Escola de Tradutores de Toledo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Escola de Tradutores de Toledo foi um grupo de estudiosos que trabalharam juntos na cidade de Toledo durante os séculos XII e XIII, para traduzir muitos dos trabalhos filosóficos e científicos do árabe clássico e do hebraico para o latim.

A Escola passou por dois períodos distintos separados por uma fase de transição. O primeiro foi liderado pelo arcebispo Dom Raimundo de Toledo no século XII, que promoveu a tradução de obras filosóficas e religiosas, principalmente do árabe clássico para o latim. Sob o comando do rei Afonso X de Castela, durante o século XIII, os tradutores não trabalhavam mais com o latim como língua final, mas traduziam em uma versão revisada do castelhano. Isto resultou no estabelecimento das bases da moderna língua espanhola.

Alfonso X - Rei de Leão e Castela.

O começo[editar | editar código-fonte]

Dom Raimundo de Toledo começou os primeiros esforços de tradução na biblioteca da Catedral de Toledo, onde liderou uma equipe de tradutores que incluíram moçárabes toledanos, estudiosos judeus, professores e monges da Ordem de Cluny. Eles traduziram muitas obras, geralmente do árabe para o castelhano, e depois do castelhano para o latim, a língua oficial da igreja. Em alguns casos, o tradutor poderia trabalhar diretamente do árabe para o latim ou grego. O trabalho desses estudiosos disponibilizou textos muito importantes de filósofos árabes e hebreus, que o Arcebispo considerou importantes para a compreensão de vários autores clássicos, especialmente Aristóteles.[1] Como resultado, a biblioteca da catedral, que havia sido reformada sob as ordens de Raymond, tornou-se um centro de traduções de escala e importância que não correspondiam à história da cultura ocidental.[2]

Afonso X[editar | editar código-fonte]

Sob o comando rei Afonso X de Castela (conhecido como o sábio), Toledo adquiriu ainda mais importância como um centro de tradução, bem como para a escrita de trabalhos acadêmicos originais. A Coroa não reconheceu oficialmente a Escola, mas a equipe de acadêmicos e tradutores compartilhou seus conhecimentos comunitários e ensinou aos recém-chegados novos idiomas e métodos de tradução. Usualmente havia várias pessoas envolvidas na mesma tradução. A Coroa castelhana pagou a maior parte do seu trabalho e, por vezes, contratou os tradutores mais capazes de outras partes da Espanha e da Europa para se juntarem à escola de Toledo.[3]

Referências

  1. Rene 1963, p. 481.
  2. Burnett & ANO, pp. 249-251.
  3. Larramendi 1997, p. 34.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Burnett, C. Arabic-Latin Translation Program in Toledo. [S.l.: s.n.] 
  • Larramendi, Miguel Hernando de (1997). Pensamiento y circulación de las ideas en el Mediterráneo: el papel de la traducción. [S.l.]: Universidad de Castilla La Mancha. ISBN 84-89492-90-5 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.
Translation arrow.svg
Este artigo resulta, no todo ou em parte, de uma tradução do artigo «Toledo School of Translators» na Wikipédia em inglês, na versão original. Você pode incluir conceitos culturais lusófonos de fontes em português com referências e inseri-las corretamente no texto ou no rodapé. Também pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções. (Data da tradução: 24 de agosto de 2018)Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)