Música do Romantismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Era Romântica)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A música do romantismo é aquela composta segundo os princípios da estética do romantismo, predominante durante o século XIX. Na história da música, corresponde ao período que se seguiu ao classicismo.

A Sinfonia nº 3 (Eroica), de Beethoven, obra de 1804, é por vezes considerada como o marco do fim do período clássico e do começo da música romântica.[1] Mas alguns musicólogos situam o início do romantismo na música já no final do século XVIII, enquanto outros consideram que o período romântico tem início por volta de 1810), ano em que o termo "romântico", antes apenas aplicado ao movimento literário, foi usado para qualificar Beethoven por E.T.A. Hoffmann (1776-1822), nos seus ensaios sobre a Sinfonia nº 5 . Já o final do romantismo na música é situado entre 1880 e 1910, a depender do autor.[2] [3][4]

A época do romantismo musical coincide com o romantismo na Literatura, Filosofia e Artes Plásticas. A ideia geral do romantismo é que a verdade não poderia ser deduzida a partir de axiomas. Certas realidades só poderiam ser captadas através da emoção, do sentimento e da intuição. Por essa razão, a música romântica é caracterizada pela maior flexibilidade das formas musicais e procurando focar mais o sentimento transmitido pela música do que propriamente a estética, ao contrário do classicismo. No entanto, os géneros musicais clássicos, tais como a sinfonia e o concerto, continuaram sendo escritos.

Estética musical[editar | editar código-fonte]

No romantismo, estabeleceu-se vários conceitos de tonalidades para descrever os vocabulários harmônicos herdados do Barroco e do classicismo. Os compositores românticos tentaram juntar as grandes estruturas harmônicas desenvolvidas por Haydn e aperfeiçoadas por Mozart e Beethoven com suas próprias inovações, buscando maior fluidez de movimento, maior contraste, e cobrir as necessidades harmônicas de obras mais extensas. O cromatismo utilizou uma forma mais freqüente e variada, assim como as dissonâncias. A mudança de tom acontecia de maneira mais brusca que no Classicismo, e as modulações ocorriam entre tons cada vez mais distantes. As propriedades dos acordes de sétima diminuta, que permitem modular a praticamente qualquer tonalidade, foram exploradas exaustivamente.

Pós-romantismo[editar | editar código-fonte]

Estabelecer a herança do romantismo é tarefa tão complexa quanto estabelecer as origens do movimento. Alguns compositores do século XX, como Sergei Rachmaninoff (1873 — 1943), continuarão a ser românticos, sem todavia declará-lo. De certo modo, movimentos como o impressionismo de Claude Debussy (1862 — 1918) e Maurice Ravel (1875 - 1937), e o verismo de Giacomo Puccini (1858 - 1924)[5] também são herdeiros da tradição romântica.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Compositores românticos[editar | editar código-fonte]

Esta é uma linha do tempo com os principais e mais influentes compositores românticos.


Compositores tardo-românticos[editar | editar código-fonte]

Esta é uma linha do tempo com os principais e mais influentes compositores românticos tardios.

Compositores do século XX[editar | editar código-fonte]

Esta é uma linha do tempo com os principais e mais influentes compositores do século XX, alguns dos quais influenciados pelo romantismo.

</noinclude>

Nota: Algumas datas são aproximadas.

Referências

  1. Guia dos Clássicos. (1804) Beethoven. Sinfonia n. 3 "Heróica". Por Rafael Fonseca.
  2. Silva, Raquel Alexandra Oliveira da RibeiroRomantismo - Contextualização histórica e das artes. Instituto Politécnico de Castelo Branco, dezembro de 2010.
  3. Conheça a Música Clássica!
  4. História da Música Ano - Romantismo
  5. New York City Opera Project: Madama Butterfly

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música erudita é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.