Epidendrum geniculatum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaEpidendrum geniculatum
Epidendrum geniculatum - Fl.Br.3-5-041.jpg
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Embryophyta
Divisão: Tracheophyta
Subdivisão: Euphyllophyta
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Tribo: Epidendreae
Género: Epidendrum
Espécie: Epidendrum geniculatum

Epidendrum geniculatum é uma espécie de planta do gênero Epidendrum e da família Orchidaceae.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita em 1882 por João Barbosa Rodrigues.[1]

São conhecidas as seguintes subspécies de Epidendrum geniculatum Barb.Rodr.[2] Os seguintes sinônimos já foram catalogados:[3]

  • Epidendrum hololeucum Barb.Rodr.

Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie epífita e herbácea.[3]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil.[3]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é endêmica do Brasil e encontrada nos estados brasileiros de Espírito Santo,[4] Paraná,[5]Rio de Janeiro,[6] Santa Catarina[7][8][9] e São Paulo.[10][3] A espécie é encontrada no domínio fitogeográfico de Mata Atlântica, em regiões com vegetação de restinga.[3]

Referências

  1. a b «Epidendrum geniculatum». www.gbif.org (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. «Epidendrum geniculatum Barb.Rodr.». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  3. a b c d e «Epidendrum geniculatum Barb.Rodr.». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  4. Guy R. Chiron. «Contribution à la flore d'orchidées d'Espírito Santo (Brésil) : notes taxinomiques dans le genre Epidendrum» (PDF) 
  5. Stancik, Juliane Franzen; Goldenberg, Renato; Barros, Fábio de (setembro de 2009). «O gênero Epidendrum L. (Orchidaceae) no Estado do Paraná, Brasil». Acta Botanica Brasilica: 864–880. ISSN 0102-3306. doi:10.1590/S0102-33062009000300028. Consultado em 26 de abril de 2022 
  6. ROSIANE GARCIA DINIZ. «EPÍFITAS VASCULARES NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RIQUEZA, COMPOSIÇÃO E CONHECIMENTO ACUMULADO.» (PDF) 
  7. Mancinelli, Werner Siebje; Esemann-Quadros, Karin (2016). «Orchidaceae Flora of Joinville, Santa Catarina, Brazil». Acta Biológica Catarinense (1): 36–48. ISSN 2358-3363. doi:10.21726/abc.v3i1.428. Consultado em 26 de abril de 2022 
  8. Klein, Roberto Míguel; Bresolin, Antonio; Reis, Ademir (1 de janeiro de 1977). «Distribuição de orquídeas da Ilha de Santa Catarina e arredores». INSULA Revista de Botânica: 03–29. ISSN 2178-4574. Consultado em 26 de abril de 2022 
  9. Lenzi, Maurício; Zarur de Matos, Josy; Martins Fraga, Angelo; Crespo, Manuel B. (16 de novembro de 2015). «Orchids of the State Park of Serra do Tabuleiro, Southern Brazil». Anales del Jardín Botánico de Madrid (2): e020. ISSN 1988-3196. doi:10.3989/ajbm.2345. Consultado em 26 de abril de 2022 
  10. Andréa da Costa Marques Tavares. «Atributos e visitantes florais e polinização em uma área de Floresta Ombrófila Densa Submontana do litoral norte de São Paulo» (PDF) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.