Escola de Sargentos das Armas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Escola de Sargentos das Armas - ESA
01 - Portão das Armas (foto).jpg
Portão das Armas da ESA
País  Brasil
Estado  Minas Gerais
Corporação Coat of arms of the Brazilian Army Exército Brasileiro
Subordinação Diretoria de Educação Técnica Militar - DETMil
Missão Formar o sargento combatente de carreira do Exército Brasileiro
Unidade Estabelecimento de Ensino Superior
Tipo de unidade Escola de Formação
Ramo Formação de Sargentos
Denominação Escola Sargento Max Wolf Filho
Sigla ESA
Aniversários Data Oficial-Sistematização do Curso de Sargentos 28 de maio de 1894 (127 anos)

Criação da Escola de Sargentos das Armas 21 de agosto de 1945 (76 anos)

Chegada do Exército em Três Corações 19 de junho de 1918 (103 anos)

Instalação da ESA em Três Corações 03 de maio de 1950 (71 anos)

Patrono Sargento Max Wolf Filho
Marcha Cântico de Guerra da Escola de Sargentos das Armas
Sobre este somOuvir 
Lema Sargento: Elo Fundamental entre o Comando e a Tropa
Divisa Quaderna curso formacao sargentos exercito brasileiro.png
Grito de Guerra Fé na Missão!!
Mascote Carcará
História
Condecorações Comenda da Ordem do Mérito Militar

Comenda da Ordem do Mérito Aeronáutico

Medalha da Vitória (Brasil)

Medalha Osório - O Legendário

Medalha Ex-Combatentes - Medalha Heróis Expedicionários do Ceará

Comenda da Ordem do Mérito Naval

Insígnia para Estandarte da Ordem do Mérito Judiciário Militar

Medalhão Comemorativo dos 100 anos de Criação das Circunscrições Judiciárias Militares

Logística
Grande Comando Logístico 4ª Região Militar
Insígnias
Brasão da ESA Distintivo da Escola de Sargentos das Armas - ESA.svg
Estandarte Histórico da ESA Estandarte Histórico da ESA.png
Bandeira-Insígnia do Comandante da ESA Distintivo-Insignia da ESA.svg
Comando
Comandante General de Brigada Reinaldo SALGADO Beato
Subcomandante Coronel Emerson Colpo GAIER da Rosa
Comandantes
notáveis
General de Exército Jarbas Bueno da Costa
Sede
Guarnição Três Corações/MG
Bairro Centro
Endereço Avenida Sete de Setembro, 628 - CEP 37410-155
Internet Site Oficial https://www.esa.eb.mil.br

Site do Concurso https://concurso.esa.eb.mil.br

Mapa da área de atuação
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Escola de Sargentos das Armas

A Escola de Sargentos das Armas (ESA) é um estabelecimento de ensino superior (nível tecnólogo) do Exército Brasileiro. Sua sede está situada na cidade de Três Corações no estado de Minas Gerais. É responsável pela formação de sargentos combatentes de carreira das Armas de infantaria, cavalaria, artilharia, engenharia e comunicações do Exército.[1]

Para esse fim seleciona, anualmente, jovens de todas as partes do Brasil, mediante concurso público, oferecendo-lhes ensino militar destinado a aprimorar-lhes o caráter e desenvolver-lhes a capacidade física, também proporcionar, aos futuros sargentos - elos entre o Comando das Organizações Militares e a tropa - sólido embasamento militar.

O seu aquartelamento está sediado às margens do rio Verde. A estrutura é composta por alojamentos, refeitórios, salas de aula, laboratório, espaço cultural, biblioteca, auditório, posto médico, capelania militar, parque de pontes e uma extensa área desportiva constituída por ginásios, campo de futebol, pista de atletismo, piscina, campo de polo, pista hípica e pista de corda. Possui dois campos de instrução: o do Atalaia, com área de 4,6 km² e o General Moacyr Araújo Lopes, CIGMAL[nota 1], este com área de 20 km², distante cerca de 40 km de Três Corações.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de São João: primeiro aquartelamento no qual o Curso de Formação de Sargento se instalou.
O quartel onde funcionou a Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, foi o primeiro aquartelamento da recém criada Escola de Sargentos da Armas (ESA), em 21 de agosto de 1945

Escola de Sargentos/Escola de Sargentos de Infantaria[editar | editar código-fonte]

A formação do sargento combatente do Exército Brasileiro teve sua origem, como curso sistematizado, teve sua origem na Ordem do Dia Nº 552, de 28 de maio de 1894, por meio do Decreto Nº 1.199 de 31 de dezembro de 1892, do Vice-Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil[2] que aprovou o Regulamento para a Escola de Sargentos. Este documento fez referência às Armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia e Engenharia.

Segundo consta no seu regulamento, o Curso funcionou na Fortaleza de São João, no bairro da Urca, na cidade do Rio de Janeiro, antiga Escola de Aprendizes Artilheiros.[3]

Teve como seu primeiro comandante o Coronel de Artilharia Hermes Rodrigues da Fonseca.[4], sendo extinta em 17 de Dezembro de 1897.[5][6][7]

Retornou a funcionar novamente após aprovação do Regulamento da Escola de Sargentos de Infantaria - ESI, no dia 10 de janeiro de 1920, pelo presidente Epitácio Pessoa.[8]

ESI - Na Parada de São Cristóvão, assistida pelo chefe do Governo
ESI - Na Parada de São Cristóvão, assistida pelo chefe do Governo
Escola de Sargentos de Infantaria, em intervalo de instrução, no Campo de Gericinó (1921)
Escola de Sargentos de Infantaria, em intervalo de instrução, no Campo de Gericinó (1921)
Pelotões do Curso de Sargentos de Infantaria - Campo de Gericinó - 1921
Pelotões do Curso de Sargentos de Infantaria - Campo de Gericinó - 1921

Escola de Sargentos das Armas[editar | editar código-fonte]

A ESA foi criada no dia 21 de agosto de 1945, ao término da Segunda Guerra Mundial, por meio do Decreto Nº 7.888[9], originária da Escola de Sargentos de Infantaria - ESI, ofereceu os cursos de formação de sargentos nas Armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia e de Engenharia. Ocupou, inicialmente, parte das instalações da extinta Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro-RJ . A primeira turma graduou-se em 1946. Quatro anos mais tarde, foi transferida para Três Corações-MG. Comandava a Escola o Tenente Coronel de Infantaria Miguel Lage Sayão, seu segundo comandante.[10]

No ano de 2017, por meio da Portaria nº 194, de 9 de maio de 2017, o General de Divisão Sérgio da Costa Negraes - Secretário-Geral do Exército, alterou a data de aniversário da ESA de 21 de agosto de 1945 para 28 de maio de 1894, data de criação de seu elemento formador, a "Escola de Sargentos".[11]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O 14º Regimento de Cavalaria (14º RC) iniciou sua organização no dia 2 de janeiro de 1918, na cidade de Campanha, conforme consta no Boletim Interno nº 1, deste Regimento:

"(...)

INSTALLAÇÃO

Tendo sido por Decreto de 14 de Novembro do anno findo, transferido do quadro supplementar para este Regimento que, em virtude do Aviso nº 852, de 9 de Novembro ainda no anno findo, passou a ter effectivo e havendo sido designado o Estado de MInas e esta cidade para o seu aquartellamento; nesta data assumo o seu commando iniciando a sua organização."

(...)"[12]

Pavilhão de Comando do Antigo 4º Regimento de Cavalaria Divisionário - 4º RCD

À época da Primeira Guerra Mundial, na então Chácara do Coronel Valério Ludgero de Rezende em Três Corações, às 19 horas de 19 de junho de 1918, instalou-se o 14º Regimento de Cavalaria (14° RC), oriundo de Campanha-MG, sob o comando do Coronel Álvaro de Sousa Portugal. Era composto por dois Esquadrões de Cavalaria, um de Metralhadoras e um Extranumerário, em coluna por quatro, tendo à frente os Oficiais do Regimento.

"(...)

MARCHA

De accordo com a determinação do Sr. General Commandante da Região, o regimento levantou acantonamento hoje as 11,15 da Cidade de Campanha, acampando as 19 horas na margem direita do Rio Verde, na cidade de Trez Corações.

(...)"[13]

Consta que a transferência foi motivada por insatisfações causadas pela recente instalação do Regimento naquela cidade, então fortemente influenciada pela Igreja Católica, e sede do tradicional Colégio SION, frequentado por moças provenientes das mais seletas camadas da sociedade sul mineira. Outra versão, contudo, sugere que a saída do 14º RC de Campanha-MG teria fundamento na firme e persistente negativa dos mandatários campanhenses em ceder ou doar o terreno destinado à construção do aquartelamento da Unidade (talvez em razão da primeira versão).

O 4°RCD teve uma épica e brava história de envolvimento em combates contra os Movimentos Tenentistas dos anos 20 e as Revoluções de 1930 e 1932, nos quais muitos militares, que serviram nesse aquartelamento, sacrificaram suas vidas, a exemplo do Capitão Djalma Dutra, cujo local onde foi morto, até hoje, é sinalizado por um marco de pedra, na rodovia percorrida pelos integrantes da ESA com destino ao Campo de Instrução General Moacir Araújo Lopez (CIGMAL), onde está o “Pico do Gavião”.

Das heroicas gestas do 4° RCD durante a Revolução Constitucionalista de 1932, emergiu a figura de seu comandante, o General Eurico Gaspar Dutra, que viria a ser o Presidente do Brasil, no período de 1946 a 1950.

O “Regimento”, porém, estenderia seus feitos para além-mar, permitindo que cidadãos mineiros e tricordianos, defendessem os ideais de liberdade e democracia junto aos aliados nos campos da Itália. Nessas transcendentes jornadas da FEB na Itália, surgiram figuras nascidas em Três Corações, as quais se tornaram verdadeiros paladinos dos ideais defendidos por nosso Exército, a exemplo de Cabo Benedito Alves[14] e da Tenente Enfermeira Lygia Fonseca.

Em 1º de agosto de 1919, o 14º Regimento de Cavalaria é transformado em 4º Regimento de Cavalaria Divisionária (4º RCD). Por sua vez, extinto ao final da Segunda Guerra Mundial, em 1946, deu lugar ao recém-criado 19º Regimento de Cavalaria (19° RC), pouco tempo depois transferido para o estado do Mato Grosso do Sul, para compor, junto a frações de outras organizações militares, o 17° Regimento de Cavalaria, atual 17° Regimento de Cavalaria Mecanizado (17°RC Mec), na cidade de Amambai. Permaneceram em Minas Gerais 2 esquadrões: um em Três Corações-MG, o 1° Esquadrão (1/19º RC), o qual, em 1949, com a transferência da Escola de Sargentos das Armas (ESA) do Rio de Janeiro para Três Corações-MG, teve o seu efetivo incorporado ao da Escola recém-chegada.[15], e o segundo esquadrão, o 4°/19° RC, em Juiz de Fora, distrito de Santos Dumont, embrião do atual 4° Esquadrão de Cavalaria Mecanizado.[16]

Foto do Portão Principal da Escola de Sargentos das Armas (ESA), em Três Corações-MG, no Sul de Minas.

A transferência para o sul de Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

No dia 18 de setembro de 1949, a população tricordiana, os integrantes do 1º/19ºRC e estudantes de todas as escolas assistem nan Avenida Getúlio Vargas o desfile, em carro aberto, do ministro da Guerra, General Canrobert Pereira da Costa, tendo ao seu lado o prefeito tricordiano, Odilon Rezende Andrade.

A visita representava o resultado dos entendimentos que vinham se processando, no Rio de Janeiro, entre esses dois homens públicos.

O ministro anuncia ao público que já havia assinado o documento que transferia a escola do Realengo, bairro da cidade do Rio de Janeiro, para Três Corações. E, também, que todas as dificuldades para a mudança já haviam sido superadas, graças ao apoio determinante do prefeito.

No dia 1º de novembro de 1949, conforme consta em Boletim Interno da Escola, ainda com sede no Realengo:

"(...) por determinação do Ministro da Guerra, foi nomeada uma comissão, com o fim de reconhecer as condições de aquartelamento e outras de caráter geral da cidade de Três Corações.(...)"[17]

No dia 3 de novembro, chega à cidade, permanecendo por três dias, uma comissão especial do Exército. No dia 5 de dezembro de 1949, é assinado o Decreto 27.543, que transfere a sede da ESA do Rio de Janeiro-RJ para Três Corações/MG.[18]

Em 3 de janeiro de 1950, outra equipe chega a Três Corações/MG com a missão de conduzir um estudo final das futuras instalações da Escola.

Nos meses seguintes, toda a estrutura da ESA começa a ser transferida para a cidade:

  1. 21 de março de 1950 – segue o 1º comboio, conduzindo a Formação Veterinária e os animais pertencentes ao Esquadrão de Cavalaria e Bateria de Artilharia;
  2. 1º de abril – parte de Realengo o 2º comboio, transportando pessoal e material da Companhia de Comando, Parque de Transmissões, Almoxarifado, Armamento, Casa das Ordens, Direção de Ensino e Corpo de Alunos;
  3. 20 e 25 de abril – deixam Realengo o 5º e 6º comboios com o restante dos alunos, armamentos e materiais auxiliares;
  4. 3 de maio de 1950 – chega à Cidade o Tenente Coronel Miguel Lage Sayão. É a data em que a Escola de Sargentos das Armas comemora sua instalação em Três Corações-MG.[19]

Finalmente, no dia 25 de maio de 1950, conclui-se a instalação da ESA no quartel do antigo 4º RCD, ocupando uma área aproximada de 300.000 m², no centro da cidade. A transferência da escola do Rio de Janeiro para Minas Gerais efetuou-se de 21 de Março a 25 de Maio de 1950, sob o comando do Tenente Coronel Miguel Lage Sayão. Reiniciadas as aulas, a primeira turma em Três Corações concluiu o curso a 21 de dezembro desse mesmo ano.

O Curso de Comunicações foi criado em 1961 e ministrado até 1969. Depois foi transferido para a Escola de Comunicações no Rio de Janeiro. Posteriormente, em 1979, foi reativado na ESA.

O Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos na ESA[editar | editar código-fonte]

Entre os anos de 1970 e 1976, a ESA deixou de formar sargentos e funcionou, somente, com o curso de aperfeiçoamento, voltando-se novamente à formação destes a partir de 1977.

Durante este período a formação do sargento ficou a cargo da seguintes Organizações Militares (OM):

  • 1º Batalhão de Carros de Combate - Rio de Janeiro - 1970
  • 3º Batalhão de Engenharia da Combate - Cachoeira do Sul - 1970 e 1971
  • 12º Regimento de Cavalaria Mecanizado - Porto Alegre (atual 8º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado) - 1976

O Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS) foi criado em 1942, por meio do Decreto-Lei nº 4.130, de 26 de fevereiro de 1942 — Lei do Ensino Militar[20], e regulamentado cinco anos mais tarde, em 19 de março de 1947, pela Portaria nº 72, do Ministro da Guerra, que aprovou as Instruções Reguladoras (IR) do Aperfeiçoamento de Sargentos, reforçando e complementando o Decreto-Lei.[21]

Naquelas Instruções Reguladoras verifica-se que o aperfeiçoamento dos 2° e 3° sargentos formados nos corpos de tropa e estabelecimentos militares seria realizado na Escola de Sargentos das Armas (ESA), nos Cursos Regionais de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas e dos Serviços e em escolas e centros destinados a certas especializações (Curso "D" da Escola de Artilharia de Costa e Curso "D" do Centro de Instrução de Defesa Antiaérea). O objetivo destes cursos era consolidar a aprendizagem dos sargentos e colocá-los em condições de serem promovidos a 1° sargento, subtenente e oficial da reserva ou do Quadro Auxiliar de Oficiais (QAO).

Como na época, ainda, não existia uma escola específica para o aperfeiçoamento dos sargentos, os Cursos Regionais de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas (CRAS) funcionariam, preferencialmente, nos Centros de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR). Os comandantes de Região Militar (RM) poderiam autorizar o funcionamento de duas turmas por ano nos CRAS, dado o número de candidatos. Ainda, devido a esta falta de estrutura, entre os anos de 1970 e 1976, a ESA deixou de formar sargentos e funcionou apenas com o curso de aperfeiçoamento, voltando à formação de graduados somente em 1977.[22]

[editar | editar código-fonte]

No período de 2006 a 2019 os sargentos formados na ESA receberam o título de técnico, a partir da turma de formação que foi matriculada no ano 2019, conforme Portaria nº 277/2017, do Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), o concludente do Curso de Formação e Graduação de Sargentos (CFGS) passou a receber o grau de nível superior tecnólogo.[23][24]

Expansão da ESA e potencial mudança de Três Corações[editar | editar código-fonte]

Em 2014 foi divulgada a realização de reuniões entre o Comando da ESA e da Prefeitura de Três Corações visando alternativas de ampliação da ESA. Em 2020 surgiram relatos de estudos coordenados pelo General de Divisão R/1 Joarez Alves Pereira Junior, considerando a reestruturação do CFS e a construção de novas instalações para a formação de Sargentos do Exército. Entre as razões alegadas está a necessidade da centralização dos Cursos de Formação de Sargentos (CFS) realizados em diversas organizações militares para um único local. Além de Três Corações, outras cidades que estão se candidatando para receber as novas instalações estão cidades como Ponta Grossa (Paraná))  e Santa Maria (Rio Grande do Sul).

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Vista Aérea da ESA e da Alça do Rio Verde em 2015
Vista Aérea da ESA e da Alça do Rio Verde em 2015

Enquadrada na linha de ensino militar bélico, grau superior (tecnólogo), a ESA está estruturada da seguinte maneira: comando de Oficial General, com seu Estado-Maior; Divisão de Ensino (DE); Corpo de Alunos (CA); Divisão Administrativa (DA); Divisão de Pessoal (DP); Divisão de Tecnologia da Informação (DTI) e Batalhão de Comando e Serviços (BCSv).

Estado-Maior (EM)[editar | editar código-fonte]

Compete ao Estado-Maior assessorar o Comandante da ESA e preparar os documentos relativos às suas decisões. É formado pelo seguinte elemento: Subcomandante e Subdiretor de Ensino, E2, E3, E5, Adjunto ao E3, Adjunto de Comando da ESA, Auxiliar de Estado-Maior Pessoal e Assessoria de Apoio para Assuntos Jurídicos (Asse Ap As Jurd).[25]

Divisão de Pessoal (DP)[editar | editar código-fonte]

À Divisão de Pessoal (DP) compete: planejar, controlar e executar as atividades de administração do pessoal militar e civil; encarregar-se do serviço postal e da correspondência; e executar os serviços de secretaria, arquivo e pagamento de pessoal.[26]

Organização da DP[editar | editar código-fonte]

  1. Ajudância-Geral
  2. Seção de Pessoal
  3. Seção de Pagamento de Pessoal
  4. Seção de Pessoal Civil
  5. Capelania Militar[25]

Divisão Administrativa (DA)[editar | editar código-fonte]

À Divisão Administrativa (DA) compete planejar, executar e fiscalizar os serviços administrativos, logísticos e financeiros, de forma a assegurar o apoio prioritário aos órgãos de ensino.[26]

Organização da DA[editar | editar código-fonte]

  1. Seção de Aquisições, Licitações e Contratos
  2. Tesouraria
  3. Seção de Transporte e Embarque
  4. Fiscalização Administrativa:
    1. Controle do Material
    2. Aprovisionamento
    3. Veterinária
    4. Almoxarifado
    5. Prefeitura Militar[25]

Divisão de Ensino (DE)[editar | editar código-fonte]

À Divisão de Ensino compete: assessorar o Diretor de Ensino (Comandante da ESA) nas atividades de planejamento, programação, coordenação, execução, controle e avaliação do processo ensino-aprendizagem, assim como na seleção e orientação educacional e profissional dos alunos do Período Básico nas Organizações Militares de Corpo de Tropa (OMCT); coordenar as atividades da Seções de Coordenação Pedagógica e Psicopedagógica; orientar o Corpo de Alunos quanto à ação educacional; supervisionar e controlar os trabalhos de coordenação pedagógica e avaliação educacional relativos ao Período Básico nas OMCT e ao Período de Qualificação na Escola; propor o planejamento geral das atividades de ensino-aprendizagem do Período Básico e do Período de Qualificação do CFS Cmb; e participar dos trabalhos de atualização das instruções e normas baixadas pelo DECEx ou pela DETMil, fornecendo os subsídios necessários à elaboração desses documentos.[26]

Organização da DE[editar | editar código-fonte]

  1. Seção de Coordenação Pedagógica:
    1. Subseção de Avaliação da Aprendizagem (SSAA)
    2. Subseção de Planejamento e Pesquisa (SSPP)
  2. Seção Psicopedagógica:
    1. Subseção Psicotécnica
    2. Subseção de Orientação Educacional (SSOE)
  3. Seção de Meios Auxiliares e Publicações
  4. Biblioteca e Espaço Cultural
  5. Seção de Concurso e Admissão
  6. Seção de Coordenação Pedagógica do Período Básico
  7. Seção de Idiomas
  8. Seção de Supervisão Escolar.[26]

Divisão de Tecnologia da Informação (DTI)[editar | editar código-fonte]

À DTI compete conscientizar, avaliar e promover a qualidade e o suporte técnico, a inovação e a disseminação da tecnologia da informação necessária, para os diversos escalões de comando dos setores da EsSA, de modo a coordenar a implantação de novos sistemas e aplicativos, a aquisição de suprimentos de informática, a manutenção da rede e a integração do apoio jurídico na avaliação dos impactos legais para a segurança da informação.[26]

Organização da DTI[editar | editar código-fonte]

  1. Seção de Informática
  2. Seção de Telemática
  3. Posto de Rede Rádio Fixa[25]

Corpo de Alunos (CA)[editar | editar código-fonte]

O Corpo de Alunos é constituído por um Comandante, um Subcomandante, um Estado-Maior e pelos cursos e seções.

  • Curso de Infantaria (C Inf)
  • Curso de Cavalaria (C Cav)
  • Curso de Artilharia (C Art)
  • Curso de Engenharia (C Eng)
  • Curso de Comunicações (C Com)

Aos cursos, cabe a atividade-fim da ESA, que é formar os futuros sargentos nas suas qualificações.

As 4 seções do Corpo de Alunos complementam a formação militar do aluno, atuando no desenvolvimento de atributos das áreas cognitiva, psicomotora e atitudinal,sendo elas:

  • Seção de Educação Física (SEF), responsável por planejar, conduzir e orientar o Treinamento Físico Militar,
  • Seção de Equitação (Seç Equi), responsável pelas instruções de Equitação,
  • Seção de Instrução Especial (SIEsp), destinada à condução dos estágios de instrução especial.
  • Seção de Tiro (Seç-Tiro), responsável pelas instruções de tiro de fuzil e de pistola.
  • Seção de Liderança e Apoio à Doutrina (SLAD)[26]

Posto Médico da Guarnição (PMGu)[editar | editar código-fonte]

Organização do PMGu[editar | editar código-fonte]

  1. Subseção Médica
  2. Subseção de Fisioterapia
  3. Subseção de Odontologia
  4. Subseção de Bioquímica
  5. Subseção de Enfermagem
  6. Subseção de SAMMED/FUSEx[25]

Batalhão de Comando e Serviços[editar | editar código-fonte]

Ao BCSv compete: prover o apoio de pessoal e/ou material prioritariamente aos órgãos de ensino; apoiar as atividades de ensino; proporcionar a segurança das instalações da Escola; e responsabilizar-se pelo monitoramento do setor de segurança integrada atribuído à ESA.[26]

Histórico do Batalhão de Comando e Serviços[editar | editar código-fonte]

Distintivo do Batalhão de Comando e Serviços da ESA

Quando de sua criação, a ESA em 1946, contava dentre outros setores, com uma Companhia de Comando e Serviços, subunidade esta, que é a célula embrionária do Batalhão.

Em 1950, por meio de um ato ministerial, foi criada a Banda de Música, que desde então, abrilhanta as formaturas e solenidades  da ESA, além de enaltecer com a música o nome do Exército nos eventos junto a sociedade tricordiana e do Sul de Minas.

Em 1968, visando apoiar as atividades do Corpo de Alunos, foi criada a Companhia Auxiliar do Corpo de Alunos (chamada, popularmente, de CACA) a qual era composta pelos pelotões auxiliares dos cursos da ESA e pela Seção de Comando. Controlava o efetivo de cabos e soldados auxiliares das Seções de Equitação, do Setor de Aprovisionamento e, atualmente, da Seção de Instrução Especial (SIEsp).

Em 1992, o Pelotão de Manutenção e Transportes, o qual pertencia à Companhia de Comando e Serviços, sofreu uma mudança, pois recebendo a centralização de todas as viaturas da Escola, aumentando o seu efetivo de mecânicos de viaturas, de armamentos e motoristas. Momento em que, devido ao grande efetivo de pessoal já começava a ideia da criação de uma 3ª companhia que denominaria na Companhia de Manutenção e Transportes da Escola.

Em 1993, através dos levantamentos e proposta do então Coronel Jarbas Bueno da Costa (posteriormente General de Exército Jarbas), a ESA encaminhou ao Estado-Maior do Exército a necessidade da criação de um Batalhão de Comando e Serviços (BCSv) para gerenciar as atividades de apoio administrativo e de apoio ao ensino bem como controlar os efetivos de Subtenentes, Sargentos, Cabos e Soldados.

Em 1994, pela Portaria Ministerial nº 150, do Estado Maior do Exército, datada em 28 de novembro,[27] o Batalhão de Comando e Serviços da Escola de Sargentos das Armas (BCSv/ESA) foi criado.

Junto com a criação do Batalhão e para compor o Quadro de Cargos Previstos (QCP) que já contemplava as duas companhias existentes, foram criadas as Companhias de Manutenção e Transportes e a Companhia de Fuzileiros.

Bandeira-Insígnia de Comando do Batalhão de Comando e Serviços da ESA
Bandeira-Insígnia de Comando do Batalhão de Comando e Serviços da ESA

A Companhia de Fuzileiros, posteriormente, passou a se chamar Companhia de Guardas, na qual um Pelotão de Polícia do Exército (PE) passou a controlar o trânsito, balizamentos de comboios, segurança nas solenidades e instruções de formação de Oficiais e Sargentos temporários, além da formação do soldado PE.

Em 1º de julho de 2009, esta Companhia passou a se denominar Companhia de Polícia do Exército.

Reafirmando a existência do Batalhão, em 21 de agosto de 2017, o Batalhão é criado e ativado a partir de 1 de janeiro de 2018, sendo subordinado e vinculado administrativamente a ESA[28]. Sendo que em 11 de outubro de 2017, mediante a Portaria nº 433, do Estado Maior do Exército[29], o Batalhão recebeu o Código de Organização Militar (CODOM), tornando-se uma Unidade subordinada à ESA, e a nomeação de seu Comandante passou a ser prerrogativa do Comandante do Exército Brasileiro. E em fevereiro de 2019, o Comandante do Exército Brasileiro aprovou o Distintivo de Organização Militar e a Bandeira-Insígnia do Batalhão de Comando e Serviços da ESA.[30]

Organização do BCSv/ESA[editar | editar código-fonte]

  1. Estado-Maior (S1, S2/S3, S/4 e Adjunto de Comando do BCSv)
  2. Companhia de Comando e Serviços
  3. Companhia Auxiliar do Corpo de Alunos
  4. Companhia de Polícia do Exército
  5. Companhia de Manutenção e Transporte
  6. Banda de Música

Concurso de Admissão (CA ESA)[editar | editar código-fonte]

É por meio do Concurso de Admissão ao Curso de Formação e Graduação de Sargentos (CFGS) que o candidato é selecionado, para realizar sua graduação, conforme edital anual divulgado pela Escola de Sargentos das Armas. Além da ESA o concurso seleciona os candidatos também para os cursos de formação e graduação de sargentos da Escola de Sargentos de Logística - EsSLog (Logísticos, Saúde e Música) e do Centro de Instrução de Aviação do Exército - CIAvEx (Aviação).

Dados Estatísticos dos Concursos de Admissão[editar | editar código-fonte]

Dados Estatísticos dos Concursos de Admissão aos Cursos de Formação e Graduação de Sargentos
Ano do Concurso Área Inscritos Vagas Candidato por Vaga
Masculino Feminino Total Masculino Feminino Masculino Feminino
1946[31] Armas 922 - 922 281 - 3,28 -
1947[31] 1ª Turma das Armas 951 - 951 457 - 2,08 -
2ª Turma das Armas 1296 - 1296 499 - - -
2015 Geral/Aviação 50.004 - 50.004 1260 - 39,69 -
Música 2.345 468 2.813 80 35,16
Saúde 1.075 3.978 5.053 70 72,19
TOTAL 53.424 4.446 57.870 1.410 41,04
2016 Geral/Aviação 70.969 12.498 83.467 1000 70 70,97 178,54
Música 2.519 414 2.933 70 41,9
Saúde 1.173 4.250 5.423 65 83,43
TOTAL 74.661 17.162 91.823 1.205 76,2
2017[32] Geral/Aviação 80.178 19.155 99.333 900 100 89,09 191,55
Música 2.529 409 2.938 40 73,45
Saúde 1.850 6.953 8.803 60 146,72
TOTAL 84.557 26.517 111.074 1.100 100,98
2018[32] Geral/Aviação 68.503 17.144 85.647 910 100 75,28 171,44
Música 1.977 368 2.345 30 78,17
Saúde 1.204 4.358 5.562 60 92,7
TOTAL 71.684 21.870 93.554 1.100 85,05
2019[32] Geral/Aviação 85.586 22.335 107.921 900 100 95,1 223,35
Música 2.654 535 3.189 60 53,15
Saúde 1.748 5.756 7.504 40 187,6
TOTAL 89.988 28.626 118.614 1.100 107,83
2020[33] Geral/Aviação 76.518 19.489 96.007 900 100 85,02 194,89
Música 2.082 443 2.525 45 56,11
Saúde 1.439 3.836 5.275 55 95,90
TOTAL 80.039 23.768 103.807 1.100[34] 94,37
2021[35] Geral/Aviação 118.393 900 100
Música 2.375 45 52,77
Saúde 5.624 55 102,25
TOTAL 126.392 1100[36] 114,90

Curso de Formação e Graduação de Sargentos (CFGS)[editar | editar código-fonte]

O 10° Batalhão de Infantaria Leve, em Juiz de Fora-MG, é uma das 12 Organizações Militares de Corpo de Tropa (OMCT) responsáveis pela formação básica do futuro 3° sargento.
Instrução de Patrulha realizada no 2° Exercício de Longa Duração no 4° Grupo de Artilharia de Campanha, em Juiz de Fora-MG.
Apronto Operacional para o 1° Exercício de Longa Duração do Curso de Formação de Sargentos (CFS) no 14° Grupo de Artilharia de Campanha, em Pouso Alegre-MG.

1º Ano do CFGS[editar | editar código-fonte]

O Primeiro Ano do CFGS, é a primeira fase do Curso de Formação e Graduação de Sargentos (CFGS).

É realizado em 13 (treze) Unidade Escolares Tecnológicas do Exército (UETE), supervisionadas pela ESA, localizadas de norte a sul do território nacional.

O Primeiro Ano do CFGS tem a duração de 44 (quarenta e quatro) semanas.

Abaixo, está a relação das 13 UETE:

Após a conclusão do Primeiro Ano do CFGS, o aluno escolhe sua Qualificação Militar de Sargentos (QMS), por mérito intelectual. O Segundo Ano do CFGS tem a duração de 44 semanas. No que diz respeito às Armas, o Segundo Ano do CFGS é conduzido, integralmente, na ESA. No que tange à área de logística, é realizada na Escola de Sargentos de Logística (EsSLog), no Rio de Janeiro-RJ. E no que se refere a qualificação de Aviação do Exército, é realizado no Centro de Instrução de Aviação do Exército(CIAVEx), em Taubaté-SP.

Histórico das UETE[editar | editar código-fonte]

E até 2006, o Período Básico e o Período de Qualificação era ministrado integralmente na ESA, sendo 13 semanas no Período Básico e 30 semanas de Qualificação. Porém, a partir daquele ano o CFS teve sua duração dilatada, o que ocasionou a criação das Organizações Militares de Corpo de Tropa (OMCT).

Esta denominação foi utilizada até o ano de 2018.

Com a implantação do ensino tecnológico sua denominação foi alterada para Unidade Escolar Tecnológica do Exército (UETE).

Algumas UETE/OMCT, foram extintas, dentre elas:

  • 51.º Batalhão de Infantaria de Selva (51º BIS) - Altamira/PA (2006 a 2016)
  • 4.º Batalhão de Polícia do Exército (4º BPE) - Recife/PE (2006 a 2017)

2º Ano do CFGS[editar | editar código-fonte]

No 2.º ano, a formação dos sargentos da ESA é direcionada para as cinco Armas do Exército Brasileiro, que constituem a Linha de Ensino Militar Bélico das Armas. A qualificação do futuro sargento tem por objetivo principal a capacitação ao exercício do comando de pequenas frações de sua respectiva Arma. Ainda, consolidam-se o aperfeiçoamento das técnicas individuais do combatente, o elevado padrão de ordem unida e o contínuo desenvolvimento da capacidade física.

Curso de Infantaria realizando adestramento em Operações de Garantia da Lei e da Ordem.

Neste período, bastante dinâmico, o aluno recebe instruções específicas das armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações, oportunidade em que o espírito de corpo da arma desenvolvido e consolidado.

A qualificação e a intensificação das atividades militares têm por objetivo principal a habilitação ao exercício de cargos e funções inerentes ao terceiro-sargento e ao segundo-sargento não aperfeiçoado, em condições de combate e em tempo de paz.

Cada curso possui seu quadro de instrutores e monitores, para uma perfeita execução do ensino e permanente ação educacional. Dentre as atividades escolares, destacam-se as atividades da Seção de Instrução Especial (SIEsp), o Estágio Preparatório de Corpo de Tropa (EPCT), realizado nas OM do Corpo de Tropa, a Manobra Escolar, as competições esportivas internas e a MAREXAER (competição esportiva com as escolas militares congêneres, da Marinha e da Força Aérea).

A Manobra Escolar é a oportunidade em que os alunos aplicam os conhecimentos técnicos e táticos adquiridos durante o ano de instrução. Consta de um exercício no terreno, com o emprego de todos os cursos, no qual se desenvolve a capacidade de liderança militar e a ação de comando dos participantes. .

Curso de Infantaria realizando o tiro da Metralhadora 7,62 mm MAG
Foto de uma patrulha realizando uma marcha na Operação Furacarta, o mais tradicional Exercício de Longa Duração do Curso de Cavalaria da ESA.[37]

A formação profissional do Sargento Combatente de Exército é a razão de ser da Escola. Ao final do curso, o concludente é declarado 3º Sargento de Carreira Combatente do Exército Brasileiro e ocupará os cargos previstos nos Quadro de Organização da Força Terrestre. Ainda neste contexto, ressalta-se a liderança junto às pequenas frações tão necessária para enfrentar os desafios do Século XXI com profissionalismo e comprometimento com o nosso Exército Brasileiro.

Histórico do 2º Ano do CFGS[editar | editar código-fonte]

Até o ano de 2018 o 2º Ano do CFGS era denominado Período de Qualificação (PQ). Período que o aluno do curso de formação realizava na ESA sua qualificação para as Armas, e após o reconhecimento do curso para o nível superior tecnólogo foi renomeado para 2º Ano do CFGS.[24]

Cursos[editar | editar código-fonte]

Curso de Infantaria[editar | editar código-fonte]

O Curso de Infantaria da ESA habilita o militar a ocupar cargos e a exercer funções próprias do 3º Sargento comandante de pequenas frações. O aluno conta com diversas instruções em campo e em salas de aula, capacitando-o a desempenhar as atividades operacionais e administrativas no Exército Brasileiro. Durante o ano, procurando desenvolver a formação profissional do militar de Infantaria, o curso desempenha as seguintes atividades e exercícios:[38]

  1. Recepção e batizado aos novos integrantes da Arma de Infantaria, demonstrando valores e virtudes do militar de Infantaria
  2. Exercícios de curta e longa duração, sempre procurando desenvolver as atividades características da Arma de Infantaria
  3. Tiro das armas coletivas
  4. Exercício de Desenvolvimento da Liderança (EDL) - Prova Sgt. Max Wolf Filho
  5. Missões Manda Brasa
  6. Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO)
  7. Exercício de Operações Ofensivas e Defensivas
  8. Operações Ribeirinhas
  9. Atividades Aeromóveis com apoio da Aviação do Exército
  10. Realização de Estágios de Montanha, Caatinga, Pantanal e Aeromóvel
  11. Manobra Escolar juntamente com os Cadetes da AMAN
Curso de Cavalaria[editar | editar código-fonte]

O Curso de Cavalaria da Escola de Sargentos das Armas habilita o seu concludente a ocupar cargos e a exercer funções próprias do 3º Sargento Combatente, líder das pequenas frações elementares orgânicas das Organizações Militares de Corpo de Tropa da Arma de Cavalaria, dentre as quais estão o Grupo de Exploradores, Grupo de Combate, Seção de Viatura Blindada de Reconhecimento e a Peça de Apoio.

Para tal, são ministradas disciplinas versando sobre o emprego tático da arma, Comunicações, Topografia, Patrulhas, Operações de Garantia da Lei e da Ordem, Armamento e Viaturas orgânicas da arma (Viatura Tática Leve (VTL) Marruá, Viatura Blindada de Transporte de Pessoal (VBTP) EE-11 URUTU, além da Viatura Blindada de Reconhecimento (VBR) EE-9 CASCAVEL), além de Administração Militar, Instrução Geral, Treinamento Físico Militar, História Militar, Informática e, mais recentemente, os alunos estão recebendo instrução de Língua Inglesa ,conteúdo comum a todas as armas.

Execução de tiro real de artilharia no 3º Exercício de Longa Duração do Curso de Artilharia.

A Equitação, instrução típica da Arma de Cavalaria, visa a  desenvolver diversos conteúdos atitudinais, tais como a coragem, iniciativa, agilidade, que mantêm acesas as tradições da arma.

Os exercícios de curta e longa duração, além da formação profissional assentada em valores como a ética, a moral e a disciplina, aliados ao culto às tradições do Exército Brasileiro e da Arma, ajudam a forjar o futuro líder, preparando-o, também, para o exercício das funções de instrutor e monitor do corpo de tropa.[39]

Alunos do Curso de Artilharia realizando os cálculos necessários para a precisão do tiro de artilharia,
Curso de Artilharia[editar | editar código-fonte]

O curso de Artilharia da ESA tem por missão habilitar o aluno para os cargos de sargento não-aperfeiçoado, capacitando-o a desempenhar as principais funções e atividades operacionais de guerra e não guerra, administrativas e da Justiça Militar, previstas para sua Qualificação Militar, tais como atuar como Instrutor e Monitor; comandar ou chefiar as frações de tropa compatíveis com a sua graduação e correspondente à sua Qualificação Militar de Sargento – no caso da Artilharia; e participar, no contexto da Força Terrestre, como elemento essencial de sua estrutura, atuando como elo fundamental entre o comando e a tropa.

Durante o período de Qualificação, são ministradas as seguintes disciplinas: Treinamento Físico Militar, Armamento, Munição e Tiro II, Língua Inglesa, Instrução Especial, História Militar do Brasil,Instrução Geral II, Técnicas de Artilharia, Linha de Fogo, Topografia, Emprego de Artilharia.[40]

Aluno de Engenharia montando um obstáculo com o uso concertina.
Montagem de uma Passadeira Flutuante de Alumínio durante o 1° Exercício de Longa Duração do Curso de Engenharia.
Curso de Engenharia[editar | editar código-fonte]

O Curso de Engenharia da Escola de Sargentos das Armas habilita o seu concludente a ocupar cargos e a exercer funções próprias do 3º Sargento Combatente, líder das pequenas frações elementares orgânicas das Organizações Militares de Corpo de Tropa da Arma de Engenharia. Dentre as inúmeras atividades realizadas pelo aluno do Curso de Engenharia, destacam-se:[41]

  • Montagem e operação de uma equipagem de passadeira, com o objetivo de apoiar a arma-base na transposição de um curso d´água obstáculo;
  • Utilização de Ponte Pesada para transpor o comboio de viaturas em operações de combate;
  • Instrução de navegação a motor em bote pneumático;
  • Instrução em conjunto com a Arma de Infantaria (Operação Ribeirinha);
  • Instrução de organização do terreno, lançando obstáculos de arame (concertina);
  • Instrução de detecção de minas em área minada;
  • Instrução de tratamento de água em campanha;
  • Instrução de manutenção e construção de estradas;
  • Instrução de equipamento de Engenharia;
  • Instrução de Montagem e Operação da Portada Leve;
  • Instrução com a equipagem M4T6;
  • Instalação de carga explosiva com explosivo plástico;
  • Disputa da tradicional Regata da Engenharia, entre alunos da Engenharia.
Curso de Comunicações[editar | editar código-fonte]

Além das instruções comuns a todos os cursos, que englobam, dentre outras matérias, "Treinamento Físico Militar", "Instrução Geral" e "Comando, Chefia e Liderança", o aluno do Curso de Comunicações, na Escola de Sargentos das Armas, recebe instruções específicas de sua arma:

  • "Técnica Militar",  na qual o aluno tem o primeiro contato com os equipamentos rádio que empregarão nas atividades desempenhadas pela Arma, bem como toda estrutura física necessária que se deve ter para manter o sistema de comunicações, seja ele através do fio ou por propagação de ondas;
  • "Fundamento das Comunicações", que é a matéria base que ensina o instruendo a conhecer tanto a parte de elétrica, fundamental à energização do sistema eletrônico empregado, quanto o estabelecimento dos enlaces por ondas eletromagnéticas;
  • "Emprego das Comunicações", na qual o aluno aprende como funciona o planejamento de Comunicações em apoio às outras Armas levando em consideração a peculiaridade de cada uma delas nos diversos tipos de operações.

Para desenvolver esse conteúdo, o aluno conta com instruções em campo, em salas de aula, em sala preparada para utilizar equipamentos-rádio em grandes bancadas energizadas e uma moderna sala de cibernética.[42]

Seções de Instrução[editar | editar código-fonte]

Seção de Instrução Especial - SIEsp[editar | editar código-fonte]
Símbolo da Seção de Instrução Especial(SIEsp) da ESA.

A denominação histórica: Seção de instrução Especial (SIEsp) é decorrente de sua criação oficial pelas Portarias n.º 101 - EME-Res e 107 - 1ª SCh/EME-Res, ambas de 28 de julho de 2005. Desta forma, essa data ficou oficializada como o dia de criação da SIEsp/ESA.[43][44]

Em 28 de setembro de 2005, foi realizada pelo então Comandante da Escola de Sargentos das Armas, General de Brigada Arakem de Albuquerque, a 1.ª Reunião e como diretriz interna foi criado o núcleo de implantação da seção, composto por oficias e graduados do Corpo de Alunos e do Batalhão de Comando e Serviços deste estabelecimento de ensino.

Os trabalhos foram divididos em 3 (três) fases: a 1.ª (primeira) e a 2.ª (segunda) fases, no período de setembro de 2005 a dezembro de 2006, destinaram-se ao planejamento e reconhecimento dos estágios de instrução especial, bem como a elaboração de projetos e aquisição de materiais a serem empregados nos referidos estágios. A 3.ª (terceira) fase iniciou-se a partir de janeiro de 2007 e caracterizou-se pelo funcionamento pleno da seção de instrução com a execução do Estágio Básico de Instruções Especiais (EBIE), dividido em 3 (três) turnos e o Estágio de Operações de Garantia da Lei e da Ordem (EOpGLO), dividido em 2 (dois) turnos.

No ano de 2011, por imposição do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), foi feita a mudança do EOpGLO para o Estágio de Operações Contra Forças Irregulares (EOpCFI).

Missão[editar | editar código-fonte]

Observar, estimular e desenvolver no futuro sargento combatente de carreira, atributos das áreas cognitiva, psicomotora e principalmente, afetiva, por intermédio do planejamento, da coordenação e da condução de seus Estágios de Instrução Especial, impondo-lhe dificuldades de caráter físico, sob pressão psicológica controlada, buscando-se a máxima imitação do combate em ritmo de operações continuadas.

Instrução de Obtenção de Água realizada por alunos do Curso de Artilharia e de Comunicações.[45]
Realização da técnica de Helocasting por alunos da ESA durante a Semana de Técnicas Aeromóveis coordenada pela SIEsp e com o apoio de militares e helicópteros da Aviação do Exército.[45]
Estágio Básico de Instruções Especiais (EBIE)[editar | editar código-fonte]

O Estágio é desenvolvido na área de instrução especial localizada no Campo de Instrução General Moacir Araújo Lopes (CIGMAL). O estagiário recebe instruções sobre noções gerais de Sobrevivência, Apronto Operacional, Obtenção de Alimentos de Origem Animal e Vegetal, Obtenção de Água e Fogo, Construção de Abrigos Improvisados e Semipermanentes, Armadilhas para Caça, Pesca e Antipessoais, Animais Peçonhentos e Venenosos, Tiro Rápido Diurno e Noturno, Orientação Diurna e Noturna, Primeiros Socorros, Peconha, Transposição de Obstáculos (Pista de Cordas), e ao final realiza a operação General Pinheiro (Evasão).

A partir de 2012, a SIEsp conta com apoio de oficiais e graduados das seguintes Organizações Militares e Centros de Instrução, para realização do EBIE: Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), Manaus-AM; 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (11º BI Mth), São João del Rei-MG; 72.º Batalhão de Infantaria Motorizado (72º BI Mtz), Petrolina-PE; 17º Batalhão de Fronteira (17º B Fron), Corumbá-MT; Centro de Instrução de Operações Especiais (CIOpEsp), Niterói-RJ; e Companhia de Precursores Paraquedista (Cia Prec Pqdt), Rio de Janeiro-RJ.

Instrução de Estouro de Aparelho no Estágio de Operações Contra Forças Irregulares da SiEsp/ESA no Campo de Instrução General Moacir Araújo Lopes (CIGMAL).
Instrução de Progressão com a VBTP-MR Guarani, com o apoio de militares oriundos da 15.ª Brigada de Infantaria Mecanizada, durante o Estágio de Operações Contra Forças Irregulares da SIEsp/ESA.
Estágio de Operações Contra Forças Irregulares (EOpCFI)[editar | editar código-fonte]

O EOpCFI é desenvolvido nos municípios de São Tomé das Letras-MG, São Bento Abade-MG e Luminárias-MG, em uma área de operações com ambientes urbano e rural, onde os estagiários planejam e executam operações do tipo polícia, tais como: Operações de Busca e Apreensão (OBA), Postos de Bloqueio e Controle de Estradas (PBCV) e vasculhamento; e operações de combate, como: cobertura de ponto, espera, contato, emboscada, cobertura de cachê. Por fim, realiza-se um assalto a um centro de treinamento de guerrilha. Neste estágio, é desenvolvido no aluno a capacidade de comandar pequenas frações em Operações Contra Forças Irregulares.

A partir de 2012 a SIEsp/ESA conta com apoio de oficiais e graduados das seguintes Organizações Militares e Centros de Instrução, para realização do EOpCFI: Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), Manaus-AM; 1º Batalhão de Forças Especiais (1º BFE), Goiânia-GO; 1º Batalhão de Ações de Comandos (1º BAC), Goiânia-GO; 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (11º BI Mth), São João del Rei-MG; 17º Batalhão de Fronteira (17º B Fron), Corumbá-MT; Centro de Instrução de Operações Especiais (CIOpEsp), Niteroi-RJ; 26º Batalhão de Infantaria Paraquedista (26º BI Pqdt), Rio de Janeiro-RJ; 4º Batalhão de Infantaria Leve (4º BIL), Osasco-SP e Companhia de Precursores Paraquedista (Cia Prec Pqdt), Rio de Janeiro-RJ.

Distintivo Gavião[editar | editar código-fonte]

Os alunos destaques nos estágios realizados pela Seção de Instrução Especial (EBIE e EOpCFI) recebem o distintivo “GAVIÃO” e ganham o direito de utilizá-lo nas suas fardas no ano de instrução. Além do distintivo, os alunos destaques recebem um Diploma, confeccionado pelo Comando da ESA e uma lembrança da SIEsp.[46]

Alunos da ESA realizando Estágio de Operações na Caatinga através de um Pedido de Cooperação de Instrução da SIEsp/ESA.
Semana de Técnicas Aeromóveis realizada pela SIEsp, com o apoio de militares e helicópteros da Aviação do Exército.
Pedidos de Cooperação de Instrução (PCI)[editar | editar código-fonte]
Instrução de Orientação Diurna por alunos da ESA durante o Estágio Básico de Instruções Especiais.

A SIEsp possibilita uma melhor capacitação dos alunos que se destacam nos seus estágios, assim como, dos seus instrutores, por intermédio de estágios operacionais. Esses estágios são realizados em Centros de Instrução e Unidades de Emprego Peculiar do Exército, por meio dos Pedidos de Cooperação de Instrução solicitados pela seção. Atualmente, são realizados os seguintes estágios: Adaptação e Operações na Caatinga, no 72º BIMtz, em Petrolina-PE; Estágio de Operações no Pantanal, no 17º B Fron, em Corumbá-MS; Estágio Básico do Combatente de Montanha, no 11º BI Mth, em São João Del Rei-MG e no 10º BIL, em Juiz de Fora-MG; Estágio de Operações Aeromóveis, no CIAvEx, em Taubaté-SP e aplicações táticas, no BOPE/PMRJ, no Rio de Janeiro-RJ; caçador, na AMAN, em Resende-RJ; e Operações de Garantia da Lei e da Ordem, no Centro de Instrução de Operações de Garantia da Lei e da Ordem (CI Op GLO), em Campinas-SP.

Seção de Educação Física (SEF)[editar | editar código-fonte]

A Seção de Educação Física tem como missão planejar, organizar e supervisionar o treinamento das equipes desportivas do Corpo de Alunos e o Treinamento Físico Militar (TFM) dos alunos e do corpo permanente da ESA, garantindo a correta execução da atividade física planejada. Planejar e dirigir as competições desportivas no âmbito da ESA, assim como aplicar as avaliações de Treinamento Físico Militar nos alunos e no corpo permanente da ESA.

Durante o ano letivo, são realizados diversos amistosos das equipes da ESA com as escolas afins (EsPCEx, EPCAR, EsSLOG, AMAN), além da Corrida Guararapes, Corrida Duque de Caxias e a MAREXAER.

Atletas do Curso de Infantaria da ESA/1957
Seção de Tiro da ESA[editar | editar código-fonte]
Instrução de tiro de Pistola IMBEL M973 no Estande de Tiro da ESA.
Realização do Tiro de Combate no estande de tiro da Seção de Tiro da ESA.

A Seção de Tiro da Escola de Sargento das Armas tem por missão formar o 3º sargento combatente de carreira de Monitor de Tiro dos Corpos de Tropa, produzindo e aperfeiçoando conhecimentos relacionados ao tiro com armas portáteis de dotação da força terrestre. Além de realizar pesquisas e experimentações doutrinárias sobre o tiro de combate e esportivo no âmbito do Exército.

A principal atividade desenvolvida pela Seção de Tiro da ESA é a condução dos módulos de tiro de combate previstos no Caderno de Instrução de Tiro de Combate (CITC).

Hoje, o aluno da ESA se forma conhecendo praticamente todo o extenso e moderno CITC.

O Curso de Sargento das Armas[editar | editar código-fonte]

O aluno vive em regime de internato durante todo o período de formação sendo alojado, alimentado e fardado por conta do Estado, além de receber proventos previstos em lei. Participa, ainda, de atividades sociais, culturais, recreativas e esportivas, patrocinadas pela ESA e pelo Grêmio dos Alunos da ESA (GRESA).

O aquartelamento da ESA está sediado em Três Corações-MG, cidade localizada na região Sul de Minas, às margens do Rio Verde e são utilizados dois campos de instrução nas atividades de formação do aluno: do Atalaia e o General Moacir Araújo Lopes (CIGMAL), os quais distam cerca de 4 e 42 km, respectivamente, da ESA.

A formação profissional do Sargento Combatente do Exército é a razão de ser da Escola. Todas as atividades do ano letivo são desenvolvidas com a finalidade de capacitar o aluno ao exercício das funções a serem desempenhadas nos corpos de tropa.

O ensino, fundamentalmente técnico-profissional, é ministrado de forma prática, considerando que o futuro sargento deve ser, ao mesmo tempo, chefe e executante. As Instruções são dinâmicas e os princípios do “aprender a aprender”, operacionalizados em todas as disciplinas, permite ao futuro sargento auto aperfeiçoar e crescer pessoal e profissionalmente, fruto desta atitude.

As atividades de instrução desenvolvem-se em ritmo intenso. Busca-se, constantemente, a imitação das condições de combate. O aluno desempenha, sob a orientação dos instrutores e monitores, funções de executante e de comandar, quais serão exercidas nos corpos de tropa.

O Treinamento Físico Militar (TFM), alvo de atenção especial, fortalece a têmpera do aluno e capacita-o a liderar o seu grupo, sob quaisquer condições.

A manobra escolar é a oportunidade em que os alunos aplicam os conhecimentos técnicos e táticos adquiridos durante o ano de instrução. Consta de um exercício no terreno, com o emprego de todos os cursos, no qual se desenvolve a capacidade de liderança militar e a ação de comando dos participantes. “A manobra escolar é o coroamento do ano de instrução”.

A cerimônia de encerramento do curso é o ponto culminante e o marco de encerramento do ano escolar, na qual há a entrega dos diplomas e a promoção dos alunos à graduação de 3º Sargento.

Nomes das Turmas de Formação[editar | editar código-fonte]

Número de Alunos Formados/Turma[editar | editar código-fonte]

Número de Alunos Formados/Turma (Os números em negrito foram retirados da Revista "O Monitor", pode haver divergência com o número final de alunos formados.)
Ano Curso de Formação de Sargentos (CFS 1946-2018) e Cursos de Formação e Graduação de Sargentos (CFGS a partir de 2019) Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS)
Infantaria Cavalaria Artilharia Engenharia Comunicações FAB TOTAL Infantaria Cavalaria Artilharia Engenharia Comunicações Fuzileiro Naval FAB TOTAL
1946[78] 69 19 29 19 - - 136 62 16 23 12 - - - 74
1947/1[78] 74 37 23 18 - - 152 66 22 12 11 - - - 111
1947/2[78] 87 30 39 66 - - 222 80 18 26 59 - - - 183
1948[78] 69 19 36 71 - - 195 62 11 28 59 - - - 160
1949[79] 217 28 41 73 - 0 359 11 6 2 8 - 10 - 37
1950[79] 52 135 60 50 - - 297 21[80]
1951[79][81] 275[80] 77[80]
1952[79][81] 136 46 77 52 - - 311 - - - - - 12 6 18
1953[79][81] 68 57 32 14 - 0 171 0 4 12 8 - 10 - 34
1954[79][81] 176[80] 16[80]
1955[79][81] 108 75 62 59 - - 304 17[80]
1956[79] 243[80] 5[80]
1957[79] 227[80] 51[80]
1958[79] 120[80] 49[80]
1959[79] 286[80] 14[80]
1960 170[80] 40[80]
1961 141[80] 23[80]
1962 129[80] 79
1963[82] 192 123
1964[80] 59 0 28 0 12 0 99 29 0 0 11 0 0 40
1965[83] 56 16 19 41 56 0 188 65 17 13 9 10 0 115
1966[84] 61 15 35 32 15 50 208 39 5 6 5 14 0 69
1967 164[80] 114[80]
1968 76 25 15 42 38 0 196 62 14 23 26 16 0 0 141
1969[85][86] 45 25 25 25 30 0 150 70 13 12 27 27 0 149
1970 Somente o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos 398
342
1971 406
187
1972[87] 263
353
1973[88] 232
151 34 71 29 0 0 285
1974 203
308
1975 303
234
1976 304
368
1977
1978[47] 172 75 52 65 0 0 364
1979 109 45 250
1980[49] 186 96 96 48 87 0 513
1981 160 98 98 66 69 0 491
1982[89] 152 105 104 57 43 0 461
1983[52] 149 95 94 51 86 0 475
1984[53] 163 105 105 57 96 0 526
1985[55] 695
1986[57] 349 791
1987[90] 299 124 121 125 185 0 854
1988[91] 353 270 142 145 211 0 1121
1989[59] 358 148 112 147 262 0 1027
1990[60] 367 141 146 144 220 0 1018
1991[61] 359 142 137 125 216 0 958[92]
1992[62] 340 137 144 120 207 0 948
1993[63] 358 138 142 143 213 0 994
1994[64] 280 111 122 124 191 0 828
1995 236 158 173 120 183 0 870
1996[65] 229 124 128 128 184 0 793
1997[66][93] 247 130 135 123 193 0 826
1998[67][94] 268 77 122 100 184 0 793
1999[68] 242 125 119 98 175 0 759
2000 257 122 100 94 213 0 786
2001 290 119 115 95 193 0 832
2003[95] 323 139 133 111 142 0 839
2004[70] 317 120 131 109 133 0 810
2005[71] 330 123 120 108 117 0 798
2006[72] 288 117 78 101 92 0 676
2007[73] 294 106 89 105 91 0 685
2008[74] 323 117 96 95 91 0 722
2009[75] 329 111 94 103 95 0 732
2010 306 93 93 90 89 0 661
2011 304 115 92 93 89 0 693
2012 314 114 93 97 124 0 742
2013 294 92 93 85 90 0 654
2014 310 91 59 91 99 0 650
2015 320 113 91 96 98 0 718
2016 216 75 76 78 150 0 577[80]
2017 250 94 96 91 182 0 713
2018 252 89 84 76 159 0 660
2019 197 71 67 82 156 0 573
2020 189 69 70 71 142 0 541

Estrangeiros Formados na ESA[editar | editar código-fonte]

Estrangeiros Formados na ESA
Ano País Quantidade
1955 Paraguai 5[79]
2005 Timor-Leste 5[71]
2006 Timor-Leste 5[80]
2007 Timor-Leste 5[73]
2008 Guiné-Bissau 3[80]
Cabo Verde 1[80]
2009 Timor-Leste 4[80]
2014 São Tomé e Príncipe 1 (C Cav)[80]
2015 Namíbia 10[80]
2016 Namíbia 7

Símbolos da Escola[editar | editar código-fonte]

Denominação Histórica[editar | editar código-fonte]

Em 27 de abril de 2007, conforme Portaria nº 229, de 23 de abril de 2007, o Comandante do Exército concedeu à Escola de Sargentos Armas a denominação histórica:

"ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO".[96]

Valores[editar | editar código-fonte]

  • Fé na missão do Exército;
  • Amor à Profissão;
  • Coragem;
  • Lealdade;
  • Responsabilidade;
  • Probidade;
  • Patriotismo;
  • Civismo;
  • Camaradagem;
  • Cooperação;
  • Verdade;
  • Espírito de Corpo;
  • Culto às tradições da ESA;
  • Apoio à comunidade tricordiana.[97]

Frase-Símbolo[editar | editar código-fonte]

"Sargento! Elo fundamental entre o Comando e a Tropa" - Gen Div Herman Bergqvist, tema da aula inaugural por ele proferida ao início do CFS, em 19 de fevereiro de 1979.

Sigla da ESA[editar | editar código-fonte]

Historicamente a ESA já teve mais de uma sigla. Atualmente, a sigla é formada pelas letras iniciais de seu nome "ESA"[98].

No período de 2001 a 2016, a Escola utilizou a sigla "EsSA".

Brasão da ESA / Distintivo ESA[98][editar | editar código-fonte]

Distintivo da Escola de Sargentos das Armas - ESA

Estandarte histórico[editar | editar código-fonte]

Atual Estandarte Histórico da ESA - 2020
Atual Estandarte Histórico da ESA - 2020
Reprodução do Estandarte-Distintivo da Escola de Sargentos das Armas - ESA de 1952
Reprodução do Estandarte-Distintivo da Escola de Sargentos das Armas - ESA de 1952

A versão original deste Estandarte-Histórico da ESA, foi criada pelo Decreto Numerado nº 30931, de 2 de junho de 1952, do Presidente Getúlio Vargas.[99][100], e teve como seu criador o artista Luiz Gomes Loureiro e Alberto Lima, do Gabinete Foto-Cartográfico do Exército - Ministério da Guerra. Uma vez que até aquele momento somente existiam quatro armas, o referido estandarte-distintivo foi utilizado pela ESA até a criação da Arma de Comunicações, que tornou esta versão obsoleta. Loureiro o definiu assim:[101]

"O Estandarte da Escola de Sargentos das Armas, através de suas cores e símbolos representa a pujança das quatro Armas do Exército, ligadas entre si pela cadeia de louros e frutos, numa moldura de riqueza e esplendor que é como a expressão histórica de sua trajetória de honra, dignidade e patriotismo.

É a exaltação do culto militar como cúpula espiritual daqueles que buscam no estudo e nas vigílias, enobrecer a classe para melhor honrar e dignificar a Nação, nas suas vicissitudes.

Seu campo verde evoca a magnífica Escola de Sargentos de Infantaria, de ucas cinzas provém e lhe dá culminância a E.S.A. vencedora de nossos dias; a bordadura de vermelho é a guerra, o entusiamo da luta, o vigor do sangue, a vida em suma.

Ao centro do campo, a quaderna da Escola, símbolo da coesão das quatro Armas, sobre fundo esmaltado das cores heráldicas que perlustram os brasões de Osório e Andrade Neves os heróis feitos nobres no campo da honra.

Sentido, Sargentos da Armas" O estandarte que ostentais nos desfiles e paradas, ondulando ao garbo marcial da Escola em marcha é mais que um lábaro sagrado de guerra, por que é um pendão escolar, símbolo de transformação e aprimoramento, fanal de glória e sacrifício, lembrança perene de todas as virtudes cívicas e militares que fazem do cidadão o soldado instruído, disciplinado, consciente e capaz de todos os cometimentos, ma defesa da soberania nacional.

Salve, Escola de Sargentos das Armas! Salve, estandarte de hora! Salve, o Brasil!" - Luiz Gomes Loureiro, Chefe do Gabinete Fotocartográfico do Exército - Ministério da Guerra[101]

Com as seguintes características:

"Campo de verde com bordadura de vermelho; Ao centro o distintivo da escola constituído de uma quaderna de prata em campo partido de azul e vermelho, com uma estrela brocante, de prata; Sôbre o traço da bordadura um frizo de azul ouro carregado de um ramo de fôlhas de louro e frutos, com uma rosa heráldica em cada ângulo; quatro elípses brocantes de vermelho, contornadas de azul prata interceptam o frizo sôbre os eixos vertical e longitudinal do campo; Em cada elípse os símbolos das Armas, em prata, respectivamente: os da Infantaria e Cavalaria no eixo vertical, o primeiro em cima e em baixo o segundo; no eixo longitudinal os da Artilharia e Engenharia, o primeiro à direita e o segundo à esquerda; Sôbre o campo entre o distintivo da escola e o frizo de louros o dístico em arco: Escola de Sargentos, seguido Das Armas, disposto em correspondência na parte inferior, entre o distintivo e o frizo de louros descritos em caracteres de ouro; Franja de ouro em redor.Laço militar das côres nacionais, com a inscrição: ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS, também em caracteres de ouro; Dimensões: 0,80 x 1,10m."[99]

Passou a ser denominado Estandarte Histórico pela Portaria Ministerial N° 222, de 7 de março de 1988, do Ministro do Exército.[102] Sua última atualização ocorreu em 2016, passando a ter a seguinte descrição heráldica:

“forma retangular, tipo bandeira universal e franjado de ouro: campo em verde com bordadura de vermelho, tendo ao centro o distintivo da Escola, constituído de quatro crescentes apontados, de prata, em campo partido de azul-celeste, à destra, e de vermelho, à sinistra, com uma estrela em brocante, de prata; sobre o traço da bordadura, um friso de azul-ultramar e de ouro, carregado com um ramo de folhas e frutos de louros, com uma rosa heráldica em cada ângulo e nos centros dos frisos, tudo de ouro; encimando o distintivo, a denominação histórica” “ESCOLA SARGENTO MAX WOLF FILHO”, em arco de ouro; abaixo do distintivo, o dístico “TRÊS CORAÇÕES”, de ouro, indicativo da cidade onde se localiza a Escola; laço militar nas cores nacionais, tendo inscrita, em caracteres de ouro, a designação militar da OM: “E S A”[98]

Bandeira-Insígnia do Comandante da ESA[editar | editar código-fonte]

[98]

Bandeira-Insígnia do Comandante da ESA
Bandeira-Insígnia do Comandante da ESA


Canção da ESA[editar | editar código-fonte]

Inicialmente chamado de "Cântico de Guerra da Escola de Sargentos das Armas", a letra foi aprovada em 19 de janeiro de 1954, pelo Diretor de Instrução.[79]

  • Letra: Coronel Venturelli Sobrinho
  • Música: 1º Sargento Djalma de Carvalho Doudement[79]

Símbolos do aluno da ESA[editar | editar código-fonte]

O 1º Uniforme CFGS[editar | editar código-fonte]

O Curso de Formação de Sargentos, sistematizado, teve sua origem na Ordem do Dia Nr 552, datada de 28 de maio de 1894, efetivado pelo Decreto Nr 1199, de 31 de dezembro de 1892, do Vice-presidente da República dos Estados Unidos do Brasil[2], aprova o Regulamento para a Escola de Sargentos, este documento fez referência às Armas de Infantaria, Cavalaria, Artilharia e Engenharia.

Segundo consta o regulamento, o Curso funcionou na Fortaleza de São João, no Bairro da Urca, Rio de Janeiro.

Após a independência do Brasil, os modelos dos uniformes adotados pelo Exército Brasileiro continuaram seguindo as tendências europeias. No início do século XX, a tendência mundial pelo uso de cores sóbrias, como o cáqui, foi seguida, de imediato pelo Exército Brasileiro. Houve, todavia, uma simplificação nos coloridos dos detalhes, na diversidade das cores dos tecidos e nos enfeites e formatos das coberturas. O motivo da modernização deu-se pela evolução da forma de se combater e pela maior simplicidade da sociedade civil na forma de se vestir. Os coletes, sobre casacas e culotes foram substituídos por calças e túnicas simples.

O decreto nº 1.729, de 11 de junho de 1894 aprovou os novos uniformes destinados aos oficiais, praças, alunos das Escolas Militares, Colégio Militar e da Escola de Sargentos. Este decreto alterou a evolução do fardamento brasileiro, revolucionando toda a indumentária nacional e modificando as nossas tradições. Assim, surgiu a ideia de-se adotarem uniformes semelhantes aos da cavalaria ligeira europeo, o qual se estendeu mais tarde, inclusive, a todos os nossos militares a pé. O modelo de uniformes do Exército Português, derivado do Inglês, também foi adotado. Com essa base, constituíram-se as estampas que vieram a ser as precursoras dos 1º e 2º Uniformes dos alunos da Escola de Sargentos, no ano de 1894, os quais foram utilizados durante o período em que o curso de formação funcionou na Fortaleza de São João.[103]

Com base nos regulamentos de uniformes do Exército de 1894 e no da Escola de Sargentos, também, de 1894, a ESA propôs a criação do 1º Uniforme Escolar do CFS (uniforme de gala) e do sabre de Sgt Max Wolf para serem utilizados, por todos os alunos dos CFGS. Uniforme e sabre que remontam à época de criação da Escola no ano de 1894, nos moldes do Decreto Nr 1.729, de 11 de junho daquele mesmo ano.

Os estabelecimentos de ensino formadores de sargentos de carreira devem, também, cultuar e manter vivas as tradições do passado. Para isso, foi instituído o 1º uniforme escolar do ano de criação dos CFGS, que foram utilizados pelos pioneiros na Era da Fortaleza de São João (Urca).

O uso do 1º Uniforme Escolar (de gala) é permitido em bailes de formaturas, cerimônias e eventos comemorativos de datas relevantes para o país e para o Exército, na recepção de autoridades, desfiles, em guardas de honra e em guardas bandeira.

O Corpo de Alunos da ESA utilizou pela primeira vez o 1º Uniforme no dia 10 de agosto de 2019, durante 1ª Cerimônia de Entrega do Sabre Sgt Max Wolf Filho, que foi presidida pelo Vice-presidente do Brasil General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão.[104]

O Sabre "Sgt Max Wolf Filho"[editar | editar código-fonte]

Recorte da Estampa 170 - Escola de Sargentos - Uniformes do Exercito brasileiro, 1730-1922 - Obra commemorativa do Centenario da Independencia do Brasil
Recorte da Estampa 170 - Escola de Sargentos - Uniformes do Exercito brasileiro, 1730-1922 - Obra commemorativa do Centenario da Independencia do Brasil

O sabre-baioneta do Fuzil Mauser Modelo 1894, assemelha-se ao sabre usado, no uniforme de gala, por alunos da Escola de Sargentos criada nesse mesmo ano. Tal fato pode ser comprovado pela figura pintada em aquarela constante da estampa 170 da Publicação Oficial do Ministério da Guerra comemorativa do Centenário da Independência do Brasil[105], mais conhecida como Uniformes do Exército Brasileiro, 1730 – 1922, organizada por Gustavo Barroso.

Além disso, o fato mais relevante é que o mencionado sabre foi usado pelo Sargento Max Wolf Filho durante a Revoluções de 1930 e a Revolução Constitucionalista de 1932. Em 1930, Wolf se alistou aos dezenove anos, no 15º Batalhão de Caçadores (atual 20º Batalhão de Infantaria Blindado), em Curitiba-PR. No ano seguinte, foi transferido para o 3º Regimento de Infantaria localizado no Rio de Janeiro-RJ. Em 1932, já promovido a Cabo, combateu a Revolução Constitucionalista, sob o comando do Capitão Euclides Zenóbio da Costa, tendo sido ferido gravemente. Após isso, foi promovido a 3º Sargento, por sua coragem e destemor. Conquistou, assim, a estima e a confiança de seu comandante de subunidade na época e seu futuro Comandante da Força Expedicionária Brasileira (FEB).

Os alunos do Curso de Formação e Graduação de Sargentos da ESA receberam o Sabre no dia 10 de agosto de 2019, a entrega ocorreu em solenidade presidida pelo Vice-presidente do Brasil General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão e contou com a presença de sobrinhas netas do Sgt Max Wolf Filho.[104] O Aluno Renan Péricles Bezerra da Silva, do Curso de Comunicações da ESA, foi o primeiro aluno a receber o Sabre das mãos de sua mãe, juntamente com o Vice-presidente do Brasil General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão. Na solenidade foram entregues 584 Sabres aos alunos da ESA e 21 alunos do CIAvEx.[106]

Al Péricles, C Com, primeiro a receber o Sabre
Aluno Péricles, C Com, primeiro a receber o Sabre Sgt Max Wolf Filho

Insígnia de Aluno[editar | editar código-fonte]

Em sua origem o distinto do curso de formação de sargentos do Exército foi definido no Regulamento de Uniformes do Pessoal do Exército, de 1952, sendo dois distintivos:

  1. 1º Período: uma tira em pala bordada em linha cinza claro e aplicada ao terço superior de ambas as mangas
  2. 2º Período de Curso de Aperfeiçoamento: uma estrela prateada no terço superior de ambas as mangas[107]

A insígnia do aluno durante a história do curso de formação de sargentos teve vários formatos e foi utilizada de várias formas nos uniformes do Exército.

No período de 31 de dezembro de 2000 a 1º de junho de 2015, a insígnia do Aluno do Curso de Formação de Sargentos era uma estrela singela vazada.[108]

Insígnia do Aluno do Curso de Formação de Sargentos do Exército (CFS EB) de 1999 a 2015, respectivamente usadas nos 3º B, 3ºD e 4º uniformes.

Em meados do ano de 2015 a insígnia passou a ser descrita como:

"uma estrela singela, vazada, encimada por divisas correspondentes à graduação de cabo, sobre um suporte formado por um escudete antigo, estilizado e reverso"[109]

Insígnia de Aluno a partir do ano de 2015
Insígnia Plastificada de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira
Insígnia Plastificada de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira
Insígnia do 8º Uniforme de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira
Insígnia do 8º Uniforme de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira
Insígnia do 1º Uniforme A1-CFS de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira
Insígnia do 1º Uniforme A1-CFS de Aluno do Curso de Formação de Sargentos de Carreira

Revista "O Monitor"[editar | editar código-fonte]

A Revista "O Monitor" foi criada em dezembro de 1949, e teve na sua primeira edição o nome de "A E. S. A." como continuação e lembrança da antiga revista da "A E. S. I.", órgão da Escola de Sargentos de Infantaria. Tem a finalidade de manter o aprimoramento da cultura geral, proporcionar momentos de distração mental e física aos alunos, além de trazer conhecimentos e preservar a história da Escola em relatos e fotos, mantendo, assim, suas tradições e seus valores , além de ser um registro histórico daquela turma de formação de sargentos.[77] Até o edição do ano de 1982 a revista recebeu o nome de "O Monitor em Revista".[110]

Símbolos da Formação do Sargento[editar | editar código-fonte]

Quepe do 5º A1 de Sargento do Exército Brasileiro
Quepe do Uniforme 5º A1 de Sargento do Exército Brasileiro
Quaderna do Curso de Formação de Sargentos do Exército Brasileiro
Quaderna do Curso de Formação de Sargentos do Exército Brasileiro
Divisa do 3º Sargento do Exército Brasileiro
Divisa do 3º Sargento do Exército Brasileiro

Quaderna do Curso de Formação de Sargentos de Carreira[editar | editar código-fonte]

Nas palavras do General de Exército João Camilo Pires de Campos, então Comandante Militar do Sudeste, durante a Formatura de Diplomação da Turma CFS/2017, este definiu a Quaderna:

"Representa o Curso de Formação de Sargentos com as cores do Exército do Brasil, composto por 4 meias luas crescentes, entrelaçadas por elos, que faz lembrar que o sargento é o elo entre a tropa e o comando." - General de Exército João Camilo Pires de Campos, 2017[111]

Compromisso do Sargento[editar | editar código-fonte]

Juramento do Sargento Escola Sargentos das Armas ESA - 1953
Juramento do Sargento Escola Sargentos das Armas ESA - 1953

O Dístico Juramental do Sargento foi aprovado no dia 1º de março de 1954, pelo General de Exército Euclides Zenóbio da Costa, Ministro da Guerra. O dístico foi elaborado pelo Coronel Moacyr Araújo Lopes, Comandante da ESA.[79]


Texto original do Juramento do Sargento, de 1953:

"Ao receber o Diploma da Escola de Sargentos das Armas - confirmo o meu compromisso à Bandeira Nacional-e, pela minha honra, prometo ainda - exercer com dignidade e zêlo as funções de sargento do Exército - ligando-me ao oficial pela lealdade, efetividade e respeito - ao soldado pelo exemplo - pela aptidão, firmeza de atitudes e amizade-e aos meus companheiros pela sã camaradagem - tudo fazendo pela eficiência e grandeza do Exército Brasileiro, na paz e na guerra" - Coronel Moacyr Araújo Lopes, 1953

Condecorações recebidas[editar | editar código-fonte]

  1. Comenda da Ordem do Mérito Militar - em 16 de agosto de 1971[112]
  2. Comenda da Ordem do Mérito Aeronáutico - em 23 de dezembro de 1997
  3. Medalha da Vitória (Brasil) - em 19 de abril de 1997
  4. Medalha Osório - O Legendário
  5. Medalha Ex-Combatentes - Medalha Heróis Expedicionários do Ceará
  6. Comenda da Ordem do Mérito Naval - em 11 de junho de 2018
  7. Insígnia para Estandarte da Ordem do Mérito Judiciário Militar - em 1 de abril de 2020[113]
  8. Medalhão Comemorativo dos 100 anos de Criação das Circunscrições Judiciárias Militares - em 17 de setembro de 2021[114]

Antigos Comandantes[editar | editar código-fonte]

Antigos Comandantes da Escola de Sargentos - ES (De 1895 a 1897)
Ordem Fotografia Posto Arma Nome Início Término
1 Coronel Artilharia Hermes Rodrigues da Fonseca 1895[4] 1895
2
Coronel Artilharia Luiz Rabello de Vasconcellos - Comandante da Escola de Sargentos de 1895 a 1896
Tenente Coronel Artilharia Luiz Rabello de Vasconcellos 1895[115][116] 1896
3
Tenente Coronel
Tenente Coronel Artilharia Manoel Ferreira das Neves Junior 1896[117] 1897
4
Major
Major Engenharia João Teixeira Maia 1897[118] 31/12/1897
Antigos Comandantes da Escola de Sargentos de Infantaria - ESI (De 1919 a 1934)
Ordem Fotografia Posto Arma Nome Início Término
1
Capitão de Infantaria João Carlos Toledo BORDINI - Comandante da ESA de 6 de novembro de 1920
Capitão Infantaria João Carlos Toledo Bordini 6 de novembro de 1920[119]
2
Major
Major Infantaria Outubrino Pinto Nogueira 1923[120] 1923
3
Major de Infantaria Antonio Pyrineus de Souza - Comandante da ESI de 1930 a 1 de novembro de 1930
Major Infantaria Antonio Pyrineus de Souza 1930[121] 1 de novembro de 1930
4
Capitão de Infantaria Odílio DENYS
Major Infantaria Odílio Denys 1 de novembro de 1930 8/1931
5
Major
Major Infantaria Napoleão Costa 20 de janeiro de 1931
6
Capitão de Infantaria Tristão de Alencar Araripe Comandante da ESI de 20 de janeiro de 1931 a fevereiro de 1934
Capitão Infantaria Tristão de Alencar Araripe 20 de janeiro de 1931 fevereiro de 1934
Antigos Comandantes da Escola de Sargentos das Armas - ESA (De 4 de janeiro de 1946 até os dias atuais)[123]
Ordem Fotografia Posto Arma Nome Início Término
Oficiais Superiores
1 1
Tenente Coronel Infantaria Miguel Cardoso - Comandante da ESA de 4 de janeiro de 1946 de 11 de outubro de 1947
Tenente Coronel Infantaria Miguel Cardoso 4 de janeiro de 1946[124] 11 de outubro de 1947
2 2
Coronel Infantaria Miguel Lages Sayão Comandante da ESA de 11 de outubro de 1947 a 28 de agosto de 1952
Coronel Infantaria Miguel Lages Sayão 11 de outubro de 1947 28 de agosto de 1952
3 3
Coronel Artilharia Moacyr Araujo Lopes Comadante da ESA de 2 de outubro de 1952 a 2 de dezembro de 1954
Coronel Artilharia Moacyr Araujo Lopes 2 de outubro de 1952 2 de dezembro de 1954
4 4
Coronel Artilharia Ramiro Gorreta Junior Comandante da ESA de 2 de dezembro de 1954 a 6 de novembro de 1957
Coronel Artilharia Ramiro Gorreta Junior 2 de dezembro de 1954 6 de novembro de 1957
5 5
Coronel Infantaria Agenor Monte - Comandante da ESA de 6 de novembro de 1957 a 18 de abril de 1960
Coronel Infantaria Agenor Monte 6 de novembro de 1957 18 de abril de 1960
6 6
Coronel Infantaria Evandro Conceição Del Corona Comandante da ESA de 5 de maio de 1960 a 25 de setembro de 1961
Coronel Infantaria Evandro Conceição Del Corona 5 de maio de 1960 25 de setembro de 1961
7 7
Coronel Cavalaria Gilberto Pessanha-Comandante da ESA de 25 de setembro de 1961 a 25 de abril de 1964
Coronel Cavalaria Gilberto Pessanha 25 de setembro de 1961 25 de abril de 1964
8 8
Coronel de Infantaria Edgard Catunda Gondin - Comandante da ESA de 25 de abril de 1964 a 21 de junho de 1666
Coronel Infantaria Edgard Catunda Gondin 25 de abril de 1964 21 de junho de 1966
9 9
Coronel Artilharia Geraldo Magarinos de Souza Leão Comandante da ESA de 21 de junho de 1966 a 15 de maio de 1969
Coronel Artilharia Geraldo Magarinos de Souza Leão 21 de junho de 1966 15 de maio de 1969
10 10
Coronel de Artilharia José Ferreira Dias - Comandante da ESA de 14 de maio de 1969 a 11 de janeiro de 1972
Coronel Artilharia José Ferreira Dias 14 de maio de 1969 11 de janeiro de 1972
11 11
Coronel Infantaria Renato Neves Gonçalves Pereira-Comandante da ESA de 11 de janeiro de 1972 a 10 de agosto de 1973
Coronel Infantaria Renato Neves Gonçalves Pereira 11 de janeiro de 1972 10 de agosto de 1973
12 12
Coronel Cavalaria Nilson Vieira Ferreira de Mello-Comandante da ESA de 10 de agosto de 1973 a 15 de julho de 1975
Coronel Cavalaria Nilson Vieira Ferreira de Mello 10 de agosto de 1973[125] 15 de julho de 1975
13 13
Coronel de Cavalaria Clovis Jacy Burmann-Comandante da ESA de 15 de julho de 1975 a 27 de janeiro de 1978
Coronel Cavalaria Clovis Jacy Burmann 15 de julho de 1975 27 de janeiro de 1978
14 14
Coronel de Cavalaria Iv Henrique Sá e Guimarães-Comandante da ESA de 27 de janeiro de 1978 a 28 de janeiro de 1980
Coronel Cavalaria Iv Henrique e Guimarães 27 de janeiro de 1978 28 de janeiro de 1980
15 15
Coronel de Infantaria Waldstein Iran Kümmel-Comandante da ESA de 28 de janeiro de 1980 a 14 de janeiro de 1983
Coronel Infantaria Waldstein Iran Kümmel 28 de janeiro de 1980 14 de janeiro de 1983
16 16
Coronel de Infantaria José Siqueira Silva-Comandante da ESA de 14 de janeiro de 1983 a 11 de janeiro de 1985
Coronel Infantaria José Siqueira Silva 14 de janeiro de 1983 11 de janeiro de 1985
17 17
Coronel de Artilharia Mário Jorge Iglesias Vallim-Comandante da ESA de 11 de janeiro de 1985 a 29 de janeiro de 1987
Coronel Artilharia Mário Jorge Iglesias Vallim 11 de janeiro de 1985 29 de janeiro de 1987
18 18
Coronel Infantaria Reynaldo Paim Sampaio Comandante da ESA de 29 de janeiro de 1987 a 3 de fevereiro de 1989
Coronel Infantaria Reynaldo Paim Sampaio 29 de janeiro de 1987 3 de fevereiro de 1989
19 19
Coronel de Artilharia Roberto Luiz Calheiros de Cerqueira Comandante da ESA de 3 de fevereiro de 1989 a 1 de fevereiro de 1991
Coronel Artilharia Roberto Luiz Calheiros de Cerqueira 3 de fevereiro de 1989 1 de fevereiro de 1991
20 20
Coronel Infantaria José Carlos Codevila Pinheiro-Comandante da ESA de 1 de fevereiro de 1991 a 29 de janeiro de 1993
Coronel Infantaria José Carlos Codevila Pinheiro 1 de fevereiro de 1991 29 de janeiro de 1993
Oficiais Generais
21 1
General de Brigada
General de Brigada Oacyr Pizzotti Minervino 29 de janeiro de 1993 27 de janeiro de 1994
22 2
General de Brigada
General de Brigada Eden Lucas Pereira 27 de janeiro de 1994 19 de janeiro de 1995
23 3
General de Brigada
General de Brigada Sérgio Pedro Coelho Lima 19 de janeiro de 1995 7 de março de 1997
24 4
General de Brigada
General de Brigada Marco Antonio Tilscher Saraiva 7 de março de 1997 26 de março de 1999
25 5
General de Brigada Jarbas Bueno da Costa Comandante da ESA 26 de março de 1999 a 30 de janeiro de 2001
General de Brigada Jarbas Bueno da Costa 26 de março de 1999 30 de janeiro de 2001
26 6
General de Brigada
General de Brigada Ubiratan Pereira Pillar 30 de janeiro de 2001 14 de fevereiro de 2003
27 7
General de Brigada
General de Brigada José de Oliveira Sousa 14 de fevereiro de 2003 14 de dezembro de 2004
28 8
General de Brigada
General de Brigada Araken de Albuquerque 14 de dezembro de 2004 5 de dezembro de 2007
29 9
General de Brigada
General de Brigada Celso José Tiago 5 de dezembro de 2007 2 de dezembro de 2009
30 10
General de Brigada
General de Brigada Fernando Vasconcellos Pereira 2 de dezembro de 2009 13 de dezembro de 2011
31 11
General de Brigada
General de Brigada Luiz Carlos Pereira Gomes 13 de dezembro de 2011 25 de abril de 2014
32 12
General de Brigada
General de Brigada Marcos André da Silva Alvim 25 de abril de 2014 17 de dezembro de 2015
33 13
General de Brigada
General de Brigada Vinicius Ferreira Martinelli 17 de dezembro de 2015 15 de dezembro de 2017
34 14
General de Brigada
General de Brigada Adilson Giovani Quint 15 de dezembro de 2017 30 de agosto de 2019[126]
35 15
General de Brigada Flavio Alvarenga Filho Comandante da ESA 30 de agosto de 2019 a 23 de setembro de 2021
General de Brigada Flavio Alvarenga Filho 30 de agosto de 2019[126] 23 de setembro de 2021[127]
36 16
General de Brigada
General de Brigada Reinaldo Salgado Beato 23 de setembro de 2021[127] Comandante atual

Ex-alunos ilustres[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Campo de Instrução General Moacyr Araújo Lopes
  2. Curso de Formação de Sargentos
  3. Curso de Aperfeiçoamento de Sargento
  4. Curso de Formação e Graduação de Sargentos

Referências

  1. a b «Sobre o Curso». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  2. a b «Decreto nº 1.199, de 31 de Dezembro de 1892 - Publicação Original - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 10 de maio de 2018 
  3. «Relatórios do Ministerio da Guerra (RJ) - 1891 a 1923 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 2 de julho de 2020 
  4. a b «Correio da Tarde (RJ) - 1893 a 1895 - DocReader Web» 
  5. «Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 18 de maio de 2020 
  6. «Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940 - DocReader Web» 
  7. «Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 7 de março de 2021 
  8. «Decreto Numerado - 14331 de 27/08/1920Publicação Original [Coleção de Leis do Brasil de 31/12/1920 - vol. 003] (p. 155, col. 1)» 
  9. «DECRETO-LEI Nº 7.888, DE 21 DE AGOSTO DE 1945 - Publicação Original - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 10 de maio de 2018 
  10. «Correio da Manhã (RJ) - 1940 a 1949 - DocReader Web» 
  11. Portaria nº 194, 9/5/2017, do SGEx. «Boletim do Exército nº 19/2017». Boletim do Exército. 12 de maio de 2017. Consultado em 5 de junho de 2019 
  12. «Boletim Interno do 14º RC». Boletim Interno nº 01. 2 de janeiro de 1918 
  13. «Boletim Interno do 14º RC». Boletim Interno do 14º RC nº 157. 19 de junho de 1918 
  14. Falecido em 17 de novembro de 1944, em missão de reconhecimento. Souza, 1982 (p.162)
  15. RIBEIRO, Cap Nelson Branco (2000). 4º Regimento de Cavalaria Divisionário e sua História. [S.l.: s.n.] 
  16. Oliveira Lima, Frederico Alexandre. «Da Cultura 29». calameo.com. FUNCEB. Consultado em 18 de março de 2019 
  17. Boletim Interno da ESA, de 1º de novembro de 1949
  18. «Decreto Numerado 27543, de 05/12/1949, Publicação Original [Diário Oficial da União de 07/12/1949] (p. 16995, col. 3)». legis.senado.gov.br. Consultado em 18 de maio de 2018 
  19. «Correio da Manhã (RJ) - 1950 a 1959 - DocReader Web» 
  20. «DECRETO-LEI Nº 4.130, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1942 - Publicação Original - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  21. Felipe Alves, Coronel Paulo Sérgio; Nadaln, Capitão Edson Luiz (2015). Das Origens do Sargento e Seus Aperfeiçoamento nos Dias Atuais. Cruz Alta/RS: Fundação Trowposki 
  22. Alves, Paulo Sérgio Felipe; Nadalin, Paulo Sérgio Felipe (2015). Das origens do sargento ao seu aperfeiçoamento nos dias atuais. Rio de Janeiro: Fundação Trompowsky 
  23. Portaria nº 277/2017, de 13 de dezembro de 2017, do Chefe do Departamento e Educação e Cultura do Exército.
  24. a b Portaria Nrº 268-DECEx, de 12 DEZ 18, Instruções Reguladoras para Execução e a Equivalência de Nível de Educação dos Cursos Destinados aos Sargentos e Subtenentes (EB60-IR-57.010), 3ª Edição
  25. a b c d e Regimento Interno da ESA, publicado no BI nº 99/DETMil, de 29 dez 2016
  26. a b c d e f g «Boletim do Exército». Separata ao Boletim do Exército nº 48/2014 - Portaria nº 1441/2014-Cmt EB, de 24/11/2014 - Regulamento da Escola de Sargentos das Armas (EB10-R-05.006). 24 de novembro de 2014 
  27. Portaria Ministerial nº 150, do Estado Maior do Exército, datada em 28 de novembro de 1994
  28. «Boletim do Exército». Portaria Nº 1.060, de 21 de agosto de 2017. Secretaria-Geral do Exército. Boletim do Exército nº 35, de 1º de setembro de 2017: http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/boletim_do_exercito/boletim_be.php. 1 de setembro de 2017 
  29. «Portaria nº 443-EME, de 11 de outubro de 2017». www.google.com. Secretaria-Geral do Exército. 20 de outubro de 2017. Consultado em 10 de maio de 2018 
  30. Portaria nº 218, de 21 Fev 19, Cmt Ex - Pub BEnº 9/2019, de 1Mar19
  31. a b «O Monitor 1950». calameo.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  32. a b c «Escola de Sargentos das Armas». concurso.esa.eb.mil.br. Consultado em 17 de julho de 2019 
  33. «Concurso de Admissão aos CFGS 2021» 
  34. «EDITAL Nº 2/SCA, de 18 de fevereiro de 2020CONCURSO PÚBLICO PARA ADMISSÃO E MATRÍCULA NOS CURSOS DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO DE SARGENTOS DAS ÁREAS GERAL, MÚSICA E SAÚDE REFERENTES AO CONCURSO DE ADMISSÃO PARA MATRÍCULA EM 2021 - EDITAL Nº 2/SCA, de 18 de fevereiro de 2020CONCURSO PÚBLICO PARA ADMISSÃO E MATRÍCULA NOS CURSOS DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO DE SARGENTOS DAS ÁREAS GERAL, MÚSICA E SAÚDE REFERENTES AO CONCURSO DE ADMISSÃO PARA MATRÍCULA EM 2021 - DOU - Imprensa Nacional». www.in.gov.br. Consultado em 2 de março de 2020 
  35. «Concurso para Cursos de Formação e Graduação de Sargentos atinge número recorde de inscritos». Exército Brasileiro. 12 de maio de 2021. Consultado em 13 de maio de 2021 
  36. «Manual do Candidato ao CFGS 2022/2023». Escola de Sargentos das Armas. Manual do Candidato ao CA CFGS 
  37. «CURSO DE CAVALARIA REALIZOU 1º ELD 2018». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  38. «Curso de Infantaria - ESA-Escola de Sargentos das Armas». www.esa.eb.mil.br. Consultado em 23 de junho de 2019 
  39. «Curso de Cavalaria da Escola de Sargentos das Armas». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  40. «Curso de Artilharia - ESA-Escola de Sargentos das Armas». www.esa.eb.mil.br. Consultado em 23 de junho de 2019 
  41. «Curso de Engenharia da ESA». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  42. «Curso de Comunicações da ESA». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  43. Portarias nº 107 - 1ª SCh/EME-Res, de 28 de julho de 2005
  44. Portarias nº 101 - EME-Res, de 28 de julho de 2005
  45. a b «C ART E C COM REALIZARAM O 1ºTURNO DA SIESP». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  46. «DISTINTIVO GAVIÃO». Escola de Sargentos das Armas. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  47. a b «O Monitor 1978». calameo.com 
  48. «O Monitor 1979». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  49. a b «O Monitor 1980». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  50. «O Monitor 1981». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  51. «O Monitor 1982». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  52. a b «O Monitor 1983». calameo.com. Consultado em 11 de março de 2019 
  53. a b «O Monitor 1984». calameo.com. Consultado em 13 de março de 2019 
  54. a b «O Monitor 1985». calameo.com 
  55. a b «Histórico Escolar da ESA». Histórico Escolar da ESA 1985. 2 de janeiro de 1986 
  56. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1986. 19 de dezembro de 1986 
  57. a b «O Monitor 1986». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  58. «Histórico da ESA». Histórico da ESA. 29 de dezembro de 1987 
  59. a b «O Monitor 1989». calameo.com. Consultado em 11 de março de 2019 
  60. a b «O Monitor 1990». calameo.com. Consultado em 7 de março de 2019 
  61. a b «O Monitor 1991». calameo.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  62. a b «O Monitor 1992». calameo.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2019 
  63. a b «O Monitor 1993». calameo.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2019 
  64. a b «O Monitor 1994». calameo.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  65. a b «O Monitor 1996». calameo.com. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  66. a b «O Monitor 1997». calameo.com 
  67. a b «O Monitor 1998». calameo.com 
  68. a b «O Monitor 1999». calameo.com 
  69. «O Monitor 2003». calameo.com 
  70. a b «O Monitor 2004». calameo.com 
  71. a b c «O Monitor 2005». calameo.com 
  72. a b «O Monitor 2006». calameo.com 
  73. a b c «O Monitor 2007». calameo.com 
  74. a b «O Monitor 2008». calameo.com 
  75. a b «O Monitor 2009». calameo.com 
  76. «O Monitor 2017». calameo.com 
  77. a b «O Monitor 2018». calameo.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  78. a b c d Revista A E.S.A de 1950
  79. a b c d e f g h i j k l m n o «Histórico da ESA de 1945 a 1959». Histórico da ESA 
  80. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac DIEx Simplificado - 82-Sect/DE/Gab SCmt ESA, de 10 de novembro de 2019
  81. a b c d e Sargentos das Armas, Escola (1951–1955). «Revista "O Monitor" 1951-2017». Revista "O Monitor" 
  82. «Histórico da ESA de 1963». ESA. Histórico da ESA de 1963: 4. 15 de fevereiro de 1964 
  83. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1965. 1965 
  84. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1966. 20 de janeiro de 1967 
  85. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1969. 10 de janeiro de 1969 
  86. «Histórico Escolar da ESA». Histórico Escolar da ESA 1969. 15 de janeiro de 1970 
  87. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1972. 31 de janeiro de 1973 
  88. «Histórico Escolar da ESA». Histórico Escolar da ESA 1973. 24 de janeiro de 1974 
  89. «Boletim Especial da ESA». Boletim Especial da ESA nº 016. 3 de dezembro de 1982 
  90. «O Monitor 1987». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  91. «Monitor 1988». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  92. Histórico da EsSA 1991
  93. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1997. 17 de abril de 1998 
  94. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1998. Janeiro de 2018 
  95. «Histórico Escolar». Histórico Escolar 2003. 30 de março de 2004 
  96. Portaria nº 229, de 23 de abril de 2007, o Comandante do Exército
  97. Plano de Gestão da ESA 2018-2020
  98. a b c d Portaria nº 569, do Cmt EB, de 25 Maio 18, publicada no BE nº 22, de 3 Jun 16.
  99. a b «Decreto Numerado - 30931 de 02/06/1952Publicação Original [Diário Oficial da União de 04/06/1952] (p. 9266, col. 3)». legis.senado.leg.br. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  100. Imprensa Nacional (4 de junho de 1952). Publicação no DOU do Decreto 30931 - Cria o Estandarte da Escola de Sargentos das Armas - ESA - Ano 1952. [S.l.: s.n.] 
  101. a b Loureiro, Luiz Gomes. «Revista A E.S.A». Escola de Sargentos das Armas. Revista A E.S.A nº 3: 4 
  102. «Histórico da ESA». Histórico da ESA 1988. 5 de janeiro de 1989 
  103. «Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 14 de março de 2019 
  104. a b Quint, Adilson Giovani (10 de agosto de 2019). «Boletim Especial da ESA». Boletim Especial da ESA de 10 Ago 19 (001) 
  105. Rodrigues, José Wasth; Barroso, Gustavo; Brazil. Ministério da Guerra (1922). Uniformes do Exercito brasileiro, 1730-1922 : Obra commemorativa do Centenario da Independencia do Brasil. [S.l.]: Rio de Janeiro : Ministerio da guerra 
  106. «Escola de Sargentos das Armas realiza primeira entrega do Sabre Sargento Max Wolff Filho». Montedo.com.br. 11 de agosto de 2019. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  107. «Decreto Numerado - 30163 de 13/11/1951». legis.senado.leg.br. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  108. Port nº 806, de 17 Dez 1998, Min EB, RUE. «Boletim do Exército». Boletim do Exército nº 01/99. 1 de janeiro de 1999 
  109. «RUE - Capitulo VII - DOS UNIFORMES DOS EE». calameo.com. Consultado em 14 de maio de 2019 
  110. «Calaméo - ESA». calameo.com. Consultado em 12 de março de 2019 
  111. Escola de Sargentos das Armas Oficial (1 de dezembro de 2017), FORMATURA CFS 2017, consultado em 7 de setembro de 2018 
  112. «Histórico da ESA 1971» 
  113. «Ordem do Mérito Judiciário Militar». Superior Tribunal Militar - STM. 2020. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  114. Diploma do Medalhão Comemorativo dos 100 Anos de Criação das Circunscrições da Justiça Militar, de 17 de setembro de 2021, Juiz de Fora/MG
  115. «Relatórios do Ministerio da Guerra (RJ) - 1891 a 1923 - DocReader Web» 
  116. «Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940 - DocReader Web» 
  117. «Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940 - DocReader Web» 
  118. «Gazeta da Tarde (RJ) - 1880 a 1901 - DocReader Web» 
  119. «Relatórios do Ministerio da Guerra (RJ) - 1891 a 1923 - DocReader Web» 
  120. «Relatórios do Ministerio da Guerra (RJ) - 1891 a 1923 - DocReader Web» 
  121. «Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940 - DocReader Web» 
  122. Curador (18 de setembro de 2018). «Museu da Vitória: Marechal Odílio Denys». Museu da Vitória. Consultado em 2 de julho de 2020 
  123. «Cmt Anteriores - ESA-Escola de Sargentos das Armas». www.esa.eb.mil.br. Consultado em 28 de março de 2019 
  124. «Correio da Manhã (RJ) - 1940 a 1949 - DocReader Web» 
  125. «Correio da Manhã (RJ) - 1970 a 1974 - DocReader Web» 
  126. a b «DECRETOS DE 29 DE JULHO DE 2019 - DECRETOS DE 29 DE JULHO DE 2019 - DOU - Imprensa Nacional». www.in.gov.br. Consultado em 2 de setembro de 2019 
  127. a b «Max Informa - ESA - Escola de Sargentos das Armas». web.archive.org. 14 de maio de 2021. Consultado em 27 de setembro de 2021 
  128. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Antonio Elbano Cambraia». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  129. «Você sabia? - ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS». sites.google.com. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  130. «Boletim do Exército Nº 47/2009». 27 de novembro de 2009. p. 94-97 
  131. «Escola de Sargentos das Armas - Homenagem - O Exército». Exército Brasileiro. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  132. «Futuros sargentos combatentes do Exército aprendem sobre a importância da Comunicação Social para a Força - O Exército». Exército Brasileiro. Consultado em 23 de março de 2021 
  133. «Futuros sargentos combatentes do Exército aprendem sobre a importância da Comunicação Social para a Força - Exército Brasileiro - Braço Forte e Mão Amiga». Exército Brasileiro. Consultado em 23 de março de 2021 
  134. «Capitão Bandeira despede-se do serviço ativo» 
  135. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Hélio Fernando Barbosa Lopes». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 15 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]