Escala de Turim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Escala de Turim

A escala de Turim é um método de classificação dos objetos próximos da Terra, como asteróides e cometas, baseado no risco de colisão e no pontencial destrutivo destes corpos.

Esta escala foi criada durante uma convenção astronômica na cidade de Turim e é considerada uma ferramenta para astrônomos e o público em geral. A escala baseia-se nas dimensões do corpo celeste e na probabilidade de colisão atribuindo-lhe um nível, que vai do nível 0 (Branco) - nenhum risco iminente, ao nível 10 (Vermelho) - colisão capaz de alterar todo o clima do planeta causando uma catástrofe global.

História[editar | editar código-fonte]

A escala foi criada pelo Professor Richard P. Binzel do departamento das Ciências da Terra, Atmosfera e Planetas, do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT). A primeira versão, chamada de "A Near-Earth Object Hazard Index", foi apresentada em uma conferência das Nações Unidas em 1995.

Recorde[editar | editar código-fonte]

O recorde na escala de Turim é do asteróide Apophis, que chegou ao nível 4, causando uma breve preocupação dos cientistas

Níveis da escala[editar | editar código-fonte]

SEM PERIGO (branco)
0. A probabilidade de colisão é 0, ou tão baixa que é considerada desprezível. Aplicada a objetos tão pequenos que se desintegram ao cruzar a atmosfera.
NORMAL (verde)
1. Chance de colisão extremamente improvável.
MERECEDOR DE ATENÇÃO POR PARTE DOS ASTRÓNOMOS (amarelo)
2. Objetos que passem próximos à Terra.
3. Cálculos sugerem 1% de probabilidade de colisão capaz de destruição. Público merece ser avisado se a colisão se encontra a menos de uma década de distância.
4. Cálculos dão 1% ou mais de probabilidade de colisão capazes de destruição. Público merece ser avisado se a colisão se encontra a menos de uma década de distância.
PERIGOSO (laranja)
5. Um encontro que representa um verdadeiro perigo de destruição. A atenção dos astrônomos é crucial para confirmar a trajetória e quando a colisão ocorrerá. Um plano governamental é articulado caso a colisão se encontre a menos de uma década de distância.
6. Um encontro que representa um perigo sério de catástrofe global. A atenção dos astrônomos é crucial para determinar quando a colisão ocorrerá. Um plano governamental é articulado caso a colisão se encontre a menos de três décadas de distância.
7. Um encontro que representa um perigo sério de catástrofe global. Perante tão sério perigo um plano de contigência internacional é traçado, especialmente para determinar urgentemente e conclusivamente quando ocorrerá o impacto.
COLISÕES CERTAS (vermelho)
8. A colisão é garantida, capaz de causar destruição localizada em terra ou um tsunami se ocorrer no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez a cada 1000 anos.
9. A colisão é garantida, capaz de causar devastação localizada em terra ou um megatsunami se ocorrer no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez a cada 10 000 ou 100 000 anos.
10. A colisão é inevitável, capaz de causar uma catástrofe global que arriscará o futuro da civilização tal como a conhecemos, quer a colisão ocorra no continente ou no mar. Um evento desta magnitude ocorre uma vez a cada 100 000 anos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.