Erich Heckel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Erich Heckel
Erich Heckel, portrett av Ernst Ludwig Kirchner
Nascimento 31 de julho de 1883
Döbeln
Morte 27 de janeiro de 1970 (86 anos)
Radolfzell
Cidadania Alemanha
Ocupação pintor, professor universitário, gravador, desenhista, fotógrafo, artista gráfico
Prêmios
  • Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha (1956)
  • Ordem do Mérito para as Artes e Ciência
  • Prêmio de arte de Berlim (1957)
Empregador Academia de Belas Artes de Karlsruhe
Movimento estético expressionismo
Página oficial
http://www.erich-heckel.de/

Erich Heckel (Döbeln, Saxônia, 31 de julho de 1883— Radolfzell, 27 de janeiro de 1970) foi um pintor e gravador alemão e membro fundador do grupo Die Brücke ("A Ponte"), que existiu entre 1905-1913. Seu trabalho fez parte das competições de arte nos Jogos Olímpicos de Verão de 1928 e nos Jogos Olímpicos de Verão de 1932.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Heckel nasceu em Döbeln, Saxônia , filho de um engenheiro ferroviário. Entre 1843 e 1904 frequentou o Realgymnasium em Chemnitz, antes de estudar arquitetura em Dresden. Saiu após três mandatos, pouco depois da fundação do Die Brücke, grupo de artistas do qual foi secretário e tesoureiro. Os outros membros fundadores, também estudantes de arquitetura, foram Ernst Ludwig Kirchner, Karl Schmidt-Rotluff e Fritz Bleyl.[2] Ele trabalhou no escritório do arquiteto Wilhelm Kreis até julho de 1907, quando se demitiu para se tornar um artista em tempo integral.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Heckel conheceu os outros membros fundadores do Die Brücke, Ernst Ludwig Kirchner, Karl Schmidt-Rotluff e Fritz Bleyl, enquanto estudava arquitetura em Dresden. O quarteto também considerou a obtenção de um diploma em arquitetura um compromisso com seus pais de classe média respeitáveis, que nunca os teriam apoiado, se quisessem estudar arte.[4] Heckel frequentou o Instituto Politécnico de Dresden por apenas dezoito meses, após o qual ele aceitou um emprego como desenhista no estúdio de arquitetura de Wilhem Kreis. Ele foi capaz de usar a posição em benefício do Brücke. Quando a empresa foi convidada a projetar uma sala de exposição para o fabricante de lâmpadas Max Seifert, Heckel conseguiu persuadir o industrial de que valia a pena dar espaço nas paredes e mostruários ao Brucke para uma exposição.[5]

Arte[editar | editar código-fonte]

DPAG-2005-DieBrueckeSitzendeFraenzi

Como membro do Die Brücke, Heckel muitas vezes desempenhava o papel de gerente de negócios, o que permitia ao coletivo se relacionar com outros artistas da época, como Franz Marc, de Munique . Isso posteriormente levou a uma maior publicidade para o coletivo, como a sua menção no almanaque da própria coalizão artística de Franz Marc, o Blaue Reiter.[6]

Vale a pena notar que, com exceção de uma crítica favorável de Paul Fetcher no principal jornal de Dresden, Dresdner Neueste Nachrichten , a exposição em Löbtau na fábrica do fabricante de lâmpadas Max Seifert foi considerada um fracasso. Além disso, o pôster de Heckel, não mais existente, foi impedido de exibição pública pela polícia de Dresden.  Em 1906 e 1907, o Die Brücke teve outra exposição em Löbtau, dedicada exclusivamente à arte gráfica e incluindo um grupo de xilogravuras de Wassily Kandinsky. Infelizmente, o grupo mais uma vez não conseguiu impressionar o público.[7] No entanto, muito mais dignos de nota e ironicamente também notórios, foram as próximas três exposições anuais da Die Brücke, desta vez realizada na elegante Emil Richter Gallery. Em quartos amplos e silenciosos, mobiliados de maneira cara e cobertos por tapetes exuberantes, as pinturas e gravuras não convencionais do grupo tocaram um acorde previsivelmente estridente, entre elas, notavelmente, um pôster nua de uma mulher que irritou muitos Dresdener complacentes.[7]

Heckel e outros membros do Die Brücke admiravam muito o trabalho de Edvard Munch e pretendiam fazer uma "ponte" entre a pintura tradicional neo-romântica alemã e a pintura expressionista moderna . Os quatro membros fundadores fizeram muito uso da impressão como um meio barato e rápido para produzir arte acessível.

A arte primitiva também foi uma inspiração para os membros do Die Brücke. Foi o irmão de Heckel quem introduziu o grupo à escultura africana, e constata-se que a aceitação da arte primitiva, que viria a fortalecer de forma decisiva os anseios expressivos dos artistas europeus, foi inequívoca. É neste estilo que encontraram uma fonte de força nas figuras bárbaras.[6]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O crítico James Auer disse que a sua Fränzi de pé ...

...em muitos sentidos resume as principais virtudes de todo o movimento expressionista. Ao mesmo tempo franca e respeitosa, desafiante e compassiva, representa a uma menina-mulher na cimeira da adolescência, ainda inocente e livre, mas, ao mesmo tempo, curiosa e cúmplice.

Referências

  1. «Olympedia – Erich Heckel». www.olympedia.org. Consultado em 24 de julho de 2021 
  2. «German Expressionist Chronology». Museum of Modern Art. Consultado em 22 de outubro de 2013 
  3. Carey, Frances; Griffiths, Anthony (1984). «Erich Heckel». The Print in Germany 1880–1933. London: British Museum Publications. p. 116. ISBN 0-7141-1621-1 
  4. Roh, Franz (1958). German Art in the 20th Century. Munich: F. Bruckmann KG 
  5. Elger, Dietmar (1998). Expressionism. [S.l.]: Taschen 
  6. a b Roh, Franz (1958). German Art in the 20th Century. Munich: F. Bruckmann KG
  7. a b Uhr, Horst (1982). Masterpieces of German Expressionism at the Detroit Institute of Arts. New York: Hudson Hills Press 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em castelhano, cujo título é «Erich Heckel».

Ligações externas[editar | editar código-fonte]