Erwin Chargaff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Erwin Chargaff
Nascimento 11 de agosto de 1905
Czernowitz
Morte 20 de junho de 2002 (96 anos)
Nova Iorque
Prêmios Prêmio Charles-Leopold Mayer (1963), Prêmio de Bioquímica e Biofísica A.H. Heineken (1964)
Campo(s) Bioquímica

Erwin Chargaff (Czernowitz, 11 de agosto de 1905Nova Iorque, 20 de junho de 2002) foi um bioquímico austríaco emigrado para os Estados Unidos durante o período nazista.

Universidade de Columbia[editar | editar código-fonte]

Durante seu tempo na Columbia, Chargaff publicou vários artigos científicos, lidando principalmente com o estudo de ácidos nucléicos, como o DNA, usando técnicas cromatográficas. Ele se interessou pelo DNA em 1944 depois que Oswald Avery identificou a molécula como a base da hereditariedade.[1][2] Cohendiz que "Quase sozinho entre os cientistas desta época, Chargaff aceitou o artigo incomum de Avery e concluiu que as diferenças genéticas entre os DNAs devem se refletir em diferenças químicas entre essas substâncias. Na verdade, ele foi o primeiro bioquímico a reorganizar seu laboratório para testar essa hipótese, que ele provou em 1949". Chargaff disse sobre a descoberta de Avery: "Eu vi diante de mim (em 1944), em contornos escuros, o início de uma gramática da biologia", e em 1950 ele publicou um artigo com a conclusão de que as quantidades de adenina e timina no DNA eram quase iguais, assim como as quantidades de citosina e guanina.[3] Mais tarde, isso ficou conhecido como a primeira das regras de Chargaff. Instrumental em suas descobertas de DNA foram a inovação da cromatografia de papel,[4] e a ferramenta de espectrofotômetro ultravioleta disponível comercialmente.[5]

Regras de Chargaff[editar | editar código-fonte]

Erwin Chargaff propôs duas regras principais em sua vida, que foram apropriadamente chamadas de regras de estequiometria de proteínas de Chargaff. A primeira e mais conhecida conquista foi mostrar que no DNA natural o número de unidades de guanina é igual ao número de unidades de citosina e o número de unidades de adenina é igual ao número de unidades de timina. No DNA humano, por exemplo, as quatro bases estão presentes nestas percentagens: A = 30,9% e T = 29,4%; G = 19,9% e C = 19,8%. Isso indicava fortemente a composição do par de bases do DNA, embora Chargaff não tenha declarado explicitamente essa conexão. Para esta pesquisa, Chargaff é creditado por refutar o hipótese tetranucleotídica[6]  (hipótese amplamente aceita de Phoebus Levene de que o DNA era composto de um grande número de repetições de GACT). A maioria dos pesquisadores havia assumido anteriormente que os desvios das razões de base equimolar (G = A = C = T) eram devidos a erros experimentais, mas Chargaff documentou que a variação era real, com [C + G] tipicamente sendo ligeiramente menos abundante. Ele fez seus experimentos com a cromatografia em papel recém-desenvolvida e o espectrofotômetro ultravioleta. Chargaff conheceu Francis Crick e James D. Watson em Cambridge em 1952 e, apesar de não se dar bem com eles pessoalmente,[7] ele explicou suas descobertas a eles. A pesquisa de Chargaff mais tarde ajudaria a equipe do laboratório Watson e Crick a deduzir a estrutura em dupla hélice do DNA.

A segunda regra de Chargaff é que a composição do DNA varia de uma espécie para outra, em particular nas quantidades relativas de bases A, G, T e C. Essa evidência de diversidade molecular, que se presumia ausente do DNA, tornava o DNA um candidato mais confiável para o material genético do que a proteína.[8]

Livros de autoria[editar | editar código-fonte]

  • Chargaff, Erwin (1978). Heraclitean Fire: Sketches from a Life Before Nature. [S.l.]: Rockefeller University Press. p. 252. ISBN 0-874-70029-9 
  • Unbegreifliches Geheimnis. Wissenschaft als Kampf für und gegen die Natur. Stuttgart: Klett-Cotta, 1980, ISBN 3-608-95452-X
  • Bemerkungen. Stuttgart: Klett-Cotta, 1981, ISBN 3-12-901631-7
  • Warnungstafeln. Die Vergangenheit spricht zur Gegenwart. Stuttgart: Klett-Cotta, 1982, ISBN 3-608-95004-4
  • Kritik der Zukunft. Essay. Stuttgart: Klett-Cotta, 1983, ISBN 3-608-93576-2
  • Zeugenschaft. Essays über Sprache und Wissenschaft. Stuttgart: Klett-Cotta, 1985, ISBN 3-608-95373-6
  • Serious Questions, An ABC of Sceptical Reflections. Boston, Basel, Stuttgart: Birkhäuser, 1986
  • Abscheu vor der Weltgeschichte. Fragmente vom Menschen. Stuttgart: Klett-Cotta, 1988, ISBN 3-608-93531-2
  • Alphabetische Anschläge. Stuttgart: Klett-Cotta, 1989, ISBN 3-608-95646-8
  • Vorläufiges Ende. Ein Dreigespräch. Stuttgart: Klett-Cotta, 1990, ISBN 3-608-95443-0
  • Vermächtnis. Essays. Stuttgart: Klett-Cotta, 1992, ISBN 3-608-95851-7
  • Über das Lebendige. Ausgewählte Essays. Stuttgart: Klett-Cotta, 1993, ISBN 3-608-95976-9
  • Armes Amerika – Arme Welt. Stuttgart: Klett-Cotta, 1994, ISBN 3-608-93291-7
  • Ein zweites Leben. Autobiographisches und andere Texte. Stuttgart: Klett-Cotta, 1995, ISBN 3-608-93313-1
  • Die Aussicht vom dreizehnten Stock. Stuttgart: Klett-Cotta, 1998, ISBN 3-608-93433-2
  • Brevier der Ahnungen. Eine Auswahl aus dem Werk. Stuttgart: Klett-Cotta, 2002, ISBN 3-608-93513-4
  • Stimmen im Labyrinth. Über die Natur und ihre Erforschung. Stuttgart: Klett-Cotta, 2003, ISBN 3-608-93580-0

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Erwin Chargaff
  1. Avery, Oswald T.; MacLeod, Colin M.; McCarty, Maclyn (1 de fevereiro de 1944). «Studies on the Chemical Nature of the Substance Inducing Transformation of Pneumococcal Types - Induction of Transformation by a Desoxyribonucleic Acid Fraction Isolated from Pneumococcus Type III». Journal of Experimental Medicine. 79 (2): 137–158. PMC 2135445Acessível livremente. PMID 19871359. doi:10.1084/jem.79.2.137 
  2. McCarty, Maclyn (2003). «Discovering genes are made of DNA». Nature. 421 (6921): 406. Bibcode:2003Natur.421..406M. PMID 12540908. doi:10.1038/nature01398 
  3. Chargaff, Erwin; Zamenhof, Stephen; Green, Charlotte (maio de 1950). «Composition of human desoxypentose nucleic acid». Nature. 165 (4202): 756–7. Bibcode:1950Natur.165..756C. PMID 15416834. doi:10.1038/165756b0 
  4. Consden, R.; Gordon, A. H.; Martin, A. J. P. (1944). «Qualitative analysis of proteins: A partition chromatographic method using paper». Biochemical Journal. 38 (3): 224–232. PMC 1258072Acessível livremente. PMID 16747784. doi:10.1042/bj0380224 
  5. Weintraub, Bob (September 2006). "Erwin Chargaff and Chargaff's Rules". Chemistry in Israel - Bulletin of the Israel Chemical Society (22): 29–31
  6. Levine, P.A. (1909). «Yeast nucleic acid». Biochem. Z. 17: 120–131 
  7. «James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, and Rosalind Franklin». Science History Institute. Consultado em 20 de março de 2018 
  8. Baianu, I.C. (2 de fevereiro de 2010). Mathematical and Theoretical Biology. Volume 2 - Mathematical and Molecular Biophysics. [S.l.]: I.C. Baianu