Escassez na Venezuela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Video que mostra um exemplo típico de cidadãos formando grandes filas em busca de produtos de primeira necessidade
Típica fila de venezuelanos esperando desde cedo as aberturas dos mercados
Venezuelanos comendo comida do lixo

A escassez na Venezuela é um termo que descreve um dos fenômenos peculiares que têm afetado a economia venezuelana nos últimos anos, fazendo parte de uma mais ampla crise vivida no país no período chavista. Essa escassez atinge os produtos com preços regulados, tais como o leite, vários tipos de carne, frango, café, arroz, óleo, farinha e manteiga; bem como nos produtos de necessidade básica e de saúde, como o papel higiênico, medicamentos para tratar o câncer[1] e até mesmo implantes mamários.[2]

Em estados fronteiriços como Táchira e Zulia,[3] o problema é agravado por conta da facilidade de transporte de mercadorias contrabandeadas da Venezuela para a Colômbia, fato que vem ocorrendo desde o início de 2013 e que perdura até hoje.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Um vídeo feito pelo El Tiempo explicando a escassez
Gráfico mostra o crescimento da escassez de produtos.
Fonte: Banco Central da Venezuela[5][6][7]

Antes da presidência de Nicolás Maduro, a Venezuela enfrentou insuficiências ocasionais, principalmente devido à alta inflação e ineficiência do governo durante a Revolução Bolivariana.[8] A escassez desenfreada começou em de 2005, quando 5% dos produtos básicos ficaram indisponíveis de acordo com o Banco Central da Venezuela.[9] Apenas três anos depois, foi relatada uma carência de 24,7% dos produtos básicos, mostrando uma tendência crescente que durou até maio de 2008, quando a ausência de produtos caiu para 16,3%.[10] Todavia, a escassez voltou a se expandir em Janeiro de 2012 até atingir seu o recorde de 28% em fevereiro 2014.[10][11] O governo da Venezuela parou de relatar a falta de produtos quando a taxa ultrapassou os 28%.[12] Em janeiro de 2015, a hashtag #AnaquelesVaciosEnVenezuela e #EmptyShelvesInVenezuela (prateleiras vazias na Venezuela, em português) foram os assuntos mais discutidos na rede social Twitter, com os venezuelanos postando fotos de prateleiras de supermercado vazias por todo o país.[13]

Em agosto de 2015, a agência estadunidense de inteligência privada Stratfor divulgou duas imagens fotografadas por satélite de Puerto Cabello - o principal porto de mercadorias importadas de Venezuela - a fim de mostrar o grave problema da escassez. Foi mostrada uma imagem de fevereiro de 2012, a qual exibia os portos cheios de contêineres, quando os gastos do governo venezuelano estavam perto do recorde para as eleições presidenciais de 2012. A segunda imagem, de junho 2015, mostra o porto com muito menos contêineres, pois o governo da Venezuela já não podia se dar ao luxo de importar mercadorias por conta da desvalorização do petróleo.[14]

Dependência do petróleo[editar | editar código-fonte]

Devido às grandes reservas de petróleo[15] e à austeridade contra a propriedade privada[16], a maior fonte de dólares do país é o petróleo. Em 2012, para cada 100 dólares investidos no país, mais 90 vieram do óleo e seus derivados.[17] Com a queda de preços da substância em 2015[18], o país enfrenta uma queda acentuada de receita estrangeira.[19]

Controle do câmbio[editar | editar código-fonte]

A linha azul representa o valor implícito do Bolívar venezuelano comparado ao dólar. A linha vermelha representa os valores do Bolívar venezuelano divulgados pelo governo. Fontes: Banco Central de Venezuela, Dólar Paralelo, Banco da Reserva Federal, Fundo Monetário Internacional.

Desde fevereiro de 2003, a Revolução Bolivariana tem implementado diferentes sistemas de controle de câmbio com o objetivo de regular o que o governo chamou de "fuga de capitais".[20][21] Órgãos governamentais são responsáveis pela fixação de taxas de câmbio diferentes em relação ao dólar, limitando a quantidade de moeda que cada cidadão venezuelano pode obter. Durante todo o governo de Hugo Chávez, medidas agrícolas causaram um aumento das importações de alimentos. Em razão dessas políticas, a produção doméstica de carne bovina, arroz e leite diminuíram.[22][23]

Por outro lado, o controle de câmbio implicou no surgimento de uma moeda paralela no mercado negro, devido à saturação do mercado oficial pela elevada dependência das importações.[24] Enfraquecido pelos elevados níveis de liquidez monetária, o bolívar venezuelano continuou a se desvalorizar[24] o que, somado à redução de produção de bens nacionais, aos obstáculos nas importações e à burocracia elevada, provocou um aumento considerável nos preços dos produtos.[25]

O governo federal tem tomado uma série de medidas econômicas, incluindo o controle de preços, que em vez de resolver a situação, segundo economistas, contribui para o aumento do mercado negro.[26]

Expropriações[editar | editar código-fonte]

Segundo o economista Anjo Alayón, "o governo da Venezuela detém o controle direto sobre a distribuição de alimentos no país". A distribuição de todos os alimentos, mesmo entre empresas privadas, é controlada pelo governo.[27] No entanto, Alayon afirma que o problema não é de distribuição e sim de produção, pois "ninguém pode distribuir o que não ocorre."[27] Desapropriações feitas pelo governo levaram a uma forte queda de produção na Venezuela.[27][28][29]

De acordo com Miguel Angel Santos, pesquisador da Universidade de Harvard, como resultado das expropriações dos meios privados de produção que ocorre desde 2004, "a produção foi destruída (...) quando a Venezuela tinha o dinheiro das importações abundantes de petróleo”.[30]

Contrabando[editar | editar código-fonte]

Em uma entrevista feita pelo The Guardian, o presidente Nicolás Maduro admitiu que uma “proporção significativa” de produtos subsidiados estavam sendo contrabandeados para a Colômbia e vendidos por preços muito mais elevados.[31] O governo venezuelano afirma que cerca de 40% das mercadorias que subsidia são contrabandeadas para países vizinhos. No entanto, diversos economistas discordam da afirmação de maduro, e apontam que o número real de produtos contrabandeados gira em torno de 10%.[32] Consonante com os economistas, a Reuters também identificou o controle cambial como o principal fator para o contrabando.[33]

Consumo de alimentos[editar | editar código-fonte]

Elías Eljuri, presidente do Instituto Nacional de Estatísticas, foi a público em 2013, numa entrevista concedida à Televen (uma das TVs estatais do país), para mostrar que uma das causas da escassez é a de que o povo está comendo muito mais.[34][35][36] Entretanto, dados proporcionados pela oficina de estatísticas do governo venezuelano mostrou que, na realidade, o consumo de alimentos diminuiu.[37]

Respostas oficiais e medidas do Governo[editar | editar código-fonte]

Durante os governos de Hugo Chávez e de Nicolás Maduro, houve um aumento de consumo devido ao crescente poder de compra dos venezuelanos, que não pode ser facilmente satisfeita por subsídios. O governo também responsabiliza o contrabando como um dos motivos da crise. Alexander Fleming, ex-ministro do comércio entre 2013-2014, atribui a raiz do problema aos "improdutivos parasitas", ou seja, empresas, que utilizam a moeda do Estado para levantar capital em vez de se dedicar à fornecer alimentos à população.[38]
Como já dito anteriormente, uma das respostas oficiais do governo foi emitida pelo Presidente do INE, Elias Eljuri, que aponta o “excesso de apetite” como uma das causas. que uma das causas da escassez é a de que o povo está comendo muito mais.[34][35][36]
De acordo com dados do Banco Central da Venezuela (BCV), os preços dos alimentos aumentaram 76,2% entre maio de 2013 e maio de 2014, e de acordo Solomon Centeno, economista e professor universitário, estima-se baseado em estatísticas que a inflação dos alimentos chegou a 100%.[39] O BCV também registrou um déficit de bens de 26,9% em março de 2014.[40]
Outros economistas estatais indicam que o governo venezuelano começou o racionamento em razão de vários problemas, incluindo uma improdutiva indústria nacional, que foi afetada negativamente por estatizações e intervenção governamental.[41]
Em fevereiro de 2014, o governo alegou ter apreendido mais de 3.500 toneladas de produtos, incluindo alimentos e combustíveis contrabandeados na fronteira com a Colômbia. O presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, disse que a comida confiscada deve ser oferecida para os venezuelanos, e não para “bandidos”.[42]
Em março de 2014, o presidente Maduro introduziu o "cartão seguro" usado para compras em supermercados do estado, com a finalidade de combater o contrabando e o mercado negro.[43] Meses após a introdução do cartão, que foi relatado que 503.000 venezuelanos se inscreveram neste programa.[44]
Pouco depois, em agosto de 2014, o presidente anunciou a criação de um novo sistema de digitalização de impressões digitais, cuja adesão é voluntária, também a fim de combater a escassez de alimentos.[45][46] O governo venezuelano anunciou que 17.000 soldados seriam movidos na fronteira com a Colômbia, com o propósito de combater o contrabando.[47][48] Consumidores venezuelanos expressaram posições adversas em relação a essas políticas, alegando que o sistema não faz nada para aliviar a escassez e de não estimular diretamente o aumento da produção.[41]

Nicolás Maduro aponta ainda a CIA como uma das responsáveis pela escassez de alimentos.[49][50][51]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

Contrabando de gasolina No Rio Limão, Estado de Zulia

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

Devido à escassez de bens, diversos ataques têm sido reportados no momento em que os cidadãos estão comprando seus produtos. Os motociclistas são especialmente atingidos, já que não há peças de reposição nem motocicletas à venda. Policiais também são especialmente atacados, normalmente em tentativas de levar suas armas.[52]

Em julho de 2015, a BBC noticiou que, devivo à escassez de bens comuns de primeira necessidade, virou comum a divulgação nas redes sociais de venezuelanos saqueando caminhões e supermercados.[53]

Crise hospitalar[editar | editar código-fonte]

A crise hospitalar começou a aparecer no início de 2013[54] com a falta de medicamentos. A expectativa de vida diminuiu e pacientes que sofrem de doenças como câncer, asma, epilepsia, diabetes, parkinson e Alzheimer tiveram que recorrer a outras instituições ou percorrer grandes rotas entre os estados para encontrar medicamentos. Além desses medicamentos, é registrada a falta de anti-inflamatórios, anestesia e antialérgicos. Há ainda a carência de instrumentos cirúrgicos como bisturis, seringas, agulhas hipodérmicas, hidrogel e cateteres.[55] O custo exorbitante de novos equipamentos exige a manutenção forçada de aparelhos antigos, além da limpeza constante, o que é dificultado pela falta de detergentes comuns e de detergentes enzimáticos, propiciando infecções hospitalares, principalmente por causa das epidemias atuais que afligem o país; como o Chicungunha e a dengue.[56]

A falta de detergentes para limpeza de tubos endotraqueais causou a infecção de vários recém-nascidos, além de complicações na gravidez.[55]

Estima-se que pelo menos quinze crianças morrem todos os dias na unidade de terapia intensiva na Venezuela, principalmente decorrente de infecções. A falta de sedativos durante a intubação gera ansiedade no paciente, causando espasmos, desconforto e a necessidade de remover o tubo; o que força a contenção física do paciente por meio de cintos e cordas para imobilizá-lo e evitar remoção do tubo.[55] Pela superlotação dos hospitais bem como pela falta de macas, internações são feitas nos corredores ou no chão.[56]
Em setembro de 2016, imagens de bebês recém-nascidos colocados em caixa de papelão circularam as redes sociais. As imagens foram publicadas por Manuel Ferreira, diretor de Direitos Humanos da coalização opositora.[57]

Artigos que foram reportados como escassos[editar | editar código-fonte]

Até novembro de 2015, diversos produtos dos mais diversos setores desapareceram ou ficaram raros no mercado.[58][59]

Alimentos[editar | editar código-fonte]

  1. Óleo de Girassol[60]
  2. Óleo de Milho[60]
  3. Azeitonas[61]
  4. Arroz[62]
  5. Aveia[63]
  6. Açucar[60]
  7. Café[60]
  8. Carne de porco[61]
  9. Carne de frango[61]
  10. Carne[64]
  11. Chocolate [65]
  12. Compotas[66]
  13. Biscoitos [65]
  14. Confeiteria [65]
  15. Farinha de Trigo[60]
  16. Ovos[67]
  17. Leite condensado[66]
  18. Leite e leite desnatado[60]
  19. Fórmula infantil[68]
  20. Lentilha[66]
  21. Feijão[59]
  22. Ervilha[59]
  23. Manteiga[69]
  24. Margarina[60]
  25. Maionese[66]
  26. Mostarda[66]
  27. Pão de presunto[70]
  28. Pão e pão integral[71]
  29. Passas[61]
  30. Macarrão[66]
  31. Peixe[72]
  32. Ração para animais[73]
  33. Queijo[66]
  34. Refresco[74]
  35. Sardinha[75]
  36. Sucos industrializados[63]
  37. Atum [75]

Produtos médicos[editar | editar código-fonte]

  1. Agulha hipodérmica[55]
  2. Antibióticos[76]
  3. Anticonceptivo oral (pílula)[77]
  4. Anti-histamínico[55]
  5. Antinflamatorios[55]
  6. Catéter[55]
  7. Laxante[76]
  8. Gaze[55]
  9. Hidrogel[55]
  10. Implantes mamários[78]
  11. Seringas[55]
  12. Levotiroxina[79]
  13. Bisturís[55]
  14. Paracetamol[80]
  15. Preservativos[77]
  16. Sedativos[55]
  17. Medicamentos para tratamento de Quimioterapia[81][82]

Produtos de higiene[editar | editar código-fonte]

  1. Shampoo[73]
  2. Pasta de dentes[71]
  3. Desodorante[71]
  4. Enxaguante bucal[73]
  5. Cloro[83]
  6. Sabonete[84]
  7. Detergente[83]
  8. Navalha[84]
  9. Fraldas[85]
  10. Papel higiênico[84]
  11. Amaciante[83]
  12. Guardanapos[74]

Outros[editar | editar código-fonte]

  1. Vergalhão[86]
  2. Bateria de automóvel[87]
  3. Cimento[86]
  4. Eletrodomésticos[85]
  5. Gás doméstico [88]
  6. Inseticida[74]
  7. Maquiagem[89]
  8. Pneus[90]
  9. Caixões[91]
  10. Cerveja[92]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «La escasez también frena tratamientos contra cáncer» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  2. «Venezuela sufre escasez de prótesis mamarias» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  3. «Ciudad opositora sufre gran escasez en Venezuela» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  4. «fronteras limite frontera del desabastecimiento» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  5. «Infografía: El ascenso de la escasez»  El Universal. 2014-02-13.[ligação inativa]
  6. http://web.archive.org/web/20151116200346/http://www.bcv.org.ve/Upload/Publicaciones/bcvozecon042010.pdf
  7. Sonneland, Holly K. «Update: Venezuela Is Running Short of Everything». www.as-coa.org. Consultado em 14 de outubro 2016 
  8. «What's at Stake in Venezuela's Economic Crisis» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  9. «Los CLAP y el fracaso de la política agroalimentaria» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  10. a b «Shortage at its highest since May 2008» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  11. «Venezuela alcanza la inflación más alta del mundo» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  12. «Venezuelan Central Bank Admits Sky-High Inflation» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  13. «Usuarios de Twitter vuelven tendencia la etiqueta #AnaquelesVacíosEnVenezuela» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  14. Lozano, Daniel (8 de janeiro de 2015). «Ni un paso atrás: Maduro insiste con su receta económica». Argentina: La Nación. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  15. «Petróleos de Venezuela» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  16. «Gobierno venezolano ejecutó 799 medidas contra la propiedad en 2015» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  17. «Precio del petróleo obliga a revisar presupuesto venezolano» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  18. «Uma reunião de emergência de petróleo da OPEP iria retardar a queda» (em espanhol) 
  19. «Caída del petróleo atiza el miedo al 'default' en Venezuela» (em espanhol) 
  20. «Historia del último control cambiario venezolano» (em espanhol) 
  21. «Cadivi, una medida necesaria» (em espanhol) 
  22. «As consequências do governo Chávez para o comércio exterior venezuelano». Consultado em 14 de outubro de 2016 
  23. «In Venezuela, Land 'Rescue' Hopes Unmet» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  24. a b «The World's Troubled Currencies» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  25. «The 'Cheapest' Country in the World» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  26. «McDonald's Agrees to Cut the Price of a Venezuelan Big Mac» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  27. a b c Alayón, Ángel (13 de maio de 2015). «Estatizar a Polar es profundizar la escasez». Prodavinci. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  28. Minaya, Ezequiel; Schaefer Muñoz, Sara (9 de fevereiro de 2015). «Venezuela Confronts Retail Sector». The Wall Street Journal. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  29. «Empty shelves and rhetoric». The Economist. 24 de janeiro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  30. Mizrahi, Darío (22 de março de 2015). «Políticas que llevan a un país a la escasez en lugar de la abundancia». Infobae. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  31. Milne, Seumas. «Venezuela protests are sign that US wants our oil, says Nicolás Maduro». The Guardian. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  32. Schaefer Muñoz, Sara (22 de outubro de 2014). «Despite Riches, Venezuela Starts Food Rationing; Government Rolls Out Fingerprint Scanners to Limit Purchases of Basic Goods; 'How Is it Possible We've Gotten to This Extreme'». Dow Jones & Company Inc. The Wall Street Journal. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  33. «Venezuelans turn to fish smuggling to survive economic crisis». Reuters. 7 de janeiro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  34. a b «Eljuri: 95% de los venezolanos comen tres y cuatro veces al día». Agencia Venezolana de Noticias. 22 de maio de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  35. a b «Toilet paper shortage is because 'Venezuelans are eating more' argues the government». MercoPress. 24 de maio de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  36. a b A. Ferdman, Roberto (24 de maio de 2013). «Venezuela's grand plan to fix its toilet-paper shortage: $79 million and a warning to stop eating so much». Quartz. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  37. «La crisis de la economía chavista provoca que los venezolanos coman vez menos». Infobae. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  38. «Ministro Fleming culpa del desabastecimiento a empresas "parasitarias"» (em espanhol). Consultado em 25 de agosto de 2014 
  39. Atahualpa, Lara (4 de agosto de 2014). «Alimentos aumentarían su precio en más del 100% al cierre del 2014». El Impulso. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  40. «Lo que Nicolás Maduro intenta silenciar: la imagen del racionamiento en Venezuela». Infobae. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  41. a b «Despite Riches, Venezuela Starts Food Rationing» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  42. «Cabello en Apure: Decomisamos 12.000 litros de aceites y 30 toneladas de arroz». El-nacional.com. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  43. «Maduro anunció un sistema de racionamiento». Infobae. 8 de março de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  44. «Medio Millón Se Inscribe Para La Tarjeta De Abastecimiento Seguro». Runrunes. 23 de maio de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  45. «Venezuela's Maduro: Fingerprinting at shops is voluntary». BBC News. 26 de agosto de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  46. «Maduro ratifica aplicación de control de compras por huellas dactilares». El Universal. 29 de agosto de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  47. «Venezuela to close Colombia border each night». BBC News. 9 de agosto de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  48. «Venezuela to close Colombia border at night to slow smuggling». Reuters. 9 de agosto de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  49. Lopez, Virginia (26 de setembro de 2013). «Venezuela food shortages: 'No one can explain why a rich country has no food'». The Guardian. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  50. Boyd, Sebastian (7 de setembro de 2014). «Venezuelan Default Suggested by Harvard Economist». Bloomberg. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  51. Sequera, Vivan; Toothaker, Cristopher (17 de março de 2013). «Venezuela Food Shortages Reveal Potential Problems During Chavez Absence». Huffington Post. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  52. Pons, Corina; Ulmer, Alexandra (8 de maio de 2015). «Venezuela motorbikers are reportedly being killed for scarce spare parts». Business Insider. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  53. «How videos of supermarket raids show what life is like in Venezuela». BBC News. 13 de julho de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  54. «SALUD PÚBLICA EN JAQUE» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  55. a b c d e f g h i j k l «Crisis hospitalaria afecta formación de médicos» (em espanhol). Consultado em 19 de outubro de 2016 
  56. a b «CRISIS HOSPITALARIA EM VENEZUELA» (em espanhol). Consultado em 19 de outubro de 2016 
  57. «bebês são colocados em caixas de papelão na venezuela» 
  58. «Las diez claves de la escasez en Venezuela». La Patilla. 8 de fevereiro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  59. a b c «La canasta básica familiar casi llega a los 100.000 bolívares» 
  60. a b c d e f g «Aceite de maíz y girasol lidera niveles de escasez» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  61. a b c d «VENEZUELAN INFLATION SPOILS CHRISTMAS TRADITION» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  62. «Por la escasez de alimentos, Venezuela cambia petróleo por arroz» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  63. a b «Paralizada producción de avena y jugos por falta de materia prima» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  64. «Desapareció la carne de res en supermercados de Caracas» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  65. a b c «La cruzada de los diabéticos» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  66. a b c d e f g «Escasez de Mostaza y Leche condensada» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  67. «En Venezuela falta de todo» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  68. Margariteños preocupados por escasez de fórmulas infantiles
  69. «Usuarios creen que escasez persistirá, aún sin colas» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  70. «Prevén escasez de pan de jamón para diciembre» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  71. a b c «Son 17 los productos que están más escasos» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  72. «No flour? No fish? Venezuela's chefs get creative amid shortages» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  73. a b c «"Es el venezolano el que llega a vendernos productos y gasolina"» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  74. a b c «"Turismo de mercado" hacen en Margarita» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  75. a b «"Nosotros mismos tenemos la culpa de estas colas y esta escasez"» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  76. a b «Los antibióticos se consiguen con dificultad» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  77. a b «¡Protegerse es un lujo! Anticonceptivos y preservativos se suman a la escasez» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  78. «Comienzan a escasear los implantes de seno» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  79. «Los medicamentos más buscados: Atamel y Eutirox» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  80. «¿Cuál es la verdadera dimensión de la escasez en Venezuela?» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  81. «Alertan de ausencia de medicamentos para quimioterapia en el país» 
  82. Hospital en Venezuela deja a niños sin quimioterapia por falta de insumos
  83. a b c «Sin detergente ni cloro la gente tendrá que lavar con pura agua» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  84. a b c «Venezuela importará productos de higiene personal ante la escasez nacional» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  85. a b «El tic-tac de la hambruna» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  86. a b «Cámara de Construcción asegura que la escasez de cabillas, cemento y acero ha afectado la producción de la Misión Vivienda Venezuela» (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  87. Por una batería de carro hasta duermen en la calle
  88. Venezuela: garrafas de gás para uso doméstico e alimentos suscitam longas horas de fila
  89. «Venezolanas al natural por escasez de maquillaje» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  90. «VENEZUELA: Pasan roncha para conseguir cauchos» (em espanhol). Consultado em 15 de outubro de 2016 
  91. «Crisis en la industria funeraria de Venezuela: por la escasez, no hay insumos para ataúdes» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 
  92. «En medio de la ausencia de casi todo, también se acaba en Venezuela "el lujo" de la cerveza» (em espanhol). Consultado em 14 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Escassez na Venezuela


Flag-map of Venezuela.svg Venezuela
História • Política • Forças Armadas • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens