Eslovenos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eslovenos
Slovenci
Primoz-Trubar.jpg
Jakob Petelin Gallus.jpg
Georg Freiherr von Vega 1802.jpg
Valentin Vodnik (5).jpg
Prešern-Goldenstein.jpg
Anton Martin Slomšek-Dunaj 1862.jpg
Jozef Stefan.jpg
1904 photo of Anton Ažbe.jpg
Ivana Kobilca - Avtoportret v belem.jpg
Rudolf Maister 1910s.jpg
Ivan Cankar.jpg
Jože Plečnik (1943), Zbirka upodobitev znanih Slovencev NUK - Crop1.jpg
Kocbek.jpg
Slavoj Zizek Fot M Kubik May15 2009 01.jpg
Srečko Kosovel 1920s crop1.png
Internationale Sportnacht Davos 2014.jpg
População total

c. 2milhões a 2,5 milhões[1]

Regiões com população significativa
Eslovénia Eslovênia 1.631.363[2]
 EUA 178.415[3] [4] [5]
 Itália 83.000 a 100.000 (est.)[1] [6]
 Alemanha 50.000 (2003)[7]
 Canadá 35.940 (2006)[8]
 Argentina 30.000 (est.)[1] [6]
 Austria 24.855[9]
 Australia 20.000 a 25.000 (2008)[10]
 Croácia 13.173 (2001) [11]
Línguas
Eslovena
Religiões
Catolicismo romano, luteranismo
Grupos étnicos relacionados
Outros eslavos, especialmente outros eslavos do sul: croatas, sérvios, bósnios e montenegrinos[12]

Os eslovenos (esloveno: slovenci, singular slovenec, feminino slovenka) são um povo eslavo do sul antes de tudo associado com a Eslovênia e com o idioma esloveno.

A maior parte dos eslovenos atuais vivem dentro das fronteiras da Eslovênia independente (cerca de dois milhões). Há minorias eslovenas autóctones no nordeste da Itália (cerca de cem mil), sul da Áustria (cerca de cinquenta mil), Croácia (cerca de 13.200) e Hungria (cerca de seis mil). Esses países oficialmente reconhecem os eslovenos como minorias nacionais.

Eslovenos antigos[editar | editar código-fonte]

Por volta de 570 as tribos eslavas começaram a se estabelecer na região entre os Alpes e o Mar Adriático.

De 623 a 658, as tribos eslavas entre o Elba superior e o monte Karavange se uniram no seu primeiro estado sob a liderança do rei Samo (kralj Samo) e passou a ser chamado de Império do Rei Samo. A união tribal desmoronou após a morte de Samo, mas o pequeno estado eslavo da Carantânia (atual Caríntia) (em esloveno: Karantanija) persistiu, com seu centro na região da Caríntia (a maior parte atualmente está situada na Áustria).

Eslovenos durante o Império Franco[editar | editar código-fonte]

Devido à perigosa pressão das tribos ávaras do leste, os carantianos aceitaram a união com os bávaros em 745 e depois reconheceram o domínio franco e aceitaram o cristianismo no século VIII. O último estado eslavo formado na região, o principado do príncipe Kocelj, perdeu sua independência em 874. O território étnico esloveno subsequentemente encolheu devido à pressão dos germanos do oeste e da chegada dos húngaros à planície da Panônia, se estabilizando na forma atual no século XV.

Os mais antigos documentos escritos no dialeto esloveno são os manuscritos de Frisinga (Brižinski spomeniki, Freisinger Denkmäler), datados entre 972 e 1022, encontrados em 1803 em Frisinga, Alemanha. O primeiro livro escrito em esloveno foi o Cattechismus and Abecedarium escrito pelo reformista protestante Primož Trubar em 1550 e impresso em Tübingen, Alemanha. Jurij Dalmatin traduziu a Bíblia para o esloveno em 1584. Na metade do século XVI o esloveno se tornou conhecido das outras línguas európeias com o dicionário multilíngue, compilado por Hieronymus Megisar.

Eslovenos no século XX[editar | editar código-fonte]

Muitos eslovenos emigraram para os Estados Unidos no início do século XX, principalmente devido a razões econômicas. Aqueles que se estabeleceram em Bethlehem, Pennsylvania, passaram a ser chamados windish.

Após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), eles se juntaram aos eslavos do sul no Estado dos Eslovenos, Croatas e Sérvios, passando em seguida para Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos e finalmente para Reino da Iugoslávia. No novo sistema de banovinas (a partir de 1929), os eslovenos formavam a maioria na Dravska Banovina.

Em 1920 a população das regiões bilíngues da Caríntia decidiu em referendo que a maior parte da região deveria se integrar à Áustria. Entre as duas grandes guerras, as áreas mais a oeste habitada pelos eslovenos foram ocupadas pela Itália.

Voluntários eslovenos também participaram da Guerra Civil Espanhola e da Segunda Guerra Ítalo-Etíope.

Os eslovenos participaram da então chamada Frente Nacional de Libertação enquanto a Iugoslávia era ocupada pelas potências do Eixo durante a Segunda Guerra Mundial (1941-1945).

Em 1945 a Iugoslávia se libertou sozinha da ocupação nazista e imediatamente tornou-se nominalmente um estado comunista federal, com a Eslovênia como uma república socialista.

A maior parte da Caríntia permaneceu integrando o território autríaco, e estima-se que haja entre 25.000 e 40.000 eslovenos vivendo no estado austríaco da Caríntia, reconhecidos como minoria e usufruindo de direitos especiais a partir do Tratado de Estado Austríaco (Österreichischer Staatsvertrag) de 1955. Os eslovenos do estado austríaco da Estíria (estimados entre 1.600 e 5.000) não são reconhecidos como minoria e não usufruem de direitos especiais, embora o Tratado do Estado Austríaco diga o contrário. Muitos dos direitos requeridos em 1955 no Tratado do Estado Austríaco não foram inteiramente implementados. Parte da população ainda acredita que o envolvimento esloveno na guerra contra as forças de ocupação nazistas não foi bom, e realmente "partidários de Tito" é um insulto frequente aos membros das minorias.[carece de fontes?] Muitos caríntios temem as reivindicações territoriais eslovenas, apontando o fato de que tropas iugoslavas entraram no estado austríaco após as duas guerras mundiais. Outro fenômeno interessante é que alguns germano-falantes se recusam a aceitar a minoria eslovena como um todo, referindo-se a eles como Windische, uma etnia distinta dos eslovenos (crença que os linguistas rejeitam, considerando que o dialeto falado por todos eles é uma variante da língua eslovena).[carece de fontes?]

A Iugoslávia adquiriu alguns territórios da Itália após a Segunda Guerra, mas cerca de 100.000 eslovenos permaneceram dentro das fronteiras italianas, especialmente nas proximidades de Trieste e Gorizia.

Em 1991 a Eslovênia tornou-se um estado independente.

Referências

  1. a b c Zupančič, Jernej (agosto de 2004). Ethnic Structure of Slovenia and Slovenes in Neighbouring Countries (PDF) Slovenia: a geographical overview Association of the Geographic Societies of Slovenia.
  2. Statistini urad RS - Popis 2002.
  3. 2002 Community Survey 2002
  4. Angela Brittingham ; G. Patrizia de la Cruz Ancestry: 2000 (Census 2000 Brief). United States Census 2000. U.S. Census Bureau, junho de 2006. [1]
  5. Slovenska skupnost v ZDA. Visitado em 13 October 2013.
  6. a b Zupančič, Jernej (author), Orožen Adamič, Milan (photographer), Filipič, Hanzi (photographer): Slovenci po svetu. In publication: Nacionalni atlas Slovenije (Kartografsko gradivo) / Inštitut za geografijo, Geografski inštitut Antona Melika. Ljubljana: Rokus, 2001.
  7. Trebše-Štolfa, Milica, ed., Klemenčič, Matjaž, resp. ed.: Slovensko izseljenstvo: zbornik ob 50-letnici Slovenske izseljenske matice. Ljubljana: Združenje Slovenska izseljenska matica, 2001.
  8. 2006 Census of Canada: Topic-based tabulations 18 de março de 2015
  9. Tabelle 5: Bevölkerung nach Umgangssprache und Staatsangehörigkeit . Volkszählung 2001: Hauptergebnisse I – Österreich. Statistik Austria, 2002
  10. Zavest o slovenskih koreninah. Por Lucija Horvat. Spletna Demokracija, 6 de fevereiro de 2008.
  11. População por etnia e município. República da Croácia: Censo 2001.
  12. Ethnologue – South Slavic languages

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

A origem dos eslovenos[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a Eslovênia é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.