Espúrio Postúmio Albino (cônsul 110 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Espúrio Postúmio Albino (latim: Spurius Postumius Sp. F. Sp. N. Albinus) foi um político e militar da República Romana, filho do cônsul de 148 a.C. Espúrio Postúmio Albino Magno. Foi eleito cônsul em 110 a.C., junto a Marco Minúcio Rufo [1] e como procônsul recebeu a província da África, com o objetivo de combater ao rei Jugurta da Numídia.

Embora fez muitos preparativos, ao chegar à província não tomou nenhuma medida concreta, e deixou-se enganar por uma promessa de rendição do rei númida. Supõe-se que esta inatividade estivera "paga" por Jugurta. Albino deixou o governo da província nas mãos do seu irmão, Aulo Postúmio Albino, que foi derrotado por Jugurta na Batalha de Suthul. Quando Espúrio regressou à sua província encontrou-se com um estado de total anarquia e um exército completamente desorganizado, desmoralizado e dizimado. Pouco pôde fazer Albino mais que entregar o seu cargo ao cônsul do ano seguinte, Quinto Cecílio Metelo Numídico (109 a.C.).[2]

Ao seu regresso a Roma, Albino foi julgado por traição pela Lex Mamilia, foi encontrado culpável e condenado em virtude desta lei.[3]

Referências

  1. Fasti Capitolini [em linha]
  2. Salústio Jugurta 35, 36, 39, 44; Orósio Histórias Livro iv. 15; Eutrópio Breviário Livro iv. 26
  3. Cícero Brutus 34; Comp. Salústio Jugurta 40
Precedido por:
Públio Cornélio Cipião Nasica e Lúcio Calpúrnio Béstia
Cônsul da República Romana com Marco Minucio Rufo
110 a.C.
Sucedido por:
Quinto Cecílio Metelo Numídico e Marco Júnio Silano