Escalada irracional de compromisso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A escalada do compromisso busca explicar porque tantas pessoas persistem em investimentos ruins.

Escalada irracional do compromisso ou escalada (irracional) do comprometimento também conhecido como aumento do comprometimento é um padrão de comportamento no qual um indivíduo ou grupo, apesar de enfrentar cada vez mais resultados negativos em uma decisão, ação ou investimento, continua a investir mais e mais nessa decisão.[1]

Economistas e cientistas comportamentais usam o termo falácia do custo afundado para descrever esse aumento do investimento de dinheiro, tempo e energia em uma decisão, com base nos investimentos passados acumulados ("custos irrecuperáveis"), apesar das novas evidências indicarem que investir em outra ação seria mais benéfico.

Na sociologia, a escalada irracional do comprometimento é um viés decisório descreve comportamentos semelhantes. A persistência no erro são estimulados pelos provérbios populares "nunca desista", "se no início você não conseguir, tente de novo", "está no inferno, abraça o capeta", "o que é um peido pra quem já está cagado" e "água mole e pedra dura, tanto bate até que fura".

Origem[editar | editar código-fonte]

Escalada irracional do compromisso foi descrito pela primeira vez por Barry M. Staw em sua 1976 artigo "Knee deep in the big muddy: A study of escalating commitment to a chosen course of action" ("Lama até os joelhos: Um estudo da escalada de compromisso para um determinado curso de ação").[2]

Teorias[editar | editar código-fonte]

Teoria da auto-justificação[editar | editar código-fonte]

A auto-justificação é uma parte do compromisso de tomada de decisões dos líderes e administradores de um grupo que pode causar um aumento nos níveis de compromisso.[3] Esta teoria proporciona uma explicação para o porquê das pessoas aumentarem o compromisso com seus investimentos passados."[4] Os gerentes repetem os comportamentos consistentes com suas decisões passadas, mesmo quando o ambiente muda. Os gestores tendem a preferir seguir as informações que estão alinhados com os seus comportamentos para criar consistência para suas atuais e futuras decisões. Se um membro do grupo ou partido reconhece inconsistência na tomada de decisão, isto pode alterar o papel de liderança do gestor. É mais confortável justificar os erros reduzindo a importância das consequências negativas do que assumir os erros. Essa justificativa pode ser apenas interna (pensada) ou externa (expressada verbalmente).[3]

Teoria da Identidade Social[editar | editar código-fonte]

A identidade é uma grande parte de como nós nos movemos através do mundo. Pensamentos e opiniões, bem como seu efeito sobre os outros, criam uma identidade social. As pessoas fazem conexões entre o seu grupos e a sua própria visão de si próprios, que as motivam a manter seu status social e defendê-lo quando está ameaçado.[5]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

É uma das teorias que ajudam a explicar[6]:

  • Empresas que seguem investindo em uma área que causa perdas por vários meses/anos seguidos.
  • Governos que seguem investindo em programas sem sucesso, apesar das evidências de fracasso.
  • Consumidor que gasta mais reformando/reparando um produto, do que gastaria comprando um novo.
  • Investidor que aumenta o investimento em uma ação que causa cada vez mais perdas.
  • Jogador que aposta mais em um jogo que está perdendo.
  • Viciado que persiste no vício, apesar dos sintomas cada vez piores.

Referências

  1. Staw, Barry M. (1997). «The escalation of commitment: An update and appraisal». In: Shapira. Organizational Decision Making. [S.l.: s.n.] 
  2. «Knee-deep in the big muddy: a study of escalating commitment to a chosen course of action». Organizational Behavior and Human Performance. 16. doi:10.1016/0030-5073(76)90005-2 
  3. a b «The Impact of Performance Attributions on Escalation of Commitment» (PDF). Journal of Organizational Culture, Communications and Conflict. 18. Consultado em 30 de dezembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 23 de junho de 2016 
  4. Kessler (ed.). Escalation of Commitment. ISBN 9781412997829. doi:10.4135/9781452276090.n78 
  5. «The escalation of commitment in political decision-making groups: a social identity approach». European Journal of Social Psychology. 26. doi:10.1002/(SICI)1099-0992(199607)26:4<611::AID-EJSP781>3.0.CO;2-6 
  6. Brockner, Joel (1992). "The escalation of commitment to a failing course of action: toward theoretical progress" (PDF). Academy of Management Review. 17 (1): 39–61. doi:10.5465/AMR.1992.4279568. Archived (PDF)