Ergô

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A letra "D" na imagem indica o ergot da pata dianteira (conhecido como garra de orvalho) deste cão. A letra "E" é a almofada do carpo .
A garra de orvalho de um cão não faz contato com o chão enquanto ele está de pé. A garra de orvalho deste cão mais velho é arredondada para uso enquanto corre, mas cresceu um pouco
A garra de orvalho desse cão mais jovem e ativo sempre faz contato com o solo enquanto corre, por isso se desgasta naturalmente no comprimento adequado, assim como as demais garras

O ergô[1] (ergot,[2] garra de orvalho[3] ou simplesmente esporão[4]) trata-se de um dígito - vestigial em alguns animais - presente nos pés de muitos mamíferos, pássaros e répteis (incluindo algumas ordens extintas, como certos terópodes). Geralmente cresce mais alto na perna do que o resto do pé, de modo que em espécies digitígradas ou unguligradas não entra em contato com o solo quando o animal está em pé. Em cães e gatos, quando os ergôs estão na parte interna das pernas da frente, recebem o nome de garra de orvalho (referente à tendência deste dígito de tocar no orvalho da grama[5]) e ficam posicionados de forma análoga a um polegar humano.[6] Embora muitos animais possuam garras de orvalho, outras espécies semelhantes não, como cavalos, girafas e o mabeco.

Cães[editar | editar código-fonte]

Cães quase sempre têm garras de orvalho no interior das pernas da frente e, ocasionalmente, também nas patas traseiras.[5][7] Ao contrário dos ergôs dianteiros (garras de orvalho), os ergôs traseiros tendem a ter pouca estrutura óssea ou muscular na maioria das raças. É normal, embora não seja biologicamente necessário, que certas raças tenham mais de um ergô na pata. Pelo menos um desses dígitos estarão mal conectados à perna e, nesse caso, é frequentemente removida cirurgicamente.  

Para certas raças de cães, a garra de orvalho é considerada uma necessidade, por exemplo, para os Beauceron pastorearem ovelhas em terrenos nevados. Como tal, há algum debate sobre se uma garra de orvalho ajuda os cães a ganhar tração quando correm, porque em alguns cães, esse dígito faz contato com o solo quando está correndo e a sua unha freqüentemente se desgasta da mesma maneira que as unhas de outros dedos que fazem contato com o chão.

Em muitos cães, as garras de orvalho nunca entram em contato com o solo. Nesse caso, a unha nunca se desgasta e geralmente é aparada por veterinários para mantê-la em um comprimento seguro.

Os ergôs não são apêndices mortos. Os ergôs dianteiros podem ser usados para segurar levemente ossos e outros itens que os cães seguram com as patas. Em alguns cães, os ergôs traseiros podem surgir desconectados da perna, ligados exceto por um retalho de pele; nesses cães, tais dígitos não são utilizados, pois podem facilmente dobrar ou girar.[8]

Ergôs traseiros[editar | editar código-fonte]

Os canídeos possuem frequentemente quatro dígitos nos pés traseiros,[9] embora alguns indivíduos ou raças de cães domésticos tenham essa garra adicional, ou mais raramente duas destas, como é o caso do beauceron. Um termo mais técnico para u surgimento de múltiplos dígitos adicionais nas pernas traseiras é a polidactilia preaxial específica dos membros posteriores.[10] Vários mecanismos genéticos podem causar ergôs traseiros; eles envolvem por conta do gene LMBR1 e partes relacionadas do genoma. Os ergôs traseiros de cães geralmente não têm ossos de falange e são unidos apenas pela pele.[11]

Remoção dos ergôs[editar | editar código-fonte]

Há algum debate sobre se os ergôs devem ser removidos cirurgicamente.[5][12][13] O argumento para a remoção afirma que tais estruturas formam um dígito fraco, mal presos à perna e, portanto, podem rasgar facilmente, o que pode ser doloroso para o animal e propenso a infecções. A remoção do ergô é realizada com mais facilidade quando o cão é jovem, por volta de 2 a 5 dias de idade. Também pode ser realizado em cães mais velhos, se necessário, embora a cirurgia possa ser mais difícil. A cirurgia é bastante simples e pode ser feita com anestésicos locais se o dígito não estiver bem conectado à perna.

Alguns filhotes são comumente vendidos pelos criadores sem os ergôs, ou seja, com tais dígitos removidas (por um veterinário) por motivos de saúde e segurança. Alguns padrões de raça também exigem isso.

Ergôs e locomoção[editar | editar código-fonte]

Com base em fotografias de ação interrompida, a veterinária M. Christine Zink, da Universidade Johns Hopkins, acredita que todo pata dianteira, incluindo as garras de orvalho, entra em contato com o chão enquanto corre. Durante a corrida, a garra de orvalho cava no chão, evitando torcer ou torcer o resto da perna. Vários tendões conectam o ergô dianteiro aos músculos da perna, demonstrando ainda mais a funcionalidade dessas garras de orvalho. Há indicações de que cães sem garras de orvalho têm mais lesões nas patas dianteiras e são mais propensos a artrite. A Zink recomenda "para cães que trabalham, é melhor que os ergôs não sejam amputados. Se a garra de orvalho sofrer uma lesão traumática, o problema poderá ser resolvido naquele momento, incluindo amputação, se necessário."[6]

Gatos[editar | editar código-fonte]

Membros da família dos felinos - incluindo gatos domésticos[14] e felinos selvagens como o leão[15] - possuem as garras de orvalho. Geralmente, uma garra de orvalho cresce no interior de cada perna dianteira, mas não nas pernas traseiras.[16]

A garra de orvalho em alguns gatos não é vestigial. Felinos selvagens usam esse ergô na caça, onde ele fornece uma garra adicional com a qual consegue pegar a presa.[15]

Animais com cascos[editar | editar código-fonte]

Cascos fendidos de corça ( Capreolus capreolus ), com garras de orvalho

Animais com cascos andam nas pontas dos dedos dos pés, especialmente com os cascos. Os animais com cascos rachados andam sobre um par central de cascos, mas muitos também têm um par externo de ergôs em cada pé. Estes são um pouco mais acima da perna do que os cascos principais e têm estrutura semelhante a eles.[17] Em algumas espécies (como o gado), os ergôs são muito menores que os cascos e nunca tocam o chão. Em outros animais (como porcos e veados), eles são apenas um pouco menores que os cascos e podem chegar ao chão em condições amenas ou ao pular. Certos animais com cascos (como girafas e cavalos modernos) não possuem ergôs. Evidências em vídeos sugerem que alguns animais usam esses dígitos para se arrumar, se coçar ou para ter uma melhor compreensão durante o acasalamento.

Referências

  1. COREN, Stanley. Os cães sonham?: Quase tudo que seu cão gostaria que você soubesse. Editora Paralela. 2013. 264 páginas.
  2. Coordenação Alaúde. Cuidando do seu cão. Alaúde Editorial. 2017. 48 páginas.
  3. Frisoni, Guilherme (2017). «Quantos dedos tem um cachorro?». Box do Pet. Consultado em 3 de fevereiro de 2020 
  4. MACHADO, Buno (2018). «Megainfográfico: como é o corpo de um cachorro». Superinteressante. Consultado em 3 de fevereiro de 2020 
  5. a b c Danziger, D., & McCrum, M. (2008). The Thingummy: A book about those everyday objects you just can't name. London: Doubleday.
  6. a b «Form Follows Function – A New Perspective on an Old Adage» (PDF). Penn Vet Working Dog Center. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  7. Rice, Dan (2008). The Complete Book of Dog Breeding. Barron's Educational Series 2 ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7641-3887-4 
  8. Hoskins, Johnny D. (2001). Veterinary Pediatrics: Dogs and Cats from Birth to Six Months. Saunders 3 ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7216-7665-4 
  9. Macdonald, D. (1984). The Encyclopedia of Mammals. Facts on File. New York: [s.n.] ISBN 0-87196-871-1 
  10. «Canine Polydactyl Mutations With Heterogeneous Origin in the Conserved Intronic Sequence of LMBR1». Genetics. 179: 2163–2172. ISSN 0016-6731. PMC 2516088Acessível livremente. PMID 18689889. doi:10.1534/genetics.108.087114 
  11. Hosgood, Giselle (1998). Small Animal Paediatric Medicine and Surgery. Butterworth-Heinemann. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7506-3599-8 
  12. «The Dewclaws Debate – Keep Them or Lose Them?». iheartdogs.com 
  13. «Dog Dew Claw Removal». vetinfo.com 
  14. «Clipping a Cat's Claws (Toenails)». Washington State University College of Veterinary Medicine. Cats have a nail on the inner side of each foot called the dew claw. Remember to trim these as they are not worn down when the cat scratches and can grow in a circle, growing into the foot. 
  15. a b «Physiology». Lion ALERT. Lions have four claws on their back feet but five on the front where the dew claw is found. This acts like a thumb and is used to hold down prey while the jaws rip away the meat from bone. Set well back from the other claws the dew claw does not appear in the print. 
  16. Bircher, Steve (5 de novembro de 2011), Tiger Tales (PDF), National Tiger Sanctuary, cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2013 
  17. Perich, Shawn; Furman, Michael (2003). Whitetail Hunting: Top-notch Strategies for Hunting North America's Most Popular Big-Game Animal. Creative Publishing international. [S.l.: s.n.] pp. 8, 9. ISBN 978-1-58923-129-0