E. T. A. Hoffmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
E. T. A. Hoffmann
E.T.A. Hoffmann.
Nome completo Ernst Theodor Amadeus Wilhelm Hoffmann
Nascimento 24 de janeiro de 1776
Königsberg, Alemanha
Morte 25 de junho de 1822 (46 anos)
Berlim, Alemanha
Nacionalidade Alemão
Ocupação Escritor, compositor, desenhista e jurista
Magnum opus Contos nocturnos

Ernst Theodor Amadeus Wilhelm Hoffmann (Königsberg, 24 de janeiro de 1776Berlim, 25 de junho de 1822), mais conhecido por E. T. A. Hoffman, foi um escritor romântico, compositor, desenhista e jurista alemão, sendo sobretudo conhecido como um dos maiores nomes da literatura fantástica mundial.

Suas histórias foram a base da famosa ópera de Jacques Offenbach, Os Contos de Hoffmann, em que Hoffman aparece como personagem. O balé O Quebra-Nozes foi baseado no seu conto "O Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos", o bale Coppélia foi baseado em outros contos seus e a Kreisleriana de Robert Schumann é baseada no personagem Johannes Kreisler, criado por Hoffmann.

Vida[editar | editar código-fonte]

Originário de uma família de pastores e de homens da lei pertencentes à antiga burguesia de toga,[1] Hoffman foi o terceiro filho do pastor luterano e advogado de Königsberg Christoph-Ludwig Hoffmann (1736—1797), [2] era poeta e compositor ocasional. Christoph-Ludwig casou-se em 29 de outubro de 1767 com uma prima, Louise Albertine Doerffer (1748—1796)[3], com quem teve três filhos: Johann Ludwig, nascido em 1768 e falecido depois de 1822, Carl Wilhelm Philipp, nascido em 1773 e falecido na infância, e Ernst Theodor Wilhelm, nascido em 1776.[4]

Em 1778, seus pais se separaram. Christoph-Ludwig foi transferido, pouco depois, para Insterburg, na Lituânia Menor, e levou consigo seu filho mais velho.[5]. Hoffmann foi criado pela família da mãe, uma mulher doente e nervosa que morre de apoplexia na noite de 14 para 15 de março de 1796.[6] Basicamente, três pessoas se encarregaram da educação do jovem Ernst Theodor Wilhelm: sua avó materna, sua tia Johanna Sophie (1745—1803)[7][8] e seu tio Otto Wilhelm Doerffer (1741—1811)[2], um magistrado solteiro, de humor sombrio, devoto e solene, que Hoffmann retrataria em suas cartas e através de vários personagens de sua obra. Hoffman o apelida de "Onkel O. W." (ou "Oh Weh!"), que significa, aproximadamente, "tio ó dor!" ou "tio infelicidade". Embora apreciador de música, esse tio tem "todos os traços do beócio racionalista"[9]

Destinado à magistratura, Hoffmann demonstrou desde cedo seus dons para as artes. Depois de ter estudado em Königsberg, em 1798 foi para Berlim trabalhar na corte de apelações. Nomeado assessor em Posen em 1800, prosseguiu sua carreira em Plock, Varsóvia. Devido às vitórias napoleónicas que levaram ao desaparecimento da administração prussiana na Polónia, Hoffmann retornou a Berlim em 1807. No ano seguinte, liberado de suas funções de magistrado, instalou-se em Bamberg. Desde então, dedicou-se inteiramente à literatura e às artes. Entre suas atividades artísticas, estavam pintura, crítica musical, dramaturgia, direção teatral, regência orquestral e cenografia. Compositor, autor de música de câmara, Hoffmann foi também um crítico musical perspicaz e um dos primeiros a proclamar a genialidade de Beethoven. O nome Amadeus, aliás, foi deliberadamente incorporado por Hoffmann dada sua grande admiração por Mozart.

Em 1781, Hoffmann entra na Burgschule, uma escola luterana,[10] onde faz seus estudos clássicos. Também estuda música e sobretudo a arte da fuga e do contraponto, com um organista polonês, Christian Wilhelm Podbielski (1740—1792)[11], que inspira o personagem Abraham Liscot de Reflexões do Gato Murr. Hoffmann se revela um prodigioso pianista. Também tenta escrever poemas, romances, além de desenhar, mas o ambiente provinciano em que vivia não favorece seu desenvolvimento, nem lhe propicia acesso a novas formas que então surgiam fora da Alemanha.

Ingressa na Universidade de Königsberg em 1792, obrigado pelo tio a estudar direito na cidade natal. Sua correspondência de juventude reflete esses estudos, ao contrário das suas leituras de Voltaire, Rousseau, Goethe, Schiller, Jean Paul ou de Kotzebue. Na música, admira Bach, Mozart e os italianos.[12] Só mais tarde, descobriria Haydn, Gluck e Beethoven.

Em 1786, Ernst torna-se amigo de Theodor Gottlieb von Hippel, o Jovem (1775—1843), filho de Theodor Gottlieb von Hippel, um pastor e escritor conhecido, próximo de Immanuel Kant. Em 1792, os dois amigos se reencontram na universidade, onde seguem os cursos do filósofo. En 1794, Hoffmann se apaixona por Johanna-Dorothea Hatt, uma jovem de 28 anos a quem ele dá aulas de música, que ele chama afetuosamente de "Cora" (em alusão à heroína dos Incas de Marmontel) e que era casada com um comerciante de mais de sessenta anos.[13][14].

A necessidade de dinheiro fez com que Hoffmann retornasse a exercer a magistratura. Em 1816, foi nomeado conselheiro da corte de apelações de Berlim, mas continuou dedicando todo o seu tempo livre às atividades artísticas, literatura sobretudo.

Foi sepultado nos Friedhöfe vor dem Halleschen Tor em Berlim.

Lista de obras[editar | editar código-fonte]

  • Fantasias à Maneira de Callot (1814/15)
  • O Vaso de Ouro (1812)
  • O Elixir do Diabo (1816)
  • Quebra Nozes e o Camundongo Rei (1816)
  • Noturnos (1817)
  • Contos dos Irmãos Serapion (1819/21)
  • Princesa Brambilla (1821)

Referências

  1. Robert Laffont e Valentino Bompiani. Le nouveau dictionnaire des auteurs T.II, G-M. Robert Laffont, 1993. ISBN 978-2221077177 p.1469.
  2. a b David Charlton E. T. A. Hoffmann's Musical Writings - Kreisleriana; The Poet and the Composer; Music Criticism. Cambridge University Press, 2006 ISBN 0521543398
  3. Mistler, Jean. La Vie d'Hoffmann. Gallimard, 1927, p.21.
  4. Hans von Müller, Friedrich Schnapp E. T. A. Hoffmanns Briefwechsel. Winkler, 1967, p.374.
  5. Ricci, Jean F. A. E.T.A. Hoffmann, l'homme et l'œuvre. J. Corti, 1947, p.15.
  6. Carta de Hoffmann a Hippel em 15 de março de 1796, in Michel Lévy frères (1856). Contes posthumes d'Hoffmann. Paris: [s.n.] p. 142-143 
  7. Brigitte Feldges, Ulrich Stadler, Ernst Lichtenhahn, Wolfgang Nehring. 'E.T.A. Hoffmann - Epoche, Werk, Wirkung. Beck, 1986. ISBN 3406312411.
  8. Mistler, Jean La Vie d'Hoffmann. Gallimard, 1927, p.22.
  9. Béguin, Albert; Hoffmann, Ernst Theodor Amadeus "Notice". Contes: Fantaisies à la manière de Callot, tirées du journal d'un voyageur enthousiaste, 1808-1815. Livre de poche, 1969, p.352.
  10. De Loecker, Armand; Polet Jean-Claude "Hoffmann" Patrimoine littéraire européen, vol. 10 Gestation du romantisme (1778-1832). De Boeck Université, 1998 ISBN 2804128083 pp 480-490.
  11. Detlef Kremer, E. T. A. Hoffmann: Leben-Werk-Wirkung, Walter de Gruyter, 2009, p. 29. ISBN 311018382X
  12. Cercignani, Fausto, "E. T. A. Hoffmann, Italien und die romantische Auffassung der Musik", em Moraldo S. M. (org.), Das Land der Sehnsucht. E. T. A. Hoffmann und Italien, Heidelberg, Winter, 2002, pp. 191-201 ISBN 978-3-8253-1194-0.
  13. Péju, Pierre, L'Ombre de soi-même: E.T.A. Hoffmann : une biographie. Phébus, 1992, p. 71.
  14. Mistler, Jean, Hoffmann le fantastique, Albin Michel, 1950, ISBN 978-2226014085, p.43.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre E. T. A. Hoffmann
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ernst Theodor Amadeus Wilhelm Hoffmann
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.