Eskilstuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Suécia Eskilstuna

Esquiltuna

 
  Cidade  
Cidade e o rio Eskilstuna
Cidade e o rio Eskilstuna
Símbolos
Brasão de armas de Eskilstuna
Brasão de armas
Localização
Eskilstuna está localizado em: Suécia
Eskilstuna
Localização de Eskilstuna
Coordenadas 59° 22' N 16° 31' E
Região Svealândia
Província Södermanland
Condado Södermanland
Comuna Eskilstuna
Características geográficas
Área total 31,7 km²
População total (2018) 74 920 hab.
Densidade 2 363,4 hab./km²
Sítio www.eskilstuna.se

Eskilstuna (em sueco: Eskilstuna; pronúncia sueca: /ˈɛ̂sːkɪlsˌtʉːna/; Ouça a pronúncia) ou Esquiltuna[1] é uma cidade da província da Södermanland, na região da Svealândia. É a sede da comuna de Eskilstuna, no condado de Södermanland. Possui 31,7 quilômetros quadrados e segundo censo de 2018, tinha 74 920 habitantes. Está situada a 70 km a oeste da cidade de Södertälje. É atravessada pelo rio Eskilstuna (Eskilstunaån), que liga o lago Mälaren ao lago Hjälmaren. [2][3][4][5][6][7]

Etimologia e uso[editar | editar código-fonte]

O nome geográfico Eskilstuna deriva das palavras Eskil (bispo missionário do século XI) e Tuna (antiga diocese sueca). A cidade está mencionada como Tuna em 1120 e como Æskilstunum em 1278. [8]

Em textos em português é usada a forma original Eskilstuna. [9]

História[editar | editar código-fonte]

Vista panorâmica de Eskilstuna no século XVII, segundo a Suecia antiqua et hodierna.

Devido à sua localização geográfica, Eskilstuna foi desde muito cedo um local de trocas comerciais, com destaque para dois lugares chamados Tuna e Fors. No século XVI, a região era um centro de produção de ferro. No século XIX, a cidade era um importante polo industrial, onde eram fabricadas facas, tesouras e outros produtos metalúrgicos. [10]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade de Eskilstuna é atravessada pela estrada europeia E20, ligando Eskilstuna a Estocolmo e a Gotemburgo, e pelas estradas nacionais 53 e 56. Dispõe de ligações ferroviárias a Strängnäs-Södertälje, Västerås-Estocolmo-Uppsala, e Katrineholm-Norrköping. O pequeno aeroporto de Eskilstuna fica a 13 km a leste da cidade. [11]

Património turístico[editar | editar código-fonte]

  • Parken Zoo (jardim zoológico, piscina, parque de diversões) [7]
  • Rademachersmedjorna (museu ao ar livre em torno das forjas metalúrgicas do século XVII) [7]

Desporto[editar | editar código-fonte]

Há enorme entusiasmo pelo andebol na cidade. O clube Eskilstuna Guif atingiu várias vezes a final do Campeonato de andebol da Suécia (Handbollsligan). A claque de apoio usa camisolas vermelhas e tem o nome de Mar Vermelho (Röda havet).[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Alves 1942, p. 110.
  2. Enciclopédia Nacional Sueca (a).
  3. Enciclopédia Nacional Sueca.
  4. Ernby 2001, p. 147.
  5. City Population.
  6. Harlén 2003, p. 83.
  7. a b c Ottosson, Mats; Åsa Ottosson (2008). «Eskilstuna». Upplev Sverige (Conheça a Suécia). En guide till upplevelser i hela landet (em sueco). Estocolmo: Wahlström Widstrand. p. 338. 527 páginas. ISBN 9789146215998 
  8. Wahlberg, Mats (2003). «Eskilstuna». Svenskt ortnamnslexikon (Dicionário dos nomes das localidades suecas) (em sueco). Uppsala: Språk- och folkminnesinstitutet e Institutionen för nordiska språk vid Uppsala universitet. p. 70. 422 páginas. ISBN 91-7229-020-X 
  9. Nuno Neves. «Estudo do comportamento de 3aços-ferramenta no processo deprodução de limas». Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Consultado em 30 de julho de 2020. O grupo SNAE surgiu como o fruto do crescimento e desenvolvimento daempresa-mãe sueca, C. O. Oberg & Co., que em 1850 iniciou a sua actividade em Eskilstuna, na Suécia, dedicando-se ao fabrico de limas. 
  10. Svensson, Lars (2001). «Eskilstuna». Värt att se i Sverige [Para ver na Suécia]. En reseguide (em sueco). Estocolmo: Bonnier. p. 232. 383 páginas. ISBN 9100571903 
  11. Lidman Production AB (texto) e Matton (fotografia) (2011). «Södermanland». Libers stora junioratlas (em sueco). Estocolmo: Liber. p. 23. 144 páginas. ISBN 9789147809028 
  12. Ottosson 2012, p. 86.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Manuel (1942). Brasil e as nações do mundo: história, grandeza e população comparadas com o Brasil. Rio de Janeiro: Edição do Autor 
  • «Eskilstuna». Enciclopédia Nacional Sueca (em sueco). Gotemburgo: Universidade de Gotemburgo 
  • «Eskilstunaån». Enciclopédia Nacional Sueca (em sueco). Gotemburgo: Universidade de Gotemburgo 
  • Ernby, Birgitta; Gellerstam, Martin; Malmgren, Sven-Göran; Axelsson, Per; Fehrm, Thomas (2001). «Eskilstuna». Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok. p. 767. ISBN 91-7227-186-8 
  • Harlén, Hans; Eivy Harlén (2003). «Eskilstuna; Eskilstunaån». Sverige från A till Ö [A Suécia de A a Ö]. Geografisk-historisk uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Kommentus. p. 83. ISBN 91-7345-139-8 
  • Ottosson, Åsa; Ottosson, Mats (2012). «Sveriges mest sportgalna orter (As cidades mais loucas pelo desporto da Suécia)». Upplev det bästa i Sverige (Conheça o melhor da Suécia). Topplistor landskap för landskap (em sueco). Estocolmo: Bonnier Fakta. 118 páginas. ISBN 978-91-7424-212-6