  10. Monteleone Neto, R.; Rabello-Gay, M.N.; Rodrigues, M.A.R. (Org.). Mutagênese, Teratogênese e Carcinogênese, métodos e critérios de avaliação. Ribeirão Preto, Sociedade Brasileira de Genética/Revista Brasileira de Genética, 1991
  11. COSTA, Paulo Pedro P.R. Perspectivas epidemiológicas para avaliação e controle de dano tóxico-genético na população residente em um município próximo a um Polo Petroquímico - Camaçari, Ba 1979 – 1992. Ba, Monografia para conclusão da Especialização em Epidemiologia orientação Naomar de Almeida Filho. Instituto de Saúde Coletiva (ISC) UFBa, 1997
  12. SALZANO, Francisco Mauro. Saúde pública no Primeiro e Terceiro Mundos: desafios e perspectivas. Ciênc. saúde coletiva, São Paulo , v. 7, n. 1, p. 7-16, 2002 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232002000100002&lng=en&nrm=iso>. access on 09 Sept. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000100002.
  13. WHO - World Health Organization. Guidelines for the study of genetic efects in human populations. Enviromental Health Criteria 46. Geneva, World Health Organization, 1985
  14. DEVER, G. E. Alan. A epidemiologia na administração dos serviços de saúde. SP, Pioneira, 1988
  15. PINTO, Emilia M. et al . Founder effect for the highly prevalent R337H mutation of tumor suppressor p53 in Brazilian patients with adrenocortical tumors. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo , v. 48, n. 5, p. 647-650, out. 2004 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302004000500009&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 09 set. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302004000500009.
  16. Guidelines for the study of genetic efects in human populations. Enviromental Health Criteria 46. Organização Mundial da Saúde. Geneva, 1985
  17. Hardy, R.J. A surveilance system for assesing health efects from hazardous exposures. American Jounal of Epidemiology, Vol.132, Supl nº 1, EUA, 1990
  18. Maciel Filho, Albertino Alexandre; Góes Junior, Cícero Dedice; Cancio, Jacira Azevedo; Oliveira, Mara Lúcia; Costa, Silvano Silvério. Indicadores de vigiläncia ambiental em saúde. Inf. epidemiol. SUS;8(3):59-68, jul.-set. 1999. PDF Acesso: Out. 2015
  19. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Saúde ambiental : guia básico para construção de indicadores / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. PDF Acesso: Out. 2015
  20. Shcheglov, A. I.; Tsvetnova, O. B.; Stolbova, V. V. Bioindication of radioactive contamination of natural ecosystems. Moscow University Soil Science Bulletin October 2013, Volume 68, Issue 4, pp 185-191 Abstract Acesso: Out. 2015
  21. OMS – Organizacion Mundial de la Salud. Límites recomendados por razones de salud en la exposición profesional a determinados solventes orgánicos. Ginebra, OMS, série informes técnicos 664, 1982
  22. Hiernaux, Jean. A diversidade biológica humana. Lisboa, Calouste Gulbenkian, 1988
  23. Louro, Iuri D. et al. Genética molecular do câncer. SP, MSG, 2000 ISBN 85-88092-01-8
  24. PEREIRA, Sabrina Bernardez et al . Os polimorfismos dos receptores adrenérgicos na insuficiência cardíaca: o que a genética explica?. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 94, n. 6, p. 841-849, June 2010 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2010000600019&lng=en&nrm=iso>. access on 09 Sept. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010000600019.
  25. Opiz, John M. Tópicos recentes de genética clínica. Ribeirão Preto, Sociedade Brasileira de Genética, 1984
  26. Thompson, Margaret W.; McInnes, R.R.; Willard, H.F.. Thompson & Thompson, Genética Médica. 5ª ed. RJ, Ed. Guanabara Koogan, 1966 (1ª ed.) 1993
  27. Thompson, J.S.; Thomson, M.W..Genética Médica. São Paulo, Livraria Atheneu, 1976
  28. Beckman G.; Beckman, L. Nordenson, I.; Nordenson, S. Studies of espontanneous abortion, malfomations and birth weight in populations exposed to environmental pollutants; theoretical considerations and empirical data. in: Berg, Kare (Editor). Genetic damage in man cause by environmental agents. London Academic Press, 1979
  29. Fazzo L.; Belli S, Minichilli F; Mitis F, Santoro M, Martina L; Pizzuti R; Comba P; Martuzzi M; Bianchi F. Cluster analysis of mortality and malformations in the Provinces of Naples and Caserta (Campania Region). [Ann Ist Super Sanita. 2008;44(1):99-111. http://www.iss.it/publ/anna/2008/1/44199.pdf] Aces. Set. 2015
  30. Lowry R.B; Kohut R; Sibbald B, Rouleau J. Anophthalmia and microphthalmia in the Alberta Congenital Anomalies Surveillance System. Can J Ophthalmol. 2005 Feb;40(1):38-44.
  31. LIMA, Lídia Moreira; FRAGA, Carlos Alberto Manssour; BARREIRO, Eliezer J.. O renascimento de um fármaco: talidomida. Quím. Nova, São Paulo , v. 24, n. 5, p. 683-688, Oct. 2001 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422001000500016&lng=en&nrm=iso>. access on 09 Sept. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422001000500016.
  32. OLIVEIRA, Maria Auxiliadora; BERMUDEZ, Jorge Antônio Zepeda; SOUZA, Arthur Custódio Moreira de. Talidomida no Brasil: vigilância com responsabilidade compartilhada?. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 15, n. 1, p. 99-112, Jan. 1999 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1999000100011&lng=en&nrm=iso>. access on 09 Sept. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000100011.
  33. D’Itri. Patricia A.; D’itri, Frank M. Mercury contamination: A human tragedy. USA, John Will & Sons INC, 1977
  34. MONTELEONE NETO, Roque. Poluentes ambientais e reprodução humana. Trabalho apresentado no simpósio: Toxicologia Genética, Reunião Anual da SBPC 1985. Ed. Mimeo.
  35. KHOURY, Muin J.; MILLIKAN, Robert; GWINN, Marta. Epidemiologia genética e molecular. in: ROTHAN, KENNETH J. Epidemiologia Moderna. Porto Alegre: Artmed, 2011. ISBN 978-85-363-2494-4
  36. SCHULTE, P.A.; PERERA F.P.Molecular Epidemiology. apud: ROTHAN, KENNETH J. Epidemiologia Moderna. Porto Alegre: Artmed, 2011. ISBN 978-85-363-2494-4
  37. Human Genome Epidemiology: A Scientific Foundation for Using Genetic Information to Improve Health and Prevent Disease. Preventing Chronic Disease. 2005;2(2):A29. Book Review Aces. set. 2015

Leituras[editar | editar código-fonte]

  • Calandra, D.; Anderson, O.A.; Reynoso, R.M.; Comparato, M. R.; Mormandi, J.O. Diaz, E. M. Ecologia embrionária y fetal - estudo dos fatores exógenos responsables de malformacones fetales. Argentina, Ed. Médica Panamericana, 1985
  • Carvalho, A. Barreto[et al.]. Benzeno, Subsídios técnicos à Secretaria da Segurança e Saúde no Trabalho (SST/MTb). SP, FUNDACENTRO, FUNDESP, 1995
  • EPM Coordenadoria de Física e Higiene das Radiações do Departamento de. Diagnóstico por Imagem. Riscos da Exposição à. Radiação Ionizante na Gestação
  • OPAS, Grupo de consulta da. Prevenção e controle das enfermidades genéticas e dos defeitos congênitos. Publicação científica Nº 460, 1984
  • Orioli, I.M. Vigilância epidemiológica de malformações múltiplas. Actas IV Congr. Latino Americano de Genética, v. 2, 59-66 1980.
  • Orioli, I.M Estudo Colaborativo Latino Americano de Malformaciones Congenitas. ECLAMC/ Monitor. - Resumo dos projetos atuais do plano integrado de Genética (PIG-U) in: Sociedade Brasileira de Genética. Desempenhos e Rumos da genética no Brasil. Ribeirão Preto, Revista Brasileira de Genética,1986
  • Ribeiro, Lúcia R.; Salvadori, Daisy Favero; Marques, Edmundo K. (org.) Mutagênese ambiental. Canoas, ULBRA, 2003 Disponível no Google Livros
  • Silva Joselli Santos. Efeitos genotóxicos em tétrades de Tradescantia pallida (Rose) D.R. Hunt var. purpurea induzidos por poluentes atmosféricos na cidade do Salvador-Ba. Monografia (TCC) Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana – BA, 2005 PDF Dez. 2011
  • Sizenando José de Andrade Júnior, José Cleub Silva Santos Júnior, Jesiane da Luz Oliveira, Eneida de Moraes Marcílio Cerqueira e José Roberto Cardoso Meireles Micronúcleos em tetrades de Tradescantia pallida (Rose) Hunt. cv. purpurea Boom: alteracoes geneticas decorrentes de poluicao aerea urbana. –The Free Library (Science and Technology) Jul. 2008 Dez. 2011
  • Environmental Health Perspectives (Editor). Benzene Toxicity, Carcinogenesis, and Epidemiology Environ Health Perspect 104(Suppl 6):1219-1225 (1996) Dez. 2011
  • Upton, Arthur C. Radiaciones ionizantes de bajo nivel y sus efectos biológicos. (1982). In: Santos, E.; Villanueva, J.R. (org.). El cancer. Libros de investigacion y ciencia (Scientific American). Barcelona, Prensa Científica S.A. 1986
  • Veiga, L. Holanda Sadler. Avaliação do risco da exposição a poluentes radiativos na região da mina de urânio de Poços de Caldas, MG/ Brasil. RJ Tese de Mestrado em Ciências Biológicas (Biofísica) – UFRJ 1995

Ver também[editar | editar código-fonte]

Hemimelia, deficiência fibular longitudinal ou ausência congênita da fíbula

Ligações externas[editar | editar código-fonte]