Escola de Kyoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Escola de Kyoto (京都学派 Kyōto-gakuha) é o nome dado ao movimento filosófico japonês centrado na Universidade de Kyoto que assimilou a filosofia ocidental e suas ideias religiosas e as usou para reformular os insights religiosos e morais da tradição cultural do Leste Asiático.[1] No entanto, o termo também é usado para descrever estudiosos do pós-guerra que lecionaram na mesma universidade, foram influenciados pelos pensadores fundamentais da filosofia da escola de Kyoto, e que desenvolveram teorias distintas da singularidade japonesa.

A Escola de Kyoto, não é uma "escola" de filosofia no sentido tradicional como aEscola de Frankfurt ou a Academia de Platão. Em vez disso, o grupo de acadêmicos se reunia em torno da Universidade de Kyoto como um local de encontro. Seu fundador, Nishida, encorajou firmemente o pensamento independente. Segundo James Heisig, o nome "Escola de Kyoto" foi usado pela primeira vez em 1932 por um estudante de Nishida e Hajime Tanabe. A maioria dos membros foi fortemente influenciada pela tradição filosófica alemã, especialmente pelo pensamento de Kant, Hegel, Nietzsche e Heidegger.

Embora o trabalho da Escola de Kyoto não fosse expressamente religioso, foi significativamente influenciado por ele. Por exemplo, Tanabe e Keiji Nishitani escreveram sobre o cristianismo e o budismo e identificaram elementos comuns entre as religiões.[2] Por essa razão, alguns estudiosos classificam os produtos intelectuais da escola como "filosofia religiosa".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kitaro Nishida, An Inquiry into the Good, translated by Masao Abe and Christopher Ives. New Haven: Yale University Press, 1987 (1921).
  • ——, Art and Morality, translated by D. Dilworth and Valdo Viglielmo. Honolulu: University of Hawaii Press, 1973.
  • ——, Intelligibility and the Philosophy of Nothingness, translated by Robert Schinzinger. Westport: 1958.
  • Tanabe, Hajime, "Demonstratio of Christianity", in Introduction to the philosophy of Tanabe: According to the English translation of the seventh chapter of the demonstration of Christianity, translated by Makoto Ozaki, Rodopi Bv Editions, January 1990, ISBN 90-5183-205-2,ISBN 978-90-5183-205-1
  • --, "The Logic of The Species as Dialectics," trns. David Dilworth; Taira Sato, in Monumenta Nipponica, Vol. 24, No. 3, 1969, pp. 273–288.
  • --, Philosophy as Metanoetics (Nanzan studies in religion and culture), Yoshinori Takeuchi, Valdo Viglielmo, and James W. Heisig (Translators), University of California Press, April 1987, ISBN 0-520-05490-3.
  • Keiji Nishitani, Religion and Nothingness, Berkeley: University of California Press, 1982. ISBN 0-520-04946-2
  • ——, The Self-overcoming of Nihilism, translated by Graham Parkes and Setsuko Aihara. Albany: State University of New York Press, 1990.
  • Yoshinori Takeuchi, The Heart of Buddhism, translated by James Heisig. New York: 1983.

Referências

  1. D.S. Clarke, Jr. "Introduction" in Nishida Kitaro by Nishitani Keiji, 1991.
  2. Tanabe in Philosophy as Metanoetics and Demonstratio of Christianity, and Nishitani in Religion and Nothingness and On Buddhism.
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.