Saltar para o conteúdo

Erika Hilton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Erika Hilton
Erika Hilton
Erika em 2024 na Câmara dos Deputados
Deputada federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2023 a atualidade
Legislatura 57ª (2023–2027)
Vereadora por São Paulo
Período 1º de janeiro de 2021 a 1º de fevereiro de 2023
Legislatura 18ª (2021–2023)
Dados pessoais
Nome completo Erika Santos Silva
Nascimento 9 de dezembro de 1992 (31 anos)
Franco da Rocha, São Paulo
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Federal de São Carlos
Partido PSOL (2015-presente)
Profissão

Erika Santos Silva, mais conhecida como Erika Hilton (Franco da Rocha, 9 de dezembro de 1992), é uma política, ativista e modelo[1] brasileira. Identificando-se como travesti,[2] Erika é filiada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e atua nas causas voltadas aos direitos das pessoas negras e LGBT.[3]

Nas eleições estaduais em São Paulo de 2018, integrou o mandato coletivo[nota 1] da Bancada Ativista, encabeçado por Mônica Seixas.[5][6][7] Após as eleições de 2020, obteve notoriedade nacional e internacional ao tornar-se a primeira vereadora transgênero eleita pela cidade de São Paulo e a parlamentar municipal mais votada do país. Durante o mandato, discutiu questões de gênero, desigualdade e foi responsável pela criação da CPI da Transfobia, entre outros feitos.[8][9][10] Devido à visibilidade alcançada, ganhou, em 2021, o prêmio "Generation Change" no MTV Europe Music Awards.[11]

Em 2022 ingressou na disputa eleitoral por uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo,[12] conquistando o cargo de deputada federal com 256.903 votos.[13] No mesmo ano, foi reconhecida como uma das "100 mulheres mais inspiradoras e influentes do mundo" pela BBC.[14] Em 2023, por votação do público, ficou em segundo lugar entre os melhores parlamentares no Prêmio Congresso em Foco , bem como em sexto lugar na escolha do júri especializado.[15]

Juventude e formação acadêmica[editar | editar código-fonte]

Hilton nasceu na cidade de Franco da Rocha e cresceu na periferia de Francisco Morato, municípios da Região Metropolitana de São Paulo. Aos quatorze anos se mudou com a família para Itu, no interior de São Paulo.[16] Foi criada pela mãe, tias e avós.[17]

Quando adolescente, vivendo com seus tios evangélicos, sofreu violência por sua expressão de gênero, sendo forçada a frequentar a Igreja, em busca de uma "cura" vinda de Deus.[16] Aos quinze anos foi expulsa de casa e foi morar na rua, onde recorreu à prostituição para sobreviver.[18] Após seis anos foi resgatada por sua mãe e com seu apoio retomou os estudos.[16]

Concluiu o ensino médio e ingressou na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde iniciou, sem concluir,[19] os cursos de pedagogia[20] e gerontologia.[21][22] Na UFSCar ingressou no movimento estudantil, pontapé inicial para a carreira política que viria a consolidar.[17]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira política em 2015, após uma disputa com uma empresa de ônibus. Na ocasião, ao tentar comprar uma passagem de ônibus em Itu, a empresa se recusou a imprimir seu nome social feminino na passagem. A legislação em São Paulo que garante direitos de identidade às pessoas trans não se aplicava a empresas privadas. Hilton lançou petições online defendendo o direito de pessoas trans escolherem seus próprios nomes. Após grande engajamento, Hilton acabou obtendo êxito.[18][17]

Marcha do Orgulho Trans (2019)

Com a repercussão do caso Hilton ganhou reputação de defensora dos direitos dos trans e começou a receber convites para dar palestras em universidades.[18] Foi convidada a se filiar ao PSOL e em 2016 se candidatou a vereadora pelo município de Itu, onde não conseguiu se eleger.[23][24]

Em 2018 Hilton recebeu o convite para integrar a Bancada Ativista. O grupo que reunia nove pessoas lançou uma candidatura coletiva para uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). A Bancada Ativista, representada oficialmente por Mônica Seixas, foi eleita com 149.844 votos e Hilton, junto com Seixas e outras sete pessoas assumiram um mandato compartilhado, algo inédito na ALESP.[7] Hilton foi nomeada como assessora e recebia salário correspondente à função, embora atuasse quase como parlamentar.[7] Para comportar a estrutura diferente a ALESP abriu exceções, como permitir a foto de todos os membros do coletivo na porta do gabinete.[7]

Deixou o mandato na ALESP em 2020 para lançar sua candidatura para vereadora em São Paulo. Foi eleita com 50.508 votos, se tornando a vereadora mais votada do Brasil e a primeira mulher trans a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de São Paulo.[21] No mesmo pleito Thammy Miranda (PL) foi o primeiro homem trans a ser eleito naquela casa com 43.321 votos, sendo o 9.º mais votado na cidade.[25]

No dia 27 de dezembro de 2020, antes de assumir o mandato como vereadora de São Paulo, Hilton acionou o Ministério Público contra atos do prefeito Bruno Covas (PSDB) e do governador João Doria (PSDB) que retiraram a gratuidade para idosos acima de 60 anos no transporte público de São Paulo.[26]

Assumiu o mandato de vereadora em 1 de janeiro de 2021 na 18.ª legislatura da Câmara Municipal de São Paulo.[27] Concorreu à presidência da Câmara e foi derrotada pelo vereador Milton Leite (DEM), por 49 votos a 6, recebendo apoio apenas de seu partido.[28]

Em março de 2022 Erika Hilton anunciou que concorreria ao cargo de Deputada Federal pelo PSOL de São Paulo. "Minha pretensão de ir a Brasília é pela necessidade de refundação do Brasil", declarou à Folha de São Paulo na ocasião.[12] Ela logrou êxito, tendo sido eleita para ocupar o cargo de deputada federal com 256.903 votos.[29]

Vereadora na Câmara Municipal de São Paulo[editar | editar código-fonte]

No mandato como vereadora da cidade de São Paulo, Erika Hilton teve como prioridade as temáticas relacionadas à defesa e preservação dos Direitos Humanos, o combate à fome, a defesa da saúde pública e gratuita, bem como o foco nas políticas públicas para a população LGBTQIA+. Hilton debateu tais questões no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo e teve ampla atuação e repercussão, sendo escolhida líder da bancada do PSOL na casa, a terceira maior da capital paulista, em de 9 de agosto de 2022.[30][31]

Foi eleita e reeleita, por unanimidade, a presidente da Comissão Extraordinária de Direitos Humanos e Cidadania, tornando-se a primeira representante do PSOL a presidir uma Comissão na cidade de São Paulo e uma das primeiras pessoas trans a alcançar tal feito no Brasil.[32][33] Foi, ainda, membra titular da Comissão de Administração Pública e suplente da Comissão de Educação e Cultura.[34]

Produção legislativa[editar | editar código-fonte]

Projetos de Lei[editar | editar código-fonte]

Dentre os projetos de lei propostos por Erika Hilton cita-se a aprovação da Lei que criou o Fundo Municipal de Combate à Fome com o objetivo de financiar políticas públicas de segurança alimentar na cidade.[35] Erika também é a responsável pela aprovação da Lei que criou o “Dia Municipal pela Vacinação e em Defesa das Trabalhadoras da Saúde.[36] A vereadora ainda aprovou projetos homenageando mulheres trans e travestis da cidade de São Paulo.[37]

Alesp sedia discussão sobre cota em empresas para LGBTIs (2019)

No seu primeiro ano de mandato Erika Hilton propôs aproximadamente 116 projetos de lei, tornando-se a parlamentar com a maior produção de propostas legislativas da Câmara de SP. No total foram propostos até julho de 2022 aproximadamente 162 sugestões de leis.[38]

Audiências Públicas e Emendas Parlamentares[editar | editar código-fonte]

O mandato de Erika Hilton foi o responsável por realizar Audiências Públicas temáticas como a que discutiu a situação das políticas para HIV/AIDS no Município e a Audiência Pública Políticas LGBTQIA - Cidadania, Diversidade e Direitos. Ao todo foram 10 audiências públicas que abordaram questões sobre população em situação de rua, saúde e negritude, dentre outras. Erika Hilton também foi a parlamentar que articulou o protocolo do requerimento pela criação da Frente Parlamentar LGBTQIA+ por Cidadania e Direitos na Câmara Municipal de São Paulo.[39]

Durante o auge da pandemia Erika Hilton destinou R$ 1 milhão em emendas parlamentares para a compra de vacinas pela Prefeitura de São Paulo.[40] Também destinou R$ 1 milhão em emendas para o Fundo Municipal de Combate à Fome,[41] além de destinar outros R$ 200 mil para a proteção de vidas durante o frio e organizar a campanha que arrecadou cerca de dois mil agasalhos.[42] A Vereadora também aprovou a criação do Observatório contra a Fome na cidade de São Paulo.[43]

Atuação em Comissões[editar | editar código-fonte]

Comissão de Direitos Humanos[editar | editar código-fonte]

Na Comissão Extraordinária de Direitos Humanos Erika Hilton liderou os trabalhos do organismo, sendo eleita por dois mandatos a presidenta da comissão. Sob a sua condução em 2021 foram realizadas 12 reuniões ordinárias, 7 reuniões extraordinárias, 9 audiências públicas e 2 seminários, com a a aprovação de 55 requerimentos.[44]

Como Presidenta da Comissão Erika Hilton participou de uma série de visitas aos Centros Temporários de Acolhimento (CTA)[45] da Prefeitura, instalações nas quais pessoas em situação de grave vulnerabilidade social recebem acolhimento, atendimento e apoio para reinserção no mercado de trabalho e na sociedade. As visitas tinham como objetivo avaliar a infraestrutura do espaço e fiscalizar o trabalho de acolhida. Da mesma forma foram feitas visitas à Praça Princesa Isabel e à Praça da Sé para avaliar a situação dos direitos das pessoas em situação de rua que se alojaram nesses locais.

Campanha eleitoral para as eleições municipais de 2020.

Conforme detalha o Relatório publicado pela Comissão[46] as ações temáticas realizadas durante a presidência de Erika Hilton incluem a criação do Observatório contra a Fome na cidade de São Paulo,[47] debates sobre a visibilidade intersexo, a realização de audiências públicas sobre as políticas públicas para HIV/AIDS no Município de São Paulo e sobre a saúde da população negra, dentre outras, além da questão do acesso e gestão dos serviços da assistência social que atendem e acolhem a população em situação de rua.

Da mesma forma, o Agosto Indígena[48] e a fome/segurança alimentar[49] também foram objeto de audiências convocadas pela comissão. Além disso houve a realização de seminários sobre a ocupação de edifícios antigos na cidade,[50] bem como reuniões nas quais a pauta discutiu o trabalho análogo à escravidão[51] e a qualidade da educação durante o período pandêmico.[52]

Comissão de Administração Pública[editar | editar código-fonte]

Como membra titular da Comissão de Administração Pública,[34] fórum responsável por opinar sobre matérias destinadas à estruturação de órgãos da Administração e sobre temas gerais da Administração como o funcionalismo público e prestação de serviços públicos, Erika Hilton foi a responsável pela proposição do requerimento que culminou na audiência pública sobre o Programa de Metas da Prefeitura de São Paulo,[53] iniciativa que vinha sendo prejudicada pela Prefeitura de São Paulo e a partir da audiência proposta por Erika teve a participação social necessária para discutir as metas da gestão municipal.

Erika Hilton teve como atribuição a relatoria de diversos projetos de lei em trâmite na Comissão. Dentre eles destacam-se o PL nº 580/2016, que dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Garantia dos Direitos das Mulheres, [54] o PL nº 14/2020, responsável por criar a Frente Parlamentar em defesa da periferia,[55] o PL nº 267/2018, que estabelece penalidades aos estabelecimentos que pratiquem atos de discriminação em São Paulo[56] e o PL nº 436/2019, que defende acrescentar nas escolas municipais o ensino a respeito de educação financeira.[57]

Ainda defendeu um reajuste salarial amplo e irrestrito aos servidores da Guarda Civil Metropolitana durante a tramitação do PL 292/2022, que reestruturou a carreira da GCM,[58][59][60] apontando que “de fato o que impacta na qualidade de vida desses trabalhadores, como as questões de carreira e remuneração, ficou sem nada. Isso não foi atendido”.[61]

CPI da Transfobia[editar | editar código-fonte]

Bate-papo com Hilton organizado pelo Centro de Estudos Feministas Interdisciplinares da Faculdade de Ciências Sociais, Universidade da República, Uruguai (2021)

Por iniciativa de Erika Hilton, no dia 24/09/2021 foi instalada na Câmara Municipal de São Paulo uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a violência contra pessoas trans e travestis na cidade. Erika Hilton foi eleita presidenta da Comissão e em conjunto com os demais membros tornou-se responsável por investigar as violências motivadas por transfobia cometidas contra mulheres e homens trans, travestis, transvestigêneres, pessoas transmasculinas e não binárias no Município.[62][63]

A CPI da Transfobia foi a primeira investigação desse tipo em todo o país. O trabalho da comissão de investigação tratou de temas relativos aos direitos humanos das pessoas trans e travestis na cidade de São Paulo. Nos encontros da CPI houve a escuta de vítimas de discriminação e violência por agentes de segurança pública, de discriminação no mercado de trabalho e de representantes de empresas com boas práticas de diversidade.

A atuação da vereadora Erika e dos demais parlamentares também focou em temáticas como a saúde das pessoas trans e travestis que passaram pelo processo de implante de silicone líquido industrial (SLI) e por outros procedimentos cirúrgicos. Além disso, a questão da retificação do registro civil do nome e gênero na certidão de nascimento e a violência contra estudantes trans e travestis nas escolas de São Paulo foram pauta de reuniões da comissão.

A CPI ainda enviou um requerimento com uma série de questionamentos às principais redes sociais do país, objetivando tomar conhecimento sobre quais são os caminhos usados para combater os discursos de ódio, de violência e ataques transfóbicos nas redes sociais.

Por meio da CPI Erika Hilton elaborou um dossiê que apontou diversas falhas no fornecimento adequado de medicamentos às pessoas trans e travestis que realizam o tratamento hormonal pelo SUS. Também houve o acompanhamento do caso de agressão e violência cometido contra a dançarina Fernanda Frazão, mulher trans que estava nas proximidades do Terminal Parque Dom Pedro II quando foi hostilizada por um homem que em seguida a agrediu.

O conjunto de dados relativos à investigação e as conclusões da CPI foram disponibilizadas no relatório final da CPI, que encaminhou 189 recomendações a 33 instituições públicas e privadas sobre iniciativas de combate à transfobia institucional.[64]

Iniciativas judiciais[editar | editar código-fonte]

Dentre as ações judiciais realizadas pela parlamentar destaca-se o ingresso com ação na justiça que suspendeu a reintegração de posse da Ocupação Rio Branco.[65] O seu mandato também provocou o Ministério Público contra o uso de recursos da Prefeitura de São Paulo para a realização da “motociata” do então presidente Jair Bolsonaro[66] e requereu ao mesmo órgão a investigação acerca de uma possível omissão do Executivo na preservação das vidas das pessoas em situação de rua durante o frio na cidade.[67] Outra iniciativa realizada foi a denúncia contra o jogador de vôlei Maurício Sousa por LGBTfobia.[68]

Foi apresentada ainda uma denúncia ao Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU solicitando o acompanhamento, por parte do organismo internacional, do caso do assassinato de Genivaldo de Jesus Santos por policiais rodoviários federais.[69]

Ainda em sua atuação judicial Erika Hilton apresentou uma queixa-crime junto ao STF contra o presidente Jair Bolsonaro por homofobia e transfobia. A ação pede a abertura de um inquérito criminal contra o mandatário por falas feitas durante evento com evangélicos no Maranhão e tem o ministro Dias Toffoli como relator.[70] Também processou 50 pessoas que teriam feito ameaças transfóbicas, racistas e machistas contra a parlamentar nas redes sociais.[71]

Inclusão de transmasculinidades em política pública municipal de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Em decisão unânime, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo julgou inconstitucional a Lei Municipal nº 17.574/21,[72] que Institui o Programa de cuidados com as estudantes nas escolas da Rede Municipal de Ensino de São Paulo e determinou a inclusão de pessoas transmasculinas em políticas públicas originalmente direcionadas apenas a mulheres cisgênero.[73][74][75]

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi articulada pelo mandato de Erika Hilton e proposta pelo PSOL, depois que a lei foi sancionada pelo Prefeito Ricardo Nunes. Durante a tramitação do Projeto de Lei que se tornaria a Lei Municipal nº 17.574,[76] a vereadora Erika Hilton e o vereador Thammy Miranda, apresentaram um substitutivo ao texto com o objetivo promover a modificação dos pronomes pessoais utilizados no texto original, que estavam direcionados exclusivamente a mulheres cisgênero.[77] A proposta não foi acatada pela Câmara e o projeto foi aprovado com o texto original apresentado pela Prefeitura, que teve seu teor modificado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Atuação como Deputada Federal[editar | editar código-fonte]

Erika Hilton e Thabatta Pimenta no lançamento da Frente Parlamentar LGBTI em 2023.

Hilton assumiu o mandato como deputada federal em 1 de fevereiro de 2023 como a primeira mulher negra e travesti a ocupar o cargo na história.[78] Uma das pautas do mandato de Hilton é a inclusão de pessoas trans e travestis no mercado de trabalho.[79]

Em maio de 2023 foi eleita por unanimidade como vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial da Câmara dos Deputados.[80]

Atuou na CPI que investigou os ataques de 8 de janeiro em Brasília, quando foi alvo de comentários transfóbicos do colega Abilio Brunini. Durante a fala de Erika na Comissão, Brunini teria dito que ela estava "oferecendo serviços" na Câmara.[81][82] Em decorrência das falas, o Ministério Público Eleitoral pediu a investigação de Brunini por violência política e de gênero, fato que será apurado pela Procurador-Geral da República.[83]

Em 30 de agosto de 2023, como 2ª Vice-Presidente da Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial, compôs a mesa e participou do debate em audiência pública destinada a debater as "Condições dos cárceres, a prevenção e o combate à tortura e o sistema de justiça no Brasil".[84]

Em setembro de 2023 atuou na votação de Projeto de Lei 5167/2009, que tenta proibir a união civil entre pessoas do mesmo sexo no Brasil. Hilton foi alvo de transfobia por parte do parlamentar Pastor Isidório, que a chamou de "amigo", em desrespeito a identidade de gênero dela. Dada a oposição, a votação do projeto foi adiada.[85]

Em resposta ao Projeto de Lei, Hilton liderou a criação da Frente Parlamentar em Defesa da Cidadania e dos Direitos da Comunidade LGBTI+, lançada em 19 de setembro de 2023 com o apoio de mais de 210 deputados e senadores. O objetivo principal do grupo é fomentar a promoção e proteção dos direitos das pessoas LGBTQIA+ no Brasil. Erika foi escolhida como presidente da Frente.[86]

Em fevereiro de 2024, Erika foi escolhida líder da bancada do PSOL na Câmara, tornando-se a primeira mulher trans a comandar bancada no Congresso Nacional.[87]

Ameaças e ataques[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2019, no período em que Hilton integrava a Bancada Ativista na ALESP, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL) disse em uma sessão no plenário da ALESP que iria "tirar no tapa" uma transexual que usasse o mesmo banheiro feminino de sua mãe ou sua irmã.[88] O deputado foi punido com uma advertência verbal pelo Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo.[89]

No dia 26 de janeiro de 2021 Hilton foi perseguida por um homem dentro da Câmara Municipal de São Paulo. O homem portava uma bandeira e usava máscaras com símbolos religiosos e entrou no gabinete pedindo insistentemente para falar com a parlamentar. Ele se apresentou como "garçom reaça" e disse ser uma das pessoas que estão sendo processadas pela vereadora. No início de janeiro Erika protocolou uma ação contra 50 pessoas suspeitas de fazer ameaças transfóbicas e racistas contra ela na internet.[90] A polícia investiga se o caso tem relação com outros dois atentados contra vereadoras transgênero do PSOL em São Paulo.[91]

Durante a CPI dos Atos Golpistas, em 2023, os senadores Soraya Thronicke e Rogério Carvalho denunciaram um suposto comentário transfóbico por parte do deputado Abilio Brunini (PL), após supostamente o deputado falar que a deputada Hilton estaria "oferecendo os seus serviços". A fala supostamente ocorreu durante a fala da deputada na sessão. [92][93]

Prêmios e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em razão do seu trabalho e ativismo Erika Hilton foi reconhecida com o prêmio “Generation Change”, promovido pela MTV durante o Europe Music Awards de 2021.[94] Também foi considerada Personalidade Destaque de 2021 pela Revista IstoÉ.[95] No Uruguai recebeu a honraria “Visita Ilustre no Teatro Solis”, concedida pela Prefeitura de Montevidéu.[96]

Foi destaque em uma das edições do “Next Generation Leaders”, ranking elaborado pela tradicional revista estadunidense Time.[97] Ainda recebeu o título de “Most Influential People of African Descent” ("pessoa influente de descendência africana"), apoiado pela ONU, que reconhece as pessoas negras mais influentes do mundo.[98] Foi a primeira travesti a ser entrevistada pelo Roda Viva,[99] tradicional programa de entrevistas da TV Cultura e recebeu o Prêmio Claudia Wonder pelo seu ativismo de gênero.[100]

Foi eleita uma das "100 mulheres mais inspiradoras e influentes do mundo em 2022" pela BBC.[14]. A atuação como vereadora rendeu-lhe cobertura de diversos veículos de imprensa internacionais.[101][102][103][104][105][106]

Em 2023, no Prêmio Congresso em Foco ficou em sexto lugar na categoria "Melhores na câmara pelo júri especializado", segundo lugar em "Melhor na câmera pela internet" e segundo lugar em "Melhores na câmara pela internet - Região Sudeste".[107][108]

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Desempenho eleitoral de Erika Hilton
Ano Eleição Cargo Votos Partido Resultado Notas Ref.
2016 Municipal de Itu Vereadora PSOL Não eleita Candidatura indeferida. [109]
2018 Estadual de São Paulo Deputada estadual 149.844 Eleita Candidatura coletiva, titular era Mônica Seixas. Ver nota 1. [7]
2020 Municipal de São Paulo Vereadora 50.508 Eleita Mulher mais bem votada nas Eleições de 2020 [21]
2022 Estadual de São Paulo Deputada federal 256.903 Eleita Junto com Duda Salabert foram eleitas as primeiras mulheres trans da câmara federal. [29]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Ref.
2018 Para Onde Voam As Feiticeiras Ela mesma [110]
2022 Corpolítica Ela mesma [111]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas Ref.
2021 Roda Viva Ela mesma Episódio: "1 de fevereiro de 2021" [112]
Fantástico Episódio: "30 de maio de 2021" [113]
MTV EMA MTV Europe Music Awards de 2021 [11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A legislação brasileira não reconhece a existência de mandatos coletivos, pelo que não existe oficialmente o cargo de codeputada. A formação de grupos como esse é informal e apenas o titular é diplomado e tem direitos de votar e integrar comissões, ficando à sua discrição compartilhar decisões com os colegas de chapa.[4]

Referências

  1. PODER360 (15 de julho de 2023). «Agência anuncia deputada Erika Hilton como modelo». Poder360. Consultado em 4 de novembro de 2023 
  2. Cortez, Natacha; Tozze, Humberto (23 de novembro de 2021). «Erika Hilton: 'Quero ser a primeira travesti no Senado Federal'». Consultado em 2 de setembro de 2022. '(...) Meu desejo é ser senadora do Brasil', responde de cabeça erguida a primeira travesti a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de São Paulo. Você leu corretamente, travesti. É com essa palavra que Erika pede para ser identificada, e não como 'mulher transgênero ou transexual', em qualquer sala em que esteja. 
  3. «Erika Hilton PSOL 50700». Estadão. 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  4. Lunardelli, Ana Laura Bandeira Lins; Gonçalves, Luiz Carlos dos Santos (20 de outubro de 2020). «Candidaturas coletivas e a atuação do Ministério Público Eleitoral». Consultor Jurídico. Consultado em 5 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  5. Ortega, Pepita; Ker, João (1 de dezembro de 2019). «'Somos prova de que há outra possibilidade', diz codeputada Érika Hilton...». UOL. Agência Estado. Consultado em 12 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  6. Correa, Suzana (24 de novembro de 2020). «Erika Hilton: Como a afro-transexual da periferia tornou-se a mulher mais votada do Brasil». O Globo. Infoglobo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  7. a b c d e Tavares, Joelmir (6 de janeiro de 2020). «Mandato coletivo quebra barreiras na Assembleia de SP e projeta multiplicação». Folha de São Paulo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  8. Jr., Jorge; Laurindo, Jean (16 de novembro de 2020). «Conheça os vereadores mais votados do Brasil nas Eleições 2020». Diário Catarinense. NSC Comunicação. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 – via NSC Total. (pede registo (ajuda)) 
  9. Vieira, Bárbara Muniz; Machado, Lívia (17 de novembro de 2020). «'Estamos sedentas de direitos humanos e equidade', diz Erika Hilton, mulher mais votada da Câmara de SP». G1. Grupo Globo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  10. «Erika Hilton, a primeira vereadora transexual de São Paulo». Estado de Minas. AFP. 26 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  11. a b Cetrone, Camila (14 de novembro de 2021). «Vereadora Erika Hilton receberá prêmio por ativismo LGBTQIA+ no MTV EMA». iG Queer. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  12. a b «Mônica Bergamo: Erika Hilton vai concorrer à Câmara dos Deputados». Folha de S.Paulo. 12 de março de 2022. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  13. «Quem são os 20 candidatos a deputado federal mais votados nas eleições 2022». JOTA Info. 3 de outubro de 2022. Consultado em 3 de outubro de 2022 
  14. a b «BBC 100 Women 2022: quem está na lista das mulheres mais inspiradoras do mundo deste ano? - BBC News Brasil». News Brasil. Consultado em 9 de dezembro de 2022 
  15. Lins, Iara Lemos, Carlos (22 de setembro de 2023). «Conheça os vencedores do Prêmio Congresso em Foco 2023». Congresso em Foco. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  16. a b c Brolli, Gabriel (18 de novembro de 2020). «Da prostituição à Câmara de SP, conheça a história de Erika Hilton». GQ. Grupo Globo. Consultado em 2 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  17. a b c Lima, Claudia (23 de dezembro de 2020). «A trajetória e lutas de Erika Hilton, estrela da capa digital da Vogue em dezembro». Vogue Brasil. Grupo Globo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  18. a b c Griffin, Tamerra (21 de novembro de 2018). «Quem são e o que pensam estas duas mulheres trans eleitas deputadas em SP». Buzzfeed News. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  19. «Ficha do candidato a vereador Erika Hilton - PSOL». Folha de S.Paulo. 2020. Consultado em 14 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2021 
  20. Oliveira, Joana (23 de novembro de 2020). «Erika Hilton: "Este é o país dos paradoxos, que elege mulheres negras e tem homens negros assassinados"». El País. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  21. a b c Rodrigues, Artur (16 de novembro de 2020). «Trans na política são resposta ao bolsonarismo, diz Erika Hilton, 6ª vereadora mais votada em SP». Folha de São Paulo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  22. Boldrin, Fernanda (17 de novembro de 2020). «Violência nos levou ao ativismo, diz Erika Hilton, 1ª negra trans na Câmara de SP Erika Hilton, do PSOL». Universa. UOL. Agência Estado. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  23. «'Somos prova de que há outra possibilidade', diz codeputada Érika Hilton». Correio Braziliense. Agência Estado. 1 de dezembro de 2019. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  24. Campos de Toledo, Denise (19 de novembro de 2020). «Erika Hilton, do PSOL, primeira vereadora trans e negra eleita, sobre representatividade política». Jornal da Gazeta. TV Gazeta. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 – via YouTube 
  25. Fontana, Guilherme (20 de novembro de 2020). «Quem são os vereadores trans eleitos em 2020». G1. Grupo Globo. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  26. Netto, Paulo Roberto (27 de dezembro de 2020). «Erika Hilton aciona Promotoria contra fim de gratuidade para idosos acima de 60 anos no transporte de São Paulo». Estadão. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  27. «Erika Hilton - Posse da 18ª Legislatura da Câmara Municipal de São Paulo». Câmara Municipal de São Paulo. 1 de janeiro de 2021. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 – via YouTube 
  28. Reverbel, Paula (1 de janeiro de 2021). «Milton Leite é eleito presidente da Câmara de São Paulo por 49 votos a 6». Estadão. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  29. a b «Eleições em São Paulo». G1. Consultado em 3 de outubro de 2022 
  30. «Erika Hilton lidera PSOL na Câmara de SP: “Chegamos na política para romper barreiras”». TV Cultura. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  31. «Erika Hilton assume a liderança da bancada municipal do PSOL em São Paulo». CartaCapital. 9 de maio de 2022. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  32. Hypeness, Redação (31 de março de 2021). «Erika Hilton faz história e é 1ª mulher negra e trans à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara». Hypeness (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2022 
  33. «Comissão de Direitos Humanos reelege vereadora Erika Hilton para presidência do colegiado». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  34. a b «Comissão de Administração Pública». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  35. «São Paulo terá fundo municipal de combate à fome». TV Cultura. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  36. «Documento: 0022-21 CL .pdf». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  37. «Projetos que homenageiam mulheres trans são aprovados! | ERIKA HILTON - Vereadora mais votada do país e 1ª travesti eleita na cidade de São Paulo». Consultado em 17 de agosto de 2022 
  38. «Erika Hilton». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  39. «Erika Hilton protocola criação da Frente Parlamentar LGBTQIA+ por Cidadania e Direitos | ERIKA HILTON - Vereadora mais votada do país e 1ª travesti eleita na cidade de São Paulo». Consultado em 17 de agosto de 2022 
  40. «Erika Hilton oferece R$ 1 milhão em emendas para compra de vacinas pela Prefeitura». Fausto Macedo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  41. «Mônica Bergamo: Erika Hilton quer destinar R$ 1 mi em emendas para fundo de combate à fome». Folha de S.Paulo. 27 de abril de 2022. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  42. «SP Escola de Teatro e vereadora Erika Hilton promovem campanha de arrecadação de agasalhos e cobertores». SP Escola de Teatro. 27 de maio de 2022. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  43. «Erika Hilton e CDHC criam o Observatório da Fome em São Paulo | ERIKA HILTON - Vereadora mais votada do país e 1ª travesti eleita na cidade de São Paulo». Consultado em 17 de agosto de 2022 
  44. «Comissão Extraordinária de Direitos Humanos e Cidadania». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  45. Câmara Municipal de São Paulo (2021). «Relatório das Visitas de Inspeção aos Serviços para a População em Situação de Rua» (PDF). Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  46. «Pauta de Reunião». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  47. «Criação do Observatório Contra a Fome é aprovada na Comissão de Direitos Humanos». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  48. «Relatório de Votação». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  49. «Relatório de Votação». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  50. «Relatório de Pauta». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  51. «Relatório de Votação». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  52. «Relatório de Pauta». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  53. «Audiência pública debate Programa de Metas da capital paulista». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  54. «Relatório Detalhado - PL 580/2016». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  55. «Relatório Detalhado - PR 14/2020». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  56. «Relatório Detalhado - PL 267/2018». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  57. «Relatório Detalhado - PL 436/2019». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  58. «RESPEITO AOS GCMS DE SÃO PAULO!!! Fala minha hoje na Audiência que debatia a carreira dos GCMs na Câmara Municipal de São Paulo. A GCM, tão importante... | By Erika Hilton | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  59. «Relatório Detalhado - PL 292/2022». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  60. «Audiência pública da CCJ recebe demanda da GCM e encaminha sugestões para análise da Prefeitura». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  61. «Câmara aprova projeto que reestrutura carreira e altera regime de remuneração da GCM». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  62. «CPI da Violência Contra Pessoas Trans e Travestis». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  63. Cetrone, Camila (24 de setembro de 2021). «CPI para investigar violência contra pessoas trans e travestis é instalada em SP». iG. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  64. «Com 189 recomendações, relatório final da CPI da Violência Contra Trans e Travestis é aprovado». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 28 de abril de 2023 
  65. «Erika Hilton consegue na justiça a suspensão da reintegração de posse de Ocupação Rio Branco | ERIKA HILTON - Vereadora mais votada do país e 1ª travesti eleita na cidade de São Paulo». Consultado em 17 de agosto de 2022 
  66. Estado', 'Agência (16 de abril de 2021). «Erika Hilton pede investigação de gastos de motociata com Bolsonaro». Política. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  67. «Ministério Público investiga se Prefeitura de SP se omite sobre mortes de moradores de rua em noites frias». G1. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  68. «Mônica Bergamo: Parlamentares LGBTQIA+ denunciam Maurício Souza ao Ministério Público de MG». Folha de S.Paulo. 29 de outubro de 2021. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  69. «Parlamentares Erika Hilton e Linda Brasil denunciam tortura de rapaz em Sergipe à ONU». TV Cultura. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  70. «Ministra Rosa Weber remete à PGR pedido de investigação contra Bolsonaro por suposto crime de homotransfobia». Supremo Tribunal Federal (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2022 
  71. «Vereadora Erika Hilton entra na Justiça contra 50 pessoas que a ofenderam na internet». TV Cultura. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  72. Prefeitura de São Paulo. «Lei Municipal nº 17.574/21» 
  73. «TJ/SP manda incluir trans em distribuição de absorventes de SP». Migalhas. 12 de maio de 2022. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  74. «Erika Hilton entra com ação para que homens trans ganhem absorventes - Guia Gay São Paulo». www.guiagaysaopaulo.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  75. «Portal de Serviços e-SAJ». esaj.tjsp.jus.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  76. Prefeitura de São Paulo. «Lei nº 17.574, de 12 de julho de 2021» 
  77. «Documento: Substitutivo - PL 388_21 - absorventes (1)_20210622180035.pdf». splegisconsulta.saopaulo.sp.leg.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  78. «Deputada Federal Erika Hilton». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  79. «Deputada Erika Hilton destaca a importância da inclusão de pessoas trans e travestis no mercado de trabalho». www.serpro.gov.br. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  80. «Erika Hilton assume vice-presidência da Comissão de Direitos Humanos na Câmara dos Deputados – Política». CartaCapital. 5 de maio de 2023. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  81. «Erika Hilton pede cassação de bolsonarista após acusá-lo de transfobia em CPI». O Globo. 12 de julho de 2023. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  82. «CPI do 8 de Janeiro: deputado é acusado de transfobia contra Erika Hilton em depoimento de Mauro Cid; parlamentar nega». O Globo. 11 de julho de 2023. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  83. Albuquerque, Mariana. «MP Eleitoral pede que deputado do PL seja investigado por transfobia contra Erika Hilton». CNN Brasil. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  84. «Ata da Reunião de Audiência Pública (CDHMIR), de 30/08/2023.». Consultado em 31 de outubro de 2023 
  85. «Comissão adia votação sobre proibição do casamento homoafetivo». Agência Brasil. 19 de setembro de 2023. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  86. Oliva, Gabriela (19 de setembro de 2023). «Deputados lançam Frente LGBT+ em resposta a projeto que proíbe união homoafetiva | O TEMPO». www.otempo.com.br. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  87. «Erika Hilton se torna primeira mulher trans a comandar bancada no Congresso | UOL». UOL. 21 de fevereiro de 2024. Consultado em 21 de fevereiro de 2024 
  88. Mello, Zelda (4 de abril de 2019). «Parlamentar diz que arrancaria 'homem que se sente mulher' a tapas do banheiro após discurso da 1ª deputada trans de SP». SPTV. TV Globo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 – via G1 
  89. Linhares, Carolina; Tavares, Joelmir (28 de agosto de 2019). «Assembleia de SP decide dar advertência a deputado do PSL por ofensa a trans». Folha de São Paulo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  90. «Vereadora Erika Hilton registra boletim de ocorrência por ameaça após ser perseguida dentro da Câmara de SP». G1. Grupo Globo. 28 de janeiro de 2021. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  91. Tomaz, Kleber (1 de fevereiro de 2021). «Polícia de SP investiga se há relação entre atentados contra 3 parlamentares trans do PSOL». G1. Grupo Globo. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  92. Behnke, Gabriel Buss, Emilly (11 de julho de 2023). «Após bate-boca em CPI, deputado pede investigação por homofobia». Poder360. Consultado em 11 de julho de 2023 
  93. «Parlamentares acusam deputado de transfobia contra Erika Hilton na CPI dos Atos Golpistas; presidente anuncia investigação». G1. 11 de julho de 2023. Consultado em 11 de julho de 2023 
  94. «Erika Hilton recebe prêmio por ativismo LGBTQIA no MTV EMA». observatoriog.bol.uol.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  95. «Erika Hilton: Vereadora negra e trans diz que Brasil é o país que mais mata população LGBTQIA+». ISTOÉ Independente - A mais combativa revista semanal de informação e interesse geral do Brasil. 22 de dezembro de 2021. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  96. «Primeira vereadora trans de SP recebe prêmio no Uruguai». Nova Mulher. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  97. CNN. «Notícia CNN» 
  98. «Erika Hilton é eleita uma das políticas negras mais influentes do mundo abaixo dos 40». esportes.yahoo.com. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  99. «Perdeu o Roda Viva com a vereadora Erika Hilton? Assista à íntegra». TV Cultura. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  100. «Prêmio Claudia Wonder encerra 9 ª Transvisão em noite de homenagens emocionantes». SP Escola de Teatro. 4 de fevereiro de 2021. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  101. Padgett, Donald (17 de novembro de 2020). «4 Trans Candidates Win Elections, Make History in Brazil» [Quatro candidatos trans vencem eleições e fazem história no Brasil]. Out (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  102. «Erika Hilton, Sao Paulo's first Black trans city councillor highlights 'adverse' racism in Brazil» [Erika Hilton, a primeira vereadora negra trans de São Paulo destaca o racismo "adverso" no Brasil]. Africanews (em inglês). AFP. 26 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  103. «Historic wins for trans candidates in Brazil vote» [Vitórias históricas para candidatos trans na votação do Brasil] (em inglês). France 24. AFP. 16 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  104. «Brasiliens politiska karta på väg att ritas om» [Mapa político do Brasil prestes a ser redesenhado]. Dagens Nyheter (em sueco). Bonnier AB. 28 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  105. Porterfield, Carlie (16 de novembro de 2020). «Openly Trans Candidates Elected To City Councils Across Brazil In 'Historic' Election» [Candidatos abertamente trans eleitos para câmaras municipais em todo o Brasil em eleições "históricas"]. Forbes (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  106. «Brésil: Erika Hilton, noire, transsexuelle, élue de Sao Paulo» [Brasil: Erika Hilton, negra, transexual, eleita de São Paulo]. L'Obs (em francês). Paris, França. AFP. 26 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2021 
  107. Lins, Iara Lemos, Carlos (22 de setembro de 2023). «Conheça os vencedores do Prêmio Congresso em Foco 2023». Congresso em Foco. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  108. «Sâmia Bomfim, Erika Hilton e Boulos são vencedores de prêmio que reconhece atuação parlamentar». Rede NINJA. Consultado em 28 de dezembro de 2023 
  109. «Erika Hilton 50123 (PSOL)». Gazeta do Povo. GRPCOM. 30 de março de 2018. Consultado em 13 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021. (pede subscrição (ajuda)) 
  110. «Premiado documentário "Para Onde Voam as Feiticeiras" promove diálogo sobre pautas identitárias nas ruas de São Paulo». Vogue. 1 de setembro de 2023. Consultado em 15 de julho de 2024 
  111. «'Corpolítica': doc premiado expõe essência da política ao acompanhar candidatos LGBTQIA+; leia crítica». O Globo. 8 de junho de 2023. Consultado em 15 de julho de 2024 
  112. «No Roda Viva, Erika Hilton comenta os ataques sofridos pelos parlamentares do PSOL». TV Cultura. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 26 de março de 2021 
  113. Hilton, Erika (30 de maio de 2021). «Íntegra da matéria que aparecemos no Fantástico, relatando a mudança provocada em nosso cotidiano pelas ameaças e violência por conta do fascismo. A nossa luta apenas começou. Não vão nos interromper.». Consultado em 30 de maio de 2021 – via Twitter 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Erika Hilton:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata